Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Livros digitais

Amazon passa a vender livro em papel no Brasil

0

Publicado no UOLphoto-1378249079083-1-0-size-320

A varejista online Amazon lança no Brasil, nesta quinta-feira (21), a venda de livros em papel em português. A empresa já vendia livros digitais aqui. Com um catálogo de 150 mil títulos de 2.100 editoras, a loja terá obras a preços mais baixos que os praticados em livrarias.

Em promoção de lançamento sem data para terminar, o frete será grátis para as compras acima de R$ 69 no país todo. Na cidade de São Paulo, consumidores que adquirirem livros antes das 11h terão a opção de recebê-los no dia útil seguinte. Essa modalidade de entrega, mais rápida que a convencional, só estará disponível para algumas regiões da cidade.

“Decidimos abrir a loja de livros físicos porque já vendemos milhões de livros digitais no Brasil e temos experiência com o consumidor daqui”, disse Alex Szapiro, diretor da Amazon no Brasil. O executivo afirma que uma das condições mais importantes para lançar a loja foi a inteligência do algoritmo da Amazon, que gera recomendações de compra para o cliente baseadas em suas buscas e navegações no site.

O site também inaugura no país uma ferramenta que permite a leitura do livro digital enquanto o livro físico não chega à casa do cliente, o Leia Enquanto Enviamos.

A Amazon chegou ao Brasil em dezembro de 2012, com um catálogo de 13 mil títulos de livros digitais em português. Hoje, são mais de 35 mil títulos. “O segmento de livros digitais deve terminar o ano com uma fatia de 4% a 5% do mercado de livros”, diz Szapiro. “Ainda não é uma parcela muito representativa, mas há dois anos ela era praticamente inexistente.”

Escritores criticam estratégia da Amazon

A empresa do americano Jeff Bezos, é criticada pelo mercado editorial em alguns países por adotar uma estratégia feroz de descontos e promoções.

Na semana passada, mais de 900 escritores americanos assinaram uma carta, publicada no jornal “The New York Times”, na qual afirmam que a Amazon boicota editoras que se recusam a diminuir as margens de lucro, atrasando entregas e retirando seus livros das posições de destaque no site.

Dias depois, mais de mil escritores alemães se manifestaram em carta aberta na internet, dizendo que editoras alemãs também estão sendo prejudicadas.

Não há incentivo à leitura sem corte de impostos

0

1

Rodolfo Viana, no Brasil Post

Durante a Flip, um dos temas mais debatidos no circuito paralelo foi o incentivo à leitura. Para mim, qualquer discussão sobre o assunto é, neste momento, infrutífero. Motivo: o governo “joga contra” a popularização da leitura.

Dois projetos de lei sustentam esta opinião.

Está em tramitação no Congresso o projeto de lei 4.534/2012, de autoria do senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que busca conceder a e-books e e-readers os benefícios já conquistados pelos livros físicos na lei 10.753/2003, a chamada Política Nacional do Livro.

Um dos obstáculos para a aprovação do projeto é a discussão sobre incluir ou não e-readers (aparelhos eletrônicos próprios para a leitura de e-books, como Kindle e Kobo) na lei.

A novela ganhou novos capítulos em junho. Na terça-feira (10), o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) solicitou, por meio de requerimento, que o projeto seguisse à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) mesmo sem o parecer final da Comissão de Cultura (CCult). Queria agilidade no trâmite, o que levou a relatora do projeto na CCult, deputada Fátima Bezerra (PT-RN), a apresentar suas observações.

No relatório, a deputada reafirma “a importância de se conceder ao texto digital o mesmo tratamento assegurado ao texto impresso”, e considera a plataforma em que o conteúdo se apresenta “irrelevante”; contudo, a deputada petista acredita que o e-reader não deve ser incluído na lei, pois “considerar que sejam livros os equipamentos com função exclusiva ou primordial de leitura nos parece um equívoco por princípio — o aparelho não é o conteúdo”.

Em contrapartida, ela sugere a lei 11.196/2005 (Lei do Bem) para desonerar os devices das contribuições PIS/Cofins. “Por uma questão de isonomia e de neutralidade econômica, é premente que os e-readers também passem a usufruir dos benefícios tributários da Lei do Bem. O incentivo (…) é estratégico não somente como fomento à democratização da leitura e à inclusão digital da população, mas também para a geração de empregos qualificados em solo brasileiro”, afirma.

A CCult ganhou o prazo de cinco sessões ordinárias, a partir de 13 de junho, para discutir o relatório e, depois, encaminhá-lo à CCJ. No mesmo dia, o prazo foi aumentado para dez sessões. Desde então, nada mais foi dito sobre o assunto. E esta discussão não pode parar agora.

Em março deste ano, o deputado federal Vicentinho (PT-SP), líder do partido na Câmara, apresentou em plenário o projeto de lei 7299/2014, que visava proibir a aquisição de publicações gráficas — livros, revistas etc. — de procedência estrangeira pelos órgãos públicos governamentais das esferas federal, estaduais e municipais. De acordo com o texto do projeto, o objetivo da lei seria “minimizar a constante evasão de divisas” por meio de “restrições à importação de livros e demais publicações gráficas comumente adquiridas”.

Foram muitas as críticas nas redes sociais e até no próprio site da Câmara, em que uma pesquisa popular mostrou que 98,6% dos participantes discordaram da proposta.

O projeto foi criticado devido à incompreensão gerada pela redação vaga do texto apresentado. Pelo conteúdo, seria possível apontar um possível mecanismo de cerceamento, inclusive acadêmico. Ora, como as universidades públicas seriam capazes de manter um ensino de qualidade se não tivessem à mão obras de referência produzidas no exterior?

Diante das críticas, enfim, Vicentinho retirou o projeto de lei no dia 5 de junho.

A real intenção do projeto parecia interessante: as obras adquiridas pelas três esferas de governo deveriam ser confeccionadas no Brasil, ou seja, vir de gráficas nacionais (exceto nos casos em que não houvesse produção nacional equivalente, como obras de referência em outros idiomas). Não significa que livros em outros idiomas estariam proibidos; significa que os livros feitos por editoras brasileiras fossem produzidos internamente, caso as editoras quisessem pleitear uma boquinha no governo, como o Programa Nacional do Livro Didático.

Faz sentido. Muitos dos livros escritos no Brasil por autores brasileiros e editados por casas nacionais são impressos em países asiáticos. De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, aproximadamente 71% do total de livros importados tem a Ásia como procedência — China e Hong Kong respondem juntas por 60% de todas as importações do segmento gráfico editorial. Em 2013, as importações brasileiras de livros chegaram a 24,2 mil toneladas, 90,6% de aumento nos últimos sete anos.

Por que isso acontece? A resposta é simples: a alíquota de PIS/COFINS para livros importados é zero, enquanto as gráficas nacionais recolhem 9,25% na impressão de livros. É mais barato fazer livro lá fora do que aqui dentro.

Vicentinho enxergou um problema real. Seu erro foi apontar como remédio um projeto estapafúrdio. Diante da percepção acerca do cenário das gráficas nacionais, de quanto pagam de imposto, de como enfrentam a concorrência desleal de países asiáticos com cargas tributárias nulas, Vicentinho optou pelo protecionismo em vez de levantar uma bandeira que agradaria a todos os brasileiros: a redução de impostos. Pois este seria o cenário ideal: editoras nacionais produzindo livros aqui não por obrigação de uma lei, mas porque é financeiramente viável.

Apenas quando tivermos o governo cortando impostos de livros (físicos ou digitais), então poderemos prosseguir no debate sobre incentivos à leitura. Até lá, qualquer discussão sobre o tema será natimorta.

Amazon já tem endereço e CEO para atuar no Brasil

0

O presidente-executivo da Amazon, Jeff Bezos: no Brasil pela primeira vez, a empresa vai iniciar a operação pelo mercado de e-books


Vinicius Aguiari, na Exame.com

A Amazon, maior empresa americana de comércio eletrônico, está às vésperas de iniciar sua operação no Brasil.

Segundo reportagem de Veja.com, a filial nacional da empresa já está instalada em um escritório dentro do complexo empresarial Rochaverá, localizado no bairro da Vila Almeida, ao lado do shopping Morumbi, na zona sul de São Paulo.

Para liderar a operação nacional, a Amazon terá o executivo Alexandre Szapiro, que deixou a Apple Brasil em agosto passado. A expectativa é que a venda de e-books comece no mês de novembro.

Em documento enviado à Junta Comercial, a empresa informou também que o empresário Mauro Widman deixou o comando da empresa para se dedicar apenas aos negócios relacionados ao Kindle. Widman chegou à Amazon em janeiro deste ano, após comandar a criação da área de e-books da Livraria Cultura.

O cadastro da Amazon na Junta também confirma que a empresa executará “vendas e varejo geral, no país e/ou estrangeiro, de quaisquer produtos, incluindo, entre outros, produtos eletrônicos portáteis físicos ou digitais que processem dados e tablets, inclusive aqueles que permitam a leitura de livros digitais”.

No Brasil, pela primeira vez, a Amazon vai iniciar a operação junto ao consumidor final pelo mercado de e-books. Antes, a empresa já oferecia o serviço de computação em nuvem para empresas.

Livros digitais são uma nova bolha?

0

Imagem Google

Sérgio Rodrigues, na Veja.com

Estou convencido de que os livros digitais são uma nova bolha tecnológica, e de que ela vai estourar nos próximos 18 meses. Eis a razão: a publicação digital é inextricavelmente ligada às estruturas do marketing nas redes sociais e ao mito de que a mídia social funciona para vender produtos. Não funciona, e só agora começamos a ter estatísticas verdadeiras sobre isso. Quando o marketing das redes sociais entrar em colapso, destruirá a plataforma na qual se baseava o sonho de uma indústria formada por escritores autopublicados.

Em sua tentativa de demolir no “Guardian” de hoje (em inglês) a lógica da autopublicação digital – e não a do livro digital em si, embora o trecho acima não deixe isso tão claro – Ewan Morrison apresenta números desconcertantes e compra briga com muita gente, inclusive o brasileiro Paulo Coelho, um defensor da publicação gratuita na internet como estratégia para escritores se fazerem conhecidos do público.

Depois de viajar a Cuba, o escritor argentino [Julio Cortázar] iniciou uma lenta transformação. Pouco a pouco, ele deixou de buscar uma revolução cultural vanguardista que mudasse a vida e começou a defender as revoluções políticas que transformavam as sociedades. Cuba preencheu um vazio político que havia em sua vida e do qual antes não se envergonhava. A partir de 1968, ele se converteu em um militante ativo, convidado habitual a conferências e fóruns em apoio às revoluções que incendiavam a América Latina. Sua escrita também mudou. Em 1973, ele publicou o “Livro de Manuel”, um romance com estrutura vanguardista, mas com um conteúdo claramente ideológico. A fantasia deixava de iluminar as vidas surrealistas de seus personagens e começava a avivar a utopia latino-americana. Mas qual projeto tinha mais opções de triunfar? O dos surrealistas que pretendiam alterar as consciências e as vidas, ou o dos revolucionários que queriam transformar as estruturas do Estado? Cortázar morreu em 1984, quando ainda se vislumbrava a possibilidade de a revolução marxista transformar o mundo. Se tivesse vivido mais cinco anos, talvez houvesse percebido que a verdadeira revolução que mudou a vida no Ocidente foi outra, a vanguardista, a que incitava a ter uma existência beat, surrealista e apaixonada.

O antropólogo e ensaísta colombiano Carlos Granés publicou no Sabático um belo artigo sobre as raízes surrealistas (tardias) do escritor argentino Julio Cortázar, a propósito da reedição de “O perseguidor” pela Cosac Naify.

*

Dickens é um estilista tão brilhante, sua visão de mundo tão idiossincrática e no entanto tão reveladora, que seria possível afirmar que seu tema é seu tratamento único de seu tema, num eco daquela frase de Mark Rothko, “O tema da pintura é a pintura” – a não ser, claro, pelo fato de que o grande tema de Dickens não era tão subjetivo nem tão exclusivista, mas incluía tanto do mundo quanto ele conseguisse abarcar. Se a prosa de ficção de Dickens tem “defeitos” – excessos de melodrama, sentimentalismo, tramas forçadas e finais felizes fabricados – trata-se de defeitos de seu tempo, ao qual, mesmo com toda a sua grandeza, Dickens não resistia, por não ser um espírito rebelde; no fundo ele era um artista das multidões, na linha do entretenimento teatral, sem nenhum interesse em subverter as convenções do romance como fariam seus grandes sucessores D.H. Lawrence, James Joyce e Virginia Woolf.

No “New York Review of Books”, a escritora americana Joyce Carol Oates resenha (em inglês) a recém-publicada biografia Charles Dickens: a life, de Claire Tomalin, e me faz mergulhar num exercício imaginativo provavelmente vão, mas irresistível: quais seriam os defeitos da grande literatura do nosso tempo, aqueles que só ficarão nítidos para os críticos do futuro?

Go to Top