Posts tagged Literatura Inglesa

J.K. Rowling anuncia que terminou de escrever roteiro de filme derivado de Harry Potter

0
Longa "Animais fantásticos e onde habitam" contará histórias da Hogwarts pré-Harry Potter

Longa “Animais fantásticos e onde habitam” contará histórias da Hogwarts pré-Harry Potter

“Animais fantásticos e onde habitam” é baseado em um dos livros didáticos exigidos na fictícia escola Hogwarts

Publicado no Divirta-se [via Diário de Pernambuco]

Boa notícia para os órfãos de Harry Potter! A escritora J.K. Rowling anunciou recentemente que já terminou de escrever o roteiro do longa Animais fantásticos e onde habitam, ambientado no mesmo universo dos bruxos, e que as filmagens já tem até data para começar! Baseado em um dos livros didáticos exigidos pela escola Hogwarts, o longa chega aos cinemas em 2016, com as filmagens começando já no início de 2015.

A trama acompanha as aventuras do bruxo Newt Scamander em busca de descobrir e catalogar as espécies fantásticas do mundo Harry Potter como dragões e hipogrifos. Vale lembrar que a história se passa 70 anos antes da saga de Harry, Ron e Hermione, então dificilmente veremos um retorno do trio de heróis. David Yates (Harry Potter e as relíquias da morte) assume mais uma vez a direção.

Você passaria em uma entrevista para estudar na Universidade de Oxford?

0

Uma das melhores universidades do mundo divulga exemplos das temidas questões feitas durante seu processo seletivo; confira se você convenceria os examinadores.

Publicado no G1[ via BBC Brasil]

 

Universidade de Oxford, no Reino Unido (Foto: Divulgação/Nasir Hamid/University of Oxford)

Universidade de Oxford, no Reino Unido
(Foto: Divulgação/Nasir Hamid/University of Oxford)

As entrevistas de seleção para a Universidade de Oxford – uma das melhores do mundo segundo rankings internacionais – são temidas pelos estudantes por conterem perguntas imprevisíveis e pouco convencionais.

Em uma tentativa de desmistificar seu processo de seleção e torná-lo mais transparente, a universidade divulgou uma lista com perguntas feitas aos que se candidatam a vagas na instituição em cursos de diferentes áreas do conhecimento.

Confira abaixo dez dessas perguntas e, em seguida, nas palavras dos próprios examinadores, explicações sobre o que elas de fato estão tentando descobrir.

1. Biologia

Owen Lewis, Brasenose College

Se você tivesse que escolher entre salvar florestas tropicais ou barreiras de corais, qual você salvaria?

Espera-se que o candidato seja capaz de usar seus conhecimentos gerais e senso comum para formular uma resposta. A pergunta não requer conhecimentos detalhados. O estudante pode talvez ser indagado sobre a importância da biodiversidade e das espécies raras. E sobre recursos de interesse humano – como combustível, alimento, ecoturismo e remédios – que provêm das florestas e recifes de corais, ou dependem deles.

Finalmente, é preciso considerar o impacto da mudança climática, erosão do solo, poluição, extração da madeira, combustíveis renováveis, pesca predatória etc. “A resposta final não interessa”, diz Lewis. “Ambos, floresta e recifes, precisam ser administrados de maneira sustentável para que se encontre um equilíbrio entre as necessidades do homem e a necessidade de conservação”.

2. Engenharia

Byron Byrne, Department of Engineering Science

Como você projetaria uma barragem de gravidade para represar água?

Primeiro, o candidato deve determinar as forças agindo sobre a barragem antes de considerar a estabilidade da parede quando submetida à ação dessas forças. Os candidatos provavelmente reconhecerão que a água pode empurrar a barragem. Então, espera-se que eles construam expressões matemáticas simples para prever quando isso ocorreria. Alguns talvez discutam possíveis falhas por deslize, questões de desenho estrutural e os efeitos de infiltrações de água na barreira, por exemplo.

O canditato não terá estudado todos esses assuntos na escola, então será orientado para que se avalie quão rapidamente as novas ideias são absorvidas. A pergunta também investiga a habilidade do candidato de aplicar física e matemática a novas situações e pode testar seu interesse e entusiasmo pelo campo da engenharia.

3. Literatura Inglesa

Lucinda Rumsey, Mansfield College

Após o enorme sucesso da série de livros de Harry Potter, a autora, JK Rowling, acaba de publicar um livro para adultos. De que forma, na sua opinião, escrever livros para crianças é diferente de escrever para adultos?

Candidatos que cresceram lendo as histórias de Harry Potter talvez tenham lido o novo livro de Rowling. É possível que tenham refletido sobre a mudança na audiência da escritora e sobre sua própria passagem, enquanto leitores, de crianças a adultos.

Mas mesmo aqueles que não tenham lido a obra de Rowling podem falar a respeito de si próprios como leitores, sobre a maneira como abordam diferentes tipos de livros, sobre formas como escritores desenvolvem o conjunto de suas obras e escrevem para públicos diferentes.

Interessa ao examinador saber – quaisquer que sejam os livros que o candidato esteja lendo – se o estudante está lendo de forma ponderada e consciente, e se é capaz de pensar como um crítico literário sobre todos os livros que lê.

Nem todos os candidatos têm o mesmo acesso a uma grande variedade de livros, portanto, o examinador busca fazer sua avaliação com base no que o candidato sabe, não no que ele não sabe.

“Se eu perguntasse essa mesma pergunta em relação a Shakespeare, alguns candidatos talvez tivessem uma opinião sobre a produção literária dele, mas muitos não teriam”, disse a examinadora, professora Lucinda Rumsey, do Mansfield College, Oxford.

“Se eu começo com Harry Potter, todos têm pelo menos um ponto de partida, de reconhecimento. E acho que Rowling merece uma menção, tenho certeza de que muitas pessoas que estão se inscrevendo neste ano para estudar inglês na universidade tornara-se leitoras ávidas por causa dos livros dela”.

4. Ciência dos Materiais

Steve Roberts, St Edmund Hall

Quão quente precisa estar o ar dentro de um balão para que ele seja capaz de erguer um elefante?

O examinador diz que nas vezes em que perguntou essa questão em entrevistas, nenhum candidato conseguiu chegar a uma temperatura exata no tempo reservado para a resposta – dez minutos. “Mas não esperávamos que eles conseguissem,” explica. “Usamos esse tipo de pergunta para tentar descobrir como os candidatos pensam sobre problemas e como se comportariam em uma aula dirigida”, ele explica.

Roberts diz que esclarece isso aos candidatos antes mesmo de fazer perguntas desse tipo. Ele diz que o que está tentando avaliar é quão rapidamente o estudante consegue chegar ao cerne do problema. Por exemplo, quais são os princípios elementares de física em jogo aqui? Que conceitos e que equações seriam úteis? De que maneira o candidato responde a sugestões e pistas? Como ele aborda conceitos básicos e identifica as questões mais importantes: Afinal, como funciona um balão de ar quente? Que outros mecanismos funcionam da mesma forma? Qual é o tamanho típico de um balão e quanto pesa em média um elefante? E o peso do próprio balão?

Finalmente, Roberts que saber como o candidato “usa rudimentos de matemática para ter uma noção rápida da resposta provável, usando aproximações sensatas quando trabalha com fórmulas e tendo em mente as unidades”.

5. Filosofia, Política e Economia

Dave Leal, Brasenose College

Quando eu estava na escola, na década de 1970, falava-se que um dia seríamos atingidos por uma crise previdenciária. A discussão se arrastou durante os anos 80 e 90, até que tivemos uma crise previdenciária. E nada havia sido feito para nos preparar para ela. Será que existe um problema com o sistema político británico, nos impedindo de lidar de maneira sensata com problemas de médio e longo prazo quando são identificados?

O examinador, Dave Leal, do Brasenose College, diz que essa questão é um convite para que o candidato reflita sobre democracia e suas limitações. “Houve candidatos que trouxeram boas discussões sobre diferentes métodos de votação. Por exemplo, e se porções do parlamento fossem eleitas para termos mais longos? Talvez isso gerasse políticas de mais longo prazo”, diz Leal.

Um estudante poderia, fazendo uma outra abordagem dessa mesma pergunta, refletir sobre a responsabilidade do eleitorado. Se os eleitores não pensam a longo prazo, talvez a culpa não seja dos políticos e o problema seja a educação – pondera o examinador. “Outro candidato poderia, talvez, ponderar sobre a importância de haver uma segunda instância política, que não é eleita (pelo povo) para onde todos os assuntos realmente importantes poderiam ser delegados.”

“Um sugeriu que ninguém deveria ter permissão de se candidatar ao parlamento, a não ser que tivesse filhos que dependessem dele. Isso daria ao político uma motivação pessoal para pensamentos de longo prazo em uma variedade de assuntos”. Leal diz que, assim como em outras perguntas incluídas nas entrevistas de admissão, não existe uma única “resposta correta”. A maioria das respostas dadas serve de base para mais reflexões.

Por exemplo, no caso de termos mais longos no parlamento: Quais seriam as consequências mais amplas dessa mudança? Seriam desejáveis? “Estamos testando a capacidade (do candidato) de começar a localizar a fonte de um problema e de testar soluções por meio de discussões”, explica o examinador. “A solução oferecida pelo estudante interessa menos do que evidências de sua habilidade de refinar ideias e de se autocorrigir, quando necessário”.

6. História

Stephen Tuck, Pembroke College

Imagine se não tivéssemos qualquer registro histórico sobre o passado, exceto tudo aquilo relacionado a esportes. Quanto poderíamos descobrir sobre o passado com base exclusivamente em esportes?

O examinador diz que faria essa pergunta a um candidato que tivesse incluído esportes entre seus interesses no seu formulário de inscrição, mas explica que a pergunta também se aplicaria a outras áreas de interesse – como filme, teatro ou música, ele acrescenta.

“O que eu estaria tentando saber é como o candidato usaria sua imaginação, tendo como ponto de partida um assunto com o qual ele tem familiaridade (provavelmente, muito mais familiaridade do que eu) para abordar questões de pesquisa histórica”, diz Tuck.

As respostas poderiam fazer referência a relações de raça, classe e gênero na sociedade (quem jogava os esportes, e que tipo de esportes, em um certo período), política internacional, império (que países estavam envolvidos, que grupos de países jogavam os mesmos esportes), desenvolvimento econômico (desenvolvimento tecnológico dos esportes, como o esporte era assistido), os valores dentro de uma sociedade (esportes sanguinolentos ou mais suaves), saúde (índices de participação nos esportes) e muitas outras questões – a lista é longa, diz o examinador.

“Eu perguntaria questões suplementares, para incentivar o estudante a elaborar ainda mais suas ideias e, com frequência, não teria respostas em mente, estaria simplesmente interessado em ver quão longe o estudante seria capaz de levar sua análise”.

7. Direito

Ben McFarlane, Faculty of Law

Se a punição para motoristas que param em ruas onde há duas faixas amarelas (na Grã-Bretanha, duas faixas amarelas indicam que não é permitido estacionar) fosse a morte, e se, portanto, ninguém estacionasse nas faixas amarelas duplas, essa lei seria justa e efetiva?

Não são esperadas respostas certas ou erradas para essa questão, explica o examinador. Os candidatos precisam demonstrar que reconheceram os vários temas que a pergunta levanta. “O candidato que distingue entre ‘justo’ e ‘efetivo’ se sai melhor. As questões se tornam diferentes uma vez que essa distinção é feita”, diz McFarlane.

“Uma lei justa pode não ser efetiva, ou vice-versa. A questão da proporcionalidade de uma punição em relação a um crime está diretamente relacionada a quão justa é a lei. A resposta para a questão da efetividade está embutida na questão: ‘e se, portanto, ninguém estacionasse nas faixas amarelas duplas'”.

8. Medicina

Robert Wilkins, Department of Physiology, Anatomy and Genetics

Por que o ritmo dos seus batimentos cardíacos aumenta quando você se exercita?

A resposta simples, que todos os estudantes podem dar, é que (a frequência dos batimentos aumenta) porque você precisa distribuir mais oxigênio e nutrientes para os músculos e remover produtos metabólicos. No entanto, diz o examinador, questões subsequentes avaliariam se o estudante tem a compreensão de que é preciso haver uma maneira de o corpo saber que tem de aumentar os batimentos. E se ele sabe de que maneiras possíveis isso é alcançado.

As respostas poderiam incluir a identificação, pelo organismo, de baixos índices de oxigênio ou altos índices de carbono. Mas na verdade, os índices desses gases talvez não variem tanto, então os estudantes são convidados a propor outros sinais e formas pelas quais essas possibilidades poderiam ser testadas. Isso permitiria ao examinador avaliar o candidato em quesitos como habilidade de resolver problemas e de pensar criticamente, curiosidade intelectual, entusiasmo e capacidade de ouvir.

9. Música

Dan Grimley, Merton College

Se você pudesse inventar um novo instrumento musical, que tipo de som ele faria?

O examinador diz que está interessado em respostas que revelem a maneira como o estudante usa sua imaginação de forma crítica.

Que tipos de sons instrumentos e vozes produzem hoje? Como esses sons poderiam ser desenvolvidos de forma criativa? Há novas maneiras de se produzir sons (meios digitais) que transformaram o modo como ouvimos ou entendemos sons hoje em dia? Será que o conceito de “instrumento” tornou-se obsoleto? É possível imaginarmos formas mais simbióticas, mais híbridas, de gerar e de vivenciar sons musicais?

“A pergunta não se limita, de forma alguma, à música erudita”, diz Grimley. “Respostas que envolvam toda uma gama de estilos e gostos musicais, produzidos e consumidos nos lugares mais diversos, seriam bem-vindas”.

10. Ciência da Computação

Brian Harrington, Keble College

Um grupo de piratas possui cem moedas de ouro. Eles têm de dividir o tesouro, mas precisam seguir certas regras:

– O pirata mais ‘graduado’ propõe a divisão

– Todos os piratas, incluindo o mais graduado, votam. Se metade, ou metade mais um, vota pela divisão, ela passa a valer. Se menos da metade aceita a divisão, o pirata mais graduado é lançado ao mar e é feita uma nova votação.

– Os piratas agem de forma lógica e se preocupam apenas em obter o máximo de ouro possível

Considerando-se esse contexto, que divisão deve ser proposta pelo pirata mais graduado?

O examinador diz que esse clássico problema de lógica é um bom exemplo do tipo de pergunta que poderia ser feita ao candidato. “Gosto de observar como o estudante absorve a orientação que recebe, e se ele é capaz de dividir o problema em frações menores para depois resolver um problema complexo, aplicando soluções de forma algorítmica”, diz Harrington. E avisa: “Se o estudante tem alguma dúvida, quero que me diga – não que fique sentado em silêncio, empacado!”

Solução para o problema dos piratas:
Para resolver esse problema, é preciso analisar o que acontece com apenas dois piratas, e a partir daí, repetir a operação com três, quatro, até chegar ao sete. (Fica estabelecido que o pirata líder, o mais “graduado”, tem a letra A. Os outros serão B, C, D etc.)

Dois Piratas
O pirata A sugere que ele fica com todas as moedas. Ele vota em sua sugestão, ela é aprovada. Pirata A leva as cem moedas, pirata B leva zero moedas.

Três Piratas
O pirata A sabe que se fosse jogado ao mar, o pirata C não levaria nada (já que a situação voltaria a ser o cenário anterior, envolvendo dois piratas – e o pirata C passaria a ocupar o lugar do pirata B). Então, o pirata A suborna o pirata C com 1 moeda, o pirata C vota a favor da proposta. Pirata A leva 99 moedas, pirata B leva zero, pirata C leva 1.

Quatro Piratas
Pirata A sabe que, se ele morrer, pirata C não leva nada (porque novamente, o cenário volta para a situação anterior, envolvendo três piratas, e o pirata C passaria a ser o pirata B). Então, ele precisa de 1 moeda para suborná-lo. Portanto, pirata A leva 99, pirata B leva zero, pirata C leva 1, pirata D leva zero.

Cinco Piratas
Agora, o pirata A precisa de 3 votos, então ele precisa subornar com 1 moeda cada pirata que ganharia zero moedas caso ele morresse.

Pirata A leva 98 moedas, pirata B leva zero, pirata C leva 1, pirata D leva zero, pirata E leva 1.

Seis Piratas
A história é a mesma: pirata A precisa subornar os piratas B e D.

Pirata A leva 98 moedas, pirata B leva zero, pirata C leva 1, pirata D leva zero, pirata E leva 1, pirata F leva zero.

Sete Piratas
Nesse estágio final (embora seja possível prosseguir indefinidamente), o pirata-mor tem de conseguir quatro votos. Portanto, tem de subornar três piratas. Então, melhor subornar os três que teriam mais a perder caso ele morresse. Por exemplo, os piratas C, E e G.

Resultado: Pirata A leva 97 moedas, piratas C, E e G levam 1 moeda cada um e os outros ficam com zero.

Literaturas africanas de língua portuguesa: 10 obras fundamentais

1

Sandro Brincher, no Amálgama

[Nota do Editor: Em novembro de 2008 publicamos uma lista de livros fundamentais da literatura africana, elaborada por Marília Bandeira, doutoranda da USP. A relação sempre foi muito acessada, mas recebeu algumas críticas devido à carência de obras em língua portuguesa — Marília é especialista em literatura de língua inglesa. Agora publicamos essa outra lista, de Sandro Brincher, da UFSC]

Já li em alguma antologia que toda seleção é ingrata. Ora, não é preciso lembrar que o objetivo das listas e das antologias não é nem justiça, nem equilíbrio. Elas refletem, afinal de contas, uma opinião em um determinado tempo sob certas influências teóricas ou metodológicas. O objetivo de toda lista – e aqui me refiro a uma lista bibliográfica – é oferecer um panorama de leitura, um primeiro empurrão, um norte aos interessados num determinado assunto. Proponho-me então, mui injusta e desequilibradamente, a apresentar uma lista pessoal de dez obras fundamentais das chamadas Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. Outra questão que se faz importante é essa pluralização do objeto: literaturas. Cada país da chamada lusofonia (o conjunto de países onde se fala Português) – termo que, vale frisar, não agrada a muita gente – tem sua própria história de colonização, suas características étnicas e sociais que acabam reverberando em suas literaturas. Se já é redutor e generalizante dizer “Literaturas Africanas”, no plural, penso que no singular é ainda mais.

Passemos às obras. Algumas aí estão por conta de sua evidente aclamação crítica. Outras, por sua importância histórica ou por terem sido “vanguarda” em algum momento. Há ainda aquelas que, sem estarem em nenhuma das duas situações mencionadas, são instigantes, belas, impactantes ou terríveis – sim, porque a terribilidade da obra também é fundamental para o prazer da leitura.

Ei-las, as obras, ordenadas em ordem alfabética pelo sobrenome do(a) autor(a), seguidas de algum comentário ou da resenha da editora (indicada, quando for o caso).

Terra Sonâmbula | Mia Couto | Moçambique
O primeiro e um dos mais densos romances do moçambicano Mia Couto, hoje o mais popular dos escritores africanos de língua portuguesa, Terra Sonâmbula tem como pano de fundo o período de guerra civil pós-independência em Moçambique, mesclando realismo visceral a elementos fantásticos de forma absolutamente orgânica. Em meio a uma terra devastada, perambulando por uma estrada “mais deitada que os séculos, suportando sozinha toda a distância”, um velho e um menino buscam uma forma de sobreviver em meio àquela paisagem fantasmagórica. O romance foi adaptado para o cinema em 2007 sob a direção de Teresa Prata, com co-produção portuguesa, alemã e moçambicana.

*

O vendedor de passados | José Eduardo Agualusa | Angola
Há quem indicaria Estação das chuvas ou mesmo Nação crioula como livro-chave na produção de Agualusa. Entretanto, como nesta lista um dos objetivos ao indicar um livro é sempre despertar em quem o lerá a curiosidade de conhecer mais do autor indicado, penso que O vendedor de passados cumpre muito bem tal papel. É uma narrativa densa sem ser fatigante, com humor e amor na dose certa, satirizando com comedimento a construção da História e dos “heróis” daquele país, tudo visto através do olhar de uma osga (lagartixa), o narrador do romance.

Resenha da contracapa: Félix Ventura escolheu um estranho ofício: vende passados falsos. Os seus clientes, prósperos empresários, políticos, generais, enfim, a emergente burguesia angolana, têm o seu futuro assegurado. Falta-lhes, porém, um bom passado. Félix fabrica-lhes uma genealogia de luxo, memórias felizes, consegue-lhes os retratos dos ancestrais ilustres. A vida corre-lhe bem. Uma noite entra-lhe em casa, em Luanda, um misteriosos estrangeiro à procura de uma identidade angolana. E então, numa vertigem, o passado irrompe pelo presente e o impossível começa a acontecer. Sátira feroz, mas divertida e bem humorada, à atual sociedade angolana, O Vendedor de Passados é também (ou principalmente) uma reflexão sobre a construção da memória e os seus equívocos.

*

Yaka | Pepetela | Angola
Yaka, apesar de não ser o livro mais representativo da produção ficcional de Pepetela (aliás, é destacar apenas um), é um dos mais importantes para entender questões fundamentais com as quais o autor vai trabalhar ao longo de toda sua obra, sobretudo a relação colonizado/colonizador, tema que está na pauta do dia de discussões acadêmicas há algumas décadas.

Orelha da edição brasileira lançada pela Ática em 1984: Uma estátua, Yaka, pura ficção, surge como motivo condutor deste romance em que, nos finais do século passado, uma família de colonos se estabelece em Benguela, centro comercial que ombreava com Luanda. Recorrendo à memória familiar, Pepetela traça os vários momentos da saga desses colonos, misto de comerciantes e agricultores, mostrando como criaram a sua verdade referencial, tão diferente do contexto africano, que não tinham condições de entender. Alexandre Semedo, o velho colono, desde cedo convive, em segredo, com o mito da estátua; ao morrer, fica sabendo, pela voz de Yaka, que sua geração será a última. Yaka simboliza a migração de povos caçadores, mais tarde grandes guerreiros, que após chegarem à região de Luanda e irromperem, no século XVI, no reino do Congo, atingiram o Cunene, no extremo sul de Angola. O mito da unificação do território nacional, posteriormente tornado realidade, acompanha o Autor ao criar Yaka. A estátua está cuidadosamente guardada por Alexandre Semedo, desprezada por seus familiares, que com a independência fogem para o sul, e respeitada pelo jovem neto, que se torna um combatente do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola), é mito ou realidade?

*

Os flagelados do vento leste | Manuel Lopes | Cabo Verde
Considerado um romance neo-realista, nele o fenômeno da seca cabo-verdiana é ao mesmo tempo paisagem e personagem. José da Cruz é um homem a quem as forças e as esperanças se esvaem, mas cujo ímpeto de sobrevivência o leva a procurar as forças de trabalho do antigo sistema colonial. A luta dura e inescrupulosa pela vida vai moldando personagens áridos como a própria ilha de Santo Antão, palco deste drama no qual a natureza, sempre implacável, é a força que dá alento e o tira com a mesma fluidez do vento que corta o arquipélago de Cabo Verde.

*

O testamento do Sr. Napomuceno | Germano Almeida | Cabo Verde
Da contracapa da edição da Cia das Letras: Dez anos antes de morrer, o Sr. Napumoceno escreveu um testamento de “387 laudas de papel almaço pautado”. Ninguém imaginava que pudesse haver tanta novidade na vida do comerciante solteirão, de hábitos rigorosamente metódicos. Mas, nas centenas de folhas onde o Sr. Napumoceno registrou a própria vida com toda a sinceridade, não se conta apenas a história do garoto de pés descalços que enriqueceu com trabalho, sorte e alguma malandragem: entrelaçado àquela existência surpreendente emerge o quadro vivo do cotidiano em uma cidade de Cabo Verde antes da independência de Portugal, da década de 40 em diante.

*

Luuanda | Luandino Vieira | Angola
Terceiro livro de contos deste angolano por adoção – Luandino nasceu em Portugal –, é constituído por três narrativas: “Vovó Xíxi e seu neto Zeca Santos”, “A estória do ladrão e do papagaio” e “A estória da galinha e do ovo”. Através do olhar do narrador, conhecemos o cotidiano dos musseques (favelas) de Luanda, a capital angolana. A falsidade da política de assimilação colonial, a falta de esperanças num futuro decente, a descoberta da solidariedade como forma de alívio da dor da existência, o olhar transformador da criança em meio a essa realidade dura: eis alguns dos temas que Luuanda nos oferece.

*

Balada de Amor ao Vento | Paulina Chiziane | Moçambique
As histórias que Paulina ouvia na infância são a fonte de onde Paulina extrai o material humano que descreve neste romance. Aqui conhecemos Sarnau, uma jovem que amava Mwando, rapaz a quem o sacerdócio estava designado como carreira. Entretanto, a relação não vinga, pois seus destinos se separam. Sarnau torna-se uma das mulheres do rei de Mambone. Tempos depois, ela reencontra Mwando e o romance é atualizado; pela perseguição que sofrem, entretanto, separam-se de novo, tomando rumos igualmente terríveis: ele, deportado a Angola, cumprirá quinze anos plantando café e cana. Sarnau, que teve um filho de Mwando enquanto ainda era rainha, vê o menino ser coroado rei após morte do falso pai, mas amargará uma vida de prostituição para sobreviver a partir daí.

*

A louca de Serrano | Dina Salústio | Cabo Verde
A produção de textos curtos é dominante na literatura caboverdiana. Segundo a professora e pesquisadora brasileira Simone Caputo Gomes, isto se deve, entre outras questões, à escassez de editoras e necessidade de se publicar em periódicos, de um lado, e a uma tensão, uma urgência na necessidade do que se quer comunicar, de outro. Sendo uma literatura de poucos romances, A louca de Serrano se destaca não somente por pertencer a tal gênero, mas também por ser o primeiro romance de autoria feminina na literatura de Cabo Verde. As marcas do feminino, porém, não se limitam à mão que escreve: estão evidentes nas faces, nos gestos, nas vidas que Salústio vai pintando sobre as paisagens hostis da ilha de Santo Antão. Enfim, um romance crucial para entender a condição sui generis de Cabo Verde no vasto panorama das literaturas escritas em língua portuguesa.

*

Bom dia camaradas | Ondjaki | Angola
Da resenha de Helena Sut: “Bom Dia Camaradas, romance do escritor angolano Ondjaki, expõe a trajetória de Angola depois da independência, ambientado em Luanda na década de 80. Narra um momento que “aconteceu” ao autor e faz parte da formação da sociedade e da utopia. O protagonista é um menino da classe média pós-colonial que narra seus dias em paralelo com o ano letivo. Uma poética história que revela o mundo nos diálogos com o camarada Antônio, nas aulas dos professores cubanos, nos cartões de racionamento, na visita da tia que vem de Portugal, nos medos, nas despedidas, nos sonhos e nas percepções em câmara lenta”.

*

Os filhos da pátria | João Melo | Angola
Ao invés da epígrafe de Gabriel Pensador, “Essa é a Pátria que me pariu”, talvez a célebre frase dos Racionais MCs fosse igualmente apropriada: “Periferia é periferia em qualquer lugar”. Isso porque o retrato que João Melo – romancista, poeta, político, editor da revista eletrônica África 21 – faz dos musseques não é em muitos aspectos diferente daquele conhecido da favela brasileira. Entretanto, sua visão não é essencialmente fatalista. A efervescência de etnias, culturas e línguas imprime, sob a ótica do narrador, um caráter único a esses espaços. Os filhos da pátria percorre as formas através das quais a interseção dessas características plurais dá corpo a uma identidade nacional, seja ela baseada num “tipo coerente de psicologia social humana” (citando Appiah) ou nas próprias diferenças que lhe são constitutivas.

dica do Sidnei Carvalho de Souza

Ler poesia é mais útil para o cérebro que livros de autoajuda, dizem cientistas

0

Publicado na Folha de S.Paulo

Ler autores clássicos, como Shakespeare, William Wordsworth e T.S. Eliot, estimula a mente e a poesia pode ser mais eficaz em tratamentos do que os livros de autoajuda, segundo um estudo da Universidade de Liverpool publicado nesta terça-feira (15).

Especialistas em ciência, psicologia e literatura inglesa da universidade monitoraram a atividade cerebral de 30 voluntários que leram primeiro trechos de textos clássicos e depois essas mesmas passagens traduzidas para a “linguagem coloquial”.

O poeta Thomas Stearns Eliot (Reprodução)

O poeta Thomas Stearns Eliot (Reprodução)

Os resultados da pesquisa, antecipados pelo jornal britânico “Daily Telegraph”, mostram que a atividade do cérebro “dispara” quando o leitor encontra palavras incomuns ou frases com uma estrutura semântica complexa, mas não reage quando esse mesmo conteúdo se expressa com fórmulas de uso cotidiano.

Esses estímulos se mantêm durante um tempo, potencializando a atenção do indivíduo, segundo o estudo, que utilizou textos de autores ingleses como Henry Vaughan, John Donne, Elizabeth Barrett Browning e Philip Larkin.

Os especialistas descobriram que a poesia “é mais útil que os livros de autoajuda”, já que afeta o lado direito do cérebro, onde são armazenadas as lembranças autobiográficas, e ajuda a refletir sobre eles e entendê-los desde outra perspectiva.

“A poesia não é só uma questão de estilo. A descrição profunda de experiências acrescenta elementos emocionais e biográficos ao conhecimento cognitivo que já possuímos de nossas lembranças”, explica o professor David, encarregado de apresentar o estudo.

Após o descobrimento, os especialistas buscam agora compreender como afetaram a atividade cerebral as contínuas revisões de alguns clássicos da literatura para adaptá-los à linguagem atual, caso das obras de Charles Dickens.

dica do João Marcos

Go to Top