Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Hiato

Papel e Película: um livro para ler no hiato de ‘The Walking Dead’

0

‘The Walking Dead: A Queda do Governador – parte 2’ já está a venda

Cena da quinta temporada de 'The Walking Dead' (Foto: Divulgação)

Cena da quinta temporada de ‘The Walking Dead’ (Foto: Divulgação)

Sarah Mund, na Revista Monet

Os novos episódios da quinta temporada de ‘The Walking Dead‘ só retornam em fevereiro e a maioria dos fãs está se perguntando como lidar com toda essa ausência (eu pelo menos estou… rsrsrs). Aqui vai minha sugestão: ‘The Walking Dead: A Queda do Governador – parte dois’.

O quarto livro da série escrita por Robert Kirkman e Jay Bonansinga encerra a trajetória do Governador (papel de David Morrissey na TV). Com mais personagens e a história ligeiramente diferente da mostrada no seriado, o volume retoma a narrativa depois de Michone (Danai Gurira na atração) torturar o líder de Woodbury.

The Walking Dead: A Queda do Governador - parte dois (Foto: Divulgação)

The Walking Dead: A Queda do Governador – parte dois
(Foto: Divulgação)

Depois que ele se recupera dos ferimentos, Philip Blake retoma a liderança com mais sede de vingança que nunca e começa a arquitetar o plano para atacar o presídio. Embora esse momento já tenha ficado no passado na cronologia da atração, é interessante acompanhar os acontecimentos da perspectiva dos moradores da cidade.

Isso se dá principalmente através das experiências de Lilly Caul, que parte do medo e ódio para passar a apoiar as decisões do Governador, desde que possa permanecer em segurança no lugar que acostumou chamar de lar. Ainda mais agora, que ela luta não só por si mesma, mas também pelo seu bebê ainda no útero.

CONFIRA CENAS DOS EPISÓDIOS INÉDITOS DE ‘THE WALKING DEAD’:

Autora de ‘Bridget Jones’ revela título e data de lançamento do novo livro da série

0

‘Mad about the boy’ estará nas prateleiras britânicas em outubro

A escritora Helen Fielding ficou 14 anos sem lançar um novo livro da série 'Bridget Jones' Divulgação

A escritora Helen Fielding ficou 14 anos sem lançar um novo livro da série ‘Bridget Jones’ Divulgação

Publicado por The Independent (via O Globo)

LONDRES – Faz muito tempo, mas Bridget Jones está de volta, e ainda está furiosa com garotos. Pelo menos segundo o título do novo romance de Helen Fielding, “Bridget Jones: Mad about the boy” (“Bridget Jones: Furiosa com o garoto”, em tradução livre), revelado nesta terça-feira.

O primeiro livro de Fielding, “O diário de Bridget Jones”, se tornou um bestseller internacional em 1996 e gerou a continuação “Bridget Jones: No limite da razão” três anos depois. Os livros, juntos, venderam 15 milhões de cópias e inspiraram dois filmes de Hollywood estrelados por Renée Zellweger.

A história por trás do terceiro romance com a mulher de 30 e poucos anos à procura do amor está sendo mantida sob sigilo. Quando perguntada com que garoto Bridget estava furiosa, Fielding franziu as sobrancelhas enigmaticamente, mas disse: “A vida de Bridget seguiu em frente”.

O editor Jonathan Capa revelou, no entanto, que Bridget está mais velha e ainda escrevendo um diário, e que a personagem está agora “imersa em mandar mensagem e experimentar as redes sociais, com ênfase em ‘sociais'”, enquanto ela navega pelos perigos dos encontros online.

Sobre o hiato de 14 anos entre o último romance e o atual, Fielding, de 54 anos, disse: “Eu meio que perdi minha voz com Bridget por um bom tempo depois do sucesso inesperado do primeiro. Foi bem fácil escrever, e, para ser honesta, depois eu me tornei autoconsciente.”

Em dezembro, ela disse ao programa de rádio “Woman’s hour”: “Achei que na última primavera eu tinha novas coisas para contar. Coisas que não existiam quando eu escrevi pela última vez, como e-mail e mensagens de celular. A forma com que a vida é vivida através do Twitter.”

Daniel Cleaver e Mark Darcy, os pretendentes de Bridget, interpretados no cinema por Hugh Grant e Colin Firth, serão uma “presença” nos novos livros, Fielding confirmou.

“Bridget Jones: Mad about the boy” será lançado em 10 de outubro deste ano.

Cotistas têm desempenho inferior entre universitários

0

Érica Fraga, na Folha de S.Paulo

Alunos de graduação beneficiários de políticas de ações afirmativas, como cotas e bônus, têm apresentado desempenho acadêmico pior que os demais estudantes nas universidades públicas do país, mostram estudos recentes.

As pesquisas também concluem que a diferença de notas perdura até o fim dos cursos e costuma ser maior em carreiras de ciências exatas.

Universitários que ingressaram em instituições públicas federais por meio de ação afirmativa tiraram, em média, nota 9,3% menor que a dos demais na prova de conhecimentos específicos do Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), que avalia cursos superiores no país.

No caso das universidades estaduais, cotistas e beneficiários de bônus tiveram nota, em média, 10% menor.

Os dados fazem parte de estudo recente dos pesquisadores Fábio Waltenberg e Márcia de Carvalho, da UFF (Universidade Federal Fluminense), com base no Enade de 2008, que pela primeira vez identificou alunos que ingressaram por políticas de ação afirmativa.

Foram analisados os desempenhos de 167.704 alunos que estavam concluindo a graduação nos 13 cursos avaliados em 2008, como ciências sociais, engenharia, filosofia, história e matemática.

“Encontramos diferenças razoáveis. Não são catastróficas como previam alguns críticos das ações afirmativas, mas é importante registrar que existe uma diferença para não tapar o sol com a peneira”, diz Waltenberg.

Para ele, o desnível atual é um preço baixo a se pagar pela maior inclusão. Mas ele ressalta que, com a ampliação da política de cotas (que atingirão 50% das vagas das federais até 2016), é possível que o hiato entre as notas se amplie.

EVASÃO MENOR

Pesquisa recente feita pelo economista Alvaro Mendes Junior, professor da Universidade Cândido Mendes, sobre o resultado de ações afirmativas na Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) revela que o nível de evasão entre os cotistas na universidade é menor do que entre outros estudantes.

Mas os dados levantados por ele –que acompanhou o progresso de alunos que ingressaram em 2005 em 43 carreiras– confirmam as disparidades de desempenho.

O coeficiente de rendimento (média das notas) de alunos não beneficiários de ações afirmativas que se formaram até 2012 foi, em média, 8,5%, maior do que o dos cotistas. Em carreiras como ciência da computação e física essa diferença salta para, respectivamente, 43,2% e 73,2%.

131161630

Go to Top