Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Irlandesa

Em SP para a Bienal do Livro, Marian Keyes diz que sua obra ajuda a salvar vidas

0
Best-seller. Marian lança nova edição de “Melancia”, com capa dura, e prepara livro focado em uma família em crise - Edilson Dantas

Best-seller. Marian lança nova edição de “Melancia”, com capa dura, e prepara livro focado em uma família em crise – Edilson Dantas

 

Escritora irlandesa lança livro de receitas e uma nova edição de seu romance de estreia

Alessandro Giannini, em O Globo

SÃO PAULO – Com um sorriso amplo que faz brilhar os olhos claros, a escritora irlandesa Marian Keyes não dá muitas pistas da alcoólatra e suicida que se salvou escrevendo seu primeiro e maior sucesso no mundo dos livros, o best-seller “Melancia” — a saga de Claire Walsh e o abandono do marido após o nascimento da filha de ambos. Nem da autora que em 2009 buscou na culinária e nos bolos uma espécie de refúgio para uma dor que não sabia de onde vinha, impedia-a de trabalhar e novamente tirava-lhe a vontade de viver. Para marcar sua segunda passagem pelo Brasil (a primeira foi a passeio, e desta vez como convidada da 24ª Bienal do Livro de São Paulo), a Bertrand Brasil está lançando “Salva pelos bolos”, com as receitas que a tiraram do atoleiro, e uma nova edição de capa dura de seu romance de estreia.

Vista pelos críticos literários como uma mistura de autora de romances para jovens adultos e livros de autoajuda, Marian é também uma grande vendedora. “Melancia” vendeu 500 mil exemplares no Brasil. Na esteira desse fenômeno, a Bertrand publicou outros 12 títulos dela, incluindo o romance mais recente, “A mulher que roubou a minha vida”. No mundo, foi traduzida em 33 línguas e vendeu mais de 30 milhões de livros. Com tudo isso, ela não demonstra ressentimento com o fato de ser alvo do desprezo da intelectualidade. E avalia que é o modo como escreve que atrai os leitores, a maior parte jovens e uma boa quantidade de mulheres:

— Escrevo principalmente sobre jovens mulheres, pós-feministas, que têm a vida completamente bagunçada. E faço isso de uma maneira direta, honesta e sincera, que é como falo normalmente. Acho que as pessoas sentem-se identificadas e confortáveis — disse ela em entrevista concedida sábado ao GLOBO, um dia antes de seu encontro com leitores na Bienal, em que se emocionou mais de uma vez ao responder perguntas da plateia.

Marian se encaixa como uma luva no perfil dos principais convidados estrangeiros do evento, que desde a edição anterior investe principalmente nos ídolos da tendência “jovem adulto” e autores egressos de outras plataformas, como o YouTube. A escritora irlandesa crê que essa é uma tendência a ser explorada, porque os jovens se identificam mais com os mundos criados nessas séries dedicadas a eles:

— Não sei se é culpa das redes sociais, mas os adolescentes falam mais abertamente de seus medos. E os livros para jovens adultos estão cheios de metáforas sobre suas vidas. As ficções distópicas, por exemplo, são representações do ensino médio, com suas tribos e disputas. E esses leitores articulam suas preocupações com esse tipo de história. Para mim, estar vivo pode ser muito difícil e esses livros ajudam-nos a passar pelas dificuldades — comentou ela.

O próximo livro, ainda sem título definido, é uma variação de seus outros romances, com uma protagonista que, depois de 18 anos de casamento e dois filhos, surpreende-se com a decisão do marido de se ausentar por seis meses para tirar uma espécie de “licença”:

— Essa é uma tendência, li muitos relatos sobre casos parecidos. Como as pessoas estão vivendo mais, a tendência é que passem mais tempo juntas. Só que a perspectiva de passar 40 ou 50 anos com o mesmo par é assustadora.

Criadora de personagens que muitas vezes lembram ela mesma e partes de sua história, Marian é uma feminista declarada e admite que o feminismo tenha adquirido um aspecto mais assustador para algumas pessoas, talvez por representar uma ideia errada de oposição aos homens, o que ela chama de “bobagem”. Diferentemente da época em que se popularizou, nos Estados Unidos, nos anos 1960 e 1970:

— Ali era uma defesa feita pela mulher branca de classe média — explicou ela. — Hoje em dia, abrange muito mais gente e, inclusive, atravessa questões de classe social e de gênero. Fico muito triste quando idiotas como Kim Kardashian dizem que não são feministas. Poderia chorar quando ela diz que não é feminista, mas luta pela igualdade entre gêneros. Mas tenho esperança de que estamos melhorando.

COM AÇÚCAR E COM AFETO

Mais do que sugestivo, o título “Salva pelos bolos”, livro de receitas de Marian Keyes que a Bertrand está lançando na Bienal do Livro de SP, é literal. Em 2009, Marian curou uma profunda crise nervosa cozinhando bolos. Depois que surpreendeu uma amiga com um quitute, Marian sentiu que os sintomas da depressão profunda — pânico, vontade de se matar — acabaram desaparecendo. Uma das razões, disse ela, era a concentração e o método. Passou então a escolher receitas multinacionais. Um deles, “Bolo brasileiro com cerveja preta”, é uma homenagem ao país. “Não se preocupe com a cerveja, porque o álcool evapora e, portanto, você pode oferecer o bolo para qualquer um”, escreve ela.

Professora perde vaga de emprego na Coreia do Sul devido ao ‘alcoolismo dos irlandeses’

0

Escola em Seul afirmou não contratar docentes na Irlanda pela ‘natureza alcoólica do povo’

541758_10200215651854198_1993743460_n

Publicado no O Globo

RIO – Receber feedback sempre é importante, mesmo quando podemos ser rejeitados para uma oferta de emprego. Mas a resposta que a irlandesa Katie Mulrennan recebeu certamente não lhe ajudará em nada na sua carreira. Mulrennan tentou uma vaga de professora em uma escola na Coreia do Sul, mas recebeu como retorno um e-mail dizendo que não será contratada porque o povo da Irlanda “tem uma natureza propensa ao alcoolismo”.

Ao 26 anos, a docente viu o anúncio da vaga no Craigslist e se candidatou. Foram dias de espera até vir a resposta final.

No e-mail, o representante da empresa que intermedia os contratos entre professores e a escola afirma que “lamenta informar que nosso cliente não contrata irlandeses devido à natureza propensa ao alcoolismo deles”. A mensagem termina ainda com um desejo de “boa sorte com seu futuro”.

Email

Mulrennan disse ter ficado chocada com o conteúdo do e-mail. À BBC, ela disse que chegou a rir no início, de tão abrupta que era a mensagem.

– No final, respirei fundo e enviei de volta uma resposta um pouco sarcástica dizendo que eu não podia acreditar no e-mail que eu tinha recebido.

Mas a história teve um final feliz. A professora conseguiu outro emprego na capital Seul, e desde então está satisfeita com sua posição:

– Eu estava chateada com isso. Mas foi um pouco divertido também.

Agatha Christie sofria de Alzheimer?

0

Publicado no Ípsilon

 

Estudo da Universidade de Toronto analisa textos da autora e conclui que a diminuição nas capacidades de escrita foi causada pela doença de Alzheimer

 

Um estudo realizado por Ian Lancashire e Graeme Hirst da Universidade de Toronto concluiu que Agatha Christie (1890-1976) sofria de Alzheimer. A investigação analisou 16 romances (15 policiais e um thriller), escritos entre os 28 e 82 anos, e observou uma diminuição no número de palavras diferentes utilizadas, e um aumento na utilização de substantivos ou pronomes indefinidos e no número de frases repetidas.

Apesar de à escritora não ter sido diagnosticada a doença, os investigadores concluem que as mudanças verificadas na linguagem eram “sintomas de dificuldade de memória associada com a doença de Alzheimer”, dizem num comunicado colocado no site da universidade, e que não se tratava apenas da perda de memória típica de um envelhecimento normal.

A análise destes parâmetros mostrou que a capacidade de escrita de Christie é afectada ao longo dos anos, mas a diminuição é notória entre “Destino Desconhecido”, escrito aos 63 anos, e “Os Elefantes têm Memória”, escrito aos 81.

Em 2004, um estudo semelhante liderado por Peter Garrard, da University College London, analisou as obras da irlandesa Iris Murdoch (1919-1999), a quem foi diagnosticado Alzheimer em 1996. Tal como em relação a Agatha Christie, foi verificada uma diminuição do vocabulário utilizado e uma perda na capacidade de escrita que seriam sintomas da doença. O estudo concluía ainda que uma análise da escrita poderia detectar a doença antes de outros meios, recorda o “Guardian”.

Os investigadores de Toronto vão continuar a estudar a obra de Agatha Christie e pretendem também começar a estudar a de H.G. Wells (1866-1946).

Go to Top