Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged humanos

Autores contam o segredo para ter mais tempo livre – sem desperdícios

0

Jake Knapp e John Zeratsky ensinam como ter mais tempo para você em novo livro. (Ilustração: Davi Augusto //VOCÊ S/A)

Para os autores Jake Knapp e John Zeratsky, deveríamos nos preocupar menos em ser produtivos e mais em reservar tempo para o que é realmente importante

Barbara Nór, na Exame

Ter mais tempo, sim, mas não necessariamente executar mais tarefas. É isso o que defendem Jake Knapp e John Zeratsky no livro Faça Tempo (Intrínseca, 44,90 reais). Os autores, que por anos trabalharam em empresas de tecnologia, ganharam fama com sua primeira obra, Sprint, que revelava o método desenvolvido por eles para testar e criar inovações em pouco tempo no Google.

De lá para cá, eles vêm trabalhando para encontrar novas formas de gerir o tempo — e descobriram que nem sempre é melhor fazer mais coisas mais rápido.

O importante, eles defendem, é que nossa rotina não seja apenas reação automática às demandas dos outros e de distrações como o celular. Só assim é possível, de fato, usar nosso tempo para as coisas que importam, tanto na carreira quanto em nossa vida pessoal.

No livro eles reúnem as táticas que encontraram para retomar o controle e ter mais energia, como cortar redes sociais, dizer “não” mais vezes e otimizar os momentos em que tomavam café ou faziam exercícios — além de escolher ao menos uma tarefa por dia para se concentrar por pelo menos 1 hora. Para os autores, o ideal é que cada um teste as dicas e encontre o que funciona melhor para si mesmo.

Vocês defendem que há uma diferença entre ter tempo e ser mais produtivo. Por que nem sempre fazer muita coisa é melhor?

Jake Knapp: Acho que a palavra “produtivo” é uma falha da língua. Nós a usamos o tempo todo para descrever a ação de completar tarefas e progredir, mas na verdade o que isso realmente significa é que você está produzindo o máximo possível, o mais rápido possível. Esse é um ótimo objetivo para uma fábrica, mas não acho que é assim que deveríamos medir a nós mesmos e a nossos dias.

No lugar disso, preferimos a ideia de ser “proposital” com seu tempo. Isso significa saber o que é importante para você — não apenas o que é importante para seus colegas ou amigos — e fazer com que você tenha tempo para atuar nessa prioridade.

No livro, há a sugestão de que a cada dia reservemos ao menos 1 hora para um projeto ou tarefa que podemos escolher livremente, chamado de “Destaque”. Por que essa rotina é importante?

John Zeratsky: Muitos de nós sentimos que passamos tempo demais em nosso celular, respondendo a e-mails, assistindo à televisão, sentados em reuniões etc. Aí pensamos: “Eu deveria passar menos tempo no Instagram, deveria comer de forma mais saudável, deveria me exercitar”.

Mas os seres humanos são muito ruins em fazer coisas só porque devem fazê-las. O “Destaque” é uma forma prática de identificar para o que você está guardando tempo. Isso faz muita diferença na capacidade de reduzir distrações e a se sentir mais satisfeito em como gasta seu tempo. Quando você encontra tempo para o seu “Destaque”, sente que o dia foi um sucesso.

Uma das críticas que vocês fazem é sobre a lista de tarefas. Qual o problema desse método?

John: Elas são enganosas e sedutoras. Quando pensamos em algo que temos de fazer, colocamos na lista. Quando temos tempo para trabalhar, riscamos um item da lista. Bum! É perfeito.

Mas as listas são um campo minado de maus comportamentos. Colocamos itens sem realmente pensar a respeito e escolhemos as coisas mais rápidas ou fáceis de fazer, não as mais importantes.

Os grandes projetos parecem intimidadores ali parados, então deixamos para depois, e aí nos sentimos mal por nunca ter tempo para eles. Enquanto isso, há muita coisa importante — como passar tempo com a família, fazer o jantar ou se exercitar — que nunca aparece na lista.

Como saber se as listas estão nos ajudando ou atrapalhando?

John: Se você nunca completa os itens de uma lista, pode ser que ela esteja o distraindo do que você realmente quer fazer, em vez de ajudar a ganhar tempo. Isso é o que funciona para mim: se quero fazer algo, coloco isso em minha agenda. Se penso em algo que talvez eu faça, tenho uma lista específica para isso.

No livro vocês falam sobre as Piscinas Infinitas — TV, redes sociais e internet — que nos distraem. A sensação é que não sabemos mais lidar com o tempo livre nem com o tédio.

John: Não sei se já soubemos o que fazer com tempo livre e tédio. Mas, no passado, se ficávamos entediados porque não tínhamos estímulos ou distrações, isso não era uma escolha, era apenas algo que acontecia. Por milhares de anos, humanos evoluíram para prosperar com o tédio e com o silêncio. É por isso que temos ideias no chuveiro, por exemplo, quando nosso cérebro tem uma pausa de todos os ruídos e demandas do mundo.

Quais são as consequências de fugirmos do ócio?

John: Perdemos inspiração, reflexões e descanso se não temos tempo livre. Estamos tão obcecados com produtividade que, quando temos 1 minuto de calma, pensamos “o que posso fazer para usar bem esse tempo?”.

Mas, às vezes, a gente deve desperdiçar tempo. Precisamos sair para uma caminhada ou só olhar pela janela. Felizmente, podemos usar nossas ferramentas tecnológicas, nossas agendas e nossas rotinas diárias para introduzir de volta esse tempo livre em nossa vida.

Good Omens | Série sobre livro de Neil Gaiman ganha data de estreia

0

Reprodução/Amazon

Renan lelis, no Poltrona Nerd

A Amazon Prime definiu a data de estreia de Good Omens, série que adapta o romance de 1990 escrito por Neil Gaiman e Terry Pratchett. A série de comédia dividida em seis partes estreia em 31 de maio.

O roteiro é do próprio Gaiman, além de assumir a função de showrunner. BBC Studios co-produz a adaptação.

A trama acompanha o nascimento do filho de Satanás, a vinda do Fim dos Tempos e as tentativas do anjo Aziraphale (Michael Sheen) e do demônio Crowley (David Tennant) de impedir, se acostumando a uma vida de confortos vivendo entre os humanos.

Jon Hamm será o Arcanjo Gabriel. Frances McDormand será a voz de Deus. E Benedict Cumberbatch foi confirmado como Satã.

Good Omens será lançada globalmente no Prime Video, plataforma de streaming da Amazon.

No Brasil, o livro foi lançado sob o título de Belas Maldições pela editora Bertrand.

Livros de direitos humanos são rasgados na biblioteca da UnB

0

Livros de direitos humanos da Biblioteca Central da UnB são encontrados rasgados — Foto: Arquivo pessoal/divulgação

Ao todo, sete publicações foram danificadas em páginas que falam sobre o ‘fim da ditadura’ e a ‘luta por direitos’. Servidores vão levar caso à Polícia Federal.

Marília Marques e Letícia Carvalho, no G1

Livros que contam a história da “luta por direitos humanos” no Brasil foram rasgados na biblioteca central da Universidade de Brasília (UnB). Segundo um servidor do departamento, ao todo, sete obras foram danificadas. O material será levado para a Polícia Federal.

O bibliotecário responsável pela reposição do estoque de livros afirmou, nesta quinta-feira (4) ao G1, que os danos “são muito característicos” e foram identificados em, pelo menos, sete exemplares. O funcionário preferiu manter a identidade em sigilo “por medo de ameaças”.

A temática dos livros danificados também chamou a atenção dos servidores. Foram quatro edições da área de direitos humanos, um sobre a história do movimento pagão na Europa e, os demais, da seção de belas artes, sobre o renascimento.

Em nota, a administração da UnB afirmou que vai pedir a abertura de uma investigação para apurar as circunstâncias dos danos e identificar os responsáveis. O comunicado diz que a universidade “repudia quaisquer atos de vandalismo”.

Detalhe de livro de direitos humanos da Biblioteca Cenntral da UnB que foi encontrado rasgado — Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

Pistas

Mesmo com a situação tendo sido percebida desde o início do ano, os servidores da biblioteca disseram que só passaram a suspeitar da semelhança entre os casos a partir da reincidência dos danos. A maioria em livros específicos sobre direitos humanos.

Algumas das páginas rasgadas narram o fim do período da ditadura. Mostram, por exemplo, fotos da trajetória de luta social por mais direitos no país.

Os responsáveis pela biblioteca dizem que será difícil identificar o autor. As câmeras de segurança não mostram as estantes de onde foram tirados os livros e também não há cadastro de pessoas que entram ou saem do local.

Apple encomenda série baseada na saga ‘Fundação’, de Isaac Asimov

0

O escritor Isaac Asimov (Alex Gotfryd/CORBIS/Getty Images)

A história dos livros se passa em um futuro distante e retrata seres humanos vivendo em diversos planetas da galáxia

Publicado na Veja

A Apple encomendou uma série de dez episódios baseada na saga de ficção científica Fundação, do escritor Isaac Asimov. A história dos livros se passa em um futuro distante e retrata seres humanos vivendo em diversos planetas da galáxia sob o comando do Império Galáctico.

A produção do seriado fica por conta de David S. Goyer, roteirista de filmes como Batman Begins (2005), Cidade das Sombras (1998) e Batman vs Superman: A Origem da Justiça (2016), e Josh Friedman, de Reação em Cadeia (1996), Guerra dos Mundos (2005) e O Exterminador do Futuro: As Crônicas de Sarah Connor (2008-2009).

Children of Time | Livro de ficção científica ganhará filme

0

Children-of-Time

Erick David, no Cinema Interativo

O livro Children of Time, de Adrian Tchaikovsky, ganhará uma adaptação nós cinemas segundo o site Variety.

“A ficção científica conta a história de um planeta habitado por aranhas evoluídas criadas por cientistas humanos. Posteriormente, os últimos humanos do universo descobrem o local e a trama faz um paralelo entre o desenvolvimento social das aranhas e como os humanos se tornaram bárbaros”.

Peter Kang e Meredith Wieck estão no projeto. O livro venceu o prêmio Arthur C. Clarke de Melhor Ficção Científica do ano em 2016.

A adaptação não a data para o início da produção.

Go to Top