Posts tagged Indonésia

Uma micro-biblioteca feita de embalagens de sorvete

0

SHAU-microlibrary-taman-bima-01

Publicado no Boas Notícias

A fachada de uma micro-biblioteca em Bandung, Indonésia, foi construída com mais de 2.000 caixas de sorvete. Este projeto original quer incentivar o interesse das pessoas pelos livros ao oferecer um espaço dedicado à leitura e à aprendizagem.

Localizada numa pequena praça usada pela comunidade local para momentos de convívio e atividades desportivas e sendo construída no ar quase como um espaço flutuante, esta biblioteca adiciona espaço em vez de roubar área ao terreno.

A praça está localizada entre um bairro de classe média e um bairro social, servindo assim de ligação entre toda a comunidade. Para além do design inovador, a biblioteca oferece sombra e proteção da chuva.

1431au9

De acordo com informação no portal ArchDaily, as caixas de sorvete foram escolhidas para fazer as paredes por serem um material econômico mas também devido ao clima tropical de Bandung, que ronda uma média de 23º C durante todos os meses do ano, com picos de 32º C.

Nesta zona, para manter os sítios fechados frescos é normalmente necessário ar condicionado, mas com esta solução do atelier de arquitectura SHAU o espaço fica bem ventilado uma vez que o fundo de algumas das caixas foram cortados, enquanto outras ficaram fechadas. Esta solução permite que o ar circule por todo o espaço e que entre a quantidade certa de luz.

A biblioteca vista por fora de noite © SHAU

A biblioteca vista por fora de noite © SHAU

 

Os responsáveis do projeto escreveram, na fachada, uma mensagem através de código binário, usando as caixas abertas para simbolizar o zero e as caixas fechadas para simbolizar o um. As palavras elegidas foram “buku adalah jendela dunia”. Em português significam “os livros são a janela para o mundo”.

O espaço foi desenhado pela firma de arquitetura SHAU, dedicada a encontrar “soluções de design inovadoras que incorporam preocupações sociais e ambientais no processo de design”.

Brasil leva 4 menções honrosas em Olimpíada de Astrofísica na Indonésia

0

Competição aconteceu entre os dias 26 de julho e esta segunda-feira (3).
Brasil foi o único país da América Latina a receber premiações.

equipe_ioaa_durante_a_abertura_do_evento-2

Will Soares, no G1

Quatro estudantes brasileiros foram condecorados com menções honrosas na 9ª edição da Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica (OIAA), que terminou nesta segunda-feira (2, no horário do Brasil), na cidade de Magelang, na Indonésia. O Brasil foi o único país da América Latina a receber premiações durante o evento.

Carolina Lima Guimarães e Yassin Rany Khalil, de 18 anos; Felipe Roz Barscevicius, de 17; e João Paulo Krug Paiva, de 16, foram os estudantes que conquistaram menção honrosa. A delegação brasileira que viajou à Ásia ainda contou com a presença do estudante Pedro Henrique da Silva Dias, 17. Os jovens foram acompanhados do astrônomo Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), e Eugênio Reis, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

A equipe brasileira terminou a competição na 20ª colocação dentre os 41 países participantes. O resultado, apesar de menos expressivo do que o obtido no ano passado, quando o país ganhou a medalha de prata, foi bastante comemorado pelo professor Rojas, comandante do time: “O nível das provas foi muito elevado. Mesmo assim, nossos alunos conseguiram as menções honrosas, ficando à frente de outros países com tradição na competição”, afirmou.

A estudante capixaba Carolina, que cursa o quarto ano do ensino médio integrado com técnico em eletrotécnica no Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), foi a melhor colocada no processo seletivo para a olimpíada, e recebeu, como prêmio do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), uma viagem ao deserto do Atacama, no Chile, para conhecer o mais potente telescópio do mundo.

A OIAA teve início no dia 26 de julho e a cerimônia de encerramento aconteceu nesta terça, no templo de Prambanan. O primeiro lugar geral da competição ficou com o estudante Joandy Pratama, da Indonésia, que na edição anterior tinha levado a medalha de bronze. A próxima edição do evento já tem local e data definidos: acontecerá na Índia, em dezembro de 2016.

Preparação
Em entrevista por e-mail ao G1, os estudantes falaram sobre a principal dificuldade encontrada pela equipe brasileira na preparação para o evento. “Infelizmente, as escolas brasileiras ainda não costumam incluir o tema de astronomia em seus currículos. Alguns assuntos relacionados são ensinados nas disciplinas de geografia ou física, mas superficialmente”, lamentaram.

Nem mesmo a experiência dos jovens em outras olimpíadas estudantis, como de física, matemática e robótica, tornou a vida dos competidores brasileiros mais fácil na OIAA. “Diferentemente das outras olimpíadas, na de astrofísica temos que construir todo nosso conhecimento do zero. Como a disciplina não é abordada nas escolas, tivemos que correr atrás do assunto por conta própria e com a ajuda de professores dedicados”, completaram.

Seleção da equipe
Para fazer parte de uma equipe internacional, como a montada para a OIAA, o candidato precisa participar e obter uma boa pontuação na prova nacional da Olimpíada Brasileira de Astronomia. Depois, participa de provas seletivas online. Por fim, caso se classifique, o estudante realiza uma última prova, desta vez presencial.

Só no final deste processo é que os selecionados começam os treinamentos intensivos, nos quais aprendem a operar telescópios, construir foguetes, bases de lançamento e aprimoram, em um todo, seus conhecimentos de astronomia. No caso da OIAA, apenas jovens que ainda não concluíram o ensino médio podem participar.

Brasileiros posam com premiação obtida na Olímpiada Internacional de Astronomia e Astrofísica (Foto: Divulgação)

‘Biblioteca a cavalo’ atende região com vulcões, vilarejos e analfabetos

0

Para estimular leitura, homem na Indonésia viaja por Java Central com livros armazenados em caixas nas costas de um cavalo.

cav1

Publicado no G1

O analfabetismo entre adultos na Indonésia está em queda, mas uma região do país possui quase um milhão de adultos que não sabem ler. Em Java Central, um homem e seu cavalo tentam – pelo menos – melhorar o acesso da população a livros.

Ridwan Sururi, de 42 anos, é quem cuida de Luna, um antigo cavalo selvagem. A altura do animal chega apenas ao ombro dele.

Eles vivem no vilarejo de Serang, na região de Purbalingga, em Java, uma região rural e tropical, nos arredores de um dos mais ativos vulcões indonésios – o Monte Slamet.

Numa região de diversos vilarejos, Sururi e Luna fazem uma conexão essencial entre as comunidades nos últimos meses.

Em janeiro, Sururi criou uma livraria móvel chamada Kudapustaka – que significa “biblioteca a cavalo” em indonésio. Ele viaja entre vilarejos com livros armazenados em caixas nas costas do cavalo.

cav3

Ele visita escolas três vezes por semana – às terças, quartas e quintas. Às vezes, leva também sua filha, Indriani Fatmawati.

Crianças e moradores não têm que pagar para emprestar os livros e Sururi diz não querer lucrar com a iniciativa.

“Eu amo cavalos, e quero que esse hobby beneficie as pessoas”, disse ele à BBC Indonésia.

A ideia para a biblioteca itinerante veio de um amigo, Nirwan Arsuka, outro entusiasta de cavalos. “Ele me perguntou: podemos ajudar a sociedade através do nosso hobby? Eu disse que estava interessado, mas não sabia como”.

Então, ele teve essa ideia de criar uma biblioteca móvel usando cavalos. Eu gostei da ideia, mas infelizmente não tinha nenhum livro. Daí, ele me mandou caixas de livros”.

Segundo a Unesco, órgão da ONU para educação e cultura, a Indonésia fez grandes avanços na redução do analfabetismo entre adultos nos últimos anos, reduzindo o número de 15,4 milhões em 2004 para 6,7 milhões em 2011.

No entanto, o órgão diz haver mais de 977 mil adultos analfabetos em Java central, região de Ridwan.

cab2

Sururi não é dono de nenhum dos animais – apenas cuida deles. Teria ele pedido permissão para usar o cavalo como uma biblioteca móvel? “Não”, diz, aos risos.

“O dono vive distante deste vilarejo e faz tempo que não visita os cavalos. Estou um pouco triste por causa disso”.

Dos três cavalos que toma conta, Sururi escolheu Luna para fazer-lhe companhia. “Ele era um cavalo selvagem mas eu o domei. Luna nunca atacou ou mordeu ninguém, e é amável quando está cercado por crianças”.

Ele disse esperar mais doações ao seu programa. “As crianças aqui amam quadrinhos e livros de histórias”.

“Já os adultos precisam de livros de inspiração e guias, sobre agricultura, essas coisas”.

Sururi sonha em ter seu próprio cavalo Kudapustaka – e, também, uma biblioteca real.

“Espero poder ter uma biblioteca pequena na frente de casa”, diz ele. “Mas sei que isto é só um sonho”.

Go to Top