Posts tagged Ideia

Advogado reúne toda a legislação tributária do Brasil e publica livro de 6 toneladas

1

Publicado por Charlezine

1De tão ousada e inusitada, a ideia chegou a ser tachada como uma “verdadeira insanidade” pelos colegas, mas o advogado mineiro Vinícios Leôncio ignorou os descrentes e iniciou há quase duas décadas um projeto para reunir em livro as legislações tributárias do País. Movido pela inconformidade com o que considera um excesso de normas, o tributarista queria, a princípio, apenas mostrar de forma simbólica o peso dessa legislação no custo das empresas brasileiras. Porém, ao agrupar numa publicação toda a legislação nacional, Leôncio acabou por credenciar sua obra ao ingresso no Guinness World of Records como a mais volumosa e com o maior número de páginas do mundo. A obra pesa 6,2 toneladas e tem um total de 43.216 páginas (cada uma delas com 2,2 m de altura por 1,4 m de largura) que, se enfileiradas, alcançariam uma distância de 95 km!

“A legislação brasileira é muito extensa, mas ela nunca teve visibilidade concreta. Essa foi a ideia, mostrar para a sociedade o tamanho dessa legislação, de um país que edita (em média) 35 normas tributárias por dia útil”, destaca Leôncio. ”A questão era justificar o peso que tem a burocracia tributária na economia das empresas e procurar saber por que o Brasil é o único país do mundo no qual as empresas consomem 2,6 mil horas anuais para liquidar seus impostos, só de burocracia”. O espírito crítico do advogado em relação ao assunto fica evidente no título que ele escolheu para a obra: Pátria Amada. “Tem de amar muito essa pátria para tolerar isso”, ironiza. “Até nós, advogados tributaristas, temos dificuldade de acompanhar esse volume enorme de legislação”.

Leôncio iniciou seu projeto em 1992. Desde então, empreendeu uma verdadeira cruzada para viabilizar tecnicamente a empreitada e desembolsou cerca de R$ 1 milhão (aproximadamente 35% desse total foi gasto com impostos, segundo o advogado). A primeira dificuldade foi encontrar uma gráfica que aceitasse a encomenda. Todas que foram procuradas recusaram. “O Brasil não tem nenhuma impressora com esse padrão”. Com o auxílio de um gráfico amigo, que topou o desafio, a solução encontrada foi adaptar uma impressora de outdoors. Para isso, no entanto, Leôncio precisou enviar emissários à China, que adquiriram equipamentos e importaram tecnologia para a manutenção da impressora. Ele praticamente montou uma gráfica em Contagem-MG, na região metropolitana de Belo Horizonte. Após muitos empecilhos, em 2010 os técnicos conseguiram que a máquina imprimisse os dois lados da folha imensa. Em fonte Times New Roman, as letras têm corpo tamanho 18, impressas com tinta de vida útil de 500 anos. O advogado pretende também que a obra possa ser consultada e pediu que um engenheiro aeronáutico desenvolvesse amortecedores para regular a virada das páginas.

Mas Leôncio considera que a maior dificuldade enfrentada foi mesmo a de agrupar as 27 diferentes legislações dos Estados e do Distrito Federal e os mais de 5 mil códigos tributários dos municípios brasileiros. “Em vários municípios, o código ainda está escrito a mão!”. Parte do levantamento precisou ser feito in loco. “No auge dessa pesquisa cheguei a ter 45 pessoas trabalhando para mim. Nem todos os municípios têm sites e a legislação disponibilizada eletronicamente. Aí é com correspondência… Mas, mesmo assim, muitas prefeituras não se dispõem a colaborar, fornecer a legislação, embora seja pública”. O advogado garante que sua aspiração nunca foi o Guinness Book, mas sim chamar a atenção para a necessidade de uma reforma tributária. ”Não me passava pela cabeça essa coisa de recorde, mas com o passar dos anos eu fui percebendo que o livro seria o maior do mundo”, diz, salientando que o atual título pertence a um livro sueco de 2,7 toneladas.

Leôncio assegura também que não espera nenhum retorno financeiro com o projeto. Enquanto apresenta à reportagem gráficos comparativos que mostram que o tempo anual gasto para o pagamento de impostos no Brasil é muito superior ao de outros países (sejam os 10 mais ricos, os 10 mais pobres ou mesmo os 15 mais burocráticos do mundo), ele observa que espera mesmo é que sua obra leve o próprio Estado a fazer uma reflexão. ”Acho que a sociedade vai levar um susto com isso. A própria classe política, o Fisco, eles não tem noção, em todas as esferas estatais, do tamanho da legislação tributária brasileira”.

Crianças escrevem livro e conseguem editora para lançar

1

História infantil foi escrita sobre supervisão de mãe dos três meninos autores

Márcio Menasce em O Globo

Que a imaginação das crianças é fértil, todo mundo sabe. Mas a engenheira Renata Caruso, moradora da Barra, resolveu transformar em livro uma das histórias engendradas pela criatividade de seus filhos João, de 6 anos; Felipe, de 11; e Pedro, de 12.

Editado pela Outrasletras, o livro “Quinquim e o dragão, diferentes amigos”, escrito pelos meninos sob a supervisão de Renata, conta a história de um menino viking e sua amizade com um dragão.

— A ideia partiu do João. Eu sempre contava uma história com dragão para ele dormir, mas era no improviso, e nunca me lembrava exatamente o que tinha contado na noite anterior. Então ele pediu aos irmãos para escreverem a história da forma como ele gostava, para que eu não inventasse coisas diferentes — conta Renata.

Deste exercício de escrever a história de Renata, os meninos começaram a criar sua própria obra, de forma coletiva.

— Um de nós contava uma parte da história. Se todos gostassem, colocávamos no livro. Se não, ficava de fora — conta João sobre o processo criativo.

O resultado foi agradando tanto à família que Felipe teve a ideia de editar um livro de verdade. Renata mais uma vez aprovou a iniciativa dos filhos. Ela procurou uma amiga editora para oferecer o texto e, assim, a obra nasceu.

dica do Ailsom Heringer

Menina do Diário de Classe vai abrir ONG

0

Após expor falhas de sua escola no Facebook, Isadora Faber quer ajudar outros estudantes

Tomás M. Petersen, no Estadão

Um ano após ganhar projeção nacional com a página no Facebook Diário de Classe, em que denuncia os problemas de sua escola, a estudante Isadora Faber, de 14 anos, trabalha com seus pais para fundar uma ONG batizada com o seu nome.

JB Neto/AE Isadora conseguiu 626 mil seguidores em sua página

JB Neto/AE
Isadora conseguiu 626 mil seguidores em sua página

“Pretendo ajudar mais escolas da forma que for possível, com a participação de todos que quiserem entrar nessa”, afirma a menina, que mora em Florianópolis. A mãe de Isadora, Mel Faber, explica que um dos objetivos da ONG será descobrir formas de financiar reformas das escolas brasileiras.

A página Diário de Classe foi criada em 11 de julho de 2012, inspirada em uma iniciativa semelhante de um garoto inglês. Nos primeiros posts, Isadora denunciou a situação da Escola Básica Municipal Maria Tomázia Coelho, onde estuda. A menina descreveu portas sem maçanetas, fios desencapados, carteiras quebradas e ventiladores que davam choque. Em pouco mais um mês, 15 mil internautas deram um “curtir” na página.

Na época, a estudante foi hostilizada por professores e funcionários. A mãe conta ter sido chamada pela direção da escola assim que o Diário de Classe foi criado. Afirma ter ouvido que era melhor tirar a ideia da cabeça da menina. Com apoio da família, Isadora não cedeu.

Hoje, a situação está mais tranquila. “As ameaças pararam. Sei que há professores que não gostam do Diário, às vezes fazem algumas indiretas, mas nada grave”, conta. “Os funcionários, em geral, agem como se eu não existisse.”

Melhorias. As denúncias de Isadora surtiram efeito. Dois meses depois de iniciar o Diário de Classe, a estudante postou que a escola estava sendo reformada. O banheiro para pessoas com deficiência física ganhou fechadura, a escola recebeu portas, pintura nova e até um bebedouro.

No mesmo mês, Isadora foi intimada a ir à delegacia, acompanhada pelo pai, após registro de boletim de ocorrência feito por sua professora de Português. A docente acusava a estudante de calúnia e difamação.

Na época, o delegado Marcos Alessandro Vieira Assad, da 8.ª DP de Florianópolis, disse que o que motivou o BO foi o fato de Isadora ter escrito no Facebook que era perseguida e humilhada pela professora. Dias depois, a Polícia Civil informou que o processo seria arquivado porque nenhuma das partes entrara com representação criminal.

Mas a polêmica envolvendo a menina não parou por aí. Em novembro de 2012, a avó de Isadora – então com 353 mil seguidores no Facebook – teria sido atingida por uma pedra, quando estava na casa da estudante. Ela chegou a publicar na internet uma foto da idosa com um ferimento da cabeça.

Com 626 mil seguidores no Facebook, Isadora diz que sua vitória vai muito além da reforma de sua escola. “A maior conquista é saber que vários diários surgiram pelo País e mais alunos se conscientizaram de que podem e devem exigir seus direitos. Isso me deixa muito feliz.”

Garotos brasileiros corrigem erros gramaticais de tuítes de Rihanna, Lady Gaga e Bieber

1
Milena, 10, para a cantora Lady Gaga: "você é ótima, mas seu 'tweet' tem um erro"

Milena, 10, para a cantora Lady Gaga: “você é ótima, mas seu ‘tweet’ tem um erro”

Publicado originalmente na Folha de S.Paulo

Tuítes de Rihanna, Justin Bieber e Lady Gaga com erros gramaticais estão sendo usados para ensinar crianças brasileiras a escrever corretamente em inglês.

A iniciativa, divulgada em reportagem do jornal britânico “The Guardian”, é da rede de escolas de inglês Red Balloon.

A ideia surgiu porque os professores perceberam que os alunos estavam criando muitos vícios de linguagem por meio do Twitter de artistas.

Entre eles há também atores, como John Cusack e Charlie Sheen, mas os músicos são os que cometem os erros mais gritantes, segundo os professores

Os professores da rede pedem a alunos de oito a 13 anos para levantar os erros que encontrarem nos tuítes das celebridades.

Quando os erros são encontrados, os alunos enviam textos com as versões corrigidas aos autores famosos. Até agora, nenhum deles respondeu.

Maria, 9, é fã de Justin Bieber. "Cuidado: é 'we're here' not 'we here'", ela escreve ao ídolo

Maria, 9, é fã de Justin Bieber. “Cuidado: é ‘we’re here’ not ‘we here'”, ela escreve ao ídolo

Carolina, 11, alerta a cantora Rihanna de seu erro: "it's not to she, it's to her".

Carolina, 11, alerta a cantora Rihanna de seu erro: “it’s not to she, it’s to her”.

Empresa lança projeto de incentivo à leitura nas obras

0

Projeto é uma parceria entre a Plaenge e o produtor cultural Clóvis Matos para incentivar a leitura dentro das obras da construtora

Publicado no MidiaNews

Gostar de ler é uma questão de hábito. Quem é apresentado aos livros ainda pequeno, tem mais chances de descobrir o prazer da leitura e se tornar um grande leitor. Mas nem todas as crianças tem esse contato desde cedo e como adultos acabam entrando nas estatísticas de que o brasileiro não lê livros. Levar esse hábito da leitura a um adulto que chegou a essa fase da vida sem ter descoberto o prazer dos livros é bem mais complicado. Missão espinhosa? Sem dúvida. Mas não é impossível. Pensando nisso, a Plaenge em parceria com o produtor cultural, Clóvis Matos lançou nesta terça-feira (13.08), o Projeto “Livro na Obra”, no empreendimento Arboretto, em Cuiabá. A iniciativa inédita tem o intuito de incentivar a leitura dentro das obras da construtora.

Segundo o diretor regional da Plaenge, Rogério Fabian Iwankin, o projeto procura proporcionar uma oportunidade nova, até inusitada aos colaboradores das obras. “Quando o Clóvis nos procurou com essa ideia gostamos muito. Ele já tinha os livros, a maneira para se fazer e nós possibilitamos o acesso dele às pessoas. Afinal, onde tem gente, tem um potencial leitor e nós queremos levar esse prazer para os nossos colaboradores”, disse.

De acordo com Rogério, a ideia é incentivar os operários a ter acesso a um instrumento. “É o instrumento mais poderoso de que dispomos para ter acesso e nos apropriarmos das informações, assim como é uma ferramenta lúdica que nos permite explorar mundos diferentes dos nossos, reais ou imaginários, que nos transforma em exploradores de um universo que construímos em nossa imaginação”, pontuou.

Para Clóvis Matos, incentivar a leitura é plantar sementes que no futuro – e até no presente – começam a gerar bons frutos. “Não é que as pessoas não gostam de ler, muita das vezes elas não tem é o incentivo ou oportunidade e a Plaenge mostrou que tem visão ao ceder essa oportunidade a seus funcionários até em um ambiente que não é visto como um local habitual de leitura”, afirmou.

O produtor cultural comentou que o projeto já atraiu as pessoas e demonstra que o livro chama a atenção, o que falta as vezes são as oportunidades. “Muitas pessoas já pegaram os livros, outras já vieram perguntar como que o projeto funciona, a curiosidade foi muito grande, apesar da timidez de muitos”.

Um dos pontos de êxito de projetos como esse, segundo Clóvis, é que as bibliotecas são livres. “Não haverá uma fiscalização de quem retirou qual livro, ou quantos livros existem, aqui as pessoas são livres para pegar quantos livros quiserem e devolverem a hora que quiserem. Na minha experiência se você fizer uma fiscalização dentro de um local como esse você acaba inibindo eles a pegarem, eu prefiro acreditar na consciência das pessoas, que eles vão cuidar dos livros”, reforçou Clóvis Matos.

O Projeto ainda tem foco não só nos colaboradores da construtora, mas também na família deles. “Adultos leitores influenciam crianças leitoras e vice versa. Ao levar o livro para casa ele acaba estimulando seus familiares também, sem falar que eles tem a opção de poder retirar livros para seus filhos, já que existem livros infantis nas bibliotecas”, pontuou.

Para a ajudante de obra Edilerne Maria da Silva, o Projeto “Livro na Obra” foi uma ótima surpresa. “Nunca tinha visto uma ideia dessa, adorei. Já estou levando um livro para casa, se levasse dois talvez não conseguisse terminar de ler”, brincou.

O operador de máquinas pesadas, Geovan Moreira também aprovou o projeto. “Uma oportunidade para quem não tem condições de comprar livros, poder ler e adquirir novos conhecimentos ou só se divertir”, disse.

Neste primeiro o Projeto “Livro na Obra” será implantado em três empreendimentos. “Começaremos o projeto nas obras do Arboretto, Absolutto e Belle Vie Résidence e dependendo da adesão do pessoal expandiremos para todas as obras do Grupo”, afirmou Rogério Fabian.

Doação de livros

Quem quiser fazer doações de livros ao Projeto “Livro na Obra” ou o Projeto Inclusão Literária, também de autoria do produtor cultural, Clóvis Matos, pode levar os livros a sede da Plaenge na Av. São Sebastião ou na Câmara Municipal de Cuiabá, que esta realizando até o dia 16 de agosto uma campanha de arrecadação de livros.

Go to Top