Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged leitores

As coisas inusitadas e surpreendentes que leitores encontram dentro de livros

0

Vitor Paiva, no Hypeness

Todo livro é uma máquina do tempo, que esconde verdadeiros tesouros metafóricos ou concretos entre suas páginas – e às vezes não é preciso sequer ler efetivamente o livro para encontrar tais maravilhas. Se o maior presente que um livro pode oferecer é o conteúdo de suas linhas, quando adquirimos um exemplar em um sebo, ele também traz uma história própria do objeto, para além da narrativa contada – quando eventualmente os antigos donos deixam pequenas lembranças para quem vier a possuir o livro. O site Bored Panda reuniu alguns desses tesouros deixados dentro de livros para serem encontrados no futuro.

Uma pena encontrada dentro de uma bíblia de 1860

A maioria das coisas encontradas acabaram esquecidas dentro dos livros, mas algumas dessas lembranças foram propositalmente deixadas – com direito a bilhetes e promessas aos futuros donos. Separamos, assim, algumas dessas pérolas selecionadas – que ficam como sugestão e possibilidade, pra gente correr para nossas prateleiras, e procurar por presentinhos do passado dentro de nossos livros, assim como esconder tesouros para a posteridade.

 

Uma foto e um autógrafo de Stephen King encontrados em uma cópia do livro “O Iluminado”

 

Uma passagem aérea de 1970

 

Um boletim de 1926

 

Um incrível marcador encontrado dentro do livro “The Life Of Colonel Paul Revere”, de 1909

 

Um ingresso de um show do Van Halen em 1988

 

Um par de óculos do início do século

 

“Querido próximo leitor, quando eu comprei esse livro alguém havia deixado dentro um bilhete premiado de loteria que me deu 100 dólares. Foi uma ótima surpresa! Decidi passar um pouco a diante – aqui vai sua parte. Aproveite!”

 

Um trevo de quatro folhas dentro de um livro de mais de 200 anos

31% dos brasileiros não leem livros, aponta pesquisa

0

Levantamento analisou hábitos de compra do brasileiro

Cesar Gaglioni, no Jovem Nerd

De acordo com pesquisa feita pela empresa Picodi, que analisa os hábitos de compra dos brasileiros, 31% da população não lê livros. A porcentagem representa as pessoas que não possuem o hábito de leitura ou que não se interessam por livros no geral. O levantamento foi feito com base em entrevista com 7.800 respondentes.

Outros dados relacionados ao hábito de leitura e o mercado editorial foram divulgados:

* 58% dos livros vendidos são comprados em livrarias físicas
* 28% dos leitores baixam livros em sites pirata
* A recomendação de um livro feita por amigos do leitor é o fator decisivo na hora da compra
* 38% dos leitores só compra livros uma vez ao ano; 6% compram livros uma vez por semana
* Audiobooks representam apenas 1% das vendas de livros; e-books representam 15%
* 14% dos leitores acha o preço dos livros excessivo

O Brasil é o oitavo país que mais compra livros no mundo (a porcentagem de livros lidos não foi divulgada), com a Turquia liderando o ranking. A pesquisa completa pode ser lida neste link.

Segundo a pesquisa Retratos da Leitura, feita em 2016, a média é de 4,9 livros ao ano, sendo que, por aqui, 44% da população brasileira não lê, e 30% nunca compraram um livro. Dentro desse número, apenas 2,43 obras são lidas integralmente.

Como fazer os filhos terem prazer pela leitura

0

Publicado no UOL

A importância da leitura é inegável. A questão é: como fazer as crianças criarem o hábito? Pois, sabe-se que para a maioria das crianças a leitura não é tão atrativa. Especialmente se comparada com outras atividades, como esportes, brincar com amigos, e , claro videogames e computadores. Olhando por cima, ler parece chato. Então, como ajudar as crianças a sentirem o prazer da leitura? Olhando por cima, ler parece chato. Você está basicamente sentado encarando um maço de papéis por um longo tempo. Então, como ajudar as crianças ver a magia e possibilidades infinitas que estão escondidas nestas páginas?

Em MindShift, algumas sugestões (listadas abaixo) que podem não garantir curar todo o desdém de algumas crianças pela leitura, mas com certeza vão colocar você e sua família na direção correta.

Passos para desenvolver leitores:

De acordo com pesquisas realizadas em escolas dos Estados Unidos, três quartos dos pais reportam que gostariam que os filhos lessem por diversão. Mas como fazer isso?

Mesmo não sendo só uma alternativa, tem algumas atitudes que as famílias podem fazer para encorajar as crianças a ler, diz o Professor Psicólogo da Universidade da Vírginia, Daniel Willingham, em seu livro Raisiing Kids Who Read: What Parants and Teachers Can Do. A primeira delas é repensar suas razões por querer que seus filhos leiam mais.

Willingham quer que os pais reimaginem a leitura como tendo menos a ver com escola e mais com um prazer. Em vez de dizer as crianças que ler vai melhorar suas notas e ajudar na carreira, devem tornar a leitura parte de um valor familiar maior:o amor por aprender.

“A leitura é parte de um contexto mais amplo de valores que os pais comunicam às crianças”, disse Willingham. “São famílias que valorizam aprender coisas novas. E não apenas no contexto da escola. ”

Quando aprender sobre o mundo através dos livros se torna um valor familiar em vez de uma responsabilidade da escola, os pais não são mais vistos como executores: em vez disso, eles são os aproveitadores, Willingham sugere. As crianças podem então absorver a mensagem de valores, “a leitura é importante para quem somos; ler é o que fazemos.

DISPOSITIVOS DE LEITURA E DIGITAL

Modelar um bom comportamento de leitura também funciona, disse Willingham, em que uma criança pode observar que mamãe ou papai devem gostar de ler, então talvez eu também gostaria de ler. A modelagem pode ser feita até mesmo com o seu celular ou iPad, disse Devorah Heitner, pai de dois e autor de Screenwise: Ajudando Crianças a prosperar em seu mundo digital – apenas diga aos seus filhos o que você está fazendo quando está sentado no sofá, olhando para o seu telefone. “Eu faço muitas leituras na internet e em outras formas de exibição na tela”, ela disse, embora também passe bastante tempo em mídias sociais e jogos. “Então, quando estamos modelando hábitos de leitura para nossos filhos [e você está no seu telefone], informe a eles o que você está lendo. Eles não poderão dizer apenas olhando para você. ”

Uma coisa que Heitner adverte é criar uma mentalidade de Telas vs. Livros, em que os pais podem ser tentados a recompensar a “leitura real” com o tempo de tela. (Willingham também aconselha a pisar levemente com qualquer recompensa pela leitura, embora ele diga que às vezes possa ser usada) No entanto, os pais muitas vezes sentem que os dispositivos digitais competem pelo tempo que as crianças usariam para ler e estão procurando orientação.

O professor de inglês do ensino médio, Jarred Amato, sabe que, para seus calouros de Nashville, os telefones celulares são de fato uma barreira para a leitura. Em um post recente no blog intitulado “O que os 100 alunos do nono ano me disseram sobre o porquê de não lerem”, Amato relata uma pesquisa com estudantes e confirma o que ele já sabia: embora os alunos citam muitas razões para não ler – não consegue encontrar um silêncio lugar em casa, outras responsabilidades e atividades – os telefones celulares assumem a máxima prioridade.

“O vício em telefones celulares é, de longe, o motivo número um pelo qual meus alunos disseram que não liam”, disse Amato. “Eles são quase impotentes para isso. Não é apenas um problema de crianças – adultos e crianças estão lendo menos em todo o mundo. E acho que há um valor em conversar com os alunos sobre isso. “Na esperança de reconectar um hábito, Amato tem feito com que os alunos guardem seus telefones e pratiquem a leitura silenciosa em sua aula com qualquer livro que eles gostem, esperando que façam o mesmo. mesmo por alguns minutos – em casa.

Willingham disse que com o tempo as crianças são adolescentes, quando o aumento da autonomia e atividades sociais lotam seus dias, incentivar a leitura pode ser uma batalha difícil, então é melhor incutir o “valor da família” cedo, quando as crianças passam mais tempo com os pais. E embora ele tenha dito que há pesquisas para comprovar como a chegada da televisão mudou os hábitos de leitura, para os dispositivos digitais, pode não ser tão cortada e seca – afinal, as crianças vêm encontrando outras coisas por muito tempo.

“Não é o caso que houve essa idade de ouro da leitura, nos velhos tempos”, disse ele, rindo. “Eu penso em mim mesmo crescendo nos anos 70, e quem está enganando quem? Se eu quisesse andar com meus amigos, eu queria andar com meus amigos. Nós não gostamos de olhar um para o outro e dizer, bem, não temos nada para fazer, vamos ler! Nós tínhamos outras maneiras de matar o tempo, mesmo que não tivéssemos o X-Box. ”

Embora ler mais melhore o desempenho escolar, essa não a única vantagem. Habilidades de pensamento crítico, empatia e um método de relaxamento estão no topo da lista. No começo seu filho pode ler somente porque não tem escolha, mas Baumert está otimista de que ele encontrará o livro que “inflama” o amor pela leitura. Ela também adorava ler quando criança, e ainda acha que a leitura a ajuda a relaxar e descomprimir.

O que é importante é tentarmos não só com palavras, mas com exemplos. Se os pais amarem a leitura, fica muito mais fácil. Então podemos criar famílias que valorizem e incentivem o prazer de aprender e ler

‘Tinder dos livros’: app promove interação e trocas de experiências e obras entre leitores

0

Aplicativo Leia_me é rede social para amantes da literatura — Foto: Aluan Henrique Alves Cabral

“Leia_me” funciona como rede social e permite o compartilhamento de livros entre os usuários.

Camila Resende, no G1

Sabe aquele livro pegando pó na estante? E se você pudesse trocar ele por outro que ainda não leu e ainda conhecer pessoas no processo? É o que busca um aplicativo desenvolvido por leitores e programadores de Poços de Caldas, no Sul de Minas. Chamado de ‘Leia_me’, a ideia do app é que os usuários possam compartilhar suas experiências literárias e ainda emprestar ou trocar as obras que estão paradas em casa.

A ideia do aplicativo surgiu em 2017, quando a Organização Não Governamental Casa da Árvore participou de um programa de inovação em bibliotecas e conseguiu captar recursos para investir no desenvolvimento. Depois de uma pesquisa feita com leitores, Aluísio Cavalcante, designer de inovação da ONG, percebeu que os amantes da literatura desejam compartilhar suas experiências de leitura.

Além da troca de informações, outra aposta do Leia_me é incentivar que os leitores compartilhem as obras de seus acervos pessoais, como ressalta Aluísio.

Os primeiros usuários serão cadastrados como beta, ou seja, participaram também do desenvolvimento do aplicativo. Ao utilizar o Leia_me, eles são convidados a listar suas obras preferidas, marcar os livros que desejam ler e a parte dos próprios acervos que desejarem emprestar, trocar, doar ou vender.

Equipe desenvolveu aplicativo para conectar leitores — Foto: Aluan Henrique Alves Cabral

Para Rodrigo José de Souza Silva, analista e desenvolvedor do aplicativo, que também diz er apaixonado por literatura, as trocas entre os usuários têm grande potencial.

“O retorno que a gente pode ter encurtando o caminho entre um leitor e outro para poder pegar um livro emprestado, ou trocar uma ideia, é incrível. Com o aplicativo eu posso estar no sofá de casa e encontro outra pessoa com um estilo literário diferente do meu e posso trocar ideias com ela. Uma pessoa pode convencer a outra a expandir os seus horizontes. É um impacto social muito grande por aproximar as pessoas.”

Planos futuros

O Leia_me é um aplicativo gratuito disponível para os celulares do sistema Android. O download pode ser feito na loja de aplicativos oficial dos aparelhos. Apesar de ser novidade, não faltam planos para o futuro.

“É um aplicativo gratuito, mas vamos desenvolver um modelo de negócio que gere receita, que seja um negócio de impacto social que promove transformações no contato com a leitura e que também gera receita para que isso contribua com os outros projetos de inovação em biblioteca e formação de leitores da ONG”, explica Aluísio Cavalcante.

Para divulgar o aplicativo, a equipe de desenvolvedores pretende mostrar a ideia em feiras literárias em 2019. Há também a busca por parceiros comerciais para que o modelo de negócio cresça e amadureça.

A livraria como ponto cultural não deve deixar de existir, diz Luiz Schwarcz

0

Luiz Schwarcz, fundador e dono da Companhia das Letras, uma das principais editoras brasileiras, em sua casa.

Presidente do grupo Companhia das Letras fala sobre sua carta e crise no setor

Francesca Angiolillo, na Folha de S.Paulo

Com dívidas exorbitantes, as maiores redes de livrarias do país, Cultura e Saraiva, entraram com pedidos de recuperação judicial no lapso de um mês, ameaçando o setor editorial como um todo.

Uma carta, divulgada na última terça (27), foi a maneira que Luiz Schwarcz, 62, presidente do grupo Companhia das Letras, encontrou para convocar ao enfrentamento do que chamou de “os dias mais difíceis” do livro no país.

O editor recebeu a Folha na sede da Companhia das Letras para analisar a crise e comentar sua opção pelo apelo direto ao leitor. “Não é assim que a política está funcionando?”

Na opinião de Schwarcz, deve haver uma reversão na tendência de alta de vendas que vinha desde 2017. Para ele, editores contribuíram para a crise ao segurarem o preço dos livros, apesar da inflação.

Nos últimos dias, ele diz ter visto otimismo com a mobilização gerada após sua carta.

“O que vai acontecer agora no Natal, eu não sei dizer.” Mas, conta, “publicitários mandaram slogans para lojas fazerem cards digitais, lojas do interior pedem chamadas para campanhas próprias, novas campanhas entrarão no ar por sites de mobilização. Não sei o tamanho da ajuda, mas alguma haverá.”

A crise deve afetar editoras de diferentes portes ao mesmo tempo? Acho que editoras de portes diferentes sentem a crise diferentemente. Muitas editoras pequenas não forneciam para essas redes. As grandes foram as que tiveram maiores danos pelo volume de crédito que tinham, ou pelo volume de livros consignados em poder das livrarias. No entanto têm mais poder de recuperação. O grave talvez seja para as médias; elas podem representar parte significativa do montante que não será pago.

O Brasil esteve na maré contrária um tempo atrás, as livrarias muito mal lá fora e muito bem aqui. Isso se inverteu.

O que acho que aconteceu em parte nos EUA e que é diferente daqui, é que houve uma concentração muito grande na venda online e um crescimento da venda digital, que depois diminuiu. Agora você tem as livrarias independentes se fortalecendo de novo.

Nos EUA a venda online representa 50% do mercado. No Brasil não existe isso. Houve outros fatores na minha opinião, erros de gestão sobre os quais pretendo falar pouco, porque não cabe a mim julgar.

Quais? Em linhas gerais, o que eu posso dizer é que essas redes não voltaram com o Brasil. Continuaram com um número grande de pontos, talvez até por motivos nobres, ou não queriam olhar para a recessão que estava pegando também o leitor. Demoraram para se adequar, até agora.

No momento que o Brasil começa a crescer, que uma classe C ou D começa a entrar no mercado, cria-se a ilusão de que os volumes vão crescer, o que de fato começa a acontecer, e para uma classe que estava crescendo na pirâmide educacional, mas não proporcionalmente na de renda. Então os editores, para entrar nas listas de mais vendidos, começam a quantificar o livro; R$ 29,90 era quase padrão para poder ser best-seller, depois R$ 34,90, R$ 39,90. Então você imagina as redes de livrarias na ilusão de crescimento, os editores na ilusão do best-seller e esses livreiros tendo que pagar salários e aluguéis indexados pela inflação.

Os erros não foram só dos livreiros. Os editores contribuíram. Protagonistas das duas livrarias que estão em dificuldade falavam explicitamente: “Meus aluguéis estão subindo e os preços dos livros, não”.

Uma editora grande não quebra numa crise dessas? Na minha opinião, não. Elas têm caixa acumulado, ou seus sócios têm capacidade de reinvestir. O que acontece com as grandes é que elas tiveram cortes significativos em termo de número de livros a lançar.

Vocês se refrearam? A Companhia passou de 350 livros por ano para 300 e deve, no ano que vem, cortar mais 15% ou 20% dos livros programados. Você fecha portas para novas aquisições, atrasa livros com capacidade mais lenta de retorno, é obrigado a segurar a rapidez com a qual reimprime esgotados. Temos começado a renegociar contratos e a falar que vamos soltar só em digital. Mas é um dano.
As demissões nas editoras grandes foram bastante significativas. Na Companhia foi muito pouco, mas, se não conseguirmos realocar as vendas dessas redes rapidamente…

O Natal vem aí. Foi negociado algum acordo com as livrarias que não estão recebendo livros? A Companhia foi uma exceção no sentido de se mostrar aberta à reposição dos estoques nessas duas redes.

Em qualquer circunstância ou agora? Agora. Em geral nós tivemos um relacionamento [com as livrarias] que alguns concorrentes consideram excessivamente generoso, ou complacente. O fato de eu na minha carta não acusar ninguém foi objeto de crítica.

As editoras não podem mais assumir o risco de créditos significativos. Mas acho que nossos livros voltarão para essas lojas num prazo curto. A esperança que tenho é que os esforços permitam que essas livrarias encontrem investidores, porque o produto, como está na carta, é uma das únicas mídias que não tiveram disrupção [com o digital]. Não há mudança de paradigma de como se produz o livro, de como é feito, como é vendido.

Pelo paradigma daqui as livrarias ficam com 50% do valor de capa. É justo? As maiores ficam com 50%. O editor, com 50%, tem que pagar seus custos, o direito autoral. É duro falar do que é justo no sistema capitalista. Não sou partidário do ultraliberalismo, sou defensor da lei do preço fixo, que limita a competição no primeiro ano de existência do livro. Alguns jornalistas têm considerado um roubo contra os leitores. Não. O editor não ganha mais.

Se você padroniza muito o tipo de rede para um tipo de livro, e a concorrência livre permite que livrarias trabalhem com margem negativa, ou cheguem ao ponto de colocar seus robôs competindo, você efetivamente trabalha contra a diversidade, contra o editor e o livreiro pequenos.

Se ainda estamos publicando livro como 500 anos atrás, a livraria como ponto cultural onde se expõe essa diversidade não deve deixar de existir.

O sr. não tinha ecommerce… Hoje temos. Estamos mudando. A outra parte da carta era o desafio de propor soluções criativas para isso. Os editores vão ter que se reinventar. Nós sempre dissemos “não vamos competir com os livreiros”. Hoje você pode encontrar qualquer livro da Companhia no marketplace da B2W. Vamos entrar em todos os marketplaces, criar uma logística própria. Se uma editora grande pensasse nisso um ou dois anos atrás, teria oposição feroz dos livreiros. Hoje temos de trabalhar muito com as livrarias que podem crescer.

Que responsabilidade tem o varejo digital na crise? Acho que o varejo digital nem veria com maus olhos uma autorregulação. Nós fazemos isso, se vemos descontos muito altos, destruindo a cadeia, muitas vezes temos poder de mercado para dizer “não vou te fornecer esse livro”. Chegamos a pensar até a ter nosso robô para enfrentar os do mercado. A crise está mostrando para os editores, no mínimo, que temos de valorizar o produto. Ir ao cinema, para um casal, com estacionamento, é bem mais caro que um livro. Um livro normal não custa R$ 80. Por que as pessoas acham que um livro não pode custar R$ 80?

E quanto à reinvenção? Lançamos no site uma coisa chamada Companhia na Rua. Vamos estar em dez feiras até o final do ano, só em São Paulo. O leitor poderá saber onde nós estamos. Quando livros começaram a faltar nas redes, criamos o Socorro, Companhia. Começamos a ter reclamações, então nesse serviço você fala seu CEP e dizemos onde tem ou mandamos para o lugar mais próximo.

Não é simples. A editora nunca foi uma especialista em varejo. Vamos ter que aprender. Vamos colocar bikestores nas ruas e outras coisas. Queremos ainda preservar as lojas, mas o volume do movimento que vai deixar de existir, até novas lojas se formarem, uma rede comprar outras, aparecer um investidor… Os leitores não diminuem.

Como vê o impacto da carta? Foi incrível, nunca imaginei. Sentei no sábado, escrevi uma versão, mandei para algumas pessoas, falaram que estava longa. Ainda é longa. Falei “vou pôr no ar”. Não é assim que a política está funcionando, para o bem e para o mal? Você cria redes de solidariedade, tentei criar uma para o bem. Não tenho Facebook, Instagram, não sou operador das novas mídias. Mas falei: “Qual é a forma de comunicar hoje? É com franqueza, sinceridade”. Não imaginava que minha carta seria repassada. Estava pedindo que as pessoas passassem, elas, mensagens de amor ao livro.

O país está em crise, as livrarias fizeram erros, os editores calcularam mal o valor do livro; eu, leitor, sou instado a salvar o barco e sem descontos. Não houve reações contrárias? Recebi duas de pessoas que acharam que fui excessivamente generoso com as redes. Recebi uma de uma livraria no interior do Paraná, que diz que faço esse apelo, mas não prestigio a livraria pequena. E uma quarta, de um distribuidor que deixou de trabalhar para a Companhia, que diz que a ganância dos editores [ao adotarem distribuição própria] levou a isso.

Não concordo com a questão dos descontos. Você cria uma reserva para o primeiro ano e permite que livrarias que carregam catálogo também tenham as novidades. Nos EUA, o leitor não compra o “hardcover”, ele espera um ano pelo “paperback”. Ou compra o digital. Que diferença isso faz para que se possa manter a existência de uma rede livreira e de pequenos lançamentos saudável?

Um dos problemas foi a consignação. Isso não entrou no debate antes? O certo seria: vendeu o livro na loja, apita aqui, sai do meu estoque, vai para meu débito de direito autoral. Criamos um sistema que depende de um meio digital muito confiável ou de uma relação de paridade muito grande. No começo era tão menor o volume que, no final do ano, havia uma contagem física. As livrarias cresceram tanto que eu não tinha mais condição de fazer isso. A consignação foi virando um monstro. Antes do aguçamento da crise, já estávamos dizendo às livrarias “comecem a pensar que o sistema vai ter que mudar”.

Continuam consignando? Continuamos. Mas vai ter que haver uma adaptação, um sistema misto, ou um sistema de compras. Depois que passar a tempestade, se eu tiver a capacidade de investir num sistema de TI, a Penguin Random House já desenvolveu mecanismos de cálculo de tiragem, mecanismos para saber quanto exatamente tem em cada loja, você controla como fazer as reposições, reimprimir. Tem caminhos. Mas você precisa de um mercado minimamente vivo e saudável.

O sr. escreveu outra carta antes, pedindo voto em Fernando Haddad. Que perspectivas o sr. acha que desenham para a cultura e os livros no novo governo? Acho que julgar o próximo governo antes de ele estar empossado é temerário. Eu esperava para a carta anterior um congraçamento que era, claro, muito mais difícil de realizar do que para os livros. Mas não aconteceu. Eu dizia que o PT que tinha chegado ao segundo turno fizesse a autocrítica, assumisse posturas de responsabilidade no Orçamento e, em troca disso, que as pessoas se juntassem para que não houvesse uma mudança na forma como a democracia brasileira tinha sido construída.

Nas duas cartas, o sr. pediu dois votos de confiança para sistemas em revisão. Só que é muito mais fácil revisar o mercado editorial do que o país. No caso da outra carta, houve um pedido para que eu escrevesse aos editores, de uma pessoa ligada à campanha do Haddad. Era antes do primeiro turno, eu falei “não, se ele for para o segundo turno eu faço”. Não sou militante do PT, sempre fui mais para o centro-esquerda do que para esquerda. E a editora é plural —outro dia, desafiei os editores a procurarem bons livros de direita, a direita boa precisa de valorização. Estava muito angustiado com a possibilidade de não haver uma junção das pessoas e fiz aquela carta. Alguém que respeito muito falou: “Que coragem defender o perdedor”.

O sr. espera não estar defendendo um perdedor desta vez. Tenho praticamente certeza de que estou defendendo um vencedor.

O sr. acha que é agudo ou crônico? É agudo e vai passar. Se alguma ideia criativa dos editores vingar, se novas formas de relacionamento com os leitores surgirem. A questão é: todos vão se recuperar?

Go to Top