Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged investimento

Boa educação traria US$ 23 tri ao Brasil no longo prazo

0

size_810_16_9_escoladaeduinvest

Publicado em Exame

São Paulo – Empregos, riqueza e bem-estar individual são coisas que dependem apenas do que as pessoas sabem e do que elas podem fazer com o que sabem. Não existem atalhos para equipar pessoas com as habilidades apropriadas e oferecer-lhes as oportunidades para que usem suas aptidões de maneira eficiente.

E se há algo que a economia global nos ensinou nos últimos anos é que não basta nos estimular para sair de uma crise e que não podemos simplesmente imprimir mais dinheiro para superá-la. Países como o Brasil podem ­se sair muito melhor preparando mais pessoas com condições de colaborar, competir e ­­­se ­conectar de maneira que possam obter um emprego mais atraente, melhorando de vida e impulsionando a economia.

A atual deficiência na capacitação dos trabalhadores brasileiros limita seriamente o acesso das pessoas a empregos mais bem remunerados e compensadores. E a distribuição desigual das habilidades tem implicações significativas na maneira como os benefícios do crescimento econômico do país são divididos na sociedade brasileira.

Em outras palavras, onde grande parte dos adultos são precariamente capacitados, fica difícil incorporar tecnologias que aumentem a produtividade e introduzam novas maneiras de trabalhar, retardando assim um avanço nos seus níveis de vida.

Nesse aspecto, as qualificações têm um peso maior do que a renda ou o emprego. Pessoas menos capacitadas são muito mais propensas a ter problemas de saúde, a enxergar-se como objetos — e não como atores em processos políticos — e a confiar menos em outras pessoas.

O Brasil não conseguirá desenvolver políticas justas e inclusivas e mobilizar todos os cidadãos enquanto a falta de proficiência em habilidades básicas impedir as pessoas de participar plenamente da sociedade. E para nenhum grupo isso é mais importante do que para a juventude atu­al, que não consegue competir em experiência ou em conexões sociais com os mais velhos.

Investir cedo é crucial. As escolas brasileiras de hoje serão a economia e a sociedade do Brasil de amanhã. O conhecimento e as habilidades dos estudantes de 15 anos, conforme medidos pelo Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), são altamente preditivos das habilidades que os adultos têm ou que adquirirão mais tarde na vida.

O Brasil tem muito a ganhar com a elevação da qualidade e da equidade nos resultados do aprendizado. Se o país conseguir garantir que todos os estudantes de 15 anos atinjam com sucesso pelo menos o nível mais baixo de desempenho do Pisa (nível 1), só isso acrescentará 23 trilhões de dólares à economia brasileira durante o tempo de vida dos que hoje estão com 15 anos.

Isso equivale a 7,5 vezes o tamanho atual da economia brasileira e mostra que as recompensas da melhor escolaridade eclipsam qualquer custo que se estime necessário para o avanço.

É verdade que o sistema educacional brasileiro enfrenta desafios sociais bem maiores do que os de muitos países. Mas o fato de os garotos socialmente mais desfavorecidos em Xangai superarem o desempenho escolar dos garotos mais ricos do Brasil nos lembra que pobreza não é destino, e isso retira as desculpas dos mais complacentes.

Entretanto, podemos dizer que o copo está meio cheio em vez de meio vazio. Entre os paí­ses que aderiram ao Pisa desde 2000, o Brasil é o que mais avançou em desempenho. Além disso, o país conseguiu ampliar significativamente a população de 15 anos que tem acesso à escola. Mas o sistema educacional brasileiro ainda tem um longo caminho a percorrer para alcançar padrões mundiais de excelência.

Evidentemente, ninguém pode simplesmente copiar e colar sistemas escolares no atacado. Mas o Pisa revelou uma quantidade surpreendente de características compartilhadas pelos sistemas escolares mais bem-sucedidos do mundo. Todos concordam que educação é importante, mas a prova real ocorre quando se compara a educação com outras prioridades.

MEC cortará vagas no Pronatec e no Ciência sem Fronteiras

0

Ministério priorizará o investimento em creches e no ensino básico

Número de vagas no Pronatec diminuirá (Foto: Luiz Ackermann / Agência O Globo)

Número de vagas no Pronatec diminuirá (Foto: Luiz Ackermann / Agência O Globo)

Raphael Kapa, em O Globo

Com cortes em seu orçamento por causa do ajuste fiscal, o Ministério da Educação (MEC) já definiu alguns programas que serão afetados, e entre eles estão o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e o Ciência sem Fronteiras (CsF), que terão o número de vagas reduzidos em relação a 2014.

“As ofertas ainda serão definidas, mas quantitativamente serão em número inferior ao do ano passado”, informou a assessoria do MEC, em nota.

Sem informar de quanto será a redução, o ministério disse apenas que o tamanho dos cortes “será divulgado em breve”. Segundo a pasta, o ensino básico deve ser preservado ao máximo, com os cortes atingindo mais programas de ensino técnico e superior.

O ministério afirma ainda que as verbas de custeio, responsáveis pelos investimentos nas universidades federais e pagamentos de funcionários terceirizados, estão garantidas.

Desde o ano passado, o corte na educação fez com que universidades entrassem em crise por falta de remuneração de seus funcionários terceirizados. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a maior federal do país, suspendeu suas atividades devido à falta de serviços de limpeza, segurança e portaria. Alunos chegaram a ocupar a reitoria da instituição requisitando regularização dos pagamentos.

“O Ministério também atua no sentido de garantir os recursos de custeio necessários para o funcionamento das universidades e dos institutos federais”, informou o MEC.

O Pronatec foi um dos principais programas citados pela presidente Dilma Rousseff na campanha presidencial. O governo prometeu, no entanto, poupar dos cortes outro programa que foi também uma das bandeiras do governo na eleição: a criação de creches. Dilma prometeu construir mais 4 mil unidades em seu segundo mandato.

GASTOS ACIMA DO MÍNIMO

Além disso, outros serviços ligados à educação básica, como a merenda e o transporte, também não terão impactos com o ajuste fiscal, segundo o MEC.

“Programas como Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), além de merenda e transporte escolar, não receberam cortes em relação à Lei Orçamentária Anual (LOA), e ainda apresentaram aumento em relação ao empenhado no ano de 2015”, diz o ministério na nota.

O MEC afirmou ainda que, apesar dos cortes nos programas, o ajuste fiscal “preserva os programas e ações estruturantes e essenciais” da pasta e “mantém os gastos do ministério acima do mínimo constitucional”.

Educação: a única solução

1

Educacao

Airton Carlini, em Exame

Nos últimos dias fomos surpreendidos pela notícia da execução de um brasileiro preso e condenado por tráfico de drogas na Indonésia. Muitos ficaram chocados achando que a pena era exagerada e que o “pobre” rapaz merecia destino melhor. Pessoalmente não concordo com a pena de morte mas não vou entrar neste tema complexo e muito controverso. Uns são favoráveis outros contra. Apenas isto.

A questão não é esta. O fato é que gostem ou não lá as Leis são cumpridas. Não sou um profundo conhecedor da cultura daquele país e não imagino que seja um exemplo como nação. O fato é que num determinado sentido, eles nos deram uma lição. Se existe lei, ela deve ser cumprida.

A isto se dá o nome de educação. Uma nação só existe e cresce com educação e respeito às instituições.

O Brasil precisa urgentemente de um choque de educação. Em todos os sentidos. Perdemos a noção. Somos sim um povo gentil e amoroso mas, também somos um povo mal educado. Falta estudo, respeito, civilidade e senso de nação.

Estamos vivendo a maior seca da nossa história. Isto afeta a todos de modo indiscriminado. E o que temos visto? As pessoas culpando apenas o governo que não tomou as medidas necessárias para evitar que isto nos afetasse. Pode ser verdade. Não estou dizendo nem que sim e nem que não. Apenas não tenho competência para julgar o que foi feito. O que sei, é que ainda vejo uma série de pessoas que não se deram conta do grave problema e continuam a gastar como se o problema não fosse delas. Digamos que a falta de água realmente foi causado pelos nossos governantes. Tá bom mas e daí, por isso gasto indiscriminadamente para mostrar que estou com “raiva”?

Isto só acontece porque somos mal educados. Convivemos com tanta corrupção e desmandos que nos achamos no direito de fazer o mesmo. Se eles não fazem, porque eu tenho que fazer

Esta lógica é perversa e está totalmente errada. Deveria ser exatamente o contrário. Não importa se os outros não fazem o que lhes cabe. Eu vou fazer a minha parte e com isto vou começar a dar o exemplo.

Sempre ouvi desde muito pequeno que os bons exemplos começam em casa. Concordo plenamente. Precisamos reverter a educação deste país a partir de nós mesmos. Só nós, cada um de nós é que podemos dar educação para os nossos filhos e fazer com que as próximas gerações sejam muito melhores do que nós.

Quem tem filhos em idade escolar e já participou de reuniões de pais, com certeza vai se lembrar de algo parecido com o que vou relatar. Já vi inúmeras vezes pais e mães cobrarem das escolas que esta dê educação para seus filhos, como se os próprios não tivessem nenhuma responsabilidade sobre os mesmos. Onde nós estamos?

O título deste blog começa com a palavra educação não por acaso. Educação é muito mais amplo que estudo e conhecimento. As escolas precisam nos ajudar com o estudo, com conhecimento e com educação também entretanto querer repassar a estas a total responsabilidade pela educação de nossos filhos é totalmente descabido.

Todos nós somos responsáveis pelo que acontece no país. Pelos desmandos inclusive. Nós votamos e portanto demos a nossa contribuição.

Para terminar meus amigos (certamente poderia me alongar muito no tema), fazendo uma comparação com o que aconteceu na Indonésia, temos que entender de uma vez por todas que somos responsáveis pelos nossos atos e que precisamos urgentemente nos tornar exemplos positivos para as próximas gerações. Não dá mais para esperar o outro começar primeiro. Eu e você precisamos começar agora. Hoje. Já. Temos que dar e cobrar educação das pessoas. Isto nos tornará uma nação. Do contrário continuaremos a ser o país do tudo pode e o que é pior, sem água.

Investir no ensino mais cedo tem custo menor, aponta levantamento

0

midia-indoor-menino-aluno-estudante-estudar-livro-livraria-biblioteca-ensino-escola-estudo-colecao-pagina-papel-crianca-conhecimento-aprender-literatura-leitor-leitora-jovem-1271192909740_1024x768
Publicado no UOL

Investir na correção de desigualdades durante o desenvolvimento infantil é mais eficaz e mais barato do que em outras etapas da vida. Se governos e famílias tentarem reverter déficits de aprendizado apenas a partir do ensino fundamental, terão de aplicar o dobro do dinheiro que gastariam na primeira infância, época de desenvolvimento do 0 aos 6 anos de idade.

Como cada conteúdo aprendido em um período da vida serve para o aprendizado na etapa seguinte, os déficits ou desigualdades têm de ser corrigidos o mais cedo possível, para que não se acumulem.

Isso é o que aponta um levantamento de pesquisas científicas sobre a primeira infância, produzido pelo Núcleo Ciência pela Infância (NCPI), iniciativa que reúne estudiosos de Harvard, da Fmusp (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal.

O documento, intitulado O Impacto do Desenvolvimento na Primeira Infância sobre a Aprendizagem. mostra que o investimento nessa etapa não tem impacto somente no desempenho acadêmico, mas influencia toda a vida, gerando maior renda, melhor saúde e até menor criminalidade.

Os pesquisadores explicam que o desenvolvimento nessa fase é crucial. E o cérebro tem toda a participação nisso: quanto mais novo o indivíduo, mais conexões o órgão faz. No segundo ano de vida, chega a realizar 700 novas conexões por segundo.

Ely Harasawa, da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, explica que as grandes aquisições, como a linguagem e o raciocínio, são mais bem desenvolvidas exatamente na infância. “Não é que depois não recupera, mas demora mais, gasta mais dinheiro e mais esforço.”

O pesquisador em educação Eduardo Marino ressalta que não adianta, no entanto, os pais relegarem a tarefa do desenvolvimento das crianças para a escola. “Os pais tendem a ter um maior envolvimento nessa fase, porque é a estreia da criança na escala. Mas é preciso ter proximidade com o educador, estabelecer um canal de diálogo e entender os desafios nessa etapa”, afirma Marino.

A educadora Bianca Inês da Silva, de 27 anos, trabalhou em uma creche particular e, na hora de escolher uma instituição municipal para a filha, de 3 anos, se preocupou em conhecer o corpo docente da instituição. “Eu pergunto para as professoras como foi o dia da Maria Eduarda”, explica. “Sei que, se não tivesse atividade lá, teria de compensar em casa.”

Expansão

Governos também terão o desafio de expandir suas redes e com qualidade. De acordo com o novo PNE (Plano Nacional de Educação), o Brasil terá de universalizar o acesso à pré-escola até 2016 e ter 50% das crianças de zero a três anos na creche até 2024 – em 2012, 82,2% das crianças estavam na pré-escola e 23,5%, na creche. “Construir é o mais fácil. O custo de manutenção é a grande questão”, diz Francisco Carbonari, do Conselho de Educação de São Paulo.

‘Mundo produz mais armas do que livros e brinquedos’, diz Nobel da Paz

0

Indiano pede corte de gastos militares para se investir em educação.
Kailash Satyarthi ganhou Nobel da Paz ao lado de Malala Yousafzai.

Kailash Satyarthi ganhou o Prêmio Nobel da Paz (Foto: Bernat Armangue/AP)

Kailash Satyarthi ganhou o Prêmio Nobel da Paz (Foto: Bernat Armangue/AP)

Publicado por G1

Países em todo o mundo devem cortar seus orçamentos de defesa e investir em educação se quiserem erradicar o trabalho infantil, disse Kailash Satyarthi. O indiano de 60 anos recebeu o Nobel neste mês junto à paquistanesa Malala Yousafzai por sua luta contra a opressão às crianças.

“O mundo foi capaz de produzir mais armas, armamentos e munição do que livros e brinquedos que são necessários para as crianças”, disse Satyarthi em entrevista coletiva na noite de segunda-feira (20).

“Precisamos do que as pessoas chamam de ‘defesa’, mas que eu vejo como ‘ataque’? Devemos gastar mais dinheiro, mesmo tirando de nossos orçamentos de defesa, e devemos dar às crianças uma boa educação globalmente.”

Cerca de 30 milhões de pessoas -incluindo crianças- são escravizadas no mundo todo, traficadas para bordéis, forçadas a trabalho manual, vítimas de escravidão por dívida e ou até mesmo nascidas na servidão, mostrou um índice global sobre escravidão moderna divulgado em outubro do ano passado.

Quase a metade está na Índia, onde a escravidão vai de trabalho em pedreiras até trabalho doméstico e exploração sexual.

O que precisamos é cerca de US$ 18 bilhões adicionais para educar todas as crianças no mundo. Isso é menos do que três dias de gastos militares”
Kailash Satyarthi, Prêmio Nobel da Paz

Satyarthi fundou a organização Bachpan Bachao Andolan (Movimento Salve a Infância) em 1980 e ajudou a resgatar mais de 80 mil crianças, muitas das quais foram traficadas de vilas rurais pobres de Estados indianos como Bihar e Jharkhand.

Satyarthi, que também começou um movimento da sociedade civil chamado Campanha Global para a Educação, disse que o ciclo de analfabetismo, pobreza e trabalho infantil pode ser quebrado ao se colocar as crianças na escola.

“Nós precisamos de mais vontade política. É uma questão de financiamento global e financiamento para a educação de crianças, para sua saúde e para sua melhora”, disse o ativista.

“O que precisamos é cerca de US$ 18 bilhões adicionais para educar todas as crianças no mundo. Isso é menos do que três dias de gastos militares.”

Gastos públicos em educação variam pelo mundo, com países como Lesotho e Cuba alocando cerca de 13% do PIB ao setor, ao passo que outros como Mianmar e Bangladesh gastam menos de 2,5 por cento, de acordo com dados do Banco Mundial.

Orçamentos militares variam de 9%o do PIB na Arábia Saudita para 1,4% no Brasil.

Satyarthi classifica a escravidão humana como o terceiro maior tráfico do mundo, após armas e drogas.

Segundo ele, há 168 milhões de crianças que trabalham hoje em dia, comparado a 260 milhões há quase duas décadas, ao passo que o número de crianças fora das escolas primárias caiu quase pela metade globalmente, para 57 milhões.

“Toda criança nasce com liberdade, dignidade e identidade. Roubar isso delas é uma violência contra a humanidade”, afirmou o ativista.

Go to Top