Publicado no G1

Visitar uma livraria sem saber o que comprar é como entrar em um labirinto. Por isso, as melhores lojas do setor têm uma equipe preparada para fazer indicações para o cliente. A quarentena prejudicou esse serviço de curadoria, mas um empresário contornou o problema e levou o atendimento para a casa do leitor.

A missão do empresário José Luiz Tahan ao abrir o negócio, 20 anos atrás, era ser um marco cultural na cidade de Santos, litoral de São Paulo. Na livraria dele foram criados uma editora, com 150 títulos próprios, e um festival literário. Tudo nasceu da experiência do empresário como livreiro, um profissional que aproxima escritores e leitores.

 

“Além de fazer o que é previsto como venda, de entender o leitor a cada visita, a cada novo cliente, o livreiro também precisa fazer a identidade do espaço. Ele tem que saber comprar os livros e construir um acervo, um estoque, uma identidade nessa livraria que transmita um recado pro leitor”, conta José Luiz.

Mesmo com a livraria fechada na quarentena, os clientes ainda pediam dicas de leitura pelas redes sociais da loja. Foi aí que nasceu o projeto “Livreiro em Domicílio”, em que o empresário indica e entrega livros para o consumidor.

“O leitor me fala um pouco da identidade dele. E aí eu vou tentando descobrir quem é esse leitor e faço as sugestões das obras que eu acredito que ele vá gostar”, explica o empresário.

O projeto foi responsável pela sobrevivência do negócio na hora mais difícil e continuou com a reabertura da livraria. Foi criado também um clube de assinatura, com faturamento previsível.

“Parece que quando a gente está mais pressionado, cria mais. Durante a pandemia, me aproximei de dois amigos do mercado editorial. Unimos nossa experiência em torno do clube”, lembra José Luiz.

O clube funciona assim: o assinante recebe um livro surpresa por mês, por R$ 70, mais o frete. Acompanha a quarta capa especial, uma gravura feita pelo empresário, que retrata o autor do livro, e uma playlist para embalar as leituras. A previsão é chegar a 500 assinantes até o fim do ano.

Com a venda de livro em alta durante a pandemia, as iniciativas do José Luiz acompanharam o bom momento do setor. Antes da crise, ele vendia 700 livros por mês e agora passou para mil.

“Vieram novos clientes e essa experiência da pandemia deu uma revigorada e um resgate no meu ofício original de livreiro. Isso tem sido uma lição muito interessante, um efeito colateral vivido nessa crise”, comemora.

 

 

Realejo Livros
Avenida Marechal Deodoro, 2 – Gonzaga
CEP: 11060-400 – Santos
Telefone: (13) 32894935
E-mail:[email protected]
[email protected]
www.realejolivros.com.br
www.cluberealejo.com.br