Posts tagged Hoje

Câmara aprova MP que exige doutorado para professor universitário

0

A medida provisória também autoriza fundações de apoio à pesquisa a celebrar contratos com entidades privadas

Publicado por Estadão

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nessa terça-feira, 20, a Medida Provisória (MP) 614/13, que exige doutorado para ingresso na carreira de professor universitário. A matéria agora segue para o Senado. Hoje é possível requisitar somente o diploma de graduação, mas as pontuações obtidas com as titulações, previstas nos editais dos concursos, favorecem os mais titulados.

Para facilitar o preenchimento de vagas em alguns locais, porém, a MP permite à instituição dispensar a exigência do título de doutor no edital, substituindo-o por mestrado, especialização ou graduação. A medida faz ajustes na Lei 12.772/12, que trata das carreiras no magistério federal.

Convênios. A MP também autoriza as fundações de apoio à pesquisa a celebrar contratos e convênios com entidades privadas para auxiliar em projetos de ensino, pesquisa e desenvolvimento tecnológico nas instituições federais de ensino superior e demais instituições científicas e tecnológicas.

Empresas públicas, sociedades de economia mista e organizações sociais também poderão apoiar essas fundações, geralmente ligadas a universidades. Pelo texto, os convênios ainda podem prever atividades de gestão administrativa e financeira necessárias à execução dos projetos previstos nos contratos.

Segundo a legislação vigente, os contratos e convênios dessa natureza somente podem ser celebrados com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e com as agências financeiras oficiais de fomento.

Veto ao nepotismo. Pela proposta, as fundações de apoio não poderão contratar cônjuges, companheiros ou parentes até terceiro grau de servidores das instituições federais de ensino que atuem na direção das fundações ou de dirigentes das instituições contratantes. A proibição vale ainda para a contratação, sem processo licitatório, de pessoa jurídica que tenha proprietário, sócio ou cotista nessa mesma condição.

O editor que trocou a TV pelos livros

0
Sob o comando de Feith, a Objetiva se consolidou ao atrair nomes como Paulo Coelho e Luis Fernando Verissimo

Sob o comando de Feith, a Objetiva se consolidou ao atrair nomes como Paulo Coelho e Luis Fernando Verissimo

Tom Cardoso, no Valor Econômico

“Caro Roberto, temos aqui um livro juvenil, com ótimo potencial de venda, que você deveria comprar. Chama-se ‘Harry Potter’.”

“Obrigado pela indicação, Tessie, mas não tenho interesse.”

“Roberto, o livro vai estourar. É essa sua decisão? Você vai se arrepender.”

“Sim, é essa minha decisão, Tessie. Muito obrigado.”

Foi com alguns erros – e muitos acertos – que Roberto Feith fez da editora Objetiva uma das maiores do país. A troca de e-mails, descrita acima, ocorreu em meados dos anos 1990, entre Tessie Barham, hoje uma importante agente literária – na época uma das “avaliadoras de textos” da Objetiva -, e Feith, um jornalista bem-sucedido, dono de uma produtora de vídeo, recém-migrado para o incerto mercado editorial brasileiro.

Depois de rejeitar a saga escrita por J. K. Rowling, que vendeu 450 milhões de exemplares pelo mundo – 4 milhões deles no Brasil (pela editora Rocco) -, Feith conseguiu dar a volta por cima: trouxe o astro Paulo Coelho para a então média editora, fez de Luis Fernando Verissimo um dos autores mais populares do país e deu o salto financeiro no momento certo, em 2005 – quando o mercado editorial brasileiro se tornou altamente competitivo -, ao vender 75% da Objetiva ao grupo Prisa-Santillana, gigante do setor.

A transação permitiu que a editora realizasse um amplo plano de reestruturação, que tinha como objetivo torná-la mais dinâmica e diversa. Hoje, sob o comando de Roberto Feith, de 61 anos, o grupo se divide em cinco selos (Suma, Alfaguara, Fontana, Objetiva e Ponto de Leitura), cada um com equipes próprias e objetivos distintos, apoiados pela mesma estrutura operacional e empresarial – e não depende mais de um best-seller para sobreviver.

Se hoje os originais de um livro como “Harry Potter” caísse nas mãos de Feith, dificilmente ele tomaria sozinho a decisão de publicá-lo ou não. Quando há um lançamento de peso, como “O Herói Discreto”, o aguardado romance do escritor peruano Mario Vargas Llosa, que será lançado no fim de setembro no Brasil (pelo selo Alfaguara), Feith faz questão de acompanhar cada passo – da leitura dos originais às estratégias de lançamento. Já um livro de dietas, há meses na lista dos mais vendidos do “New York Times”, muito distante do seu universo, nem passa pelo crivo do diretor-geral – é a editora do selo Fontanar, de sua total confiança, quem cuida de tudo. A segmentação da Objetiva permitiu a Feith errar menos.

“No começo eu cometi um erro primário, que nenhum bom editor deve cometer: publicar apenas o que gosta”, diz. Antes de ignorar Harry Potter, o editor apostou numa biografia de Boris Ieltsin (1931 – 2007), o ex-presidente russo. O livro mofou nas livrarias. Feith aprendeu a lição. Apaixonado por política internacional, ele lê atualmente, fascinado, a biografia de Thomas Jefferson (1743 – 1826), um dos mais importantes e controvertidos presidentes da história dos Estados Unidos, mas já decidiu, pelo pouco apelo comercial da obra, que não irá publicá-la pela Objetiva. Já o tal livro de dietas, que jamais lerá, está aprovadíssimo – sairá em breve.

Em 1991, quando Feith tomou a decisão de deixar de vez o jornalismo e se desligar aos poucos de sua produtora de vídeo para cuidar apenas da Objetiva – então uma editora de pequeno porte, que ele adquiriu com mais dois sócios -, a maioria dos amigos tentou desencorajá-lo. Além das conhecidas dificuldades do setor, Feith tinha poucos motivos para dar uma guinada radical na carreira.

No início da carreira de livreiro, Feith cometeu erros, como dispensar a série “Harry Potter” e publicar obras de seu gosto pessoal

Ex-correspondente internacional da Rede Globo, ex-editor-chefe do “Globo Repórter”, ele decidira abrir sua própria produtora, a Metavídeo, especializada em documentários, depois de uma rápida e bem-sucedida parceria com Walter Salles na produtora Intervídeo. Se ele deixasse a reportagem, argumentavam os amigos, que continuasse na televisão, um mercado mais promissor – e não com a ideia maluca de comprar uma pequena e inexpressiva editora num país de não leitores. Mas Feith ignorou a maioria dos conselhos e comprou 60% da Objetiva. “Na época, só a minha mulher ficou do meu lado. Ela sabia da minha paixão pelo universo literário. Sou daqueles que quando viaja passa o dia enfurnado nas livrarias.”

O exercício de livreiro tem sido prazeroso, apesar dos deslizes. A experiência como jornalista ajuda. “São profissões parecidas, convergentes. Não é coincidência termos aqui na nossa equipe muitos jornalistas”, diz Feith. “O jornalista tem que pensar naquilo que interessa ao leitor e qual é a melhor maneira de contar uma história, de conquistá-lo. O trabalho de editor não é muto diferente.”

O desafio era entender as inúmeras particularidades e contradições do mercado editorial. O caso Harry Potter foi emblemático. Antes de rejeitar o título, Feith havia apostado numa outra série juvenil, “Fronteiras do Universo”, de Philip Pullman. Comprou o título, investiu boa parte da receita da editora em marketing e, ao final, a saga vendeu pouquíssimo – fracasso que foi determinante para que ele, tempos depois, desdenhasse da sugestão dada por Tessie Barham. No fim, as duas séries eram promissoras – anos depois, outra editora brasileira comprou os livros de Pullman, que alcançaram rapidamente os 100 mil exemplares. “Aprendi que comer mosca às vezes, no mercado de livros, é do jogo. O importante é que o nosso trabalho de longo prazo foi benfeito e aos poucos conseguimos conquistar credibilidade junto aos agentes literários e atrair bons autores.”

O primeiro escritor de peso a assinar com a Objetiva foi ninguém menos do que Paulo Coelho, já considerado um dos mais populares do país. Em 1996, no auge, o autor de “O Diário de um Mago”, “O Alquimista” e “Brida” era disputado pelas grandes editoras brasileiras, mas foi a modesta Objetiva quem acabou levando o seu passe – por R$ 1 milhão e um audacioso plano de marketing. “Fomos muito ousados na época, se você considerar o tamanho da editora. Mas ela, a partir daí, mudou de patamar”, diz Feith. Coelho já não publica mais pela Objetiva, que não sente tanto sua falta – só Luis Fernando Verissimo, autor da casa, já vendeu mais de 1 milhão de livros e não há notícias de que pretende mudar de editora tão cedo. A aposta da vez é o novo romance de Vargas Llosa. “Se esse livro não vender pelo menos 100 mil exemplares, eu vou ficar frustrado”, diz Feith. “É difícil reunir numa mesma obra qualidade literária e apelo comercial até mesmo em alguns livros do próprio Vargas Llosa.”

Sócio minoritário da Objetiva, Feith tem total autonomia para tomar as decisões editoriais. A direção do grupo Santillana, afirma o editor, sabe que cada país tem suas particularidades e que é preciso dar carta-branca para quem conhece o mercado de perto. Um livro que vai bem na Espanha não necessariamente será bem-sucedido no Brasil. E vice-versa. É preciso enxergar um mercado, reconhecidamente difícil e complexo, livre de estereótipos.

O mesmo país, no caso do Brasil, que tem apostado no crescimento dos leitores da emergente classe C – e no aumento de obras mais palatáveis – é o mesmo capaz de ter 50 mil leitores adquirindo um título considerado mais “denso” como os dois volumes de “1Q84”, do escritor japonês Haruki Murakami, um dos mais elogiados autores da literatura contemporânea. Murakami não conseguiu vendas tão expressivas em mercados mais amadurecidos, como a Espanha, onde não chegou nem perto dos 50 mil exemplares vendidos por aqui. “Se você me perguntar qual é a razão do Murakami vender bem mais aqui do que na Espanha eu não sei explicar”, diz Feith. “Só sei que no Brasil há um segmento de leitores que busca outras formas de narrativa, mais renovadoras. E o Murakami é um autor moderno.”

Pelo selo Alfaguara, sai em setembro o novo livro do Prêmio Nobel Mario Vargas Llosa, "O Herói Discreto"

Pelo selo Alfaguara, sai em setembro o novo livro do Prêmio Nobel Mario Vargas Llosa, “O Herói Discreto”

Se há mais leitores hoje no Brasil do que na época em que Feith decidiu se aventurar no mercado literário, por outro lado o país é ainda uma das poucas democracias onde só é permitida a publicação das biografias “chapa-branca”. Um projeto de lei que autoriza o lançamento de biografias não autorizadas chegou a ser aprovado na Câmara, mas antes de ir para o Senado um deputado da base evangélica, Marco Rogério (PDT-RO), entrou com recurso solicitando que a proposta voltasse a ser analisada pelos congressistas. Especialistas afirmam que pode levar anos até que a lei entre em debate novamente, mas, mesmo assim, Feith está otimista. “Qualquer editor é por natureza um otimista. Se não for, é melhor buscar outra profissão”, diz. “Tenho esperança numa mudança na lei porque é uma anomalia difícil de entender, ainda mais nos dias de hoje, em que você vê milhões de pessoas exigindo maior transparência no trato da coisa pública.”

O mercado editorial espera agora pela análise de um parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), elaborado pela Procuradoria-Geral da República, que diz que o condicionamento da publicação da biografia à autorização dos biografados é inconstitucional – o parecer será analisado pela ministra Carmem Lúcia. “Estamos esperançosos. Uma lei como essa, retrógrada, autoritária, não faz o menor sentido – é uma situação, no mínimo, esdrúxula”, afirma Feith. O diretor-geral da Objetiva também milita em outra frente – ele é presidente do conselho da DLD (Distribuidora de Livros Digitais), a poderosa empresa que agrega e distribui de forma exclusiva os e-books das editoras Objetiva, Record, Sextante, Rocco, Planeta e L&PM. Feith é um entusiasta do livro digital – e tem bons motivos para tanto. Nos últimos 12 meses, a venda de livros digitais da Objetiva cresceu 1.000%, impulsionada, sobretudo, pela chegada ao Brasil da Amazon, a gigante americana do setor.

Atualmente, o crescimento já não é tão grande, mas continua forte. Os livros digitais representam apenas 3% das vendas da Objetiva, mas Feith acredita que, em 12 meses, esse percentual dobre ou até mesmo triplique. “No Brasil, tem aumentado o número de leitores que estão migrando do livro físico para o digital, ao mesmo tempo em que há também um substancial crescimento de pessoas que passaram a consumir livros impressos”, diz.

“Um fenômeno não exclui o outro e espero que seja assim por muito tempo, pois tenho grande prazer de ir às livrarias e acho que elas oferecem algumas vantagens que a maioria das lojas virtuais não pode oferecer”, afirma. Feith não arrisca previsões sobre o fim do livro impresso e nem sobre o que ocorrerá no setor nos próximos dez anos. Ele cita o exemplo de países como a Inglaterra, onde o mercado de livros digitais já está consolidado há tempos, com uma enorme massa consumidora. “Até mesmo lá o crescimento dos digitais já não é tão vertiginoso como antes. É uma mostra de que há espaço para os dois formatos. O que ocorreu com o consumo de música não pode servir como exemplo para o mercado de livros – são universos muitos distintos.”

O “rato de livraria” tornou-se, por ofício, um consumidor voraz de livros digitais. É ouvindo o seu e-book, conectado ao som do carro, que Roberto Feith, no caminho de casa para o trabalho, coloca a leitura em dia e ao mesmo tempo tenta descobrir, em meio a 30 a 40 manuscritos que lê ou ouve por mês, o seu novo Harry Potter. Nem sempre é possível conciliar as duas atividades. Atualmente, ele ouve a biografia de Thomas Jefferson, que, apesar de não ter chance de ser publicada pela Objetiva. Isso não impede que o diretor-geral dedique parte do tempo para apreciar a obra. Não se sabe se o livro impresso será extinto um dia. Mas o Roberto Feith apaixonado por um bom livro jamais morrerá.

Seis minutos de leitura

1

O brasileiro dedica, em média, seis minutos por dia aos livros. Já usou seus minutos de hoje?

Danilo Venticinque, na Época

Ser otimista é ser constantemente atropelado pelos fatos. Às vezes nos esquecemos disso, mas os fatos nunca se esquecem de nos atropelar. Foi o que aconteceu comigo. Mesmo sem ser um grande fã do pensamento positivo, escrevi há alguns meses um texto esperançoso sobre o hábito da leitura no Brasil. Não preciso nem dizer que um estudo do IBGE, na última sexta-feira, revelou que o brasileiro dedica apenas seis minutos por dia aos livros. Um desastre. Alguns amigos voltaram a me dizer, em tom de provocação, que o brasileiro não lê.

Não exageremos. A pesquisa, afinal, confirma que o brasileiro lê. Lê pouco, mas já é alguma coisa. Com seis minutos por dia e alguma paciência, o brasileiro médio deve conseguir terminar um livro ou dois até o fim do ano. Quase nada, mas melhor do que nada.

Eu poderia dizer que não lemos mais por falta de educação. Mas, sinceramente, não tenho nada de novo para falar a esse respeito: a colega Ruth de Aquino escreveu um ótimo texto sobre o assunto na semana passada. Prefiro me concentrar naqueles brasileiros que, mesmo tendo uma boa educação e acesso a livros, acabam deixando a leitura para depois – ou para lá. Todo mundo conhece alguém que leu por menos de seis minutos hoje, ou que lê menos de seis minutos por dia todos os dias, ou que não lê absolutamente nada. Para evitar que esses indivíduos continuem puxando a média nacional para baixo, decidi preparar um pequeno guia. Basta escolher uma das alternativas abaixo e tornar-se um leitor médio. Também é possível seguir todas elas e se tornar um leitor compulsivo, mas dê um passo de cada vez. O importante é aproveitar os seis minutos.

Como dedicar seis minutos por dia aos livros:

– Acorde seis minutos mais cedo e, em vez de pegar o celular, pegue um livro. Ou pegue o celular e leia um livro nele. A tela é desconfortável e a luz pode te incomodar. Mas, quando isso acontecer, os seis minutos já terão passado.

– Tome o café da manhã com um livro. Mesmo se você for um daqueles que acordam atrasados e começa o dia engolindo a primeira refeição, não é possível que tudo dure menos de seis minutos.

– Leia no banho. É uma decisão arriscada: com a água quente do chuveiro, as páginas podem começar a se desfazer. Imagino que elas durarão por pelo menos seis minutos.

– Se você vai ao trabalho de ônibus, leve um livro. Os benefícios de ler sentado são conhecidos por todos. Ler em pé, espremido pelos outros passageiros, pode ser um belo teste de equilíbrio. Tente resistir por pelo menos seis minutos. Se é para cair no chão, caia como um leitor.

– Se você vai para o trabalho de carro, experimente um audiolivro. A moda não pegou no Brasil e o acervo em língua portuguesa é minúsculo, mas pode durar por um bom tempo se você só ouvir seis minutos por dia. O caos urbano o impedirá de chegar ao trabalho em menos tempo do que isso.

– Chegou mais cedo ao trabalho? A tentação de aproveitar esse tempo navegando sem rumo na internet é grande. Resista. Comece o expediente lendo um livro por seis minutos. Pode ser cansativo para quem não está acostumado, mas é melhor do que trabalhar.

– Cansou de trabalhar e quer uma pausa durante o expediente? Leia um livro. Ao menos você parecerá mais sério do que seus colegas que perdem tempo no Facebook ou no YouTube. Se o livro for minimamente relacionado à sua profissão, você pode até ganhar elogios do chefe. Os seis minutos a menos de trabalho, convenhamos, não afetarão seus resultados.

– Leve um livro para almoçar. Mesmo a mais medíocre das obras literárias é mais interessante do que ouvir de novo as mesmas fofocas sobre os mesmos colegas de escritório. A técnica é mais comum em refeições solitárias, mas funciona também em almoços em grupo. Em vez de distrair-se com o celular e ignorar os outros à mesa, ponha um livro na frente do seu rosto. Talvez ninguém repare – afinal, são só seis minutos. É menos tempo do que os seus colegas levariam para passar de fase no Candy Crush.

– Vá ao banheiro com um livro. É mais chique do que levar um celular, e menos arriscado: muitos celulares encontram seu fim no vaso sanitário, mas raríssimos são os livros que têm esse triste destino. Talvez porque pouquíssimas pessoas levam livros para o banheiro, mas isso é o de menos. Tente manter seu livro a salvo por seis minutos.

– Voltou para casa? Antes de ligar a televisão, abra um livro. Você provavelmente estará cansado, sem concentração e o aproveitamento da leitura será péssimo. Mas quem se importa? Só é preciso resistir por seis minutos.

– Se preferir, siga no jantar a sugestão dada no almoço. A vantagem é que não haverá colegas de trabalho para te importunar. A desvantagem é que, se você tiver uma família ou um cônjuge, eles detestarão ser trocados por um livro. Mas o amor incondicional serve para superar esses obstáculos e, afinal, são só seis minutos.

– Se você passou o dia inteiro sem ler, a cama é sua chance de redenção. Em algum lugar há alguma pesquisa que diz que aparelhos eletrônicos atrapalham o sono. Confie na ciência. Troque o celular, tablet ou computador por um livro. E resista ao cansaço. Você só precisa manter os olhos abertos por seis minutos. Depois disso, poderá dormir o sono dos leitores.

Preço do Livro no Brasil sobe após 9 anos de queda e Mercado Editorial encolhe

0

1

Gustavo Magnani, no Literatortura

O título pode gerar certa ambiguidade e dar a entender que o mercado editorial encolheu porque o preço do livro aumentou. A resposta direta para esse questionamento é não, não foi esse o motivo. A principal razão foi o fato do Governo ter comprado menos exemplares do que em 2011 – e isso mostra o quão dependente do Estado ainda são as editoras.

Mas, antes que alguém taque pedras no governo, é necessário explicar que em 2011 houve uma grande compra e 2012 foi o ano apenas de “‘preencher” lacunas e reabastecer livros.

A pesquisa ao qual baseio-me é a última edição da “Produção e e vendas do setor editorial brasileiro”, encomendada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), a qual tem periodicidade anual e serve como parâmetro para analisar o mercado editorial brasileiro, suas tendências e seu funcionamento. Possivelmente, devo fazer mais matérias em cima desses números. Hoje pretendo me focar na diminuição do mercado e no aumento do preço dos livros.

Para isso usarei como texto base a matéria publicada no Oglobo. Todas as falas de especialistas foram retiradas de lá.

Quanto ao que já citei do mercado:

— A queda faz parte do ciclo normal dos programas do governo. Um ano eles compram muito, no outro são só reposições — diz Leonardo Müller, coordenador da pesquisa.

Porém, é interessante notar que o faturamento aumentou. Todavia, o número de exemplares diminuiu. Como isso é possível? Precisamos de outro fator, portanto, para que o faturamento tenha crescido. E eis o lamento para nós, consumidores: o preço do livro aumentou.

Mas, continuemos no mercado. Em suma:

As vendas diminuíram 7,36%.

A produção de livros diminuiu em 2,91%

O faturamento aumentou em 3,04%.

Ou seja, mesmo com a queda de produção e de vendas, o faturamento aumentou.

Explicação: preço dos livros aumentou (a ser tratado abaixo)

Ora, como, portanto, é possível que o mercado tenha encolhido? E aí entra outro fator, geralmente deixado de lado em uma análise mais detalhada: inflação.

O mercado encolheu porque a inflação da área cresceu mais do que o faturamento. Ou seja, a porcentagem do aumento de faturamento foi interior ao crescimento da inflação. Assim, é verdade que o mercado “cresceu” (aparentemente), mas não o suficiente para acompanhar a inflação. Ou seja, no final, a inflação venceu o faturamento e o mercado encolheu 3,04%, para ser mais exato, como pode conferir no gráfico abaixo:

1

PREÇO DOS LIVROS:

Como puderam ver, os livros tiveram um aumento razoável de 2011 para 2012, de aproximadamente 12,46% (um valor bastante razoável). É muito interessante a brusca queda de 41% em 9 anos, porém, o preço continua salgado para o brasileiro, principalmente quando se tratam se autores super valorizados, como Stephen King e até clássicos como Gabriel García Márquez (livros de 120 páginas custando 40 R$!).

Mas, em média, colocando tudo nos panos quentes, o valor do livro pulou de R$ 12,15 para R$ 13,66. Um aumento de R$ 1,51. É necessário, obviamente, lembrar que ele valor é antes dos exemplares chegarem às livrarias, o que costuma ser metade do preçofinal (nem sempre, como no caso de Gabo, King e tantos outros). Ou seja, se calcularmos baseado na exata metade, o livro teria um salto de R$ 24,30 para R$ 27,32!

Produto antes das livrarias: R$ 12,15 (2011) -> R$ 13,66 (2012)

Produto nas livrarias: R$ 24,30 (2011) -> R$ 27,32

Um salto bastante considerável.

— Tem um momento em que não dá para sustentar essa redução. Temos uma alta nos insumos do livro, como o papel. Os adiantamentos de direitos autorais também estão crescendo — diz Sônia (Sônia Jardim, presidente da SNEL).

— A queda é causada pela chegada das edições mais baratas, como os livros de bolso. Mas há outros atores na cadeia do livro. Embora os números indiquem que o preço caiu, esse não é um índice de inflação — diz Leonardo Müller.

Interessante notar, também, que os livros didáticos e religiosos tiveram o maior aumento entre os gêneros.

Respectivamente: R$ 19,62 para R$ 24,10; R$ 5,29 para R$ 6,26.

Valores acima da inflação, tendo sido os principais a alavancarem a subida de toda a pesquisa. O crescimento dos religiosos pode parecer insignificante (0,97 centavos), mas em porcentagem chega a quase 20%! Já os didáticos possuem um resultado direto bastante grande: mais de quatro reais e também mais de 20%!

Ou seja, o crescimento neste segmento não se fixou, de maneira alguma, apenas à inflação. Infelizmente, a tendência é de que os preços continuem subindo, ainda mais num ano bastante complicado como 2013 para a o controle inflacional. O panorama não é dos melhores para o Mercado editorial brasileiro, mas também não é dos mais obscuros.

Espero que tenham gostado e compreendido a análise que propus aqui. Como já disse, mais matérias sobre a pesquisa devem ser publicadas nesses dias. Deixe seus comentários e fique de olho no site.

Conheça o homem que transformou uma livraria em um conglomerado de tecnologia

0

(Foto: Reprodução)

Publicado no Olhar Digital

É difícil imaginar que uma simples livaria online se transformaria em um dos maiores conglomerados de tecnologia do mundo. Foi sob o comando de Jeff Bezos, o maior bilionário do mundo na faixa etária dos 40 aos 49, que a Amazon deixou de ser apenas uma das pioneiras do comércio eletrônico para se tornar uma empresa que desenvolve hardware e provê serviços em nuvem.

Bezos tem hoje um patrimônio estimado em US$ 28,8 bilhões, figurando na 15ª posição do ranking das pessoas mais ricas do mundo. Nascido em 1964, com o nome Jeffrey Preston Jorgensen, no entanto, embora nunca tenha sido pobre, teve uma infância simples e sempre estudou em escolas públicas. Sua família por parte de mãe era dona de um rancho de 100 km² no Texas, aonde Bezos ia durante as férias para visitar seu avô e “trabalhar” como veterinário, vacinando e até mesmo castrando gado e realizando outras tarefas rurais.

Mesmo com esta fascinação pelo campo, nunca deixou de mostrar interesse por tecnologia, tanto que seu diploma, conquistado na respeitada Universidade de Princeton, teve foco em engenharia elétrica e ciência da computação. Após graduar-se, em 1986, assumiu empregos em instituições financeiras, aproveitando a demanda crescente por profissionais de TI. Antes de fundar a Amazon, era vice-presidente de uma empresa de investimentos em Wall Street, a D. E. Shaw.

Vida na Amazon
ReproduçãoFoi apenas em 1994 que Jeff Bezos, percebendo a popularização da internet, decidiu aproveitar o mercado ainda inexplorado e as previsões de crescimento do comércio eletrônico em até 2.300%, e lançou o site Amazon.com. A escolha por livros em vez de quaisquer outros produtos se devia à demanda global por literatura, e pelo baixo custo. O nome foi decidido por representar algo exótico e lembrar a quase infinitude das águas do rio Amazonas, além do fato de que a letra “A” o colocaria no topo dos sites de busca por causa dos resultados em ordem alfabética. Antes, porém, Bezos havia pensado no nome “Cadabra.com”, descartado após o fundador perceber a semelhança da palavra com “cadáver”.

A implantação de sua ideia foi impecável. Após dois meses, o site já arrecadava US$ 20 mil por semana, mas, mesmo assim, o plano de negócios era de longo prazo. Bezos não previa lucros nos primeiros anos da empresa, o que gerava desconfiança por parte de possíveis investidores. O site só avançaria no último trimestre fiscal de 2001, acumulando receita de US$ 1 bilhão, mas com lucro de apenas US$ 5 milhões.

Mesmo com a lentidão na apresentação de resultados positivos, o otimismo em torno do negócio era grande, tanto que em 1999 o criador da Amazon foi escolhido como o homem do ano pela revista Time. Após a oferta pública inicial, o valor das ações da empresa rapidamente aumentou 40 vezes, aproveitando o embalo da bolha “pontocom”, elevando a fortuna de Bezos para a casa dos US$ 12 bilhões. Após o estouro da bolha, no início dos anos 2000, e falência de inúmeras empresas de internet, houve uma desvalorização brusca e o patrimônio do CEO caiu para US$ 2 bilhões.

ReproduçãoDesde então, Bezos investiu na diversificação das atividades de sua empresa. Desde 2000 não são vendidos apenas livros. A Amazon se tornou uma plataforma para outros lojistas e vendedores individuais anunciarem seus produtos, aproveitando seus serviços de gerenciamento de dados. Em 2006, a companhia passou a apostar no oferecimento de serviços de computação em nuvem por meio da Amazon Web Services (AWS).

Em 2007, a Amazon criou o produto que hoje é o mais vendido de seu site: o leitor de e-books Kindle, inovação que marca a primeira empreitada da companhia no ramo de hardware. Já em 2011, a empresa decidiu entrar de vez na briga de dispositivos ao lançar o tablet Kindle Fire e se colocou em disputa com gigantes como a Apple.

Bezos possui atualmente 19% das ações da Amazon, que são sua principal fonte de dinheiro. Desde sua fundação, já vendeu cerca de US$ 2 bilhões em papéis da companhia.

Outras atividades
Como Sergey Brin, cofundador do Google, Jeff Bezos também é um entusiasta da exploração espacial. Tanto é que, em 2000, fundou a Blue Origin, que tenta promover o turismo espacial com um custo relativamente baixo.

O fundador da Amazon também observa o mercado para novas oportunidades de investimento. Ele foi um dos primeiros investidores do Google, quando o negócio ainda não tinha a proporção atual, e também colocou seu dinheiro na Airbnb, rede social criada em 2008 para facilitar o aluguel de apartamentos ou quartos para viajantes.

Ele ainda é um apoiador da liberação do casamento de homossexuais, mesmo não sendo gay. Junto com sua esposa, Mackenzie Bezos, doou cerca de US$ 2,5 milhões para a realização de um referendo para a legalização do casamento gay no estado de Washington, nos EUA, onde mora com seus quatro filhos.

Go to Top