Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Judas

Em novo livro, Amós Oz questiona interpretação clássica de Judas

0

Karla Monteiro, na Folha de S.Paulo

O escritor Amós Oz está feliz. “Plenamente satisfeito”, como ele próprio define o seu estado de espírito. Aos 75 anos, considerado a mais importante voz da literatura de Israel hoje, sempre cotado para o Prêmio Nobel de Literatura, ele quer mais é ver o circo pegar fogo.

“Muitas pessoas estão furiosas. É maravilhoso vê-las discutindo, indignadas. Estão sendo obrigadas a repensar a história”, comenta o autor à Folha, por telefone, de sua casa em Jerusalém.

O assunto em questão é o seu novo livro, “Judas” (Companhia das Letras), lançado simultaneamente em Israel e no Brasil. Na perspectiva filosófica da obra, o traidor não traiu. Judas seria o mais fiel e devotado, o primeiro e único verdadeiro cristão.

  Christian Charisius - 14.nov.2014/EFE  O escritor israelense Amós Oz durante entrega de prêmio na alemanha O escritor israelense Amós Oz durante entrega de prêmio na Alemanha

Christian Charisius – 14.nov.2014/EFE
O escritor israelense Amós Oz durante entrega de prêmio na alemanha

“O protagonista é obcecado por Judas. Ele questiona: A história de Judas é crível? Por que um homem rico venderia o seu mestre por 30 pratas? Se ele vendeu, por que se enforcaria na mesma noite? Por que alguém pagaria Judas para identificar Jesus, se Jesus nunca se escondeu?'”, enumera Oz.

A conclusão é, segundo o autor: “Os traidores são os que mais amam, são aqueles que estão à frente do seu tempo. Abraham Lincoln foi considerado traidor pelos americanos quando libertou os escravos. Churchill, quando desmembrou o Império Britânico. Charles De Gaulle, quando retirou os franceses da África do Sul. O time de traidores da história é glorioso.”

O cenário de “Judas”, o livro, é Jerusalém. O ano, 1959. Sob a chuva insistente de um rigoroso inverno, acontece o encontro de um velho inválido, Gershom Wald, uma mulher misteriosa, Atalia Abravanel, e o estudante Shmuel Asch –obrigado a abandonar a universidade e sua pesquisa, um tratado sobre a figura de Jesus sob a ótica dos judeus.

Vivendo sob o mesmo teto, refugiados do mundo por diferentes razões, num clima de mistério e silêncio, os três personagens protagonizam uma saga de amor ao próximo, conquistado aos poucos, no ritmo da prosa primorosa e cadenciada do escritor.

“Três pessoas reclusas, numa casa de pedra, durante um inverno maldito, com passados e ideologias distintos, começam a amar umas às outras. Este é o milagre deste livro”, explica o escritor.

A premissa de Judas, a traição, é um tema caro ao autor. O livro transita entre o romance e o ensaio, oferecendo um novo olhar para aquilo que espanta. Resgatando Judas, Oz resgata a si mesmo e desafia o conceito de traidor.

Desde a mais tenra idade, ele está no papel de Judas. Aos 14 anos, renegou o pai e foi viver num kibutz, as comunas de Israel, propriedades coletivas, regidas pelo lema da igualdade social e baseadas na produção agrícola.

“Eu me rebelei contra tudo que o meu pai representava. Ele era intelectual, decidi virar motorista de trator. Ele era acadêmico, decidi trabalhar na terra. Ele era de direita, eu me tornei de esquerda”, conta Oz. “Vivi num kibutz por mais de 30 anos. Foi onde tive meus filhos e publiquei meus primeiros oito livros.”

A vida coletiva foi, para o autor, a bênção da sua literatura: “O kibutz é uma universidade do comportamento humano. São umas 400 pessoas vivendo muito próximas. Você conhece os segredos, os medos, as fantasias de todos. Se eu tivesse dado a volta ao mundo cem vezes, saberia menos sobre a alma humana”.

Quando o assunto é o conflito entre Israel e Palestina, lá está ele de novo, Amós Oz, o traidor. Por defender a divisão do território em dois Estados distintos, é apedrejado por muitos de seus conterrâneos.

“Nunca acreditei que fosse uma guerra entre mocinhos e bandidos. É entre o certo e o certo”, diz.

“Os palestinos não têm outro lugar. Os israelenses também não. Os dois querem a mesma terra, e a terra é pequena. A paz só vai acontecer com compromisso.” Questionado sobre quando isto acontecerá, responde: “Não me peça para ser profeta numa terra de profetas”.

Pai assiste a aulas e ajuda filho com paralisia a se formar jornalista

1

Jairo Marques, na Folha de S.Paulo

Todos os dias, durante os últimos quatro anos, o ex-bancário Manuel Condez, 60, dedicou a mesma rotina ao filho Marco Aurélio, 26, que convive com sequelas severas de paralisia cerebral: deu banho, penteou os cabelos, carregou-o no colo até o carro e o levou para a faculdade de jornalismo a 17 km de casa.

O pai assistiu a todas as aulas, anotou as lições dadas pelos professores, auxiliou o filho na feitura das provas escrevendo no papel aquilo que ele lhe soprava, ajudou intermediando pensamentos, foi o motorista do grupo de trabalho e o assessorou em entrevistas e em reportagens.

Na semana passada, Marco recebeu o diploma da Universidade São Judas, em São Paulo, e Manuel viveu uma das noites mais emocionantes de sua vida, sendo o grande homenageado. Foi ovacionado pelos formandos e recebeu da direção da faculdade uma placa de honra ao mérito.

“Não fiz nada demais. Qualquer pai que tem amor ao filho também se dedicaria. Era um desejo dele fazer faculdade, e eu só ajudei a realizar”, diz Manuel, com os olhos marejados.

Marco tem braços, mãos e pernas atrofiados, fala com dificuldade, já foi submetido a 11 cirurgias reparadoras, usa cadeira de rodas e programa especial de computador para ter mais autonomia. Precisa de cuidados específicos para tocar o dia a dia.

“O único ponto meu que ainda não foi operado é o cérebro”, brinca o jovem, que lida com naturalidade com o estereotipo de que paralisados cerebrais, necessariamente, têm comprometimentos intelectuais.

Manuel Francisco Contez, 60, ajudou o filho Marco Aurlio Contez, 26, durante todo o curso de jornalismo (Marcelo Justo/Folhapress)

Manuel Francisco Contez, 60, ajudou o filho Marco Aurlio Contez, 26, durante todo o curso de jornalismo (Marcelo Justo/Folhapress)

DESTAQUE DA TURMA

O rapaz não só tem pleno domínio do intelecto como, na avaliação de colegas de turma e de professores, foi um dos melhores alunos.

“Com o apoio do seu Manuel, o Marcão fez tudo: vídeo para TV, programa de rádio, debate. Ele se destacou muito. Tinha ideias contundentes e sempre se saia bem nas provas”, conta Raquel Brandão Inácio, amiga do jovem e parte de seu grupo de trabalho de conclusão de curso, sobre novas famílias.

Professor e agora colega de profissão do rapaz, Celso de Freitas diz que pai e filho “quebram um cenário comum de pessoas com deficiência, que é ficar dentro de casa e não enfrentar a vida.”

Para o mestre, “Marco tem inteligência acima da média, e Manuel foi tratado como um aluno, não como um acompanhante. Nas aulas de rádio, propus a eles fazerem apenas trabalhos escritos, mas, a sua maneira, entregavam gravações de áudio.”

EXTENSÃO DO CORPO

O protagonismo que o pai teve e tem em sua vida é claro para o jornalista.

“Ele é uma extensão do meu corpo. Quando não posso fazer algo, ele está sempre ali para me ajudar, nunca para me atrapalhar”, afirma Marcos.

Agora, o jovem, que gosta de rádio e de esportes, está atrás de uma vaga no mercado de trabalho.

“Quero usar o conhecimento que adquiri, quero ajudar os outros com meu trabalho. Não fiz faculdade para ficar no Facebook.”

Pai e filho já começaram uma nova empreitada: estão fazendo aulas de inglês. Juntos, evidentemente.

“Nossa família está unida para tentar ajudar o Marcos a quebrar outras barreiras”, declara Manuel.

dica de Sidnei Carvalho de Souza

Go to Top