Posts tagged Leila de Carvalho e Gonçalves

Aposentada resenha mais de 1,5 mil obras de graça em site: ‘Meu trabalho’

0
Leila conquistou 1ª posição no ranking de avaliadores do site (Foto: Reprodução/Amazon.com)

Leila conquistou 1ª posição no ranking de avaliadores do site (Foto: Reprodução/Amazon.com)

 

Moradora de Jundiaí é ‘top 1’ em ranking, com mais de 4 mil votos.
Cerca de 97% de críticas são consideradas úteis pelos usuários.

Publicado no G1

“Especialmente recomendado. É uma leitura divertida e muito bem cuidada”. O comentário poderia estar na capa de qualquer best-seller, mas foi escrito por uma moradora de Jundiaí (SP) em um site de venda de livros eletrônicos. Leila de Carvalho e Gonçalves, de 57 anos, se tornou avaliadora número 1 de um ranking com mais de 1,5 mil resenhas publicadas.

Aposentada incentiva a leitura por meio das avaliações (Foto: Arquivo Pessoal/ Leila Gonçalves)

Aposentada incentiva a leitura por meio das
avaliações (Foto: Arquivo Pessoal/ Leila Gonçalves)

Tomada pelo gosto da leitura desde pequena, ela “trabalha” analisando as mais variadas obras. Para ter uma noção, Leila tem mil resenhas publicadas a mais do que o segundo colaborador e a credibilidade dela é tanta que 97% das suas críticas são consideradas úteis pelos usuários.

O hobby começou no Natal de 2012, quando Leila ganhou um aparelho leitor de livros digitais e ficou tão encantada com a praticidade do eletrônico que se desfez de cerca de três mil livros de sua biblioteca particular. “Doei as obras para pessoas e lugares. Praticamente só lia no papel, mas gastava muito tempo com a manutenção [da biblioteca], já que os livros consumiam muito espaço e demandavam cuidados. Com o kindle, foi um alívio porque ganhei mais tempo para realmente ler”, afirma.

Dois meses depois, em fevereiro de 2013, a aposentada resolveu aproveitar o espaço disponível no site onde comprava os e-books para compartilhar suas impressões sobre a obra “O Assassinato de Roger Ackroyd”, da escritora britânica Agatha Christie.

Depois dela, vieram resenhas dos mais variados livros: desde títulos do romancista Fiodor Dostoiévski até a trilogia de Cinquenta Tons de Cinza, da escritora E. L. James. “Já tinha o hábito de pesquisar e fazer anotações nos livros físicos e, como havia um espaço aberto na Amazon, resolvi colocá-las no site. Acredito que o ideal é a pessoa ler comentários sobre a obra e não apenas a sinopse, assim, ela mesma vai avaliar se vale a pena ler. Tomei um susto quando ganhei meu primeiro voto. A princípio, duvidei do meu próprio trabalho”, conta.

A atividade voluntária ganhou notoriedade e, quase três anos depois, Leila tem mais de 1,5 mil resenhas publicadas e um grupo de leitores que esperam por seus comentários. “Pouco a pouco se formou um grupo de interesse. Os [resenhistas] que fazem parte do top 10 tem um público que acompanha. Fico feliz porque gosto de incentivar a leitura, dar os dois lados do livro, mas, principalmente, evidenciar os pontos positivos e não desestimular.”

Dedicação diária
Apesar de não ser remunerada, Leila é rigorosa e publica as dicas de leitura diariamente. Ela dedica cerca de oito horas por dia entre ler e resenhar. “Encaro como um trabalho. Resenhar não é fácil, tem que voltar na história. Algumas são escritas em meia hora e outras levam dias, depende da complexidade, que nada tem a ver com número de páginas. Para manter sempre atualizado, faça resenhas de contos, por exemplo, entre um livro e outro”, explica.

Leitor de e-books substituiu biblioteca particular (Foto: Arquivo Pessoal/ Leila Gonçalves)

Leitor de e-books substituiu biblioteca particular
(Foto: Arquivo Pessoal/ Leila Gonçalves)

Leila, que é formada em estatística, conta ainda que os clássicos são os que mais dão trabalho porque exigem mais cuidado e que não tem um gênero literário favorito. “Procuro pelos que sejam indicados como bons livros, mas leio todos os gêneros. Considero meu gosto eclético.”

“Estrelada”
As resenhas se tornam ainda mais importantes no incentivo na leitura quando a aposentada faz críticas ao sistema de avaliação por estrelas. “Acho falho. Por exemplo: ‘Madame Bovary’, de Gustave Flaubert, e ‘Inferno’, de Dan Brown. Ambos são ótimos livros e merecem cinco estrelas, mas depende do interesse no momento. Às vezes a pessoa quer um filé Wellington e, em outros dias, prefere um hambúrguer”, brinca.

Questionada sobre a credibilidade, Leila garante que em nenhum momento teve a pretensão de ser a número 1. “Faço as resenhas por prazer e para incentivar a boa leitura, sinto como se fosse um dever. A obra ‘Lolita’ é complexa por causa do personagem, através da resenha procuro dar ao leitor condições de entender com o que vai lidar, levei mais de dois dias para resenhar. Enfim, o objetivo é que o leitor ‘comum’ consiga destrinchar o livro. Os votos vieram naturalmente”, finaliza.

Sem receber nada, aposentada resenha 1.348 livros de loja on-line em mil dias

0
A aposentada Leila de Carvalho e Gonçalves na livraria Saraiva do Shopping Jundiaí, em companhia de seu Kindle

A aposentada Leila de Carvalho e Gonçalves na livraria Saraiva do Shopping Jundiaí, em companhia de seu Kindle

 

Rodolfo Viana, na Folha de S.Paulo

Em 4 de fevereiro de 2013, Leila de Carvalho e Gonçalves sentou-se diante do computador para escrever sua primeira avaliação de livro na Amazon brasileira. Deu cinco estrelas para “O Assassinato de Roger Ackroyd”, de Agatha Christie.

Mil dias depois, completos no dia 31 de outubro, a aposentada de 57 anos está no topo dos avaliadores do site brasileiro da empresa de varejo on-line, com 1.348 críticas —todas escritas sem pagamento envolvido.

A saga de Leila começou no natal de 2012, quando ganhou um Kindle. Achou que não se adaptaria à plataforma de leitura —receio natural para alguém que, à época, tinha cerca de 5.000 livros físicos em sua biblioteca particular.

O temor não durou e, após dois meses, Leila avaliou a primeira obra. Nunca mais parou.

Uma tragédia levou a paulista a ter tempo livre para manter o hobby. Aos 43, ela descobriu que tinha colangite esclerosante primária –uma doença genética no fígado. Cinco anos depois, fez transplante e foi aposentada por invalidez.

Na época, ela cuidava de empresas da família em Jundiaí (SP). Sem poder trabalhar, passou a se dedicar à literatura.

Hoje, segue uma rotina rígida para dar conta de leituras e críticas. Acorda por volta das 6h, toma café da manhã e sai para caminhar. De volta, começa a ler e segue até a hora do almoço. Descansa até às 14h e retoma a leitura até o anoitecer. “Leio de seis a oito horas por dia. É como se fosse um trabalho”, diz.

Entre uma leitura e outra, arruma espaço na agenda para comentar –tempo que pode se arrastar por horas ou dias. “Não consigo fazer um comentário em menos de meio dia”, afirma. “Além da leitura do livro, preciso refletir e pesquisar para comentar.”

A avaliação de ‘Graça Infinita’, de David Foster Wallace, custou a Leila três dias. “‘Lolita’ [de Vladimir Nabokov] também é um livro difícil”, diz. “É um história tão dúbia quanto ‘Dom Casmurro’, de Machado de Assis.”

Quando uma avaliação toma muito tempo, ela publica o comentário de um conto ou outra leitura mais ágil “para fazer volume”. Também costuma resenhar diferentes edições de um mesmo título.

A maioria das avaliações leva mais de quatro estrelas e palavras elogiosas. Leila explica que, quando encontra um livro realmente ruim, prefere não avaliar. Isso não significa falta de critério no julgamento, mas sua maneira de fomentar a leitura.

“Tento evidenciar os aspectos positivos para não desestimular os leitores”, diz. “Num país com tão pouca gente lendo, com tão poucos interessados em livros, você escrever ‘horroroso’ na avaliação não contribui em nada.”

Do lado da Amazon, as avaliações dos críticos amadores têm grande importância. É o que afirma Daniel Mazini, gerente-geral de livros físicos da filial brasileira. “O sistema automaticamente coloca peso maior em títulos com boas avaliações, que começam a aparecer mais em recomendações”, diz. “E com as negativas, conseguimos descobrir algo de errado nos livros.”

Sem citar o nome da obra, ele comenta o caso de um box em que um dos livros estava repetido. “A editora não percebeu o erro e os clientes começaram a dar pouca estrela. Descobrimos a falha e tiramos o box da venda.”

Apesar da generosidade de Leila, há momentos em que ela economiza nas estrelas. Como na crítica feita a uma “edição abominável de ‘A Última Ceia do Doutor Fausto’ [de 1876, do escritor português Alberto Pimentel] que, talvez pela raridade, possa interessar a alguém, mas sem qualquer qualidade gráfica.”

Na capa desse volume, nota-se que “última” está sem acento agudo. Leila deu apenas uma estrela.

Go to Top