Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged habilidades de leitura

A leitura faz você feliz: 10 boas razões para ler mais

0

Gisella Meneguelli, no Green Me

Ler não é apenas fundamental: é necessário! Um livro nos coloca em contato com o outro, nos tira de nós mesmos, nos faz lançar um novo olhar para o mundo. Além de ser uma ótima companhia!

Quando lemos, ficamos sabendo sobre assuntos que não conhecíamos ou dos quais sabíamos muito pouco. O nosso repertório cultural se amplia quando entramos em narrativas imaginárias.

A nossa capacidade imaginativa fica mais elástica e menos formatada, sobretudo, quando é tão fácil termos a mão um smartphone com conteúdos selecionados de acordo com o nosso perfil. A leitura de um livro nos dá uma liberdade de trânsito por outros universos culturais com muito mais solidez do que as fórmulas prontas das redes sociais.

Por isso, aqui estão as 10 razões pelas quais vale a pena você ler mais:

1. Os protagonistas das histórias que preferimos estão de alguma forma relacionados com a nossa vida. Alguns estudos sugerem que muitas pessoas se lembram de ter lido pelo menos uma história que tenha mudado suas vidas e que isso leva a mudanças reais no cérebro. Em suma, alguns personagens podem “influenciar” nosso modo de pensar e nosso comportamento. Também por esta razão é importante escolher não casualmente o que se lê ou o que se lê para uma criança.

2. Estreitamente ligado ao ponto anterior, a leitura gera empatia. A leitura, de fato, leva a uma espécie de simulação de experiências sociais e, portanto, a uma maior empatia com os outros, a uma maior criatividade e a um comportamento cooperativo.

3. Regularmente a leitura de romances aumenta a conectividade de diferentes áreas do cérebro, incluindo as associadas ao processamento linguístico e à resposta sensorial primária, o que ajuda a compreender e visualizar o movimento. E, de acordo com o estudo publicado na revista Brain Connectivity, isso permanece mesmo depois de terminar o livro.

4. Ler um livro estende sua vida. De acordo com a pesquisa da Universidade de Yale em New Haven, de fato, os leitores, independentemente do sexo e estilos de vida, vivem dois anos mais do que aqueles que não tocam em uma folha.

5. A leitura ajuda no desenvolvimento das crianças: a leitura em voz alta para os filhos é um hábito precioso porque estimula o cérebro e melhora o desenvolvimento da linguagem.

6. A leitura combina o sono: ler antes de ir dormir é um bom hábito por vários motivos, sendo um deles adormecer mais sereno.

7. Reduz o estresse e previne ansiedade e depressão: estudos epidemiológicos descobriram que muitos pacientes que sofrem de ansiedade e depressão tiveram um declínio nos sintomas ao ler constantemente romances. Por outro lado, também foi demonstrado que a leitura relaxa os sentidos.

8. Ler em voz alta para cães ajuda as crianças. Parece estranho, mas não é. De fato, uma pesquisa mostrou que ler em voz alta para um cachorro pode ajudar as crianças em idade escolar a melhorar suas habilidades de leitura e construir relacionamentos positivos com os livros e a escola.

9. A leitura abre a mente e cura as feridas da alma porque uma história se conecta com o mundo, fornece incentivos para sair de uma dificuldade ou inconveniente, ajuda a enfrentar o medo de falhas e dores e a entender que elas fazem parte da vida.
10. A leitura estimula toda a atividade cerebral e aumenta a conectividade do cérebro, é um remédio para a memória e, em geral, para todas as funções cognitivas.

Ficou convencido de que ler faz bem para o corpo e para a alma? Vale ler romance, poesia, biografia, enfim, qualquer livro que lhe dê prazer, felicidade ou que o faça sair do eixo!

A educação no Brasil que deixa mais de 1 milhão de crianças para trás

0
 Antônio Cruz / Agência Brasil Mais de um milhão de alunos do ensino fundamental tiveram desempenho insuficiente em leitura e matemática em 2016.

Antônio Cruz / Agência Brasil
Mais de um milhão de alunos do ensino fundamental tiveram desempenho insuficiente em leitura e matemática em 2016.

 

Maioria dos alunos do ensino básico leem de forma truncada e apenas frases simples, não foram alfabetizados adequadamente e não conseguem responder a itens de provas.

Publicado no HuffpostBrasil

Por Mônica Gardelli Franco*

Saber ler e escrever com fluência é um direito de todos. Dominar a leitura e a escrita é um passo importante, não apenas para acessar e construir novos conhecimentos nas mais diferentes áreas, como também para potencializar o exercício da cidadania. Contudo, neste 14 de novembro, Dia Nacional da Alfabetização, temos pouco a celebrar: o Brasil tem fracassado na tarefa de alfabetizar os estudantes ao longo da História.

Exemplo disso são os resultados da última Avaliação Nacional de Alfabetização. Em 2016, foram avaliados mais de dois milhões de alunos do 3º ano do ensino fundamental de praticamente todas as escolas públicas do País. Os dados demonstram que mais de um milhão tiveram desempenho insuficiente em leitura e matemática. Não é possível aceitar que estados como o Amapá tenham oito em cada dez estudantes do 3º ano com nível insuficiente em leitura.

Como a prova foi aplicada no final de 2016, provavelmente essas crianças estão concluindo agora o 4º ano do ensino fundamental. Esse dado nos desafia a tomar providências imediatas. Não podemos deixar que, no futuro, elas venham a fazer parte das estatísticas de adultos que, apesar de terem concluído o Ensino Médio, são considerados analfabetos funcionais.

Segundo o último Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf), entre as pessoas que cursaram algum ano ou concluíram o Ensino Médio ,”apenas 9% não demonstram restrições para compreender e interpretar textos em situações usuais e resolvem problemas envolvendo múltiplas etapas, operações e informações”.

Frente a essa grave realidade, o Brasil tem dois grandes desafios que precisam ser enfrentados simultaneamente. O primeiro deles é garantir que as crianças que a cada ano ingressam na escola tenham um ensino de qualidade e, por consequência, uma trajetória escolar exitosa. Ao mesmo tempo, não podemos esquecer os estudantes não alfabetizados que, felizmente, seguem matriculados nos ensinos fundamental e médio.

A vida não espera. Nossas crianças estão crescendo e quem vai pagar o preço é a sociedade brasileira, que terá um prejuízo incomensurável. Não atacar esses dois obstáculos é perpetuar uma realidade na qual uma parcela significativa da população brasileira seguirá enfrentando inúmeras dificuldades cotidianas, seja na inserção no mercado de trabalho, seja nas mais diversas esferas do mundo social.

Infelizmente, é preciso ter clareza de que os resultados da Avaliação Nacional de Alfabetização não são novidade. Desde as primeiras edições do Sistema de Avaliação da Educação Básica, no início dos anos 1990, as avaliações já demonstravam que uma parcela significativa dos estudantes chegava ao final da antiga 4º série do ensino fundamental com baixa proficiência em leitura.

Em 2001, por exemplo, 59% dos alunos estavam nos níveis “muito crítico” ou “crítico”, menos de 5% nos estágios “adequado” e “avançado”, e 36,2% no “intermediário”. Isso significa que a maioria dos alunos não eram leitores competentes; liam de forma truncada e apenas frases simples ou não desenvolveram habilidades de leitura; não foram alfabetizados adequadamente; e não conseguiam responder aos itens da prova.

Mas por que, então, não avançamos? Como garantir que todas as crianças que ainda não estão alfabetizadas sejam leitoras e escritoras? Quais medidas corretivas e preventivas podem ser tomadas para superar esse cenário e, principalmente, para que ele não volte a se repetir?

Nos últimos 20 anos, muitos programas e ações foram criados por governos com o propósito de assegurar que as crianças sejam efetivamente alfabetizadas nos primeiros anos do ensino fundamental.

No âmbito federal, podemos citar alguns deles como o Programa de Formação de Professores Alfabetizadores, Pró-Letramento, Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, e agora o Mais Alfabetização, anunciado pelo Ministério da Educação no final de outubro.

Não é possível alcançar esses objetivos sem políticas de Estado sólidas e contínuas, que não sejam realizadas em caráter suplementar e efetivamente cheguem a todas as escolas do País, e não apenas em municípios e estados que têm capacidade técnica ou recursos para realizar essas ações. É preciso ainda assegurar condições materiais e físicas, além de formação continuada de qualidade para professores, coordenadores pedagógicos e formadores das redes.

É verdade que também tivemos avanços. Temos uma vasta literatura e muitos estudos que permitem compreender melhor como formar leitores e escritores proficientes. Todavia, há uma lacuna em como traduzir esse conhecimento para a sala de aula, em práticas pedagógicas intencionais e eficazes que respondam ao desafio da consolidação e desenvolvimento do processo de alfabetização. Sem isso, dificilmente conseguiremos garantir que todos os alunos possam ler, compreender e produzir textos com competência, de forma autônoma.

Precisamos apoiar os educadores, construir uma relação de confiança que possibilite que as escolas sejam efetivamente centros de pesquisas, com investigação, revisão e construção de práticas pedagógicas e de metodologias que possibilitem aos alunos avançarem em seus conhecimentos.

*Mônica Gardelli Franco é superintendente do Cenpec.

Genética não é destino: ambiente e educação têm peso maior quando se trata de inteligência

1

inteligencia

Publicado no Hypescience

A inteligência é uma das características mais estudadas na genética comportamental. Ela se relaciona com outras características como fonte de renda, expectativa de vida e até felicidade.

Pesquisas sugerem que o desempenho acadêmico, habilidades de leitura e QI têm bases genéticas. Isso reforça a noção popular de que a inteligência “está em nossos genes”. Esse tipo de pensamento, porém, pode fazer com que comunidades rejeitem medidas educacionais com base no argumento de que investir no ambiente não vai afetar significativamente capacidades inatas. Isso aconteceu na década de 1960, nos Estados Unidos, em um caso que será explicado abaixo.

Os genes, porém, não são destino. Há boas evidências de que o ambiente em que a criança cresce interfere diretamente em sua inteligência.

Genética e inteligência

Genes podem atuar em uma variedade de formas para produzir seus efeitos. Alguns genes podem alterar a química cerebral, fazendo com que uma pessoa aprenda com maior facilidade. Outros genes podem causar diferenças comportamentais, fazendo com que a pessoa prefira frequentar ambientes mais estimulantes para os estudos.

É possível que a inteligência seja mais influenciada pelo segundo tipo de genes, os comportamentais, do que pelos primeiros. Isso significa que a criação de uma pessoa e o ambiente que em ela está inserida importa tanto quando os genes da inteligência.
O que torna uma pessoa mais inteligente?

Ao tentar analisar a inteligência, pesquisadores se depararam com um problema metodológico: como saber se os melhores resultados em testes são causados por um gene que atua diretamente na inteligência ou se há outro fator indireto envolvido?

Por exemplo: e se a criança que mostra melhores resultados em uma prova de leitura faz isso porque gosta mais do cheiro de livros do que a outra? Neste caso, o gene faria com que a criança gostasse do cheiro de livros, enquanto a outra o detestaria. A primeira criança viveria rodeada por livros, enquanto a segunda fugiria deles. Consequentemente, tiraria maior nota no teste de leitura.

Este exemplo pode parecer bobo, mas é apenas uma forma de mostrar que há muitos outros fatores envolvidos na habilidade de leitura além da própria inteligência. Neste caso, o gene envolvido na habilidade de leitura nem era o da inteligência em si, mas sim o do gosto olfativo, e isso causou diferenças no ambiente frequentado pelas duas crianças.

Natureza x ambiente

A personalidade e temperamento de uma pessoa fazem com que ela prefira frequentar um tipo específico de ambiente.

Uma criança confiante, por exemplo, tem mais chances de procurar uma atividade educativa extracurricular, enquanto outra mais insegura pode preferir evitar esse tipo de desafio. Crianças mais extrovertidas podem passar menos tempo em um ambiente que estimule o estudo do que aquelas que gostam de passar tempo sozinhas.

Por isso, os pesquisadores devem levar em consideração essas características no estudo da inteligência. Se os resultados são interpretados de forma prematura ou incorreta, eles podem trazer consequências desastrosas para o planejamento educacional de uma sociedade.

Programa Head Start

Uma dessas situações aconteceu na década de 1960, quando o geneticista Arthur Jensen criticou o programa educacional norte-americano Head Start (“vantagem inicial”, em tradução livre). No programa, crianças de famílias em situação de risco começavam o ensino fundamental com algumas semanas de antecedência, ainda durante as férias, para que recebessem atenção especial em preparação para a primeira série.

Jensen dizia que intervenções desse tipo nunca trariam bons resultados no desempenho das crianças, já que a inteligência seria apenas genética, sem relação com o ambiente. Para ele, o programa era um grande desperdício de dinheiro público.

Essa afirmação trouxe grandes discussões sobre o racismo e preconceito, já que a maioria das crianças inscritas no programa eram afrodescendentes. Por fim, o Head Start foi mantido até hoje, sendo que até 2005, 22 milhões de crianças participaram dele.

A verdade é que ainda há muito a ser estudado sobre a inteligência, e determinar que uma pessoa tem ou não tem possibilidades intelectuais com base apenas no seu histórico familiar ou genético seria injusto. [Medical Express]

Go to Top