Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Itens

Shopping VillaLobos monta “Livraria Vazia” para estimular doações

1

Prateleiras amanhecem todo dia sem publicações para que sejam preenchidas pelos títulos levados pelos clientes. Itens serão entregues à ONG Pró-Saber

Renata Leite, no Mundo do Marketing

O Shopping VillaLobos montou uma “Livraria Vazia” para estimular a doação de livros pelos clientes do empreendimento. As estantes amanhecem diariamente sem nenhum item e vão sendo preenchidas até a noite com as publicações levadas pelas pessoas. O centro comercial já realizou ação semelhante antes, com “A Loja Vazia”, que estimulava a doação de roupas, e “A Loja de Brinquedos Vazia”.

O projeto reforça a filosofia do shopping em relação à responsabilidade social e incentiva a cultura. Os títulos arrecadados vão ser enviados, ao fim da ação, para a ONG Pró-Saber. O espaço vai receber doações até 30 de junho. O desenvolvimento é da agência Loducca.

1

1

USP propõe bônus a aluno de escola pública que se define preto

0

Fábio Takahashi, na Folha de S.Paulo

A USP votará neste mês proposta que prevê a criação de bônus de 5% no vestibular para candidatos de escolas públicas que se declararem pretos, pardos ou indígenas. Hoje, não há benefício específico para esse grupo.

Está previsto ainda aumento do bônus para demais alunos da rede pública, que pode ir dos atuais 15% a até 20%.

Ou seja, um aluno pardo que cursou o ensino básico na rede pública poderá ter um acréscimo de até 25% na sua nota no vestibular. Hoje ele só pode chegar aos 15%.

O modelo é uma resposta à proposta apresentada em dezembro pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) e pelos reitores de USP, Unesp e Unicamp. Consultadas, as unidades da USP rejeitaram diversos pontos.

Editoria de arte/Folhapress

Editoria de arte/Folhapress

Um dos pilares do projeto inicial era a criação do “college”, um curso superior semipresencial, de dois anos, para alunos da escola pública. Os que fossem aprovados entrariam nas universidades sem passar por vestibular.

Essa ideia não consta no novo documento desenhado pela universidade.

A instituição decidiu apostar no aumento dos bônus para atingir as metas do projeto inicial (que estão mantidas): 50% de calouros de escolas públicas, em cada curso, sendo 35% deles pretos, pardos e indígenas.

Hoje, 28% dos aprovados na USP são da rede oficial.

O prazo para chegar aos patamares, porém, foi alterado, de 2016 para 2018.

DIVERGÊNCIAS

A nova proposta da USP, à qual a Folha teve acesso, é uma síntese das sugestões feitas pelas suas 42 unidades. Ela foi sistematizada pela pró-reitoria de graduação e será votada no seu conselho.

Segundo a reportagem apurou com membros do órgão, a maioria dos itens da proposta deve ser aprovada com facilidade.

Apenas o trecho sobre pretos, pardos e índios deve sofrer resistências. Nas discussões internas, o projeto inicial do governo e dos reitores sofreu críticas diversas e até opostas.

A direção da Faculdade de Medicina, por exemplo, entendeu que ele mudaria muito o perfil do alunato, o que poderia reduzir a qualidade da USP.

Já a FFLCH (área de humanas) disse haver espaço para uma opção mais ousada, com adoção de cotas –reserva de vagas a alunos de escolas públicas, pretos, pardos e índios.

Já o “college” foi criticado pela maioria das faculdades, que entenderam que seria pouco atrativo deixar alunos dois anos em curso “à parte”.

A nova proposta da USP tenta acomodar as divergências internas.

Em carta às faculdades, a pró-reitora de graduação, Telma Zorn, afirma que o prazo mais longo para atingir as metas foi colocado para que o processo seja feito “de modo responsável”.

A reitoria disse que não se manifestará agora publicamente porque a proposta pode mudar. O projeto prevê ainda um cursinho para mil alunos, ministrado pela USP.

Grandes livrarias estão ainda maiores e vendem menos livros

0

Publicado por PublishNews

anl.org.br/web/ A Associação Nacional das Livrarias, a ANL, publicou hoje o Diagnóstico do Setor Livreiro de 2012, apresentando dados de 716 lojas, que representam 474 razões sociais diferentes. Os dados desta edição foram coletados e analisados pela alemã GfK, que chegou recentemente ao Brasil. Nas edições anteriores, de 2006 e 2009, os dados vieram de outras fontes, mas vale a comparação da evolução do setor livreiro do país.

A maior tendência apontada pelo relatório é o aumento em tamanho das grandes redes de livrarias e a diminuição da presença de livrarias de médio porte: a porcentagem de redes que possuem mais de 100 lojas passou de 6% a 15% entre 2009 e 2012, e as que possuem de 2 a cem lojas caiu de 31% a 22% no mesmo período. Segundo o Diagnóstico, “a importância das livrarias cujo faturamento é de até 350 mil se mantém em 40%, enquanto as que faturam de 7 a 10 milhões sobe de 3% para 17%”. A pesquisa destaca ainda a importância das livrarias independentes – que possuem apenas uma loja – cuja porcentagem se manteve em 62% em relação à pesquisa anterior.

A concentração na região Sudeste é outra característica do setor: 60% das lojas estão localizadas ali, enquanto o Sul possui 16% do total de livrarias, e o Nordeste, 15%. Apenas 2% das livrarias do país estão localizadas na região Norte, a maior região geográfica.

Os livros representam uma parcela cada vez menor da receita das livrarias: a porcentagem de livrarias cujo faturamento vinha mais da metade da venda de livros caiu de 81% para 48%. Além disso, o estudo mostra que até 20% dos livreiros venderam até mil exemplares de livros em 2011. Os itens CDs e DVDs e Material de papelaria ganham destaque e, dentre os livros, as categorias Religiosos (76% das livrarias comercializam o gênero, esse número era 46% em 2009), Literatura Infantil, Juvenil e Auto Ajuda/Esotéricos são comercializados em um maior número de livrarias.

O espaço dedicado exclusivamente ao livro também diminuiu e as livrarias investiram em espaço para eventos – passou de 16% a 31% a porcentagem de livrarias que possui espaço para eventos – e cybercafés – foi de 5% a 23%. O comércio de conteúdo digital continua tímido, apenas 27% das livrarias vendem conteúdo digital, ou seja, e-books, áudio-books, músicas e filmes para baixar.

Para saber mais, acesse o site da ANL.

Go to Top