Publicado no Diário de Pernambuco

O Magazine Luiza arrematou da Livraria Cultura -que está recuperação judicial desde o ano passado- a Estante Virtual, por R$ 31,1 milhões. A varejista foi a única a apresentar proposta pela compra da plataforma online de livros usados.

A audiência para abertura de propostas foi realizada em leilão perante a 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais. A operação tem cinco dias para ser impugnada.
Em laudo de novembro de 2019, a consultoria MS Cardim e & Associados avaliou a Estante Virtual em R$ 42,5 milhões. Com passivo financeiro de curto e longo prazo de R$ 11,3 milhões, o valor total ficou em R$ 31,1 milhões.

A Estante Virtual foi lançada em 2005 e, até 2018, vendeu 20 milhões de livros. Com cerca de 40% de livros novos e 60% usados, o canal consegue ofertar preços mais baixos.

A Cultura comprou o site em 2017 durante projeto de expansão.

Em outubro de 2018, sem conseguir quitar dívidas de cerca de R$ 285,4 milhões, a Livraria Cultura pediu recuperação judicial para evitar a falência. A compra da Estante Virtual faz parte de um dos pilares do plano de diversificação do portfólio de vendas do Magalu, apresentado a investidores em sua oferta subsequente de ações (follow-on) em novembro do ano passado.

A estratégia da rede é ampliar o catálogo de produtos no ecommerce, indo além da venda de eletroeletrônicos e de produtos para casa, que foram os responsáveis pela consolidação da rede no mercado brasileiro. Desde abril do ano passado, a empresa passou a comercializar livros, comprando de editoras e colocando à venda no ecommerce. A aquisição da Estante Virtual indica uma aposta no marketplace -quando terceiros vendem por meio da plataforma do Magalu.
O ecommerce da marca tem 14 mil vendedores de livros. Com os 6 mil da Estante Virtual, passa a ofertar itens de 20 mil comerciantes, aumentando sua participação no mercado e acirrando a disputa com a Amazon nesse setor.