Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged hábito da leitura

Conheçam 8 Motivos para se Tornar/Ser um Leitor

0

girl_reading_2-wallpaper-1366x768-1200x720

Publicado por Alana Rosé

A leitura é o melhor hábito que alguém pode ter. Pessoas que leem tem um mundo mais abrangente, que vai além do que vemos e vivemos em nosso dia a dia. Ser um Leitor é a melhor coisa que podemos escolher, pois, além dos benefícios que citarei em seguida, nunca estaremos sozinhos. Seja onde for, podemos ter sempre um Livro companheiro para nos entreter. Então, confiram 8 Motivos para se Torna/Ser um Leitor.

1 – Entretenimento sempre: A leitura é a melhor maneira de se divertir/entreter. Ser um Leitor é sempre estar mergulhado na história do momento. Sem contar que livros sempre será o assunto na roda de amigos, isso é, se seus amigos forem leitores também. Além do mais, quando lemos, entramos em um mundo diferente, nos levando para boas aventuras. Isso é ótimo!

2 – Conhecer novos lugares: Sim, um leitor viaja e visita lugares incríveis sem sair de onde esta. Não é sempre que decidimos pesquisar e conhecer determinado lugar. E é por isso que a leitura é um ótimo meio para tal feito. Ao lermos um livro, não escolhemos nem sabemos onde se passará a história, isso nos permite conhecer lugares diversificados. Algumas pessoas preferem até pesquisar sobre o local após ou durante a leitura. Isso ajuda na imaginação, pois no dá mais clareza.

3 – Conhecer novas culturas: É claro que ao conhecermos lugares novos, conhecemos também culturas novas. Muitas vezes a história nem precisa se passar diretamente num determinado lugar mas, fala sobre a cultura e o costume do local. Como é nos livros que se encontra as mais variadas histórias, classes, pessoas e locais, é um ótimo para se obter conhecimento.

072fb4d407957a590234e36ea3673f0b-e1487293751511

4 – Exercitar a mente: A leitura é um ótimo estimulante cerebral. Assim como o exercício físico e boa alimentação fazem bem para nosso corpo, a prática da leitura faz bem ao nosso cérebro. Com isso, estaremos aperfeiçoando a mente e adquirindo muito mais sabedoria.

Livros são formidáveis!

5 – Melhoria no vocabulário: A vantagem do leitor está no aprendizado sem pressão. Como brevemente mencionado acima, cada livro se passa em tempo, situações, pessoas e classes diferentes. O que nos oferece um extenso vocabulário com palavras que muitas vezes nem sabíamos que existia. quanto mais lermos, mais nosso vocabulário será melhor.

6 – Diminuir a tensão: Se o seu dia foi estressante e você está na duvida se lê ou não seu livro. Leia. A leitura tem o dom de nos fazer relaxar e esquecer os problemas do dia a dia. É claro que dependendo do livro, acabamos presenciando os problemas dos personagens. Mas acredite, é menos estressante acompanhar os problemas deles do que os nossos.

cc655aca92e78df72f70d2057c948f34

7 – Ter boas noites de sono: Se quer ter uma boa noite de sono, leia antes de dormir. Já que a leitura nos faz relaxar, nada melhor do que ler na hora de ir dormir, pois nos desliga de tudo ao nosso redor. Ainda mais se está com insônia mas deseja muito descansar.

8 – Livros são práticos: Entrando no embalo para diminuir o estresse, o livro é uma ferramenta em que podemos ler a qualquer hora e em qualquer lugar. Então, está numa fila, no ônibus ou em algum lugar que esteja chato e dê pra ler. Não perca a oportunidade. Por isso, sempre carregue um livro em sua bolsa. 😉

E esses são alguns dos inúmeros benefícios de ser um leitor. Se você ainda não é, não perca mais tempo… Ler é a melhor escolha da qual fazemos. Faça essa ótima escolha e a passe de geração para geração. 😀

Caiam na real: para ler mais, é preciso navegar menos

0
Livro X Celular | Afonso Borges

Livro X Celular | Afonso Borges

 

Afonso Borges, em O Globo

Qual a importância da leitura na sua vida? Quantos livros você lê por ano? Você acredita que pode ler, tranquilamente, cerca de 100 livros por ano? Tranquilamente! É só fazer contas.

Uma pesquisa indica que, em média, um norte-americano passa 608 horas por ano nas redes sociais. O tempo de televisão é ainda maior: 1.642 horas anuais. Vejam, só aí, são 2.250 horas, ou seja, 94 dias por ano nas chamadas distrações eletrônicas.

Vamos ao livro. Uma pessoa consegue ler, entre 200 e 400 palavras por minuto. Um livro de não-ficção tem, em média, 50 mil palavras. Em 100 livros, portanto, há 5 milhões de palavras. Vamos pelo mínimo, 200 palavras por minuto. Neste caso, a leitura de uma centena de livros levará 12.500 mil minutos, que perfazem 209 horas. Ou seja, para ler cem livros você gastaria, apenas, 9 dias ininterruptos, por ano. Resumo da ópera: se você gastar 30 minutos por dia lendo um livro, você vai consumir 100 livros por ano. Imagine se você ler uma hora por dia? 200 livros por ano.

MV Bill disse várias vezes que o livro salvou sua vida. Se não fosse a leitura, ele estaria como 95% dos seus amigos: mortos, ou presos. Amyr Klink fala em alto e bom som que tudo que ele aprendeu nas viagens saiu das páginas dos livros. Já fez mais de 40 trajetos pelo mundo e nunca, nunca machucou-se, nem nenhum de seus auxiliares, nos barcos. Resultado de muita leitura.

A matemática da leitura tem, nas redes sociais e na TV, o seu grande concorrente, infelizmente. Vamos encarar os fatos. Se você subtrair uma das seis horas diárias que passa nas distrações digitais e aplicar na leitura de um livro, você pode chegar na marca de 200 livros por ano. Se for muito sacrifício, dedique meia hora por dia e some, são 100 livros! Já passou da hora das pessoas entenderem que só através da leitura vão conseguir se formar e ser cidadãos e pessoas melhores, mais preparadas emocional e profissionalmente para vida – que não está fácil. E que é necessário subtrair das redes sociais o tempo para a leitura. A realidade está aí, clara: para ler mais, é preciso navegar menos.

Ler regularmente aumenta sua expectativa de vida, diz estudo

0

pazes-2-696x529

Publicado na Revista Pazes

Para manter a saúde, algumas medidas óbvias são essenciais: não fumar, fazer exercícios e ter uma boa dieta, por exemplo. Mas um novo estudo publicado no periódico Social Science and Medicine descobriu uma alternativa mais incomum. Segundo os pesquisadores, quem lê livros regularmente consegue viver por muito mais tempo.

Com testes envolvendo mais de 3 mil pessoas, eles perceberam que aqueles que dedicam mais tempo à leitura — cerca de 3 horas por semana — tendem a viver pelo menos dois anos a mais do que os participantes que não costumam ler. O resultado parece ter relação principal com a melhoria cognitiva adquirida durante a leitura. Outros fatores, como idade, sexo e nível de escolaridade, não representaram mudanças na pesquisa.

Durante 12 anos, o grupo dividiu os participantes em três grupos: quem nunca lia nada, quem lia por até 3,5 horas semanais ou menos e aqueles que liam por mais de 3,5 horas toda semana.

Mesmo no segundo grupo, a probabilidade dos leitores ocasionais morrerem nos anos seguintes já era 17% menor do que entre aqueles que não costumavam ler.

“Ao ler livros, parece que criamos uma vantagem de sobrevivência maior do que entre aqueles que não dedicam tempo a esse tipo de atividade”, observaram os cientistas. “A leitura envolve processos cognitivos que promovem a inteligência emocional, empatia e percepção social, características que sempre favoreceram a longevidade e sobrevivência humana.”

O estudo ainda ressalta que, por alguma razão, revistas e jornais não apresentaram os mesmos avanços cognitivos capazes de prolongar os anos de vida do leitor.

Como não deixar o amor pela leitura de lado

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

Se pensando no passado você lembra dos livros que leu, mas hoje só lê o feed do Facebook, é hora de resgatar seu amor à leitura

Publicado no Universia Brasil

O amor pela leitura é desenvolvido cedo na vida por muitas pessoas, mas com o andamento da vida e as crescentes exigências do mundo moderno, não difícil que esse prazer acabe ficando no passado. Mas nem tudo está perdido! Se você está sentindo a distância entre você e os livros crescendo, ou se eles já foram abandonados no passado, leia as dicas a seguir para não deixar o seu amor pela leitura de lado.

1. Tire leituras obrigatórias do caminho rápido
Se você está estudando, seja para o vestibular ou para a faculdade, a sua fila de leitura provavelmente tem alguns itens que você não quer ler de verdade. É inevitável, por mais que você ame ler, alguns livros vão ser chatos. Mas você tem que os ler.

Livre-se da tarefa o mais cedo possível: planeje o número de páginas ou capítulos que você deve ler por dia para terminar a leitura a tempo para poder ler o que você gosta sem culpa. Ficar adiando a leitura só faz com que ela se acumule e torne todas as outras leituras menos prazerosas porque você sabe que deveria estra fazendo outra coisa.

2. Leia o que você gosta
Amantes de livros caem facilmente na armadilha dos livros que você “tem que ler”. Livros complexos, que aquele amigo garantiu que vai mudar a sua vida, mas que você tem até medo de abrir. Não se torture com isso. Se você está lendo como entretenimento, escolha os livros que peguem a sua atenção, não os que você acredita que deveria ler. Não tenha medo da ficção, ou de ler um livro porque o filme foi bom. Afinal, a leitura não deveria ser encarada como um enobrecedor de caráter. É diversão.

3. Use seu tempo de transporte
A falta de tempo pode desencorajar a leitura, mas se você anda de ônibus, trem ou metrô, aproveite essas oportunidades para ler. Essas viagens são boas oportunidades para fugir para uma história, mesmo que você esteja cercado de trânsito. Ler no transporte faz o caminho passar mais rápido e o transito ficar menos estressante. Ao invés de ser uma perda de tempo no transporte público, é mais tempo para ler!

4. Tire os olhos do celular
Todos somos culpados de passar tempo demais no celular, fazendo nada por tempo demais. O tempo gasto olhando o feed do Facebook, esperando alguma coisa acontecer poderia ser usado para outras coisas infinitamente mais produtivas, como ler. O mundo moderno pode nos fazer acreditar que não temos tempo para fazer o que gostamos, mas a verdade é que nós simplesmente não usamos o nosso tempo do melhor jeito.

5. Leia novos autores
A regra principal de ler por prazer é que a leitura deve ser algo que você anseia fazer, algo que passa pela sua mente durante o dia inteiro. Isso não vai acontecer se você não atualizar sua lista de leitura. Novos autores abrem as portas para novos estilos de escrita, o que sempre incentiva você a voltar para o livro. Com esse incentivo você é capaz de encontrar mais tempo para colocar a leitura em dia.

Caminhos para combater a intolerância literária no Brasil

0

livros-download

É um absurdo completo a não obrigatoriedade de livros literários para o Enem. Ou para qualquer vestibular

Afonso Borges, em O Globo

O tema da redação do Enem foi estimulante: “caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil”. Para escrever sobre este assunto, os alunos precisam de uma coisa só: terem lidos livros. E será que isso foi feito? Querem apostar que a internet vai ficar recheada de teorias conspiratórias sobre a questão das igrejas evangélicas, eletrônicas e, principalmente, sobre os atentados terroristas?

É um absurdo completo a não obrigatoriedade de livros literários para o Enem. Ou para qualquer vestibular. Ou para qualquer prova classificatória para o ensino superior. Dou aqui sete motivos:

1. Muita gente tem birra da palavra “obrigatório”, aqui mal utilizada. A palavra certa deveria ser “selecionado”. E pronto. Normalmente, são dez livros. E é pouco. Só dez livros que devem ser lidos no curso de um ano, até a data de realização da prova. É pouco;

2. A maioria dos opositores à lista obrigatória alega que ninguém deve ser obrigado a nada. Esta teoria é covarde, porque transfere para um amigo imaginário, bem infantil, a eleição dos títulos que devem ser lidos para a prova do Enem. E pior: tira a responsabilidade do professor, em especial de literatura, de criar um método inteligente de abordagem e análise dos livros selecionados;

3. Está provado e comprovado que a lista de livros para o vestibular aumenta o índice de leitura no país. Muito a contragosto, os estudantes têm que ler. E quem lê, mesmo que obrigado neste momento, tem uma grande, imensa chance de ler outros, por vontade própria;

4. Vamos falar da literatura brasileira. A lista de livros para o vestibular é, tradicionalmente, um tremendo apoio aos autores brasileiros. Tem a lista dos clássicos, claro, sempre cai Machado de Assis, Graciliano Ramos, Clarice Lispector, Fernando Sabino, Rubem Braga. Mas a lista sempre inclui autores novos, e isso é um estímulo às vendas, ao mercado e à popularidade destes autores;

5. Para fazer o Enem não é necessário ler livro algum. Eles defendem a generalidade, que o estudante leia de tudo um pouco, porque pode cair qualquer coisa. Mas que teoria é esta? Se pode cair qualquer coisa, de preferência, o estudante não lê nada. Quando existe uma lista, existe critério, método, pesquisa e análise. Quando existe uma lista, cria-se um hábito. O estudante tem que ler estes dez livros;

6. Vamos falar dos critérios de escolhas dos livros. Olhem para o passado, vejam as listas. São todas, todas, ÓTIMAS. Os clássicos estão ali, mas sempre tem um Carlos Herculano Lopes, uma Lya Luft, um Moacyr Scliar, um Antonio Torres, um Luis Giffoni. Sem a lista, o que temos? Nada. Simplesmente nada. É a vitória da ausência de critério, da ausência de método, da frivolidade irresponsável com que o governo e o Ministério da Educação têm tratado a questão do livro nos últimos anos. Vai ver que é por isso que o governo parou de comprar livros para o ensino básico, coisa que vem sendo feita desde os tempos de Getúlio Vargas. Enfim, parei. Ah, falta o sétimo. O sétimo é cabal: a lista de livros obrigatórios formou leitores que, infelizmente — ou não —, começaram ali a sua vivência literária. Aqui é o Brasil, amigos, lembrem-se disso.

E fica aqui a minha sugestão para o tema de redação do ano que vem: “caminhos para combater a intolerância literária no Brasil”.

Afonso Borges é escritor e produtor cultural

Go to Top