Contando e Cantando (Volume 2)

Posts tagged Integram

Bienal do Rio: dos novatos aos best-sellers

0

Publicano no Yahoo

Campeões de vendas costumam ser recordistas de público nos debates e bate-papos da Bienal do Livro do Rio, gerando filas e, quando se trata de literatura adolescente, comportamentos histéricos. Este ano, a feira (de 29 de outubro a 8 de setembro, no Riocentro) traz dois autores que chegaram aos milhões de exemplares vendidos: Nicholas Sparks, de Diário de Uma Paixão e Querido John, ambos vertidos em filmes, e James C. Hunter, de O Monge e o Executivo.

A autora do título erótico do momento, Toda Sua, Sylvia Day, e a roteirista dos jogos eletrônicos Assassin’s Creed, Corey May, integram o time norte-americano. São 27 os nomes internacionais, número recorde em 16 edições da bienal.

A homenagem deste ano é à Alemanha, que em outubro recebe o Brasil na Feira de Frankfurt, maior encontro do setor no mundo. Os autores que vêm de lá não são conhecidos por aqui. Os recordes de espectadores devem ficar mesmo com Sparks, a best-seller teen Thalita Rebouças e a turma do Porta dos Fundos, que sai da internet para as páginas. Eles falarão para um auditório com capacidade para 500 pessoas.

Entre as novidades está o Placar Literário, espaço para a literatura de futebol. Os leitores miúdos encontrarão personagens da Turma do Pererê e o Menino Maluquinho no Planeta Ziraldo. O Mulher & Ponto, a cargo da jornalista Bianca Ramoneda, promete novas abordagens para velhos assuntos das revistas femininas, como envelhecimento, vaidade e educação infantil. Os debatedores não são só mulheres. “Essa estranheza de termos homens debatendo assuntos femininos me agrada muito”, diz Bianca.

O disputado Café Literário homenageará os 30 anos da própria Bienal e o poeta Paulo Leminski (1944-1989). A novíssima literatura abrirá o Café. As narrativas vindas das periferias e as manifestações de rua pautaram a programação. “Teremos desde a literatura cult à que tem maior comunicabilidade com o público em geral”, conta o curador Italo Moriconi.

Os 950 expositores esperam um público de 600 mil pessoas. Os ingressos subiram de R$ 12, em 2011, para R$ 14, com meia para estudantes e pessoas com mais de 60 anos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Netinho de Paula quer “História Afro-Brasileira” nas escolas paulistanas

0

Diego Zanchetta, no Estadão

Portaria publicada ontem (5/6) e assinada por cinco secretários da gestão Fernando Haddad (PT) forma um grupo de estudos para implementar na rede municipal de São Paulo o ensino da “História e Cultura Afro-brasileira e Africana”. Técnicos das secretarias de Educação, Esportes, Cultura, Governo e Igualdade Racial integram a comissão de estudos, que deverá elaborar a proposta de implementação, acompanhamento e monitoramento do ensino da temática.

O ensino da cultura afro-brasileira para 1 milhão de alunos das escolas municipais será uma das bandeiras do secretário de Igualdade Racial, Netinho de Paula (PCdoB), que está à frente do projeto. O reforço do tema nas salas de aula é algo que já está previsto no artigo 11º do Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/2010), que orienta os estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privado, a reforçarem o estudo da história geral da África e da história da população negra no Brasil.

Os secretários Cesar Callegari (Educação), Juca Ferreira (Cultura), Antonio Donato (Governo) e Celso Jatene (Esportes) assinam a portaria publicada hoje no Diário Oficial da Cidade. Eles também vão orientar a formulação de novas diretrizes curriculares para o ensino das “relações étnicorraciais” nas escolas da rede municipal paulistana, a maior do país – são 83,7 mil funcionários em 1.459 escolas.

1

O secretário de Igualdade Racial, Netinho de Paula: defesa do ensino da cultura afro-brasileira nas escolas

Jovens improvisam ‘bibliotecas’ em pontos de ônibus no Rio

1

Passageiros podem pegar e trocar livros em estantes espalhadas na cidade.
Projeto ‘Troque 1 livro’ está espalhado por 10 locais da Zona Sul.

1

Bibliotecas improvisadas no Rio pelo projeto “Troca 1 livro” (Foto: Divulgação)

Publicado por G1

Por iniciativa de um grupo de cinco jovens, alguns pontos de ônibus da Zona Sul do Rio de Janeiro se transformaram em bibliotecas itinerantes. Os caixotes usados nas feiras livres viraram estantes de livros, que abrigam obras de Vladimir Nabokov a Jorge Amado, passando por contos infantis e escolares, que podem ser trocados e lidos gratuitamente pelos passageiros nos longos engarrafamentos da cidade.

O designer Vitor Sento Sé, um dos autores do projeto intitulado “Troque 1 livro”, explica que o objetivo da ação é desenvolver o potencial criativo da cidade. “Queremos melhorias e ideias inovadoras para o Rio. Nesse início, 100 livros foram doados por amigos. Queremos expandir para outros locais, como a Zona Norte e o Subúrbio”, conta o jovem de 30 anos.

Projeto começou em 10 pontos de ônibus (Foto: Divulgação)

Projeto começou em 10 pontos de ônibus
(Foto: Divulgação)

No primeiro dia do projeto, que teve início na quarta-feira (3), dez pontos de ônibus receberam as bibliotecas improvisadas. Os livros podem ser retirados e entregues na Rua Cosme Velho, na altura do Colégio São Vicente, na Praça Santos Dumont, na Gávea, na Rua da Passagem, em Botafogo, na Rua Jardim Botânico, na altura do Parque Lage, e em Ipanema, na esquina das ruas Garcia d´Ávila e Joana Angélica.

“Sabemos que na França e na Alemanha existe esse conceito de livros nos pontos de ônibus, mas lá não tem essa ideia de trocar, que é o mais legal do projeto”, diz o arquiteto e urbanista Hugo Rapizo, 28, um dos autores da iniciativa.

Além de Vitor e Hugo, integram o projeto o arquiteto André Almeida, o fotógrafo Marcelo Braga e o designer Jonas Dihel. Os jovens também são os criadores do programa “Simplicidades”, que promove exposições e atividades na cidade através do financiamento coletivo na internet.

dica do João Marcos

Projeto ‘Mania de Ler’ distribui 6.930 livros em 2012 no Amazonas, diz SEC

0

'Estações de Leitura' já estão disponíveis em diversos locais da capital e do interior e integram o programa 'Mania de Ler' (Foto: Carla Lima/Press Comunicação)
‘Estações de Leitura’ já estão disponíveis em diversos locais da capital e do interior e integram o programa ‘Mania de Ler’ (Foto: Carla Lima/Press Comunicação)

Projeto proporciona ler e conhecer clássicos da literatura nacional e mundial.

Publicado no G1

O Aeroporto Eduardo Gomes, a Feira do Produtor do Santo Antônio, o CAIC Moura Tapajós, a Penitenciária Feminina de Manaus e shoppings da cidade são os novos endereços onde será possível encontrar, ler e conhecer clássicos da literatura nacional e mundial nas ‘Estações de Leitura’, unidades móveis de estantes com livros já disponíveis em diversos locais da capital e do interior do Amazonas que integram o programa de incentivo à leitura ‘Mania de Ler’ da Secretaria de Estado da Cultura do Amazonas (SEC-AM).

Com as 27 novas unidades entregues nesta quarta-feira (12) pela secretaria, em um total de 2.970 livros, o projeto encerra o ano com 63 caixas e 6.930 livros em todo o Estado. “Este é um exemplo da política estadual de democratização da cultura, do conhecimento e do saber para o maior número de pessoas em quaisquer lugares que estejam”, afirmou o titular da pasta, Robério Braga.

Com seis unidades atendidas pelo projeto, todas destinadas ao atendimento de adolescentes que cumprem medidas socioeducativas ou de mulheres que tiveram os direitos violados, a titular da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Seas), Regina Fernandes, celebrou a iniciativa por incluir, entre os beneficiados, parcelas da sociedade esquecidas por projetos de inclusão e difusão de cultura e educacional. “Tenho certeza de que os efeitos positivos serão imediatos e indispensáveis na ressocialização destas pessoas”, explicou.

Além das ‘Estações de Leitura’, agora disponível na Cadeia Feminina de Manaus (com 110 livros), nove unidades da Sejus como as cadeias Raimundo Vidal Pessoa e as unidades prisionais Antônio Trindade, Anísio Jobim e Puraquequara receberam ampliação e atualização de seus acervos com 300 livros cada uma.

Go to Top