Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged H G Wells

‘A guerra dos mundos’ ganha edição com ilustração de brasileiro

0
'THE WAR OF THE WORLDS' A Martian machine contemplates the drunken crowd Date: First published: 1898 - Rights Managed / Mary Evans Picture Library

‘THE WAR OF THE WORLDS’ A Martian machine contemplates the drunken crowd Date: First published: 1898 – Rights Managed / Mary Evans Picture Library

 

Alessandro Giannini, em O Globo

SÃO PAULO – Principal atrativo de uma nova edição de “A guerra dos mundos’’ (Suma das Letras), que chegou às livrarias este mês, os desenhos do brasileiro Henrique Alvim Corrêa (1876-1910) ilustraram uma versão do romance de H.G. Wells (1866-1946) publicada em 1906, na Bélgica, onde o artista estava radicado. Modernas e representativas da violenta invasão marciana à Terra, as ilustrações impressionaram Wells, que se tornou amigo de Alvim Corrêa. O título, como outras obras do autor, entra em domínio público em janeiro de 2017.

— Do ponto de vista do leitor, acho que é a edição mais acessível com as ilustrações do artista brasileiro. Em uma pesquisa rápida que fiz, houve uma edição anterior que também tinha os desenhos, mas era sofisticada demais e com preço muito alto — diz o escritor e compositor Bráulio Tavares, autor do prefácio da obra.

Desenho do brasileiro Henrique Alvim Corrêa para edição belga de ‘A guerra dos mundos’ publicada em 1906 - Divulgação

Desenho do brasileiro Henrique Alvim Corrêa para edição belga de ‘A guerra dos mundos’ publicada em 1906 – Divulgação

 

Invasões extraterrestres de alienígenas tecnologicamente desenvolvidos e extremamente violentos são comuns hoje na ficção científica, seja na literatura, no cinema ou nos videogames. No fim do século XIX, no Reino Unido, não era bem assim, até porque o gênero, chamado então de “romance científico’’, ainda não florescera. Ao imaginar marcianos hostis e armados até as antenas com raios de calor, prontos para varrer a Humanidade do mapa e controlar os recursos naturais do planeta, Wells fazia um alerta ao Império Britânico sobre sua política colonizadora e predatória:

— Muitos críticos reagiram a essa descrição dos marcianos. E Wells respondia que não entendia o estranhamento, afinal, era o mesmo tipo de comportamento dos britânicos quando invadiam suas colônias — diz Tavares.

WELLS encontra welles

O volume tem capa dura e traz ainda uma introdução do autor americano de ficção científica Brian Aldiss, membro da H.G. Wells Society, além de um posfácio com a transcrição de uma entrevista concedida por Wells ao cineasta americano Orson Welles (1915-1985), em 1940, para uma rádio de San Antonio, no estado americano do Texas. Dois anos antes, Welles havia adaptado “A guerra dos mundos’’ em uma novela radiofônica que, reza a lenda, teria causado pânico em cidades remotas dos Estados Unidos.

— Essa entrevista é muito curiosa e foi tirada de um áudio que pode até ser encontrado na internet — diz Tavares. — Em determinado momento, eles falam de um filme que Welles estava fazendo. Era sua estreia na direção de cinema e trazia uma série de revoluções tecnológicas. Welles diz o título, “Cidadão Kane’’, mas Wells não entende direito.

 

6 livros de ficção científica que todo o geek precisa ler

1

geeks

Publicado no Geekness

Os nerds são uma espécie fascinante que se espalha e prolifera em diversas áreas do conhecimento. Alguns são praticamente paladinos modernos, aficionados por todo o tipo de fantasia medieval. Outros mergulham na cultura oriental e saem lendo tudo de trás pra frente, imitando jutsus e outros marcos da cultura nipônica. Mas, hoje, vamos tratar daqueles nerds obcecados pela ciência, pelas implicações humanas da robotização, pelos delírios na realidade virtual e pelas incursões tripuladas ao espaço desconhecido.

Alguns são obrigatórios na estante (ou no Kindle!) de qualquer geek. Confira seis livros de ficção científica que são mais do que essenciais, mas não se esqueça de deixar nos comentários os livros que marcaram a sua vida e que você recomenda:

livro Duna, de Frank Herbert6) Duna – Frank Herbert

Alguns veteranos devem conhecer Dune 2 como um dos pioneiros jogos de RTS para computadores. O jogo, assim como o extremamente maluco filme de David Lynch, são baseados no clássico de Frank Herbert, lançado em 1965. Herbet criou um intrincado universo que gira em torno de um recurso natural valiosíssimo encontrado apenas no desértico planeta Arrakis. A estrutura de casas nobres disputa o controle desse recurso natural e uma espécie de elo entre a ficção científica e a fantasia se criou neste épico, que pode ser até meio confuso, mas obrigatório livro.

 

 

 

A Máquina do Tempo – H.G. Wells5) A Máquina do Tempo – H.G. Wells

Lançado em 1895, este clássico pioneiro é um dos responsáveis pela popularização do conceito da viagem do tempo na literatura de ficção científica. Mesmo sendo um dos primeiros experimentos,A Máquina do Tempo traz uma ideia bastante inovadora que não foi muito explorada em outras obras: o protagonista, que não é nomeado pelo autor, é um cientista da Era Vitoriana que consegue construir um dispositivo que o leva para o distante ano de 802.701 D.C.

Lá, o viajante encontra uma sociedade aparentemente paradisíaca de humanoides frágeis; os Eloi, incapazes de qualquer esforço físico e demasiadamente desinteressados em qualquer forma de conhecimento. Sustentando esse aparente paraíso, estão os violentos e noturnos Morlocks (se você pensou em X-Men, você é dos meus), que vivem no submundo e mantém as máquinas e indústrias necessárias para manter os Eloi vivos.

O interessante é ver como Wells trabalha bem os temas da distopia e da utopia, com o argumento de que as adversidades mantém a espécie humana sempre se superando: como os Eloi chegaram ao ápice do desenvolvimento e não precisavam mais sequer pensar para sobreviver, definharam pela inatividade.

Vale lembrar que o autor também é responsável por A Guerra dos Mundos, um clássico sobre a invasão de alienígenas à Terra que virou um fenômeno quando lido por Orson Welles no rádio com uma dramatização que pegou bastante gente desprevenida e causou pânico em massa. Ah, é, teve também o filme do Tom Cruise, mas é melhor deixar esse aí pra lá.

 1984 – George Orwell4) 1984 – George Orwell

A distopia é um tema recorrente em obras de ficção científica e poucas são mais icônicas que a descrita por George Orwell em1984. Lançado em 1948, o livro mostra uma sociedade na qual um regime totalitário comanda com mão de ferro todos os aspectos da vida civil. Temos a figura enigmática do Grande Irmão nos vigiando todos por meio da Teletela – um dispositivo ligado 24h por dia nas casas de todos os cidadãos, uma espécie de TV bilateral que mostra a programação do governo e, ao mesmo tempo, vigia os movimentos das pessoas e as pune até mesmo por pensar coisas contrárias ao regime.

Em tempos de Patriot Act, nos EUA, e outros duros golpes na privacidade online, não dá para não ler 1984 como uma espécie de profecia sinistra que se aproxima cada vez mais da realidade.

 

Andróides Sonham com Ovelhas Elétricas? – Philip K. Dick3) Andróides Sonham com Ovelhas Elétricas? – Philip K. Dick

Este livro do viajante Philip K. Dick é a inspiração por trás do clássico Blade Runner, de Ridley Scott e, apenas por isso, já seria elevado ao status de leitura obrigatória. Lançado com o instigante título de Do Androids Dream of Electric Sheep? (ou Andróides Sonham com Ovelhas Elétricas?, em tradução livre), o livro é um marco filosófico na ficção científica, com questionamentos fantásticos acerca do tema.

Uma grande inovação do livro está nos próprios androides, chamados no filme de replicantes. Apesar de serem construções biológicas indistinguíveis dos humanos, eles não possuem reações de empatia e são considerados máquinas que, caso saiam da linha, precisam ser exterminadas. Leia nossa crítica.

 

 

Eu, Robô – Isaac Asimov2) Eu, Robô – Isaac Asimov

Asimov é um dos pais da ficção científica moderna. Em 1950, publicou uma antologia de contos sobre robótica que mudou a percepção da humanidade acerca da inteligência artificial. De lá, saíram as três leis da robótica, um sistema que visa proteger os humanos de seus servos biônicos. São elas:

1ª Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por meio da inação, deixar um humano se ferir.

2ª Lei: Um robô precisa seguir ordens dadas por um humano, a menos que essas ordens entrem em conflito com a 1ª Lei.

3ª Lei: Um robô precisa proteger sua própria existência, a menos que isso entre em confronto com as duas leis anteriores.

Só de ler isso, você já está moderadamente mais inteligente e apto a discutir em uma mesa de bar sobre os princípios básicos da robotização. De nada. Agora compre o livro.

O Guia do Mochileiro das Galáxias – Douglas Adams1) O Guia do Mochileiro das Galáxias – Douglas Adams

Pare tudo o que você está lendo e vá buscar o Guia. Lá, você vai encontrar, em letras amigáveis, uma frase que deve te acompanhar em todos os momentos de sua vida, especialmente os mais desesperadores: Não entre em pânico.

O Guia do Mochileiro das Galáxias é o primeiro de uma série de cinco livros (alguns melhores que os outros, mas todos essenciais, que são: O Restaurante no Fim do Universo; A Vida, O Universo e Tudo Mais; Até Mais e Obrigado Pelos Peixes; e Praticamente Inofensiva) que conta a história de Arthur Dent, um homem britânico comum, sem maiores aspirações a absolutamente nada, que acaba se vendo na posição de um dos últimos sobreviventes da raça humana após a explosão do planeta.

Uma vez no espaço, ele se encontra com o maluco presidente da galáxia, Zaphod Beeblebrox, com uma antiga paixonite, Trillian, e com toda a sorte de personagens malucos no espaço, como uma vaca que se oferece para ser o jantar, um imortal que traçou como missão ofender todas as pessoas vivas no universo e uma banda (inspirada no Pink Floyd: Adams era amigo pessoal de alguns integrantes da banda) que faz um show tão alto que os músicos precisam tocar em um bunker localizado em outro planeta.

Pela premissa, você já vê que o livro não se leva muito a sério e esse talvez seja o melhor elemento do Guia. Por meio de críticas ácidas e extremamente inteligentes, sem perder o humor absurdo típico dos britânicos, Adams desconstrói os vícios e burocracias da humanidade, além da nossa comicamente infrutífera busca pelo sentido da vida, do universo e tudo mais. O livro acabou gerando uma adaptação praticamente inofensiva para o cinema, que, ainda contando com nomes de peso como Martin Freeman, Sam Rockwell, Zooey Deschannel e John Malkovich no elenco, não empolgou nem os fãs, nem a crítica.

As bicicletas na literatura e na (por vezes trágica) vida real

0

Publicado em O Globo

O jornal espanhol El País publicou nesta segunda-feira um texto do escritor Antonio Muñoz Molina, membro da Real Academia Española, sobre ciclistas. Molina começa falando sobre a presença das bicicletas nas artes, na literatura, no cinema (pra música não ficar de fora, coloquei um vídeo bacaninha de “Bike”, do Pink Floyd, ali embaixo). Depois, passa a relatar um triste caso de atropelamento recentemente ocorrido em Madrid. Acho que os comentários dele sobre o trânsito e o sistema judiciário espanhol vão ressoar nos corações dos leitores brasileiros.

“A bicicleta é uma máquina tão literária que recém-inventada já começou a circular pelos livros. Relendo “Misericórdia”, descobri algo que não lembrava desse romance assombroso, publicado em 1897: um dos personagens aluga uma bicicleta para ir de Madrid ao Pardo. Na Madrid de subúrbios macabros e personagens desgarrados de Valle-Inclán, essa bicicleta insuspeita é um sobressalto ágil da vida moderna em meio ao atraso, obscurantismo, injustiça crua e pobreza. Quem quiser saber mais sobre ela, pode imaginá-la elevada e veloz, democrática, futurista, circulando entre carroças lentas e carruagens arrogantes da aristocracia.

Marcel Proust via fraqueza em todas as formas de transporte moderno, em particular os automóveis e os aviões, mas quando quis retratar a primeira visão das “jovens em flor” que deslumbram um adolescente durante um passeio marítimo as descreveu montadas em bicicletas, avançando em bandos com os vestidos desportivos livres de adornos barrocos e espartilhos que permitiram que as mulheres adotassem o hábito do ciclismo na virada do século.

H. G. Wells observou que cada vez que via um adulto em cima de uma bicicleta crescia sua confiança na possibilidade de um mundo melhor.

Há relatos de que Henry James tentou aprender a pedalar, mas com consequências desastrosas. Se lançou por uma estrada rural e perdeu o controle da bicicleta, atropelando, sem gravidade, uma menina que brincava na porteira de uma fazenda. Que essa menina tenha se tornado Agatha Christie é dessas coincidências que assombram os aficcionados da literatura e do ciclismo.

Ramón Casas gostava de sugerir um erotismo moderno nas mulheres ciclistas, mulheres em automóveis, mulheres fumantes. Em um de seus melhores contos escritos em espanhol, e também um dos mais tristes, “La cara de la desgracia”, Juan Carlos Onetti toma de Proust o tema do verão e da mulher na bicicleta. Mas quem a vê passar de um balcão é um homem desolado que graças a ela revive, desfazendo-se em desejo e ternura.

Uma figura numa bicicleta é passageira, mas não tão rápida que seja também fugaz. A verticalidade necessária favorece o perfil. O ritmo da pedalada ressalta a beleza das pernas.

O ápice da arte inspirada em torno das bicicletas talvez seja um curta de François Truffaut de 1957, “Les mistons”, um poema visual de 17 minutos feito de longos planos sinuosos de uma mulher muito jovem, a atriz Bernadette Lafont, pedalando descalça, as pernas nuas, o vestido branco agitado pela brisa da velocidade.

A bicicleta é uma máquina silenciosa e perfeita, como um veleiro, tão prática que causa assombro também ser poética.

As bicicletas são para o verão, disse um pai ao filho adolescente na comédia triste na qual Fernando Fernán-Gómez pôs o melhor de seu talento e a verdade de sua memória e imaginação. Sobre o infortúnio de se crescer numa cidade em guerra e a saudade de um pai que era maior e mais nobre por, no caso de Fernando, ser um pai inventado.

O verão pode ser um modesto paraíso para os fãs das bicicletas, sobretudo para os ciclistas urbanos que lidam com o tráfego nos dias de trabalho, mas nas cidades espanholas, que com duas ou três exceções são hostis para quem se atreve a pedalar, assim como com qualquer um que tente exercer o direito soberano de caminhar de um ponto a outro. E também, desde cedo, para os lentos, os distraídos, os idosos.

Quando se volta de países com o tráfego mais civilizado, é difícil se adaptar à agressividade dos motoristas na Espanha. Nova York não é exatamente Amasterdã ou Copenhagen nas facilidades que oferece aos ciclistas, mas quando venho de lá para Madrid e saio na rua, me imponho uma mudança instintiva de atitude.

É preciso estar muito mais alerta, na defensiva, atento sempre a acelerações bruscas. É preciso acostumar-se ao fato de que a visível fragilidade raramente gera maior cuidado – alguns motoristas se tornam ainda mais agressivos contra os mais frágeis, como se despertasse neles uma impaciência que leva a acelerar sobre a faixa de pedestres, ou deixa passar quem vai mais lento contendo o impulso do motor como quem trinca os dentes. Como se caminhar lentamente fosse uma ofensa que merece o desprezo e punições ocasionais.

Às 7h, hora do frescor da manhã, no silêncio das ruas amplas e vazias nas quais alguém pode pedalar com mais velocidade, também pode acontecer o choque. As bicicletas são para o verão, para o exercício saudável e a mobilidade sem emissões tóxicas, mas não têm defesa contra a barbárie.

As bicicletas são para o passeio despreocupado, mas também para a ida diária ao trabalho.

Óscar Fernández Pérez, um garçom de 37 anos, ia para o sul de Madrid na quarta-feira, 6 de agosto, quando foi atropelado por um motorista que fugiu e o deixou agonizando na rua. Óscar Fernández Pérez está morto e o infeliz que o matou não tem motivos para preocupação.

Em 2012 foi preso por dirigir bêbado, de forma “negligente e temerária”, e lhe tomaram a carteira. Mas em fevereiro desse ano já havia voltado a conduzir. Com esse histórico, e tendo fugido depois de matar um ciclista, era de se esperar que a justiça o tratasse com algum rigor. Mas em nosso país as leis e o sistema judicial quase sempre protegem os poderosos contra os mais frágeis, os corruptos contra os honrados, os bárbaros contra as pessoas afáveis, os motoristas contra os ciclistas ou pedestres.

O golpe que matou Óscar Fernández Pérez foi tão forte que sua bicicleta despedaçada voou a 15 metros do seu corpo. Mas o juiz considerou que o motorista sem carteira que o atropelou e não teve sequer a compaixão de parar para ajudá-lo merece se defender em liberdade. Ele foi denunciado por homicídio culposo, por imprudência. A pena por acabar com uma vida é de um a quatro anos.

José Javier Fernández Pérez, irmão de Óscar, resumou o caso melhor que ninguém, com poucas palavras, muito verdadeiras: “A justiça é uma merda. Matar sai muito barato nesse país”.”

Agatha Christie sofria de Alzheimer?

0

Publicado no Ípsilon

 

Estudo da Universidade de Toronto analisa textos da autora e conclui que a diminuição nas capacidades de escrita foi causada pela doença de Alzheimer

 

Um estudo realizado por Ian Lancashire e Graeme Hirst da Universidade de Toronto concluiu que Agatha Christie (1890-1976) sofria de Alzheimer. A investigação analisou 16 romances (15 policiais e um thriller), escritos entre os 28 e 82 anos, e observou uma diminuição no número de palavras diferentes utilizadas, e um aumento na utilização de substantivos ou pronomes indefinidos e no número de frases repetidas.

Apesar de à escritora não ter sido diagnosticada a doença, os investigadores concluem que as mudanças verificadas na linguagem eram “sintomas de dificuldade de memória associada com a doença de Alzheimer”, dizem num comunicado colocado no site da universidade, e que não se tratava apenas da perda de memória típica de um envelhecimento normal.

A análise destes parâmetros mostrou que a capacidade de escrita de Christie é afectada ao longo dos anos, mas a diminuição é notória entre “Destino Desconhecido”, escrito aos 63 anos, e “Os Elefantes têm Memória”, escrito aos 81.

Em 2004, um estudo semelhante liderado por Peter Garrard, da University College London, analisou as obras da irlandesa Iris Murdoch (1919-1999), a quem foi diagnosticado Alzheimer em 1996. Tal como em relação a Agatha Christie, foi verificada uma diminuição do vocabulário utilizado e uma perda na capacidade de escrita que seriam sintomas da doença. O estudo concluía ainda que uma análise da escrita poderia detectar a doença antes de outros meios, recorda o “Guardian”.

Os investigadores de Toronto vão continuar a estudar a obra de Agatha Christie e pretendem também começar a estudar a de H.G. Wells (1866-1946).

Go to Top