Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged literatura

Escritora canadense Margaret Atwood se torna ícone pop

0

image2

Daniel Oliveira. em O Tempo

Nascida em Ottawa, capital do Canadá, em 1939, Margaret Atwood começou a escrever poemas e peças aos 6 anos. Com 21, ela se formou em literatura na Universidade de Toronto e, aos 23, concluiu o mestrado em Harvard. Desde então, já publicou 16 romances, 15 coletâneas de poemas e inúmeros contos e ensaios.

Isso tudo já a havia consolidado como uma das grandes escritoras da atualidade. Mas foi só em 2017 que o nome de Atwood ultrapassou os confinamentos da alta literatura e ganhou um novo status: o de ícone da cultura pop. Com as adaptações dos romances “O Conto da Aia” (na série “The Handmaid’s Tale”, grande vencedora do último Emmy) e “Vulgo Grace” (na minissérie “Alias Grace”, que estreou na Netflix no último dia 3), a autora e sua obra se tornaram uma espécie de bíblia oracular da atual onda do feminismo – antecipando todas as questões em voga no movimento.

“É difícil responder o porquê disso. Porque ‘The Handmaid’s Tale’ começou a ser produzida antes da eleição do Trump. E ‘Alias Grace’, antes das atuais acusações de assédio em Hollywood. Essas são questões que sempre existiram para nós, mulheres, e de repente se tornaram mais prementes”, analisa Maria Rita Drummond, professora de literatura da Universidade Federal de Santa Catarina.

O que a pesquisadora, que ministra um curso sobre distopias, reconhece na obra de Atwood é uma capacidade de enxergar na dominação da mulher pelo homem e no culto a uma masculinidade tóxica a raiz de vários dos problemas que assolam o mundo hoje. “Mesmo ‘1984’, que é o livro que pula na cabeça das pessoas quando se fala de distopia, é absolutamente cego, surdo e mudo para questões de gênero. Muito do que ele diagnostica ali como problemas da humanidade, como características natas do ser humano, ela diz que não, que são traços de um culto à masculinidade e a uma ideia de homem que não é natural, é algo que se cria”, analisa.

Maria Rita ressalta, porém, que isso não é uma qualidade exclusiva da canadense. Escritoras como Katharine Burdekin, em “Swastika Night” (1937), e Mary Shelley, em “Frankenstein” (1818), já haviam realizado reflexões similares. E o curioso é que, mesmo que a opressão feminina por uma ideologia patriarcal seja um dos temas mais recorrentes em sua obra, Atwood nega que romances como “A Mulher Comestível”, “O Conto da Aia” e “Oryx e Crake” sejam feministas, alegando que esse título se aplicaria apenas a escritores que trabalham conscientemente dentro dos parâmetros do movimento.

“Acho que essa declaração dela tem muito daquela coisa do autor que não quer ser colocado em uma caixinha, o que é válido”, argumenta a professora. No entanto, ela acha que o que importa é o texto. “E se a gente levar em conta as questões centrais propostas pelo feminismo, ou pelos feminismos, não tem como não pensar em ‘O Conto da Aia’ e quase na obra inteira dela, que discute noções recebidas de dominação sexual e estereótipos de gênero”, afirma.

Já a estudante de letras Barbara Deister reconhece a importância do chamado à reflexão de “Aia”, mas não acredita que o romance possa ser considerado estritamente feminista. “No livro, a protagonista é uma personagem insípida, emocionalmente dependente dos homens, que mantem uma postura resignada ante sua nova realidade e, em algumas passagens, faz críticas pesadas a sua mãe, que ia para a rua fazer piquete e protestar ‘junto com suas amigas feministas e barulhentas’”, descreve. Para ela, as críticas e a desqualificação do feminismo feitas no livro representam a opinião da própria escritora e, por isso, ela preferiu a série, “que mostra uma personagem muito mais complexa, feminista, com mais atitude e menos dependente dos personagens masculinos”.

Outra polêmica envolvendo Atwood diz respeito à sua rejeição de que obras como “Aia” e “Oryx e Crake” sejam categorizadas como ficção científica. Para ela, mesmo sendo distopias futuristas, os livros são “ficções especulativas”. “Para mim, o rótulo da ficção científica pertence a romances com elementos que a humanidade ainda não é capaz de fazer, enquanto a ficção especulativa emprega recursos já disponíveis e se passa no planeta Terra”, explicou.

Drummond vê nisso outra recusa da autora a ser enquadrada numa caixinha. Para além de discussões categóricas, porém, a professora acredita que o verdadeiro poder da obra de Atwood está na compreensão que ela tem da impossibilidade de se entender totalmente o outro – especialmente as mulheres, a quem tão pouca voz foi dada historicamente. Tudo a que se tem acesso são pedaços, fragmentos de discursos – acadêmicos, científicos, jornalísticos, históricos, pessoais. E a obra dela, desde romances como “Vulgo Grace” e “O Assassino Cego” a contos como “O Ovo do Barba Azul”, é sempre construída a partir desses diferentes olhares e gêneros textuais – o que, Drummond reconhece, pode torná-la de difícil leitura para não-iniciados.

Status. Adaptações da obra de Atwood conquistaram o público

Status. Adaptações da obra de Atwood conquistaram o público

“Mas é o que eu mais gosto na literatura dela, essa consciência que você tem de que há sempre mais de uma história sendo contada ao mesmo tempo: alguém contando uma história para alguém, uma história sendo escrita, um futuro imaginado a partir de questões atuais. Essa característica de grandes escritores de questionar a permeabilidade da verdade e enxergar o poder da história que contamos para os outros e para nós mesmos”, sintetiza.

Romances

‘A Mulher Comestível’ (1969)

‘O Laço Sagrado’ (1972)

‘Madame Oráculo’ (1976)

‘A Vida Antes do Homem’ (1979)

‘Lesão Corporal’ (1981)

‘O Conto da Aia’ (1985)

‘Olho de Gato’ (1988)]

‘A Noiva Ladra’ (1993)

‘Vulgo Grace’ (1996)

‘O Assassino Cego’ (2000)

‘Oryx e Crake’ (2003)

‘A Odisseia de Penélope’ (2005)

‘God’s Gardeners’ (2009)

‘O Ano do Dilúvio’ (2009)

‘MaddAddam’ (2013)

‘The Heart Goes Last’ (2015)

Vem mais aí

A ‘Trilogia MaddAddam’ – formada pelos livros “Oryx e Crake”, “O Ano do Dilúvio” e “MaddAddam” – está atualmente sendo adaptada pela HBO.

Adaptação para os cinemas de “O Cemitério”, de Stephen King, é confirmada

0

stephen-king1-760x428

João Abbade, no Jovem Nerd

A Paramount anunciou nesta terça-feira (31) que uma nova adaptação do livro “O Cemitério”, de Stephen King, está sendo feita. A dupla de diretores Kevin Kolsch e Dennis Widmyer, diretores do filme de terror Starry Eyes, vão comandar a nova adaptação.

Em 1989 o livro ganho uma adaptação para os cinemas com o título “Cemitério Maldito” e com a direção de Mary Lambert, que hoje comanda a série Blacklist.

No livro, um médico de Chicago se muda para uma ótima casa em Maine, mas essa residência fica logo ao lado de um cemitério onde crianças de várias gerações enterravam seus animais. Mas o que a família não sabe é que o cemitério vizinho tem poderes místicos que podem trazer os animais de volta a vida.

Antes da adaptação ser confirmada, diversos diretores manifestaram o interesse em dirigir o projeto. Cineastas como Guillermo Del Toro e o diretor de It: A Coisa, Andy Muschietti, eram alguns deles.

Destinos turísticos sombrios para os amantes da literatura de terror

0

Fabio Mourão, no Dito pelo Maldito

A primavera é uma das melhores estações para se viajar! Nem tão fria que atrapalhe o passeio, e nem tão quente que torne o trajeto insuportável, o que a torna uma época ideal para atividades ao ar livre. Porém, esse não é um clima que agrade diretamente os amantes do gênero de terror. Nós queremos adentrar castelos sombrios, explorar catacumbas profundas, conhecer lendas fantasmagóricas, e, se possível, dormir em cidades perdidas que só podemos visitar através dos livros.
Foi pensando nisso que selecionamos aqui alguns destinos macabros como sugestão turística para os fãs do terror. E não estamos falando de locações de filmes ou parques temáticos, esses locais são reais e realmente perturbadores.

O Hotel Stanley
Colorado, EUA

The-Stanley-Hotel
O Hotel Stanley é famoso por ter sido a inspiração para o Hotel Overlook de Stephen King em O Iluminado, mas a sua história real não é menos sombria que a fictícia. O local foi inaugurado em 1909 por um casal no intuito de tratar a tuberculose do marido Freelan Oscar Stanley, com o ar puro da montanha. No longo tempo em que hospeda pessoas de todo o mundo, o hotel coleciona histórias bizarras, sendo considerado até hoje como um viveiro de atividades paranormais. Pode ser que as histórias sejam apenas uma jogada de marketing para atrair os leitores de King, mas, na verdade, a vista do lugar é tão linda, que isso pouco importa aos hospedes. Mas, ainda assim, você pode reservar o quarto 217 por sua própria conto e risco.

Castelo de Bran (Castelo do Drácula)
Braşov, Romênia

videotour-thumb
Situado na fronteira entre a Transilvânia e a Valáquia, esta bela fortaleza é tida como o lar do lendário Drácula – embora exista controvérsias. Apesar do próprio Bram Stoker nunca ter visitado a Romênia, a sua descrição do castelo de Bran é bem real: “. . . na extremidade de um precipício fantástico. . . com ocasionalmente uma fenda profunda onde há um abismo com fios de prata onde os rios serpenteiam em desfiladeiros profundos através das florestas.” Já sobre o verdadeiro Vlad Tepes, (um dos líderes mais violentos da história) só é confirmado que ele foi preso no Castelo de Bran por dois meses em 1462. Então, seja para conhecer o homem ou o mito, o Castelo de Bran parece o lugar ideal para um jantar sob à luz do luar.

Floresta de Hoia Baciu
Cluj-Napoca, Romênia

hoia-forest-the-5-freakiest-places-on-earth
Enquanto você estiver na Romênia, que tal estender o passeio e dar uma passadinha pela infame Floresta de Hoia Baciu? O lugar, muitas vezes denominado como o ‘Triângulo das Bermudas da Romênia’, ostenta diversos relatos de atividades paranormais que varia desde fantasmas a OVNIs. A própria floresta foi nomeada por um pastor que desapareceu por ali com todo o seu rebanho de duzentas ovelhas. A vegetação local cresce estranhamente, muitos relatam marcas misteriosas de queimaduras nas árvores, e os moradores locais têm medo de frequentar a floresta devido às suas lendas e mitos. Se você é corajoso o suficiente para fazer uma visita, sugerimos que tire muitas fotos e depois verifique as imagens em busca de aparições estranhas.

O Museu da Tortura
Amsterdã, Holanda

the-table-of-torture
Um pequeno museu escondido no coração de Amsterdã, The Torture Museum é exatamente o que o nome sugere: um museu histórico dedicado a dispositivos de tortura. Porém, o que o torna memorável são os quartos pequenos, sombrios e cavernosos que nos passa a sensação de se estar em um labirinto subterrâneo. Sem contar que muitos dos instrumentos expostos estão liberados para que você possa realmente manipulá-los, a maioria incluindo livros com imagens e instruções que descrevem o seu uso. A experiência varia do cômico ao incrivelmente sombrio e perturbador. De fato não é um passeio indicado para os fracos de coração.

Ilha das Bonecas
Cidade do México, México

46cfd84925e1b5f8ce2db8887589bd63
O que é mais assustador do que encontrar uma boneca abandonada olhando para o fundo da sua alma? E que tal centenas e mais centenas delas, mutiladas e decrépitas, penduradas em árvores em uma ilha isolada? Isso é o que você vai encontrar se você se atrever a visitar a Isla das Muñecas em Xochimilco. Lendas relatam que o dono da ilha, Don Julián Santana Barrera, encontrou uma garotinha afogada e pendurou a sua boneca em uma árvore como sinal de respeito. Mas depois que ele ficou assombrado por sussurros e choros misteriosos, ele começou a pendurar bonecas em toda a ilha na tentativa de libertar o espírito da menina. Embora os moradores locais afirmem que o lugar está “amaldiçoado”, os visitantes descrevem consistentemente visões assustadora do lugar. Muitos trazem suas próprias bonecas para pendurar como um tipo de oferenda.

A Mansão Winchester
Califórnia, EUA

VCW_D_Sjose_T4_WinchesterMysteryHouse_ChristySharp_1280x642
A história de Sarah Winchester pode ser considerada uma das mais fascinantes da história dos EUA. Viúva do magnata William Wirt Winchester, Sarah construiu uma mansão que alegou ser assombrada por todos os mortos pelos rifles de Winchester. Contam que alguém a convenceu de que o único jeito de apaziguar os espíritos das vítimas, seria continuar construindo a sua casa. A casa é conhecida por ser um intenso epicentro de avistamentos sombrios até hoje, além de ser famosa pela sua arquitetura excêntrica e não planejada. Muitos afirmam que Sarah continuou ampliando a casa até o dia de sua morte, quando finalmente todas as construções cessaram.

O Ossário de Sedlec
Kutna Hora, República Tcheca

DSC_6329
Uma capela católica localizada embaixo da Igreja do Cemitério de Todos os Santos, conhecida por armazenar dezenas de milhares de ossos humanos – muitos deles arranjados artisticamente. Crânios e outras peças formam paredes inteiras, guirlandas, sinos, brasões e até mesmo um candelabro espetacular. Embora os ossos sejam fruto de séculos de mortes, o atual arranjo macabro é trabalho de František Rint, um estilista com uma estranha visão artística, contratado para organizar os ossos em 1870. Você pode visitar o ossário marcando uma turnê noturna especial.

Cratera de gás Darvaza (A porta do inferno)
Derweze, Turcomenistão

4619013557_c2a641a4a9_b
Nem todos os lugares assustadores do mundo foram construídos pelas mãos humanas, alguns foram presentes da própria natureza. Quando um campo de gás natural no Turquemenistão entrou em colapso, foi gerado uma cratera com mais de 200 pés de largura e quase 100 metros de profundidade, banhada pelo fogo. Os geólogos incendiaram o lugar em 1971 para evitar a propagação do gás metano, e ele está ardendo em chamas desde então. O resultado é um poço incrível e infernal com chamas de um laranja fervente. Uma vez que o fogo é mais visível durante à noite, muitas pessoas levam barracas e acampam no deserto ao redor. É bom avisar que o lugar não é roteiro das companhias de turismo, e nem mesmo existe um estacionamento no local. Portanto, se você decide acampar por lá, certifique-se de levar suprimentos essenciais para a sua sobrevivência.

Casa do terror de Amityville
Nova Iorque, EUA

MW-EQ389_amityv_20160629095319_ZH
Em 1974, Ronald DeFeo Jr. assassinou seis membros da sua família na infame casa de Amityville. E esse é apenas o começo do histórico trágico dessa residência. A família Lutz – O casal George e Kathy mais três filhos – comprou a casa após o acontecido, mudando-se menos de um mês após os assassinatos, e logo na primeira noite no lugar alegam terem sidos aterrorizados por atividades sobrenaturais. A casa ficou ainda mais famosa quando o autor Jay Anson publicou o livro ‘Horror em Amityville’ em 1977, no intuito de relatar a “verdadeira história” do calvário sofrido pela família Lutz. Embora a casa tenha permanecido como uma residência privada, o endereço mudou na tentativa de desencorajar os visitantes.

Central Nuclear de Chernobyl
Pripyat, Ucrânia

Chernobyl_nuclear_plant5
Se você tem mais de 30 anos, provavelmente já ouviu falar do desastre de Chernobyl de 1986, uma explosão que se tornou o pior desastre nuclear que o mundo já viu. Uma tragédia responsável por muitas mortes diretas e indiretas (o número exato é contestado). Disseram que a sua evacuação seria temporária, e a maioria dos moradores abandonaram a cidade deixando todos os seus pertences, e nunca mais conseguiram retornar para suas casas, razão pela qual o lugar tornou-se um destino turístico apesar do eminente perigo de envenenamento por radiação. Pripyat tornou-se uma cidade congelada no tempo – um verdadeiro museu sem vida na Europa Oriental antes da queda da Cortina de Ferro. O resultado é uma cidade fantástica, incrivelmente misteriosa, e que tornou-se um destino icônico para os fotógrafos, os caçadores de atividade mórbidas, curiosos e paranormais. Além de ser uma excelente sugestão de base para um Super Vilão dos quadrinhos.

Bienal do Livro de Pernambuco é encerrada com maior valorização ao mundo geek

0
Cosplayers animaram o último dia da Bienal na noite deste domingo Foto: Felipe Ribeiro/ JCImagem

Cosplayers animaram o último dia da Bienal na noite deste domingo
Foto: Felipe Ribeiro/ JCImagem

 

Evento literário testou pela primeira um espaço unicamente dedicado ao universo dos quadrinhos e o público aprovou

Valentine Herold,  no JC Online

Poderia ser um trecho de um capítulo de um livro de ficção ou uma tirinha de uma história em quadrinhos, mas era apenas mais uma cena corriqueira deste domingo (15) na 11° Bienal Internacional do Livro de Pernambuco: Homem Aranha, Arlequina e o Coringa passeando pela praça de alimentação montada no pavilhão do Centro de Convenções. O evento literário que teve início no último dia 6 foi encerrado na noite deste domingo (15) entre cosplay, oficinas, sessões de autógrafos e apresentação musicais – sem esquecer, claro, de muitas vendas de livros.

Em relação ao primeiro fim de semana, a feira reuniu em seus último três dias um público maior. No domingo, muitas famílias passeavam entre os corredores do Cecon à procura de livros. O menor porte estrutural do evento em relação às outras edições foi, entretanto, bastante comentada pelos leitores, assim como a surpresa com o corredor de estandes dedicado ao artesanato e venda de objetos como bolsas e bijuterias. O administrador Washington Moreira estava, como muitos, aproveitando as já tradicionais promoções de último dia com sua esposa, no início da noite de ontem.

“Estou dando uma geral, vim para procurar livros e não tanto para as palestras. Mas apesar das promoções estou achando essa edição da Bienal mais reduzida, com uma variedade de estandes menor que os outros anos”, avaliou.

As críticas dos expositores se assemelham às do público geral, mas a maioria se disse satisfeita com as vendas. “Principalmente nos últimos dias. A partir de quinta tivemos um movimento muito bom”, ressaltou Alexandre Oliveira, do estande da LeYa, que participou pela primeira vez da Bienal de Pernambuco. ‘Há duas semanas eu estava na de Maceió e achei o movimento semelhante”, pontuou.

QUADRINHOS

Se para os vendedores dos estandes de formato clássico esta 11° edição não se diferenciou positivamente das demais, os ilustradores e autores de HQs não poderiam estar mais satisfeitos. Pela primeira vez com um espaço próprio na Bienal do Livro, o Artist’s Alley, os quadrinistas atraíram um bom público de todas as idades. E diferentemente dos outros estandes, eram os próprios autores que atendiam os leitores. Talvez tenha sido justamente essa proximidade que tenha feito da ainda pequena alameda do universo dos quadrinhos um local de fomento à leitura e aos debates.

Um dos coordenadores da feira, Guilherme Robalinho, avaliou o espaço como sendo a grande aposta deste ano . “A Bienal termina esta edição fortalecida. Percebemos o forte carinho que o público tem para com o evento e estamos muito orgulhosos da programação que montamos e das parcerias”, disse. “Vivemos um momento difícil no País mas mesmo assim acho que as vendas superaram as expectativas, as pessoas vieram predispostas e notamos este ano um tempo de permanência maior das pessoas dentro do evento”, finalizou.

Uma certeza que a Bienal de Pernambuco deixou, seguindo a mesma tendência de outros eventos literários, é a de que não se pode mais ignorar o público vindo da internet – como vem demonstrou a forte movimento dos espaços Geek e o próprio Artist’s Alley

17 livros que são armas contra a ascensão de regimes políticos tirânicos

0

Claudio Ribeiro, no Jornal Opção

No livro Sobre a Tirania: vinte lições do século XX para o presente (Companhia das Letras, 168 páginas, tradução de Donaldson M. Garschagen), recém-publicado no Brasil, o historiador americano Timothy Snyder oferece ao leitor uma lista de dezessete livros que, se lidos com atenção, podem servir como verdadeiras armas contra a irrupção de regimes políticos tirânicos.

A lista se encontra na “lição número 9”, intitulada “Trate bem a língua”, na qual podemos ler, como advertência inicial, o seguinte: “Evite proferir as frases que todo mundo usa. Reflita sobre sua maneira de falar, mesmo que apenas para transmitir aquilo que você acha que todos estão dizendo. Faça um esforço para afastar-se da internet. Leia livros.”

Capa do livro “Sobre a Tirania: vinte lições do século XX para o presente” (Companhia das Letras, 2017, 168 páginas)

Capa do livro “Sobre a Tirania: vinte lições do século XX para o presente” (Companhia das Letras, 2017, 168 páginas)

Pois bem, então, o que ler? É esta a questão que Snyder procura responder. E sua resposta começa pela literatura, indo de um clássico incontestável até um romance infantojuvenil de grande sucesso editorial:

“Qualquer bom romance estimula nossa capacidade de pensar sobre situações ambíguas e de julgar as intenções alheias. Os irmãos Karamázov, de Dostoiévski, e A insustentável leveza do ser, de Milan Kundera, talvez sejam adequados a nosso momento. O romance Não vai acontecer aqui, de Sinclair Lewis, talvez não seja uma grande obra de arte. Complô contra a América, de Philip Roth, é melhor. Um romance conhecido por milhões de jovens americanos e que oferece um relato de tirania e resistência é Harry Potter e as relíquias da morte, de J. K. Rowling. Se você, seus amigos ou seus filhos não o entenderam assim da primeira vez, vale a pena lê-lo de novo.”

Após a indicação desses cinco romances, Snyder indica onze livros de não ficção, que abordam a política e a história do século XX. E finaliza a lista indicando a leitura das Sagradas Escrituras, da tradição judaico-cristã. Para tanto, argumenta:

“Os cristãos podem retornar ao seu livro fundamental, que sempre é muito oportuno. Jesus ensinou que ‘é mais fácil um camelo passar através do buraco de uma agulha do que um único rico entrar no reino de Deus’. Devemos ser modestos, porque ‘quem se exaltar será humilhado e que se humilhar será exaltado’. E é claro que temos de nos preocupar com o que é verdadeiro e com o que é falso: ‘E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará’.”

Reuni, abaixo, todos os dezessete livros indicados. A maior parte está traduzida e publicada no Brasil. Referencio todas as edições, tanto as disponíveis no mercado editorial nacional quanto aquelas que ainda não estão.

É uma ótima oportunidade de leitura, sobretudo para quem está de férias!
Segue a lista:

1 – Os irmãos Karamázov, de Dostoiévski (Editora 34, tradução de Paulo Bezerra).

2 – A insustentável leveza do ser, de Milan Kundera (Editora Companhia de Bolso, tradução de Tereza Bulhões de Carvalho).

3 – It Can’t Happen Here [Não vai acontecer aqui], de Sinclair Lewis (Editora Signet Classics-Penguin Group).

4 – Complô contra a América, de Philip Roth (Editora Companhia das Lestras, tradução de Paulo Henriques Britto).

5 – Harry Potter e as relíquias da morte, de J. K. Rowling (Editora Rocco, tradução de Lia Wyler).

6 – “A política e a língua inglesa”, de George Orwell, presente no volume Como morrem os pobres e outros ensaios (Editora Companhia das Lestras, tradução de Pedro Maia Soares).
7 – LTI: A linguagem do Terceiro Reich, de Victor Klemperer (Editora Contraponto, tradução de Miriam Bettina P. Oelsner).

8 – Origens do totalitarismo, de Hannah Arendt (Editora Companhia de Bolso, tradução de Roberto Raposo).

9 – O homem revoltado, de Albert Camus (Editora BestBolso, tradução de Valerie Rumjanek).

10 – Mente cativa, de Czeslaw Milosz (Editora Novo Século, tradução de Dante Nery).

11 – The Power Of The Powerles [O poder dos sem poder], de Václav Havel (Editora Routledge).

12 – “How to Be a Conservative-Liberal-Socialist” [Como ser um conservador-liberal-socialista], de Leszek Kolakowski, presente no volume Modernity On Endless Trial (Editora University Of Chicago Press).

13 – The Uses of Adversity [Os usos da adversidade], de Timothy Garton Ash (Editora Random House).

14 – O peso da responsabilidade, de Tony Judt (Editora Objetiva, tradução de Otacílio Nunes).

15 – Ordinary Men [Homens comuns], de Christopher Browning (Editora Harper Perennial).

16 – Nothing Is True and Everything Is Possible [Nada é verdadeiro e tudo é possível], de Peter Pomerantsev (Editora Faber & Faber).

17 – Bíblia de Jerusalém (Editora Paulus, vários tradutores).

Go to Top