Posts tagged Londrina

‘Inseparáveis’, gêmeos de SP vão estudar na Universidade de Michigan

0

Augusto e Henrique Labella, de 17 anos, já haviam passado na USP.
Irmãos visitaram a universidade nos EUA e se encantaram com a estrutura.

1

Augusto (jaqueta clara) e Henrique Labella (jaqueta escura) foram visitar a Universidade de Michigan; aulas começam em agosto (Foto: Arquivo pessoal)

Vanessa Fajardo, no G1

Nem a faculdade os separa. Depois de passar a vida toda estudando na mesma escola, de vez em quando até na mesma sala, os irmãos gêmeos Augusto e Henrique Labella, de 17 anos, moradores da Zona Oeste de São Paulo, vão juntos para o Estados Unidos estudar na Universidade de Michigan. O campus, no entanto, não será o mesmo. Augusto quer cursar economia e seguir carreira na área financeira do sistema bancário. Henrique pretende se dedicar à engenharia biomédica e pesquisar a área de desenvolvimento de próteses, entre outras.

Ambos já tinham passado no vestibular da Fuvest, mas sonhavam mesmo com uma vaga em uma instituição americana. A Universidade de Michigan está em 12º lugar no ranking mundial de reputação acadêmica divulgado no início do mês de março pela instituição londrina Times Higher Education (THE). No ano passado, a universidade também aceitou um brasileiro, o estudante Cauê Sciascia Borlina que cursa engenharia aeroespacial.

Os irmãos visitaram a universidade e se encantaram com a estrutura dos campi. “Adorei tudo o que eu vi até agora, tenho certeza que serão os melhores anos da minha vida. As estruturas são todas lindas, parece cena de filme, lembra Hogwarts. Além disso, a universidade toma a cidade inteira, é basicamente uma cidade universitária”, diz Henrique.

Augusto compartilha a empolgação. “É um paraíso acadêmico. São infinitas oportunidades e mais recursos do que eu preciso para me tornar um profissional de sucesso. É de deixar qualquer um boquiaberto e qualquer faculdade brasileira com inveja. Estou com a sensação de que fiz a escolha certa.”

Henrique e Augusto comemoram aprovação na Fuvest (Foto: Vanessa Fajardo/G1)

Henrique e Augusto comemoram aprovação na
Fuvest (Foto: Vanessa Fajardo/G1)

Augusto foi o primeiro a receber a carta de admissão de Michigan no mês de fevereiro. A notícia sobre a admissão de Henrique chegou quase um mês depois, mas ele estava tranquilo. “Sabia que quando um irmão gêmeo passa, o outro também consegue. Mas também sabia que existe um delay [atraso] até porque são escolas diferentes.”

Semelhanças

Apesar de não serem univitelinos, os gêmeos são muito parecidos fisicamente e sempre causaram confusão entre amigos e professores por conta das semelhanças. Atualmente ambos estão com cabeça raspada por conta do trote da Universidade de São Paulo (USP), por isso pelo menos o cabelo não tem nenhuma diferença.

Os irmãos contam que além de confundi-los, as pessoas costumam fazer sempre as mesmas piadas, coisas do tipo: “você é você ou seu irmão?”, “um já fez prova pelo outro?”, “um já ficou com a namorada do outro?”. Para ajudar a diferencia-los, há três anos eles tiveram uma ideia simples, engraçada e eficaz: Henrique passou a usar só camisetas da cor preta, e Augusto da cor branca. “Eu casualmente já usava bastante roupa preta, aí o Augusto passou a adotar o branco”, diz Henrique. “Mas de modo geral é divertido ser gêmeo, eu aprovo e recomendo”, brinca Augusto.

Augusto e Henrique Labella foram aprovados na Universidade de Michigan, nos EUA (Foto: Vanessa Fajardo/ G1)

Augusto e Henrique Labella foram aprovados na
Universidade de Michigan, nos EUA
(Foto: Vanessa Fajardo/ G1)

Gosto de estudar, mas ser chamado de ‘nerd’ não é legal. Eu sou não ‘nerd’, faço muitas coisas além de estudar. Jogo mais videogame do que me orgulho, por exemplo”
Augusto Labella, de 17 anos, aceito pela Universidade de Michigan

Livros e música

A vontade de se graduar fora do país é antiga, foi fomentada por viagens que começaram ainda na infância. No ensino fundamental, aos 13 anos, os irmãos fizeram intercâmbio de um mês nos Estados Unidos. No ensino médio, aos 15, foram para o Canadá. “Achei interessante eles terem essa vivência, apesar da pouca idade”, diz a mãe dos meninos, a psicóloga Claerte Martins, de 54 anos.

Desde criança os meninos gostam de estudar. Todos os dias, após a escola – eles concluíram o ensino médio no Colégio Etapa – eles voltavam para casa e pegavam nos cadernos. As notas sempre foram acima da média da sala. Augusto diz que era melhor aluno que o irmão até o 3° ano do ensino médio. “Mas ele [Henrique] começou a estudar mais, até porque o curso que ele quer [engenharia] é mais difícil, e fiquei para trás.” Apesar da afinidade, eles nunca estudavam juntos para as provas.

Os irmãos são bons amigos, os pais dizem que nunca brigaram. Também dividem a paixão por instrumentos musicais e boa música. Ouvem de bossa nova a rock, mas dispensam as modinhas de axé e música sertaneja e eletrônica. Chegaram a tocar juntos em uma banda para um concurso de talentos na escola. Henrique toca guitarra e saxofone, e Augusto, contrabaixo, teclado e gaita. Os instrumentos ficam pendurados em seus quartos, onde também costumar ensaiar.

Augusto toca contrabaixo em uma banda de rock progressivo que fez cover de Pink Floyd. Além de estudar, ler e tocar, os irmãos também gostam de esportes: Augusto faz natação e Henrique joga basquete, e é bom no xadrez. Os dois falam inglês e espanhol, e Henrique ainda tem domínio básico de mandarim.

Quando questionados se são bons em tudo, Augusto se adianta. “Sou péssimo no futebol, um verdadeiro cone no gol. Também não sei dançar.” Os irmãos não gostam de balada, “porque é barulhenta, apertada e tem muita gente” e preferem, por exemplo, se divertir no cinema com os amigos.

Quarto do Henrique e sua preferência pela cor preta; do lado Augusto e a cor branca (Foto: Vanessa Fajardo/ G1)

Quarto do Henrique e sua preferência pela cor preta; do lado Augusto e a cor branca (Foto: Vanessa Fajardo/ G1)

Maioridade

Na próxima quarta-feira (17), quando completam 18 anos, Augusto e Henrique não vão comemorar a possibilidade de dirigir e outros ‘privilégios’ da maioridade. Neste momento eles não pensam em adquirir a carteira de habilitação, muito menos um carro, pois vão se mudar para os Estados Unidos no próximo semestre. As aulas em Michigan começam em agosto.

Apesar das peculiaridades que os diferem de muitos adolescentes da mesma idade, os dois não se consideram ‘nerds’, aliás, têm pânico desse tipo de estereótipo. “Gosto de estudar, mas ser chamado de ‘nerd’ não é legal. Eu sou não ‘nerd’, faço muitas coisas além de estudar. Jogo mais videogame do que me orgulho, por exemplo.”

Para os pais dos meninos, a sensação agora é antagônica. “Estou muito orgulhosa pela conquista, mas triste em pensar na partida deles”, diz a mãe. “Os meninos estão realizando um grande sonho que tive, o de estudar fora. Estou feliz, mas aos mesmo tempo preocupado”, afirma o pai, o consultor Antonio Labella, de 57 anos.

Brasil tem a menor média de anos de estudos da América do Sul, diz Pnud

0

Adulto estuda em média 7,2 anos; MEC contesta e diz que média é 7,4.
ONU divulgou dados do Índice de Desenvolvimento Humano nesta quinta.

Publicado por G1

Sala de aula (Foto: Reprodução/RPC TV Londrina)

Sala de aula (Foto: Reprodução/RPC TV Londrina)

A média de escolaridade no Brasil, um dos critérios educacionais que o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) leva em conta na elaboração do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), é de 7,2 anos, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (14) pelo órgão. Ela permaneceu estagnada no Brasil entre 2011 e 2013. O número é o menor, ao lado do Suriname, entre os países da América do Sul (veja tabela abaixo).

O Ministério da Educação contesta os dados do órgão da ONU. Em nota, diz que os dados da pesquisa são defasados e que o IBGE de 2011 revelou que a média de escolaridade no país é de 7,4 anos. Se fosse considerado este índice, o Brasil ficaria à frente de Colômbia e Suriname na América do Sul.

O estudo do Pnud mostrou também um aumentou o índice de anos de escolaridade esperados para o Brasil: em 2011, ela era de 13,8 e, agora, subiu para 14,2. A média de adultos alfabetizados no Brasil é de 90,3%, segundo o estudo, e quase a metade da população acima de 25 anos (49,5%) tem pelo menos o ensino médio. A evasão escolar no ensino fundamental no país, de acordo com o estudo, é de 24,3%.

O estudo destacou o aumento de investimento em educação e desraca ainda o programa de bolsa de estudos do Brasil e campanhas de alfabetização.

1

No IDH 2013, o Brasil caiu uma posição e ficou no 85º lugar em uma lista de 185 países. O índice brasileiro, porém, subiu de 0.718 para 0.730 e continua na categoria “desenvolvimento humano alto”. O IDH é medido em uma escala de 0 a 1 e leva em conta dados sobre saúde, educação e qualidade de vida, incluindo renda. O país que lidera a lista é a Noruega, com IDH de 0.955.

1MEC diz que dados estão defasados
A tabela do IDH indica que os dados educacionais dos países são referentes a 2010 (para a média de escolaridade) ou às informações mais recentes. Em nota, o Ministério da Educação afirmou que “os dados utilizados no cálculo são defasados para o Brasil e diferenciados entre os países” e “apresentam graves distorções devido aos dados utilizados” nos cálculos do governo.

No caso do Brasil, segundo o MEC, os dados sobre a média de anos de escolaridade são referentes a 2005, mas dados do IBGE 2011 citados pelo ministério mostram “um valor de 7,4 anos para a população de 25 anos ou mais”.

Ainda de acordo com o comunicado, os dados usados pelo Pnud a respeito do anos de escolaridade esperados não levam em conta as crianças de 5 anos matriculadas na pré-escola, bem como das matriculadas nas classes de alfabetização. “Ou seja, são desconsiderados no cálculo cerca de 4,6 milhões de matrículas de crianças brasileiras”, diz o MEC.

Pelos cálculos do governo, considerando esses números, “o valor correto de anos de escolaridade esperados para o Brasil seria de 16,7”.

Dois importantes indicadores da dimensão educação, Média de Anos de Escolaridade e Anos de Escolaridade Esperados, apresentam graves distorções devido aos dados utilizados em seus cálculos.

O ano do pornô doméstico

0

Trilogia Cinquenta Tons de Cinza: um sucesso estrondoso, com mais de 30 milhões de exemplares vendidos somente em língua inglesa

E.L. James, Sylvia Day e outras pornógrafas ajudaram a desinibir as leitoras. E agora, como satisfazê-las?

Luís Antônio Giron, no site da Época

Fim de ano, tempo de balanço. No caso deste ano, vamos chegando ao fim no balanço do acasalamento. Em 2012, as mulheres parecem ter descoberto os prazeres das pequenas perversões sexuais; perversões controladas, domésticas e domesticadas.

Não tenho nada contra a liberação sexual feminina. Bem pelo contrário. Fantasia e sexo são saudáveis. O que não tolero é leitora ingênua, que pensa que ler livros semipornográficos pode desreprimi-las automaticamente, como quando ela compra sapatos e seu desejo é realizado. E é isso que está acontecendo agora mesmo: milhões de mulheres de 15 a 95 anos parecem ter descoberto o “sexo” ao ler a trilogia Cinquenta tons de cinza, o “pornô da mamãe”, como apelidou a imprensa americana, da escritora londrina E.L. James, e a pletora de imitações que se lhe seguiu, enxameando o mercado com banalidades eróticas jamais vistas. Por isso, a revista americana Publishers Weekly elegeu Erika Leonard James a personalidade literária do ano. Mereceu, pois vendeu centenas de milhões de exemplares e alterou o mercado livreiro, levando ao centro a literatura pornográfica. Este foi o ano do pornô doméstico, do “sexo” seguro com uma pontinha de crueldade e perversão.

Grafo “sexo” entre aspas porque esse tipo de livro apresenta uma versão do sexo, não o sexo em si. Se ele tem causado alguma coisa, foi desinibir as leitoras – não as mulheres que estão por trás das leitoras. Leitoras são mulheres de máscara. E elas agora devoram esses livros no metrô, achando que o fazem no maior descaramento. As capas dos romances ajudam na discrição, pois exalam respeitabilidade, com seu chicotes, gravatas e outras metonímias do sadomasoquismo em desenhos elegantes sobre fundo negro. Nada de capas “pulp” como no tempo de Cassandra Rios, a precursora brasileira do pornô que hoje se globalizou. Sim, Cassandra era uma mulher que escrevia para homens e mulheres.

Outra

Agora as mulheres dispõem de autoras que escrevem sacanagens só para elas. Homens são quase proibidos de entrar. Elas deram a discutir as técnicas de sadomasoquismo que Christian Grey ensina aos poucos a Anastasia Steele. Estão levando chicotinhos e algemas na bolsa! Meu amigo Paulo Coelho me disse que acha ótimo esse tipo de literatura porque ela é libertária. Mas ele ainda não leu E.L. James. Quando ler, irá descobrir que seu livro Onze minutos é muito mais ousado que as brincadeiras de um casal sem imaginação como Anastasia e Christian, Eva e Gideon, e assim por diante. Paulo Coelho defende no livro que as mulheres, no fundo, não querem ser penetradas; preferem a excitação clitorial. É o contrário do festival de penetrações promovido por Cinquenta tons de cinza. Quem está com a razão? Eu já li e não me engano: o pornô da mamãe preconiza a penetração com ou sem dor. É inofensivo. Não quer transgredir nenhuma regra, e sim reorganizar a ordem social.

Já escrevi que o soft porn mais reforça o culto a príapo do que ajuda as noviças a se iniciar sexualmente com liberdade. Parece difícil às mulheres entenderem que podem ser possuir sem ser possuídas. Ou que não precisam fingir que são escravas sexuais para conquistar o seu homem. O soft porn ilude as leitoras: ao apresentar alguns truques às mulheres, torna- as mais submissas.

Num encontro em Londres, Erika Leonard James, simpática e insinuante, disse-me que seus livros ajudaram a desencadear um processo em cadeia. As leitoras finalmente se deram conta de que desejavam participar de todas as atividades antes destinadas somente aos homens, inclusive as práticas de perversão, como o sadomasoquismo. Isso, segundo ela, salvou o casamento de milhares de pessoas entediadas com a “posição do pastor”, como dizem os americanos, ou “papai-mamãe”, na versão brasileira nós.

O pornô light desinibiu as leitoras. E agora, como satisfazê-las? Dar-lhes de presente outras trilogias eróticas? Ou reinventar a roda?

Erika me disse que seus livros não são destinados aos homens, embora eles possam lê-los para aprender algo sobre o funcionamento da alma e do corpo femininos. É verdade. Lendo-os, concluí que o objetivo final dos métodos descritos ali é a castração masculina. Depois dos rituais de veneração fálica, Anastasia corta Príapo para guardá-lo no cofre. E assim, controlar (este é o verbo central no novo erotismo feminino) seu parceiro até o fim dos tempos. Para satisfazer Anastasia, contou-me E.L. James, Christian “tem de aprender a pegar na vassoura e limpar a toda a casa”. Ao ler os três volumes de Cinquenta tons de cinza, tive vontade de me livrar da vassoura e das algemas, e sair correndo. Só posso concluir que, neste annus mirabilis que se acaba, a inveja do pênis voltou com potência total… pelo menos nos livros.

Escritor Salman Rushdie narra tensão dos anos de condenação e perseguições

0


Roberto Midlej, no Correio

Era 14 de fevereiro de 1989, Dia dos Namorados na Inglaterra. O escritor anglo-indiano Salman Rushdie, que vivia em Londres, não chegou a festejar a data com a mulher, a romancista americana Marianne Wiggins. O casamento deles, que tinha pouco mais de um ano, já estava em crise e o clima não permitia comemorações.

A vida de Rushdie, 65 anos, ficaria muito pior naquele mesmo dia, quando ele recebeu uma ligação de uma jornalista, lhe dando uma notícia que transformaria sua vida num imenso “túnel escuro”, como ele mesmo classifica. A repórter perguntou: “Como você se sente sabendo que foi condenado à morte pelo aiatolá Khomeini, líder supremo do Irã?”. Rushdie respondeu parecendo menos preocupado do que realmente estava: “Não me sinto bem”.

Começava naquele dia um período de trevas na vida do escritor, que duraria quase dez anos. A condenação acontecera porque, segundo o aiatolá Khomeini (1900-1989), Rushdie, no romance Os Versos Satânicos, havia blasfemado contra o líder dos muçulmanos, Maomé.

O livro Joseph Anton – Memórias (Companhia das Letras/R$ 54,50/616 págs), com lançamento mundial, trata desse período após a condenação, chamada de fatwa. A autobiografia ganhou esse título porque, durante o período em que viveu sob a condenação, Rushdie usou o pseudônimo Joseph Anton.

O nome, além de contribuir para a sua proteção, servia para homenagear dois autores: o inglês Joseph Conrad (1857- 1924) e o russo Anton Tchecov (1860-1904).

Nômade
Enquanto a fatwa permaneceu em vigor, Rushdie viveu um período de extrema privação. Os contatos eram raros até com o filho, Zafar, que tinha nove anos quando o escritor soube que sua cabeça estava a prêmio. Ele passou a viver como nômade, mudando-se de cidade com frequência e sob proteção da Scotland Yard, a poderosa polícia londrina.

Com o apoio do governo britânico, Rushdie se tornou a terceira pessoa mais protegida da Inglaterra, atrás somente da Rainha Elizabeth e do primeiro-ministro britânico. Ele passou a ter à disposição dois carros, dois motoristas e dois agentes de proteção que permaneceriam ao seu lado durante anos.

O livro, como uma biografia tradicional, segue a ordem cronológica e conta a vida de Rushdie desde o período em que viveu na Índia, passando pela vida de estudante na Inglaterra e início da carreira profissional como publicitário após formar-se em história. Apaixonado por literatura, Rushdie decidiu deixar a carreira de redator numa agência publicitária, que lhe pagava muito bem, para se dedicar exclusivamente à escrita.

Projeção
Mais tarde, ele provou que tinha razão na troca. Já em seu segundo livro, Filhos da Meia- Noite, o autor venceu o Booker Prize em 1981, o mais importante prêmio da literatura de língua inglesa. Rushdie só ganhou grande projeção internacional com Os Versos Satânicos, não exatamente pela qualidade literária, mas pelas consequências que o livro lhe traria.

O período posterior à condenação de Rushdie toma mais de 80% da biografia e é aí que o autor acerta, já que isso é o que mais interessa ao leitor. Narrado como um romance, como ele mesmo reconhece, o livro, escrito em terceira pessoa, ganha toques de suspense e, embora saibamos desde o começo que Rushdie terminará vivo, em alguns momentos chegamos a duvidar disso, tamanha a tensão que ele cria.

E acabamos nos perguntando como ele sobreviveu, já que até um tradutor japonês de Os Versos Satânicos acabou assassinado. Sua sobrevivência, além de ter contado com a competência da polícia inglesa, teve, sem dúvida, uma boa dose de sorte.

Go to Top