Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Loucura

7 Livros que redefinem o conceito de ser ‘louco’

0

Fabio Mourão, no Dito pelo Maldito

De médico e louco, todo mundo tem um pouco. Ou pelo menos é o que diz esse antigo dito popular. Não sei dizer quanto ao ‘médico’, mas da outra parte, eu assumo a minha parcela de loucura. Afinal, eu não seria tão submerso na literatura se não fosse uma pessoa que certamente precisa de terapia.

Para mim, a literatura sempre foi uma forma de aplacar este estigma mental. Em vez de simplesmente rotular como ‘louco’ qualquer ser humano mais complexo que pense ‘fora da caixinha’, os livros apresentam definições que nos mostram diferentes nuances dessa característica, criando uma consciência e compaixão com certos casos.

Abaixo você encontrará alguns livros que olham com mais atenção para este fato, e constroem uma outra definição sobre o termo ‘loucura’.

1 Objetos Cortantes✔ Objetos Cortantes, de Gillian Flynn
Uma narrativa tensa e cheia de reviravoltas. Um livro viciante, assombroso e inesquecível.

Recém-saída de um hospital psiquiátrico, onde foi internada para tratar a tendência à automutilação que deixou seu corpo todo marcado, a repórter de um jornal sem prestígio em Chicago (EUA), Camille Preaker, tem um novo desafio pela frente. Frank Curry, o editor-chefe da publicação, pede que ela retorne à cidade onde nasceu para cobrir o caso de uma menina assassinada e outra misteriosamente desaparecida.

Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri (EUA), oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã, praticamente uma desconhecida. Mas, sem recursos para se hospedar na cidade, é obrigada a ficar na casa da família e lidar com todas as reminiscências de seu passado.

Entrevistando velhos conhecidos e recém-chegados a fim de aprofundar as investigações e elaborar sua matéria, a jornalista relembra a infância e a adolescência conturbadas e aos poucos desvenda os segredos de sua família, quase tão macabros quanto as cicatrizes sob suas roupas (Editora Intrinseca).

2 PELADO_1231285816B✔ Pelado, de David Sedaris
Bem-vindo ao mundo hilariante, estranho, elegíaco e ultrajante de David Sedaris! Em Pelado, Sedaris transforma a mania de autobiografia em percepção proverbial, minando o terreno riquíssimo de sua vida, família e visão singular do mundo, revelando uma sensibilidade direta, mordaz e profundamente caridosa.

São histórias maravilhosas como a de uma mãe sarcástica que faz imitações implacáveis dos tiques nervosos de seu filho para o deleite dos professores; de viagens com um toque de Kerouac, feitas (é claro!) com uma companheira quadriplégica; da família que se reúne para um casamento na iminência da morte da mãe; da experiência em uma colônia nudista barata. As narrativas de Pelado relatam a infância em Raleigh e os percalços de sua juventude como caroneiro, colhedor de maçãs, ator embrionário, estudante universitário, pintor de paredes, nudista… David, seu personagem-narrador, é insuportavelmente trapalhão, maliciosamente charmoso, alegremente esnobe, extravagantemente espirituoso, irreverente, obsessivo, absurdo, dotado de uma imaginação que está em permanente marcha acelerada e de um comportamento que é, quase sempre, arriscado.

Como muitos dos heróis cômicos de Mark Twain, Oscar Wilde e Voltaire , David é prisioneiro de uma vida de tédio e banalidade e da proliferação de tolos: destaca-se como um dos personagens mais inesquecíveis e cativantes da literatura, através de narrativas completamente subversivas (Editora Lugano).

3 garota-interrompida-capa✔ Garota, Interrompida, de Susanna Kaysen
Não saber o que quer ser não é uma opção. Quando a realidade torna-se brutal demais para uma garota de 18 anos, ela é hospitalizada. O ano é 1967 e a realidade é brutal para muitas pessoas. Mesmo assim poucas são consideradas loucas e trancadas por se recusarem a seguir padrões e encarar a realidade. Susanna Kaysen era uma delas. Sua lucidez e percepção do mundo à sua volta era algo que seus pais, amigos e professores não entendiam. E sua vida transformou-se ao colocar os pés pela primeira vez no hospital psiquiátrico McLean, onde, nos dois anos seguintes, Susanna precisou encontrar um novo foco, uma nova interpretação de mundo, um contato com ela mesma.
Corpo e mente, em processo de busca, trancada com outras garotas de sua idade. Garotas marcadas pela sociedade, excluídas, consideradas insanas, doentes e descartadas logo no início da vida adulta. Polly, Georgina, Daisy e Lisa. Estão todas ali. O que é a sanidade? Garotas interrompidas.

Um relato pessoal, intenso e brutal que nos faz refletir sobre nosso papel na sociedade, Garota, Interrompida é uma leitura obrigatória, que inspirou o filme homônimo sucesso de bilheteria que concedeu a Angelina Jolie seu papel mais importante e o Oscar de melhor atriz coadjuvante (Editora Única).

4 Uma Mente Inquieta✔ Uma Mente Inquieta, de Kay Jamison
Lançado nos Estados Unidos em 1995, Uma Mente Inquieta conta a trajetória pessoal de sua autora ao enfrentar sua condição de doente maníaco-depressiva. Kay Jamison é hoje uma das mais importantes autoridades médicas na área da psiquiatria. O resultado do livro foi consagrador para a autora. A imprensa americana não economizou elogios: “Escrito de forma sensível e comovente, Uma Mente Inquieta apresenta uma rara e perspicaz visão da doença mental, vista do lado de dentro da mente de um especialista no assunto.” Para uma das maiores autoridades da psiquiatria americana não foi fácil expor publicamente que ela própria havia sofrido problemas mentais durante parte de sua vida.

Como psiquiatra, a autora sabia do estigma que a doença carregava e se preocupava com a repercussão de suas confissões entre pacientes e colegas. No início algumas pessoas ficaram realmente (mais…)

8 fatos estranhos da vida dos escritores

0

Como todos os seres humanos, os escritores possuem diversificados hábitos e manias, fato esse que se acentua em determinadas situações.

Estátua de Franz Kafka em Praga.

Estátua de Franz Kafka em Praga.

Dayane Manfere, no Homo Literatus

Muitos podem considerar certas manias como loucura, outros não se importam, mas o que impera é a dúvida: o hábito ajudou os escritores ou a escrita influenciou seus hábitos?

Para ilustrar a questão vamos iniciar com Fernando Pessoa, poeta português que viveu alguns anos de sua vida na África do Sul. Era um grande apreciador de horóscopos, e quando Cecilia Meireles marcou um encontro com o poeta enquanto esteve em Portugal, levou um chá de cadeira: passou horas aguardando-o e, decepcionada pela ausência, foi embora. Chegando a seu hotel, recebeu um livro com uma explicação: seu horóscopo informou que aquela manhã não era um bom dia para encontros.

Victor Hugo por sua vez, só escrevia em pé. Por vezes passava quatorze horas seguidas trabalhando e foi justamente assim que produziu sua obra Os Miseráveis.

Já o inglês Lord Byron, um dos maiores poetas europeus e personalidade que mais influenciou no romantismo, tinha gansos como animais de estimação. Eles o acompanham, inclusive, a ida em eventos sociais. Byron tinha também outros fatos e rituais que marcaram sua vida, além de dúvidas até hoje impostas, como o fato de que tinha uma perna torta, mas ninguém sabia qual era e quem dizia saber nunca entrava em um consenso.

Honoré de Balzac amava café. Ingeria cerca de 50 xícaras por dia, e quando não conseguia tomar, ele mesmo moía os grãos e o comia puro.

Já Edgar Allan Poe, enquanto esteve em um internato na Inglaterra, que ficava ao lado de um cemitério, teve aulas de matemática ao lado dos túmulos onde ele e os demais alunos calculavam a idade dos mortos pela data marcada nas lápides. Para os exercícios físicos os alunos abriam as covas onde os mortos da cidade seriam enterrados.

Entre as irmãs Brontë, Emily era a mais excêntrica. A romancista passava horas parada, olhando para a janela, ficava silenciosa contemplando o mundo. Certa vez sua irmã Charlotte a apanhou olhando para a janela e descobriu, horas depois, que as venezianas estavam fechadas, Emily ficou seis horas parada observando as venezianas da janela.

Já Franz Kafka tinha um complexo enorme sobre seu corpo. Foi adepto de diversas dietas e inclusive por questões de saúde era vegetariano. Na época em que viveu, o nudismo estava em voga e assim como seus demais contemporâneos Kafka frequentava SPA, mas diferente dos demais se recusou a retirar as calças e ficou conhecido como “o homem com calção de banho”.

Pablo Neruda só escrevia com tinta verde. Inclusive certa vez escrevia um poema quanto à tinta se tornou escassa. Quando o estoque voltou ao normal já era tarde, perdeu a inspiração e seu poema ficou inacabado.

Até quanto os hábitos desses e tantos escritores os influenciaram a se tornarem o que são hoje? E você, tem algum hábito que o influencia ou alguma influência que derivou novos hábitos?

Fontes

1 – A vida secreta dos grandes autores. Robert Schnakenberg. Ediouro

2 – Manias e métodos de trabalho de 10 grandes escritores. Revista Bula, por Euler de França Belém (clique aqui)

3 – Costumes e manias dos escritores famosos. Folha de S. Paulo (clique aqui)

4 – As manias mais curiosas dos escritores. Saraiva Conteúdo, por André Bernardo. (clique aqui)

5 – A mania dos escritores. Falando de Literatura, por Fernanda Jimenez. (clique aqui)

5 peças de Shakespeare que devemos ler

0

O mundo criado por William Shakespeare em suas peças é imenso e denso, por vezes sendo difícil saber por onde adentrá-lo. Para isso, escolhemos as cinco melhores peças do bardo para quem quiser adentrar no seu mundo de loucura, vingança e sangue.

1

José Figueiredo, no Homo Literatus

Shakespeare é o máximo e poucos são os que discutem tal afirmação. O homem (ou os vários, dependendo da teoria conspiratória que você acredite) foi capaz de criar um mundo de personagens fortes, complexos, engraçados e modernos.

Pessoas que se deixam levar pelas emoções, hesitantes, altamente manipuláveis estão no leque de criações do bardo inglês. O nível de complexidade – e de loucura – de alguns personagens é tamanho que ainda hoje são referência para a criação de personagens modernos.

Mesmo a crítica, feroz como só ela pode ser, tem a firme convicção de que ele, ainda hoje, é um dos nomes essências da Literatura Universal – ao ponto que Harold Bloom, professor de Yale e crítico literário, dizer que Shakespeare é centro de todo cânone ocidental.

Mas as peças são muitas e há Ricardos e Henriques demais, ficando difícil a escolha de uma peça. Para tanto, escolhemos cinco das melhores peças para quem quer adentrar no mundo shakespeariano. (Confesso que a lista é um tanto quanto pessoal da parte desse que vos escreve, porém não há lista de peças de Shakespeare que não o seja).

***

A Megera Domada

Comecemos por uma comédia. Essa história é provavelmente a mais conhecida de forma indireta hoje. Há pelo menos duas grandes referências a ela para quem mora no Brasil: o filme 10 coisas que eu odeio em você, com Heath Ledger e Julia Stiles e a novela (sim, uma novela) O Cravo e a Rosa. Mesmo que não saiba, você conhece muito bem a história de Bianca, obrigada pelo seu pai, Batista, a casar-se apenas depois que sua irmã mais velha, Catarina, casar-se. No meio desse casamento impedido e do desespero de Lucêncio em casar com Bianca surge Petrúquio, alguém disposto a encarar um casamento com a megera do título para ter o volumoso dote que acompanha a esposa. Em meio a toda situação, damos muitas risadas das tentativas de Petrúquio em conquistar e convencer a perversa Catarina. Uma boa forma de se entrar no mundo do bardo com leveza, contudo sem negar a complexidade subjacente que pode haver por trás de uma história tão inocente.

Otelo

O ciúme e as conseqüências provocadas por ele são coisas que nos acompanham desde os gregos. No entanto, ninguém soube até hoje criar um homem tão ciumento e cego, capaz de agir sem pensar, do que Shakespeare. Otelo é nada mais do que isso: um homem ciumento em meio hostil (entre o racismo por ser mouro e a inveja por ser bem sucedido na condição de negro/pardo). Tudo, porém, não andaria se não houvesse o pior entre os vilões criados por ele: Iago. Quem traça o destino do mouro e da sua esposa, Desdêmona, é esse ser rancoroso que vai enganando o cego Otelo por meio de artifícios dúbios que apenas um homem cego vê. E para aqueles que se perguntam qual é o estopim para tamanha vingança de Iago, o motivo que surge ao lermos a peça mostra que Shakespeare conhecia a alma humana como poucos. Iago faz tudo e faz por ter sido deixado em segundo plano numa promoção, nada mais do que isso – e cá temos o motivo fútil hoje em dia tão debatido. Uma peça onde a tragédia corre para um desfecho terrível e nada podemos fazer além de acompanhar tudo até o final.

Rei Lear

Podemos dizer que existem histórias tão antigas quanto à própria humanidade, sendo esse o nosso caso em Rei Lear. Era uma vez um rei velho que decide dividir o seu reino entre suas três filhas para que estas e seus respectivos maridos cuidem deles e dele próprio. O resto, como é previsível aos mais lúcidos, é o resultado dessa decisão errada. Pessoas gananciosas não faltam e consequências horripilantes também não. Lear descobre que as pessoas que o amavam, na sua maioria, o faziam devido ao seu poder e descobre quem realmente merece seu amor e apreço – mesmo que para alguns seja tarde demais. Ele perde tudo com o decorrer da peça: seu reino, o respeito, a sanidade e muito mais. Uma linda peça composta com o que há de mais obscuro das ações humanas.

Hamlet

O príncipe da Dinamarca pode é provavelmente um dos personagens de Shakespeare mais conhecidos junto ao casal Romeu e Julieta. É dele, por exemplo, a famosa frase “ser ou não ser, eis a questão”. Entretanto, não podemos resumir o mais complexo dos personagens do bardo em um jargão já um tanto batido devido à complexidade e às múltiplas e por bem dizer infinitas interpretações que a peça gera ainda hoje. Em síntese, o enredo não parece ter nada demais: Hamlet, príncipe da Dinamarca, pretende vingar a morte de seu pai, também Hamlet. Para tanto, ele tem de matar Cláudio, atual rei e seu tio. Mas a coisa não fica por aí. Cláudio, para se tornar rei, casa-se com a rainha, mãe de Hamlet e o resto já se ver que não vai acabar bem. Entre o fantasma do rei morto e Ofélia, noiva do instável Hamlet há mais coisas que supõe nossa vã filosofia – para usar outra das famosas tiradas do personagem-título.

Macbeth

Apesar de não ser a melhor das peças para a maioria, devo admitir que esta é a favorita desse que vos escreve. Não há nada em excesso ou em falta nessa peça que gira em torno da crescente cobiça. Macbeth é um general que junto a Banquo, também general e amigo, acaba de vencer mais uma batalha para o rei Duncan da Escócia. Tudo vai bem até dois acontecimentos virarem a cabeça do nosso protagonista. Três bruxas surgem e fazem duas profecias a Macbeth e Banquo: Macbeth será rei, bem como os filhos de Banquo o serão, mesmo que ele não o seja. Tudo isso já seria o suficiente para esperarmos uma grande situação. Contudo, a grande personagem ainda está por surgir. Lady Macbeth, ao saber da profecia, incita o marido a matar o rei – e aqui a razão de ambos degringola de vez. O que temos depois é muito sangue – digno de um filme de Tarantino –, cobiça, vingança e loucura. Aquela que não deve ter seu nome pronunciado é o melhor exemplo de que todos somos manipulados – e ainda dá vazão ao velho ditado, “por trás de um grande homem há uma grande mulher”. Muito pode ser dito sobre essa peça e o principal seria: Leiam-na!

Clássicos da literatura podem ensinar mais do que livros de autoajuda

0

Publicado por UOL

1

A Metamorfose, Franz Kafka (Companhia das Letras): trata da vida do caixeiro-viajante Gregor Samsa que, numa determinada manhã, acorda e se vê transformado num inseto indefinido, mas asqueroso. A partir daí, ele passa a ser desprezado pela família, é mandado embora do emprego e perde toda a importância social que tinha. “Trata-se de um livro interessante para basear uma discussão mais profunda sobre o sentido da exclusão e da opressão. É uma obra densa, que leva à reflexão sobre a condição humana na modernidade, em que as pessoas só têm valor enquanto produzem”, afirma Ana Lúcia Trevisan, professora de literatura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

1

Ensaio sobre a cegueira, José Saramago (Companhia das Letras): uma epidemia de cegueira é o mote encontrado pelo autor para ir fundo na análise do caráter humano. Na trama, numa tentativa de conter o surto, o governo decide colocar todos os habitantes infectados em quarentena. Impotentes, abandonados e desprezados, eles passarão a mostrar suas características mais primitivas. “Esta obra leva a uma reflexão sobre a sociedade moderna, que vive apenas de rótulos, sem considerar a essência de cada um”, fundamenta Silvio Pereira da Silva, professor da Universidade Metodista de São Paulo.

1

Dom Casmurro, Machado de Assis (Editora Lafonte): conta a história de Bentinho e Capitu, que se conhecem ainda crianças e se casam na idade adulta. O ciúme é o tema da narrativa. Quando nasce o filho do casal, o protagonista enxerga muitas semelhanças entre a criança e seu melhor amigo, o recém-falecido Escobar. Desconfiado da traição e sem provas, mas atormentado pelo ciúme, Bentinho destrói a família e o casamento. “A obra provoca um debate imenso entre os leitores sobre a culpa ou não de Capitu, mas o fato é que o ciúme conduziu o personagem à loucura e isto destruiu a vida dele e tudo o que ele tinha construído”, diz Roberto Juliano, professor de literatura do Cursinho da Poli.

Ler devia ser proibido

0

A pensar fundo na questão, eu diria que ler devia ser proibido. Afinal de contas, ler faz muito mal às pessoas: acorda os homens para realidades impossíveis, tornando-os incapazes de suportar o mundo insosso e ordinário em que vivem. A leitura induz à loucura, desloca o homem do humilde lugar que lhe fora destinado no corpo social.

Guiomar de Grammont, no site Vermelho

Não me deixam mentir os exemplos de Don Quixote e Madamme Bovary. O primeiro, coitado, de tanto ler aventuras de cavalheiros que jamais existiram, meteu-se pelo mundo afora, a crer-se capaz de reformar o mundo, quilha de ossos que mal sustinha a si e ao pobre Rocinante. Quanto à pobre Emma Bovary, tomou-se esposa inútil para fofocas e bordados, perdendo-se em delírios sobre bailes e amores cortesãos.

Ler realmente não faz bem. A criança que lê pode se tornar um adulto perigoso, inconformado com os problemas do mundo, induzido a crer que tudo pode ser de outra forma. Afinal de contas, a leitura desenvolve um poder incontrolável. Liberta o homem excessivamente. Sem a leitura, ele morreria feliz, ignorante dos grilhões que o encerram. Sem a leitura, ainda, estaria mais afeito à realidade quotidiana, se dedicaria ao trabalho com afinco, sem procurar enriquecê-la com cabriolas da imaginação.

Sem ler, o homem jamais saberia a extensão do prazer. Não experimentaria nunca o sumo Bem de Aristóteles: o conhecer. Mas para que conhecer se, na maior parte dos casos, o que necessita é apenas executar ordens? Se o que deve, enfim, é fazer o que dele esperam e nada mais?

Ler pode provocar o inesperado. Pode fazer com que o homem crie atalhos para caminhos que devem necessariamente ser longos. Ler pode gerar a invenção. Pode estimular a imaginação de forma a levar o ser humano além do que lhe é devido.

Além disso, os livros estimulam o sonho, a imaginação, a fantasia. Nos transportam a paraísos misteriosos, nos fazem enxergar unicórnios azuis e palácios de cristal. Nos fazem acreditar que a vida é mais do que um punhado de pó em movimento. Que há algo a descobrir. Há horizontes para além das montanhas, há estrelas por trás das nuvens. Estrelas jamais percebidas.

É preciso desconfiar desse pendor para o absurdo que nos impede de aceitar nossas realidades cruas.

Não, não dêem mais livros às escolas. Pais, não leiam para os seus filhos, podem levá-los a desenvolver esse gosto pela aventura e pela descoberta que fez do homem um animal diferente. Antes estivesse ainda a passear de quatro patas, sem noção de progresso e civilização, mas tampouco sem conhecer guerras, destruição, violência. Professores, não contem histórias, podem estimular um curiosidade indesejável em seres que a vida destinou para a repetição e para o trabalho duro.

Ler pode ser um problema, pode gerar seres humanos conscientes demais dos seus direitos políticos, em um mundo administrado, onde ser livre não passa de uma ficção sem nenhuma verossimilhança. Seria impossível controlar e organizar a sociedade se todos os seres humanos soubessem o que desejam. Se todos se pusessem a articular bem suas demandas, a fincar sua posição no mundo, a fazer dos discursos os instrumentos de conquista de sua liberdade.

O mundo já vai por um bom caminho. Cada vez mais as pessoas lêem por razões utilitárias: para compreender formulários, contratos, bulas de remédio, projetos, manuais, etc. Observem as filas, um dos pequenos cancros da civilização contemporânea. Bastaria um livro para que todos se vissem magicamente transportados para outras dimensões, menos incômodas. E esse o tapete mágico, o pó de pirlimpimpim, a máquina do tempo. Para o homem que lê, não há fronteiras, não há cortes, prisões tampouco. O que é mais subversivo do que a leitura?

É preciso compreender que ler para se enriquecer culturalmente ou para se divertir deve ser um privilégio concedido apenas a alguns, jamais àqueles que desenvolvem trabalhos práticos ou manuais. Seja em filas, em metrôs, ou no silêncio da alcova… Ler deve ser coisa rara, não para qualquer um. Afinal de contas, a leitura é um poder, e o poder é para poucos. Para obedecer, não é preciso enxergar, o silêncio é a linguagem da submisso. Para executar ordens, a palavra é inútil.

Alem disso, a leitura promove a comunicação de dores, alegrias, tantos outros sentimentos. A leitura é obscena. Expõe o íntimo, torna coletivo o individual e público, o secreto, o próprio. A leitura ameaça os indivíduos, porque os faz identificar sua história a outras histórias. Torna-os capazes de compreender e aceitar o mundo do Outro. Sim, a leitura devia ser proibida.

Ler pode tornar o homem perigosamente humano.

Guiomar de Grammont é mineira de Ouro Preto, historiadora, filósofa e escritora. Já publicou contos, antologias, livros sobre historiografia e o romance A casa dos espelhos.

Fonte: Trecho do livro, PRADO, J. & CONDINI, P. (Orgs.). A formação do leitor: pontos de vista. Rio de Janeiro: Argus, 1999. pp. 71-3.

Go to Top