Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Kursk

Acreano é selecionado por programa estudantil e cursa medicina na Rússia

0

Publicado no G1.

‘Muito feliz’, diz João Vitor Brito, que começou a estudar no dia 16 de outubro.
Estudante cursava medicina há dois anos em uma faculdade da Bolívia.

joao_001

Acreano João Vitor Brito começou a cursar medicina na Rússia em 16 de outubro (Foto: Arquivo pessoal)

Selecionado por um programa estudantil internacional, o acreano João Vitor Brito, de 19 anos, iniciou as aulas de medicina na Universidade Estatal de Kursk, localizada a 500 km da capital russa, Moscou, no dia 16 de outubro.
Nascido em Rio Branco, o acadêmico abandonou os dois anos de faculdade na Bolívia e se mudou sozinho para o país europeu.
Brito conta que participou do processo de seleção em setembro, conseguindo a bolsa de transferência. Por morar, desde os 16 anos, fora do estado onde nasceu, o processo de mudança e adaptação não foi difícil.
“A transferência foi porque eu já cursava medicina na Bolívia e foram abertas 12 vagas. Tive que fazer uma entrevista, na qual eles perguntavam coisas diferentes para cada pessoa. Pra mim, perguntaram se já tinha morado fora e se eu me considerava preparado. E mostrou uma espécie de currículo”, afirma.
O dia a dia na universidade nova é bem corrido, segundo o estudante. As aulas são ministradas em inglês, idioma que Brito não se preocupa, por dominá-lo. A dificuldade maior com a comunicação surge fora da universidade.

Acreano estuda na Universidade Estatal de Kursk, localizada a 500 km da capital russa, Moscou (Foto: Arquivo pessoal)

Acreano estuda na Universidade Estatal de Kursk, localizada a 500 km da capital russa, Moscou (Foto: Arquivo pessoal)

“Costumo dizer que sou um camaleão na questão da adaptação. Nunca tive problema, desde que sai de casa. Aqui, uso os dois idiomas: inglês e russo. Só tive dificuldade fora da faculdade, pois ainda não sou fluente em russo, mas já consigo falar algumas palavras”, fala.
O sonho de cursar medicina surgiu ainda na infância, quando costumava fazer exames nos familiares. “Desde criança, eu sonhava com a medicina e já fazia laudos médicos para minha família em folhas de papel A4. Eu também brincava com um kit de enfermagem da minha avó materna, que era chefe de enfermagem”, lembra.

O estudante acrescenta que a oportunidade de realizar o curso na Europa é muito gratificante. Na época que recebeu a resposta que foi aceito no programa, Brito diz que foi uma “felicidade tremenda” e, atualmente, tudo está indo bem.
“Me sinto muito feliz com a oportunidade que estou tendo. Sou muito grato a Deus e aos meus pais, que me apoiaram. Na época que fui escolhido foi uma felicidade tremenda. Agora que vivo aqui, está tudo muito bom. Amo o clima, a cidade, a cultura. Eu amo a Rússia”, diz.
Sobre o futuro, Brito já tem tudo praticamente organizado. Depois de formado, o acreano diz que não pretende retornar ao Brasil, mas quer exercer a medicina na Europa.
“Sem perder tempo, quero fazer especialização de neurocirurgia e ser um excelente médico. Quero trabalhar aqui depois de me especializar. Não pretendo voltar ao Brasil, espero trabalhar pela Europa em algum dos países”, finaliza.

Por mensalidade baixa, brasileiro escolhe cursar medicina na Rússia

1

Economia no pagamento da mensalidade de despesas foram determinantes.
Segundo a Aliança Russa. n° de interessados aumentou 40% neste ano.

Anaísa Catucci, no G1

Brasileiros que escolheram fazer o curso no exterior (Foto: Marcos Freitas/ Arquivo Pessoal)

Brasileiros que escolheram fazer o curso no
exterior (Foto: Marcos Freitas/ Arquivo Pessoal)

Apesar da polêmica sobre a revalidação do diploma de médicos formados em instituições estrangeiras para atuar em programas do governo federal como o “Mais Médicos”, dezenas de estudantes deixam o Brasil para cursar medicina na Rússia, a 11 mil quilômetros de distância e que tem temperatura média anual de 5ºC .
A experiência cultural e a concorrência nas instituições públicas são alguns pontos levados em consideração na escolha. No entanto, o chamariz que tem atraído alunos de classe média é o preço cobrado pelo curso, com uma mensalidade que equivale a R$ 920, valor inferior aos cobrados pelas faculdades particulares, que dificilmente cobram mensalidades menores do que R$ 2,7 mil.

Depois de analisar os valores, o estudante de Campinas (SP) Marcos Vinícius de Freitas resolveu encarar o desafio, enfrentar ao menos seis anos de invernos rigorosos e as dificuldades do idioma para realizar o sonho de ser médico. “Medicina sempre foi um sonho pra mim. Somando mensalidades, custo de vida, eu vou ter uma economia de 300%”, revela. Para ajudar nas despesas, Freitas contará com o apoio financeiro da família, que ficou no interior paulista.

O curso de Medicina na Universidade Estatal Médica de Kursk, que fica a 500 km de Moscou, custa US$ 2.450, em torno de R$ 5,5 mil, por semestre e é cobrada uma taxa para a reserva de alojamento, também semestral.

Segundo dados da Aliança Russa, o número de interessados pelo curso nas seleções feitas entre abril e setembro deste ano aumentou em 40% se comparado com o mesmo período de 2012, mas são selecionados de 80 a 100 estudantes. Com a conclusão do curso, o profissional também adquire o passe livre para trabalhar em toda a Europa. No caso de Freitas, a ideia é fazer uma especialização no exterior antes do retorno.

Família de Marcos no aeroporto no embarque para a Rússia (Foto: Marcos de Freitas/ Arquivo Pessoal)

Família de Marcos no aeroporto no embarque para
a Rússia (Foto: Marcos de Freitas/ Arquivo Pessoal)

Plano de estudos
Antes de iniciar o curso de graduação, os brasileiros fazem a Faculdade Preparatória e terão aulas de Ciências Biológicas em inglês, que integra o processo de adaptação à metodologia russa para praticarem o idioma oficial das aulas. A grade curricular é padrão em toda a Rússia e têm mais de 11 mil horas, sendo que a carga mínima aceita no Brasil é de 7.350 horas. A oferta de vagas para os brasileiros ocorrem de abril a outubro.

A aventura também tem suas barreiras afirma Freitas, como o preconceito, a distância da família e dos amigos. “Acho que todo mundo tem um preço a pagar para alcançar seus sonhos. Enquanto isso, só nos resta a internet mesmo para matar a saudade”, desabafa.

Atrativos
Segundo Carolina Perecini, diretora da Aliança Russa, o interesse do governo da Rússia é atrair brasileiros para apresentar a cultura. O Brasil é o único país da América Latina para o qual vagas do programa são oferecidas. A triagem dos alunos é feita por meio de currículo, notas escolares e análises de perfis com entrevistas com os interessados e os responsáveis.

Revalida
Para quem busca concluir o sonho e trabalhar no país, após superar as adversidades do período de aulas, o profissional ainda terá que revalidar o diploma para exercer a profissão. Segundo a Aliança Russa, dos três alunos formados em 2012, dois ficaram na Rússia fazendo residência médica e um fez a inscrição neste ano e passou na primeira fase. Dos 11 formados em 2013, todos estão trabalhando no programa “Mais Médicos”.

Marcos com duas amigas que irão fazer medicina na Rússia (Foto: Marcos de Freitas/ Arquivo Pessoal)

Marcos com duas amigas que irão fazer medicina na Rússia (Foto: Marcos de Freitas/ Arquivo Pessoal)

Go to Top