Posts tagged HQ

HQs raras da Mulher-Maravilha entrarão em leilão milionário pela internet

0
Expectativa é que as revistas sejam vendidas por cerca de R$ 10 milhões

Foto: Warner Bros / Divulgação

 

Expectativa é que as revistas sejam vendidas por cerca de R$ 10 milhões

Publicado no Zero Hora

A Mulher-Maravilha continua dando as cartas entre os heróis do universo DC Comics. Agora, três quadrinhos raros com a personagem vão a leilão no eBay, site americano de comércio eletrônico, no próximo dia 13 de agosto.

Entre eles, está o primeiro exemplar em que a personagem aparece, All Star Comics #8, de dezembro de 1941. Em seguida, teve sua estreia na capa do Sensation Comics #1 em janeiro de 1942, também à venda. As duas edições não chegaram a ser lançadas oficialmente, e a existência de ambas não era confirmada até agora – o que explica sua raridade.

Com o sucesso, a personagem ganhou seu próprio quadrinho, Mulher-Maravilha #1. Lançado em julho de 1942 e escrita por Charles Moulton, o exemplar também estará disponível para receber lances.

As revistas serão leiloadas por Darren Adams, dono de site de venda de quadrinhos americano. Adams já fez leilão semelhante com outro herói. Em 2014, vendeu o HQ Superman Action Comics #1 por US$ 3,2 milhões (cerca de R$ 10 milhões). A expectativa é que Mulher-Maravilha alcance valor próximo.

A ação faz parte da campanha eBay for Charity e uma parcela do valor arrecadado será doado para a Trafficking Hope, ONG dedicada à prevenção do tráfico de pessoas.

Mulher-Maravilha ganhou destaque este ano com a estreia de seu primeiro filme nos cinemas, estrelado pela israelense Gal Gadot e dirigido pela americana Patty Jenkins, após uma ponta em Batman vs Superman.

O filme faturou US$ 392 milhões nos Estados Unidos e se tornou a segunda maior bilheteria do ano no país, atrás apenas de A Bela e a Fera. Também é a maior bilheteria mundial de um filme com atores dirigido por uma mulher na história, com US$ 782,5 milhões (cerca R$ 2,5 bilhões) até agora.

O lançamento do filme teve impacto nas vendas de produtos relacionados à heroína no eBay. As compras no primeiro semestre aumentaram em 59% as vendas de 2015, segundo o site.

O termo “Wonder Woman” (nome da heroína em inglês) foi pesquisado no site mais de 460 mil vezes. Entre os itens mais populares estão selos, HQs e figurinos.

O leilão no eBay estará disponível na página ebay.com/wonderwoman a partir das 21h do dia 13 de agosto.

Mangá ‘Akira’ ganhará nova edição brasileira adaptada do original japonês

0

Obra de Katsuhiro Otomo será publicada em seis volumes e em preto-e-branco

Publicado em O Globo

SÃO PAULO – Trinta e cinco anos depois de ser lançado no Japão, o mangá “Akira” ganhará uma nova edição no Brasil, onde foi publicado pela primeira vez nos anos 1990 pela Editora Globo. A ficção distópica de Katsuhiro Otomo será reeditada pela JBC no formato original japonês, com leitura da direita para a esquerda e desenhos em preto-e-branco, além de tradução direta do idioma original. O primeiro dos seis volumes, que terão formato um pouco maior do que o dos quadrinhos americanos e cerca de 350 páginas por edição, está programado para sair na primeira semana de junho. O preço vai girar em torno de R$ 70, por volume.

Detalhe da capa do primeiro volume da nova edição brasileira do mangá “Akira” - Divulgação

Detalhe da capa do primeiro volume da nova edição brasileira do mangá “Akira” – Divulgação

Lançado originalmente em 1982, “Akira” propõe um futuro distópico não muito distante de onde estamos hoje. Nas primeiras páginas, uma explosão atômica destrói Tóquio. Trinta e oito anos depois, uma nova capital, Neo-Tóquio, se ergue dos entulhos, com a população à mercê de gangues de motociclistas e facções anti-governo consideradas terroristas. O país planeja fazer as Olimpíadas no local onde caiu a bomba. Uma nova geração também ganha vida, com capacidade de gerar energia usando poderes da mente — com consequências terríveis.

Kaneda e Tetsuo, que fazem parte de uma gangue, são envolvidos em uma trama que esconde o desenvolvimento de um projeto para potencializar os poderes extrassensoriais das pessoas. Em seus passeios por Neo-Tóquio, os amigos topam com o Número 26, uma criança que é produto dessas experiências, e Tetsuo acaba sendo ferido e desaparece.

Segundo Cassius Medauar, editor-chefe da JBC, a versão brasileira terá uma periodicidade semestral:

— Quando o Otomo aprovou o relançamento, ele disse que queria que fosse relançado do jeito dele. Então, todo o material foi digitalizado e retocado. É um processo que demora muito tempo. E os japoneses são muito exigentes, querem aprovação para tudo. Por isso, estamos prevendo uma demora nos lançamentos —disse ele.


A EDIÇÃO BRASILEIRA

A primeira edição de “Akira” começou a ser publicada no Brasil em dezembro de 1990. A Editora Globo baseava-se na versão americana da Epic Comics, selo alternativo da Marvel, completamente ocidentalizada, com inversão do sentido original de leitura, colorização dos desenhos e a tradução de um elemento fundamental dos mangás, as onomatopeias.

Em setembro de 1993, a publicação das revistas, que vinham sendo lançadas todos os meses regularmente, sofreu uma interrupção no número 33. E só seriam retomadas em dezembro de 1997, quando foi lançado o número 34, e encerradas com a publicação do número 38, em abril de 1998.

Com o sucesso da versão em longa-metragem de animação de “Akira” e dos brinquedos e outros produtos no Japão, a produção de quadrinhos passou a ter atrasos, chegando ao ponto de os americanos não terem mais material trabalhar e, por consequência o Brasil, já que tudo vinha de lá. A Marvel decidiu, então, interromper a publicação e retomá-la só quando a série tivesse terminado.

HQs para aprender a lidar com a vida adulta

0
(Julia Wertz/Reprodução)

(Julia Wertz/Reprodução)

Pâmela Carbonari, na Superinteressante

Se você acha que HQs são apenas narrativas para crianças ou falam só sobre grandes aventuras históricas, este post é para você.

Crescer não é fácil e ter que lidar com as responsabilidades e questionamentos da vida adulta é inevitável mesmo que você assuma que vai seguir vivendo na casa da sua mãe para sempre.

Mas não é por ser doloroso que amadurecer precisa ser sacal: conheça 4 quadrinhos lançados recentemente que podem te ajudar a encarar os dilemas da vida adulta.

Descoberta da sexualidade

o-enterro-das-minhas-ex

(Editora Nemo/Divulgação)

O enterro das minhas ex, Gauthier

Já disse que crescer não é mole? Pois bem, muito menos se você for lésbica e estiver cheia de dúvidas, testando os limites da própria sexualidade. Nesta grafic novel, Charlotte relembra os relacionamentos decisivos de sua adolescência desde a inocência do ensino fundamental em que não sabia quais eram as distâncias entre as amizades e paixonites até as primeiras experiências sexuais da vida adulta. É como visitar o passado em perspectiva, se perceber em relação às outras meninas, a um mundo repleto de intolerâncias, ser rejeitada e enxergar a adolescência como um rito de passagem rumo à própria identidade.

R$ 39,80 — 160 páginas

Pagar as próprias contas

entre-umas-e-outras

(Editora Nemo/Divulgação)

Entre Umas e Outras, Julia Wertz

A famosa autora de HQ The Fart Party narra com muito humor negro, sinceridade e autodepreciação o ano em que decidiu deixar São Francisco, sua cidade natal, para viver em Nova York. Mas é bastante simplista e romântico dizer que Entre Umas e Outras é a história de uma jovem que decide ganhar a vida na cidade mais cosmopolita do mundo. A narrativa é sobre entrar de cabeça na vida adulta – e batê-la várias vezes. Um quadrinho divertidíssimo sobre as dores e as benesses de ganhar responsabilidades, entrar e sair de péssimos empregos, morar mal e tomar muito (muito!) uísque.

R$ 44,90 – 208 páginas

Ter filhos

nc3a3o-era-vocc3aa-que-eu-esperava

(Editora Nemo/Divulgação)

Não era você que eu esperava, Fabien Toulmé

Essa HQ autobiográfica poderia ser descrita como a história de uma família que acaba de ter uma filha com Síndrome de Down. Mas é mais que isso: é uma narrativa honesta tão ácida quanto bem-humorada sobre aprender a aceitar o diferente e o inesperado. Quando Fabien descobre que sua filha Julia é deficiente, ele não consegue pegá-la no colo ou tratá-la igual à primogênita. Aos poucos, o medo e a rejeição dão lugar à desconstrução dos clichês que orbitam a deficiência e ao amor que parecia tão distante – tudo isso com ironia tipicamente francesa. Fabien também triunfa ao transformar conceitos biológicos sonolentos em metáforas hilárias. De quebra, o livro começa no Brasil e é repleto de comparações entre Brasil e França.

R$ 59,80 – 256 páginas

Envelhecer

deslocamento

(Editora Nemo/Divulgação)

Deslocamento, Lucy Knisley

A quadrinista Lucy está sem inspiração no gélido inverno de Nova York quando decide acompanhar os avós em um cruzeiro pelo Caribe. Se, à princípio, a viagem parece a fuga perfeita para sanar seu bloqueio criativo, logo ao chegar ao navio ela percebe que os sete dias em alto-mar serão bem diferente da sombra e água fresca imaginada: seus avós têm mais de 90 anos e precisam de cuidados especiais pela saúde frágil e as limitações da idade. Enquanto se desdobra como babá deles, Lucy viaja com os dois em reflexões sobre a existência, a solidão e a morte. Uma história terna e engraçada sobre a velhice e o que mais importa na vida: as boas relações.

A importância dos gibis na alfabetização

0

A IMPORTÂNCIA DOS GIBIS NA ALFABETIZAÇÃO

Publicado na Só Escola

As histórias em quadrinhos contribuem para despertar o interesse pela leitura e pela escrita nas crianças e para sistematizar a alfabetização. Como as HQs em geral unem palavra e imagem, elas contemplam tanto alunos que já leem fluentemente quanto os que estão iniciando, pois conseguem deduzir o significado da história observando os desenhos. A curiosidade em saber o que está escrito dentro dos balões cria o gosto pela leitura e, assim, os gibis podem ter grande eficácia nas aulas de alfabetização.

Se hoje essa visão é consagrada entre professores e pesquisadores, nem sempre foi assim. Os quadrinhos usados atualmente em sala de aula eram vistos como concorrentes dos livros de alfabetização, entendidos, portanto, como uma distração prejudicial ao aprendizado. “Os quadrinhos apareceram com mais frequência dentro da escola a partir da metade do século passado. Primeiro, porque quase não existiam. Segundo, porque havia esse preconceito contra eles”, diz Maria Angela Barbato Carneiro, professora titular do Departamento de Fundamentos da Educação e coordenadora do Núcleo de Cultura e Pesquisas do Brincar da Faculdade de Educação da PUC-SP.

Falta de hábito
Maria Angela acredita que, dentro da escola, os professores ainda usam predominantemente muitos materiais mais tradicionais, como é o caso do livro didático, em detrimento de outros recursos. “Penso que o professor não está habituado com outros procedimentos – como um jornal, uma revista –, e o fato de não estar habituado não lhe traz segurança”, diz. Outro ponto que pode inibir a presença das HQs na alfabetização é o entendimento de que os gibis são meros passatempos e, por isso, serem deixados de lado por conta da crença de que eles serão lidos pelas crianças em casa de todo modo.

Lucinea Rezende, professora do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina (UEL-PR), que desenvolve e orienta trabalhos na área de formação de leitores, concorda que ainda que se tenha avançado bastante na direção de usar múltiplas formas de leitura em sala de aula, fugindo do monopólio do livro didático, ainda se está voltado predominantemente para o texto escrito. “Todos os gêneros que empregam outras linguagens entram devagarinho nas salas de aula”, diz.

Os benefícios da história em quadrinhos para a educação, em particular no ensino fundamental e na alfabetização, são oficialmente reconhecidos. As HQs fazem parte do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), que possibilita a professores e alunos o acesso a obras distribuídas em escolas públicas. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) também incentivam o uso de quadrinhos e indicam que nas bibliotecas é necessário que estejam à disposição dos alunos textos dos mais variados gêneros (livros de contos, romances, jornais, quadrinhos, entre outros). O PCN lista ainda a HQ como um gênero adequado para o trabalho com a linguagem escrita.

“Alguns professores olham para a HQ e veem algo distante. Assim não têm entusiasmo, não conseguem comentar sobre aquilo com os alunos”, acredita José Felipe da Silva, professor de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) – a disciplina é oferecida a diversos cursos de graduação na Universidade. Ex-professor do ensino fundamental e colecionador de HQs, Felipe da Silva afirma que os quadrinhos foram um impulso para ele mesmo se alfabetizar quando criança. Na escola em que dava aula, na rede municipal de Natal, costumava fazer exposições com revistas e bonecos dos personagens das HQs para atrair a atenção dos alunos.

Imaginação e fantasia
Luciana Begatini Silvério, professora de pós-graduação na área de educação, lembra ainda que o PCN pede que o leitor seja formado como alguém capaz de ler, compreender e interagir com a leitura – entendida não só por meio de palavras e frases, mas, também, por diferentes tipos de linguagem. Com os quadrinhos, a criança em fase de alfabetização que ainda não domina a leitura e a escrita do alfabeto consegue fazer uma leitura competente com o recurso das imagens. “Além disso, a criança precisa muito ser formada no concreto. E nas HQs, os recursos de imagens, expressões dos personagens, letras, metáforas visuais ajudam a ter maior compreensão do que ela está lendo”, afirma.

Entre os elementos que se reconhecem como mais atrativos para as crianças nas histórias em quadrinhos estão aspectos lúdicos, como cores, onomatopeias, personagens e traços. Na dissertação de mestrado de Luciana Begatini Silvério, defendida em 2012 – orientada por Lucinea Rezende, na UEL –, ela fez uma pesquisa de campo com professores e alunos da rede municipal da cidade Primeiro de Maio, no Paraná. A pesquisa não foi feita com alunos em alfabetização e, sim, com estudantes do segundo ciclo do EF. Dos 58 alunos participantes, 30 listaram as HQs entre seus gêneros de leitura preferidos. E três, apenas, afirmaram não gostar de HQs (dois deles alegaram que os quadrinhos são para serem lidos em casa).

Luciana Novello, professora do 1o ano do EF no Colégio Ofélia Fonseca, em São Paulo, destaca justamente o caráter lúdico como um dos elementos de atratividade dos quadrinhos. “As histórias em geral são divertidas, somadas ao colorido das imagens. E temos gibis com histórias bem curtas, de uma página, e para a criança ler fica uma leitura mais prazerosa”, diz. Além disso, a professora afirma que, entre seus alunos, o gibi já faz parte do cotidiano fora da escola: por isso, a familiaridade com os personagens por si só já desperta o interesse das crianças.
Os quadrinhos podem, ainda, ser trabalhados com as crianças em idade de alfabetização em relação com o brincar – como, por exemplo, uma forma de trabalhar a imaginação, o “faz de conta”. “Alguns quadrinhos fazem parte da literatura infantil, e a literatura infantil se alia à brincadeira justamente através do simbólico, da fantasia. Quando você permite que atuem a imaginação e a fantasia da criança é possível que isso faça parte das atividades lúdicas”, diz Maria Angela Barbato Carneiro.

Corrigindo a Mônica
Professor da Escola Polo Municipal Venita Ribeiro Marques, em Aral Moreira (MS), Gilson Matoso considera a HQ uma das melhores maneiras para chamar a atenção das crianças. Pós-graduado em Mídias na Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), ele costuma aliar o trabalho com os quadrinhos a datas especiais – como as festas juninas. E, no segundo ano do EF, trabalha também a gramática. Personagens conhecidos das HQs da Turma da Mônica, de Mauricio de Sousa, o Cebolinha troca o “R” pelo “L” e o Chico Bento tem o registro da sua fala acaipirada, com erros ortográficos. “Fazemos exercícios em que corrigimos algumas palavras dos personagens, passando para a norma culta”, diz Matoso.

Antes de o aluno desenvolver a leitura das palavras e dos desenhos em si – como personagens e cenários – há outros elementos típicos das HQs que as crianças aprendem a ler e a interpretar. “O texto está ali, não podemos ignorá-lo, mas mesmo que as palavras escritas sejam estranhas para o aluno, ele vai fazer a leitura visual­ da narrativa e vai entender que aquilo pode ser uma fala, um grito”, diz José Felipe da Silva.

A leitura do texto em si é facilitada ainda por conta do tipo de letra normalmente grafada dentro dos balões, que é a letra em bastão. Como na maior parte das escolas, a professora Luciana Novello explica que no Colégio Ofélia Fonseca a letra bastão é usada desde o ensino infantil até o primeiro ano, quando é introduzida então a letra cursiva, entre o final do primeiro ano e o segundo ano do EF.

Lucinea Rezende, da UEL, afirma que é importante ainda ter como premissa o tratamento da leitura como algo a ser construído continuamente. Ela ressalta que isso é válido não somente na alfabetização e no ensino fundamental, mas até mesmo na universidade. “Alguns estudantes gostam de ler, outros, não – ou porque não puderam ou porque não se interessaram suficientemente. Nesse caso, a gente precisa usar todos os recursos possíveis: se a criança já lê HQ, o que a escola pode fazer para a criança ler melhor, explorar outras possibilidades?”, questiona. A professora e pesquisadora defende que a escola deve trabalhar, sempre, com uma boa multiplicidade de textos, incluindo as HQs.
Além disso, Lucinea lembra que os alunos acabam desenvolvendo gostos por diferentes tipos de leitura. Por isso, a escola precisa se apropriar de todos os recursos possíveis. “Precisamos pensar ainda o que o professor está almejando quando trabalha a leitura. Quanto à HQ, por exemplo, o que se consegue ver nesse gênero literário? Pensamos na palavra, na imagem, nos personagens?”. A reflexão sobre os materiais usados pelos educadores deve levar em conta, afirma Lucinea, não somente questões da linguagem, mas também, de fundo social das narrativas. “É a partir dessa compreensão que se devem usar as HQs na alfabetização. Alfabetizar é trazer para o mundo da escrita, dos números, para que o aluno possa dialogar e interagir com o mundo”, explica.

Produção do texto

Com as HQs pode-se ainda propor a construção de histórias. “Para a produção de texto os alunos em geral gostam muito dos quadrinhos, por conta do desenho. É uma boa ferramenta para a sequência didática, em que é preciso ter um resultado final da produção deles”, diz Gilson Matoso.

Além de desenhar, pode-se tra­balhar com o texto produzido sobre histórias já feitas, com os ba­lões em branco. “Nesse caso o objetivo não é pensar em inventar a história, mas na escrita, na língua”, diz Luciana Novello, do Ofélia Fonseca. “No 1o ano, a principal ideia do uso do gibi é a aquisição de leitura e escrita. E, eventualmente, um trabalho com arte e ilustrações”, completa.
A professora afirma que os gibis são trabalhados em aula como um gênero textual. Em momentos de leitura planejada, cada aluno escolhe um exemplar para ler – seja ela leitura convencional (fluente) ou não. “Também se lê em dupla, um leitor mais fluente com outro menos fluente”, explica.

Gêneros e interdisciplinaridade
O quadrinho é um gênero em si mesmo, mas, dentro dele, há subgêneros – como romances adaptados e até reportagens em forma de HQ, o que se torna uma vantagem para apresentar outros gêneros de narrativa. “Claro que é preferível ampliar a leitura dos gêneros para outros textos, não somente os quadrinhos. Mas é importante que o professor apresente uma diversidade de gêneros de HQ”, diz José Felipe da Silva, da UFRN.

Além dos gêneros, as diferentes temáticas dos quadrinhos também são um elemento importante em sala de aula – e podem ser trabalhadas tanto com crianças em idade de alfabetização quanto com as maiores. “O foco de minha pesquisa foi buscar a interface entre HQ e a literatura, mas há outros aspectos transversais também, como noções de higiene, temas culturais e históricos”, diz Luciana Begatini Silvério.

Se na alfabetização os quadrinhos podem atrair a atenção das crianças para ler e escrever, nessa mesma fase as HQs podem servir como suporte ou tema para desenvolver outras habilidades – como adivinhas. “Existem também várias atividades que podem ser feitas com a linguagem dos quadrinhos, como noções abstratas de química. Pensamos no Asterix e na sua poção mágica, por exemplo, à qual podemos relacionar uma receita – um suco de laranja – e fazer essa brincadeira”, diz Maria Angela Barbato Carneiro, da PUC-SP.
Fonte: Revista Educação

Turma da Mônica homenageia uma das mais influentes escritoras negras do Brasil

0
Foto: Facebook/Turma da Mônica / Reprodução

Foto: Facebook/Turma da Mônica / Reprodução

 

Carolina de Jesus foi a mulher escolhida para representar o projeto #DonasdaRua, em parceria com a ONU Mulheres

Publicado no Zero Hora

Uma postagem feita nesta segunda-feira na página da Turma da Mônica no Facebook movimentou as redes em torno de uma figura ainda pouco lembrada na história nacional. Os personagens de Mauricio de Sousa homenagearam Carolina de Jesus (1914-1977), uma das primeiras e mais relevantes escritoras negras do Brasil.

Moradora da favela do Canindé, em São Paulo, Carolina trabalhava como catadora e registrava o cotidiano de sua comunidade em cadernos encontrados no lixo. No final da década de 1950, foram descobertos mais de 20 diários da escritora, que mais tarde deram origem ao livro Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada. A publicação foi recusada por diferentes editoras na época, e acabou sendo impressa apenas em 1960.

A iniciativa faz parte do projeto Donas da Rua, lançado pela Turma da Mônica ainda no ano passado em parceria com a ONU Mulheres. A ideia é reforçar a autoestima de meninas de todo o Brasil e a defesa de seus direitos. A iniciativa já destacou outras brasileiras importantes, como a professora Dorina Nowill (1919-2010), pedagoga cega e uma das maiores ativistas pela inclusão de pessoas com deficiência visual no Brasil.

“Conhecer e honrar as guerreiras do passado é uma das formas de cultivar um futuro mais justo para as meninas. E nesse quesito, não temos nem o que dizer sobre Carolina de Jesus. Dona da Rua nata!”, destaca a publicação que já foi compartilhada quase 5 mil vezes, e movimentou as redes sociais no começo da semana.

Para acompanhar as homenagens do projeto, basta seguir a hashtag #DonasdaRua ou acessar o site da Turma.

carolina

Go to Top