Amazon remove livro por ter muitos hífens

Um livro do autor britânico Graeme Reynolds, editado por profissionais, foi removido da Kindle Store da Amazon devido ao excesso de pontuação, concretamente, pelo uso de demasiados hífens.

Publicado no Diário Digital

Reynolds gastou cerca de 1000 libras (cerca de 1.260 euros) para ter a sua obra editada por uma equipa de profissionais, mas acabou por ter a Amazon a avisá-lo que o livro ia ser retirado da loja.

A obra em causa, «High Moor 2: Moonstruck», estava à venda na plataforma desde Março de 2013, e recebeu mais de uma centena de críticas positivas.

Por isso o autor estranhou quando recebeu um e-mail a 14 de Dezembro a dizer que a obra ia ser removida por causa da «pontuação pobre».

Num comentário num blogue, Reynolds contou que a Amazon contactou-o a queixar-se do número de hífens no seu livro de 90.000 palavras.

No e-mail era explicado como o uso destes hífens excessivos «tinha um impacto significativo na legibilidade do livro» e que por causa disso a Amazon tinha «suprimido o livro por causa do impacto combinado junto dos clientes».

Em resposta à Amazon, Reynolds lembrou que as palavras hifenizadas são uma parte aceite da Língua Inglesa, e até incluiu um link para uma definição do seu uso, mas a gigante online não apreciou o seu sentido de humor.

«Seria cómico, na verdade, se isto não me estivesse a custar dinheiro e se não resultasse em um dos meus livros mais vendidos não estar disponível para nas vésperas de uma das alturas mais concorridas do ano», apontou o autor no seu blogue.

«O que virá a seguir? Vamos começar a ser penalizados por usar palavras com mais de duas sílabas? O semi-colon também está a caminho da extinção? A JK Rowling também vai ter de retirar o Harry Potter and the Half-Blood Prince até resolver a questão do título com hífen? (…)».

O seu post no blogue fez um sucesso tremendo e o livro tornou ontem a ficar disponível na Amazon.