Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged letras

Brincadeiras com texto acima dos 3 anos melhoram capacidade de leitura

0

Cristiane Capuchinho, no UOL

Incluir exercícios com letras e números na educação de crianças a partir dos três anos melhora o desenvolvimento na alfabetização, afirmam especialistas. A prática, conhecida como letramento, não é novidade em escolas particulares. No entanto, na rede pública, a educação infantil ainda se resume ao cuidado e a brincadeiras sem intenção didática.

A proposta não é a de transformar creches em escolas, mas a de colocar as crianças em contato com textos, letras e conceitos como preparação para a alfabetização, explica a psicóloga Tarciana de Almeida, especialista em psicologia cognitiva.

DESIGUALDADE

As crianças que moram em casas em que os pais têm o hábito de leitura já saem na vantagem e a escola pública não ajuda a mudar esse quadro

ANGELA DANNEMANN, diretora da Fundação Victor Civita

“Assim as crianças podem chegar ao final do 3º ano [do ensino fundamental] como leitoras, escritoras e falantes de sua língua cada vez mais competentes”, afirma a pedagoga Patrícia Moura Pinho, professora da Universidade Federal do Pampa.

“É a escola pública que não faz isso com a alegação de que se está ‘escolarizando’ a educação infantil. Isso só aumenta a desigualdade, estamos reduzindo as chances dos alunos de escola pública”, pontua Angela Dannemann, diretora executiva da Fundação Victor Civita.

Para as especialistas, as críticas ao letramento infantil não são pertinentes. “Desde sempre a criança está inserida no mundo da escrita. Tudo depende de como a questão for trabalhada, podemos, por exemplo, trabalhar textos de forma muito rica, sem que a criança seja necessariamente alfabetizada”, considera Tarciana.

Confira nove brincadeiras que melhoram a capacidade de leitura

Especialistas afirmam que o estímulo de brincadeiras com palavras, textos e histórias contribui com a capacidade de leitura das crianças a partir dos três anos de idade. Os enredos inventados e as brincadeiras dão liberdade ao pensamento infantil e motivam seus processos criativos, possibilitando o aprendizado efetivo da leitura e da escrita. Confira nove atividades, retiradas e adaptadas do livro "Corpo, atividades criadoras e letramento", da editora Summus Editorial, escrito por Marina Teixeira Mendes de Souza Costa, Daniele Nunes Henrique Silva e Flavia Faissal de Souza iStockphoto

Especialistas afirmam que o estímulo de brincadeiras com palavras, textos e histórias contribui com a capacidade de leitura das crianças a partir dos três anos de idade. Os enredos inventados e as brincadeiras dão liberdade ao pensamento infantil e motivam seus processos criativos, possibilitando o aprendizado efetivo da leitura e da escrita. Confira nove atividades, retiradas e adaptadas do livro “Corpo, atividades criadoras e letramento”, da editora Summus Editorial, escrito por Marina Teixeira Mendes de Souza Costa, Daniele Nunes Henrique Silva e Flavia Faissal de Souza iStockphoto

1Ampliando horizontes
De maneira lúdica, os professores podem tornar familiar as letras, diferentes formas de apresentação de texto ou conceitos. “A comparação entre tamanhos de sapatos ou alturas pode ajudá-las a entender o sistema métrico e até mesmo a compreender dezenas e centenas”, exemplifica Angela.

A leitura de diferentes tipos de textos, como livros, cartas e jornais, apresenta a diversidade de registros possíveis para a escrita. “Esta é uma forma de trabalhar linguagem em uso real e não descontextualizada e sem sentido, como a escola costuma fazer” acrescenta Tarciana.

Os pais têm importante papel na introdução das crianças ao mundo das letras, lendo histórias e apresentando os diferentes mundos da escrita. No entanto, é também aí que mora o problema. “As crianças que moram em casas em que os pais têm o hábito de leitura já saem na vantagem e a escola pública não ajuda a mudar esse quadro”, critica Angela.

Educação infantil no país
Em 2012, a educação infantil reunia 7,3 milhões de crianças matriculadas no Brasil, segundo o Censo da Educação Básica. Dessas, 4,7 milhões estavam na pré-escola e os outros 2,5 milhões em creches.

Para inserir o letramento nesse período escolar, no entanto, é necessária a capacitação dos professores, que “não têm conhecimento didático”, afirma Angela. Segundo o Censo Escolar de 2012, 35% dos professores da educação infantil têm apenas o ensino médio.

DESEMPENHO

53,4% dos alunos do 3° ano do fundamental apresentaram conhecimento adequado de escrita
56,1% dos estudantes do 3° ano liam de maneira adequada para sua fase escolar
Fonte: Prova ABC 2011/Todos pela Educação

Idade certa
O Senado aprovou o Pnaic (Pacto Nacional para a Alfabetização na Idade Certa), que prevê uma série de ações envolvendo União, Estados e municípios para garantir a alfabetização dos alunos da rede pública de ensino até os 8 anos de idade até 2022.

O Pnaic prevê o apoio do governo federal para financiar a formação continuada dos professores; as bolsas oferecidas aos profissionais e outras atividades voltadas ao cumprimento dos objetivos do pacto. A estimativa é que sejam investidos cerca de R$ 3 bilhões até 2014.

Dica do Chicco Sal

As 20 editoras mais populares do Twitter (21)

0

1

Olá, internautas.

As Redes Sociais ocupam destaque cada vez maior no plano de comunicação das editoras. Com apenas um clique, elas se comunicam instantaneamente com milhares de leitores que admiram tanto a marca quanto seu catálogo de produtos.

O ranking de popularidade no Twitter teve poucas modificações durante o mês de abril. A Intrínseca ganhou quase 4 mil seguidores no período, ampliando a distância da Companhia das Letras, a segunda colocada.

Na única mudança de posições, a Rocco ultrapassou a Galera Record e agora ocupa o quinto lugar. #congrats

O nosso perfil @livrosepessoas ganhou 6 mil seguidores no mês e agora está com 119 mil.

Que este quinto mês do ano (meu favorito… rs) seja repleto de êxitos para todos. 🙂

Ranking Abril

x
#1: 53.203 Intrínseca @intrinseca

#2: 48.529 Companhia das Letras @cialetras

#3: 46.927 Mundo Cristão @mundocristao

#4: 42.286 Editora Sextante @sextante

#5: 36.167 Editora Rocco @editorarocco

#6: 35.686 Galera Record @galerarecord

#7: 33.619 Editora CPAD @EditoraCPAD

#8: 29.848 Editora Novo Conceito @Novo_Conceito

#9: 28.959 Cosac Naify @cosacnaify

#10: 28.425 Editora Saraiva @editorasaraiva

#11: 26.815 Editora Gutenberg @Gutenberg_Ed

#12: 24.211 L&PM Editores @LePM_Editores

#13: 22.867 Editorial Record @editora_record

#14: 22.857 Editora Autêntica @Autentica_Ed

#15: 22.105 Editora RT @editoraRT

#16: 20.602 Casa Publicadora @casapublicadora

#17: 19.541 Editora Leya @EditoraLeya

#18: 17.675 Ultimato @ultimato

#19 16.167 Suma de Letras @Suma_BR

#20: 14.708 Editora Agir @agireditora

Ranking atualizado em 6/5

Editoras mais populares no Facebook (1)

1

1

Quando começou sua operação no Brasil, em 2011, o Facebook tinha 12 milhões de usuários. Atualmente, são mais de 67 milhões de brasileiros  conectados à rede social criada em 2004 por Mark Zuckerberg, Dustin Moskovitz, Eduardo Saverin e Chris Hughes.

Cada rede tem suas peculiaridades e atinge públicos diferentes. As editoras têm aproveitado o potencial explosivo de viralização do Facebook para divulgar seus livros e realizar promoções. Os internautas respondem a essas ações tornando-se fãs e, por consequência, abrindo sua timeline para receber os posts de seus selos prediletos.

Abaixo, a primeira edição do ranking das editoras mais populares no Facebook. Por gentileza, mencione na área de comentários eventuais incorreções ou editoras cujo número de fãs as credencia a fazer parte desta lista top. A atualização será mensal, como acontece há quase 2 anos com o ranking Editoras mais populares no Twitter.

 

#1: 83.400 Intrínseca

#2: 47.700 Suma de Letras

#3: 43.800 CPAD Web

#4: 43.700 Companhia das Letras

#5: 43.300 Novo Conceito

#6: 34.800 L&PM Editores

#7: 30.400 Editora Rocco

#8: 26.800 Cosac Naify

#9: 25.500 Galera Record

#10: 24.100 Bookman Editora

#11: 23.300 Leya Brasil

#12: 23.100 Casa Publicadora

#13: 23.000 Novo Século

#14: 22.900 Editora Contexto

#15: 21.300 Globo Livros

#16: 19.900 Editora Saraiva

#17: 17.100 Editora Sextante

#18: 16.800 Editora Hagnos

#19: 16.500 Ultimato

#20: 14.000 Mundo Cristão

ranking atualizado em 12/4

As 20 editoras mais populares do Twitter (19)

0

1

Algumas mudanças nas primeiras posições do ranking. Dupla imbatível na liderança durante vários meses, Intrínseca & Sextante se separaram em janeiro quando a Companhia das Letras ultrapassou a Sextante. Em fevereiro, foi a vez de a Mundo Cristão superar a Sextante e ocupar a nobilíssima terceira posição.

A Rocco ultrapassou a Record e agora ocupa a quinta posição. A Gutenberg ganhou uma posição e agora está em 11º lugar, completando as trocas do segundo mês do ano. Vamos aguardar as mudanças que o mês de março vai trazer.

PS 1: O perfil @livrosepessoas tem 109.000 seguidores e a fan page ontem bateu novo recorde: 1,5 milhão de pessoas alcançadas na última semana.

PS 2: Conhece alguma editora cujo número de seguidores a credencia a fazer parte deste ranking? Por gentileza, informe nos comentários
x

Ranking Fevereiro

x
#1: 48.002 Intrínseca @intrinseca

#2: 45.101 Companhia das Letras @cialetras

#3: 43.680 Mundo Cristão @mundocristao

#4: 42.507 Editora Sextante @sextante

#5: 34.725 Galera Record @galerarecord

#6: 34.112 Editora Rocco @editorarocco

#7: 31.406 Editora CPAD @EditoraCPAD

#8: 28.986 Editora Novo conceito @Novo_Conceito

#9: 28.213 Cosac Naify @cosacnaify

#10: 26.764 Editora Saraiva @editorasaraiva

#11: 24.907 Editora Gutenberg @Gutenberg_Ed

#12: 23.457 L&PM Editores @LePM_Editores

#13: 21.451 Editorial Record @editora_record

#14: 20.666 Editora RT @editoraRT

#15: 20.218 Editora Autêntica @Autentica_Ed

#16: 19.219 Casa Publicadora @casapublicadora

#17: 18.318 Editora Leya @EditoraLeya

#18: 16.757 Ultimato @ultimato

#19: 14.275 Editora Agir @agireditora

#20: 14.158 Conrad @ConradEditora

Ranking atualizado em 5/3.

Literatura brasileira, os silêncios e as exclusões

0

Márcia Lira, no – 1 na estante

Um estudo sobre a literatura brasileira divulgado ontem é literalmente um tapa na cara da sociedade, e sem luva de pelica. Regina Dalcastagnè é jornalista, doutora em teoria da literatura, professora e dedicou 15 anos à pesquisa que mostra o quanto ainda somos preconceituosos, machistas, patriarcalistas e como ainda estamos muito aquém do que acreditamos quando o assunto é aceitar as diferenças.

A pesquisadora se debruçou sobre “um total de 258 obras, correspondente à soma dos romances brasileiros do período entre 1990 e 2004, publicados pelas editoras Companhia das Letras, Record e Rocco e identificados pelo grupo de pesquisa” (de artigo sobre a pesquisa). A pesquisa foi chamada “Eu quero escrever um livro sobre literatura brasileira”. Só para dar um exemplo, ela mostra que o personagem médio do romance brasileiro é um homem branco, heterossexual, intelectualizado, sem deficiências físicas ou doenças crônicas, membro da classe média e morador de grande centro urbano.

Com tantas informações interessantes, representadas no infográfico abaixo originalmente publicado no Ponto Eletrônico, há de se esperar um debate também no campo literário sobre o valor das diferenças e a importância de dar voz à nossa multiplicidade também nessa área cultural. E não acho que é o caso de apontar um ou outro autor porque ele segue o padrão, afinal a liberdade criativa merece respeito. A meu ver é o caso de coletivamente pensar e repensar como o nosso discurso de multiplicidade fica na superfície, a ponto de não ser refletido na nossa produção cultural.

Ah, o título do blog foi inspirado no nome de um livro da Regina pelo qual me interessei bastante.

1

Go to Top