Posts tagged mais vendidos

Direita ou esquerda?

0

No ranking das editoras, domina o sotaque carioca

Cassia Carrenho, no PublishNews

Os efeitos do momento politicamente tumultuado que vive o país nas últimas semanas chegaram à lista dos mais vendidos. Na lista de não ficção, Fernando Henrique Cardoso, autor de Pensadores que invadiram o Brasil (Companhia das Letras), passou o livro Dirceu (Record), e assumiu o 1º lugar, com uma diferença de apenas 78 livros.

Entre direita e esquerda, temos no centro a eterna briga entre o bem e o mal. Inferno (Arqueiro) manteve o 1º lugar na lista geral, vendendo 13.094 exemplares, quase o dobro do 2º lugar, Kairós (Globo). Já na lista de autoajuda, Padre Marcelo ganhou a companhia do Bispo Rodovalho, autor do livro Ciência e fé (Lua de Papel), que ficou em 2º lugar. Pelo visto, quando o assunto é vendas, o destino do padre e do bispo é chegar cada vez mais perto do inferno.

As novidades da semana foram: ficção, O julgamento de Gabriel (Arqueiro); infanto juvenil, Turma da Monica – Laços, HQ muito elogiado da Panini, O livro das princesas (Galera Record), escrito a 8 mãos, sendo duas delas da Paula Pimenta, e O dia em que Nate entrou para a história (Sextante); autoajuda, Como se destacar no seu ambiente de trabalho (M.Books).

Na corrida pelo ranking das editoras, Sextante levou a melhor, com 14 livros. Coladinha vem a Intrínseca, com 13, e em terceiro a Record com 10. Sotaque carioca dominando.

Trilogia “Cinquenta Tons de Cinza” impulsiona comércio de livros no Reino Unido

0

Publicado por Folha de S.Paulo

A comentada trilogia “Cinquenta Tons”, da escritora britânica E.L. James, tem ajudado o mercado editorial local a se manter distante da crise. De acordo com dados de 2012 divulgados nesta quarta-feira (1º) pelo The Publishers Association (PA), que reúne as maiores editoras do Reino Unido, o declínio apresentado neste mercado em 2011 se reverteu.

O aumento na venda de livros –considerados os formatos digitais e em papel– foi de 4% em 2012, ultrapassando a casa dos £ 3,3 bilhões, algo em torno de R$ 10 bilhões.

A recuperação foi encabeçada pelo sucesso da trilogia da qual faz parte o romance “Cinquenta Tons de Cinza”, o que, de acordo com o periódico britânico “The Guardian”, se explica pelo “insaciável apetite britânico pelo erotismo”. Os três volumes lideram a lista dos mais vendidos de 2012, com dez milhões de cópias vendidas.

Em quarto lugar –atrás de “Cinquenta Tons de Cinza”, “Cinquenta Tons mais Escuros” e “Cinquenta Tons de Liberdade”– está a trilogia “Jogos Vorazes”, da escritora norte-americana Suzanne Collins, que soma 2 milhões de cópias vendidas.

Apesar do aumento geral, a venda nos livros impressos retraiu 1%, mas foi compensada pela alta de 66% nas vendas dos livros em formato digital. Se levados em consideração apenas os livros digitais de ficção –categoria na qual, entre outros, se inserem “Cinquenta Tons” e “Jogos Vorazes”–, o aumento foi de 149%.

A escritora britânica E.L James, autora da trilogia de sucesso "Cinquenta Tons", que planeja escrever novos romances / Víctor Lerena/Efe

A escritora britânica E.L James, autora da trilogia de sucesso “Cinquenta Tons”, que planeja escrever novos romances / Víctor Lerena/Efe

A fórmula milionária e repetitiva do sucesso de Nicholas Sparks

0

O escritor americano volta ao cinema com ‘Um Porto Seguro’, adaptação de mais um de seus romances açucarados e previsíveis

O autor Nicholas Sparks (Divulgação)

O autor Nicholas Sparks (Divulgação)

Meire Kusumoto, na Veja on-line

Histórias de amor, recheadas de muitos dramas e dificuldades, levando a um final – nem sempre – feliz. É isso o que a maior parte das pessoas procura na vida real? De acordo com Nicholas Sparks, sim. A fórmula do sucesso, repetida à exaustão pelo famoso escritor em obras como Querido John, Diário de Uma Paixão e Um Amor para Recordar volta a ser explorada em Um Porto Seguro, a 18ª adaptação para o cinema de um livro de Sparks, que estreia neste fim de semana.

A bilheteria do filme vai se somar aos números impressionantes que norteiam a carreira do autor. Seus dezessete romances venderam quase 80 milhões de exemplares no mundo inteiro. Enquanto os oito filmes baseados em seus livros arrecadaram, juntos, mais de 720 milhões de dólares. A experiência com o cinema tem sido tão proveitosa para Sparks que, assim que termina uma nova narrativa, ele já envia o texto editado para os produtores de Hollywood ao mesmo tempo em que entrega para sua editora, a Grand Central Publishing. Bom em provocar suspiros e lágrimas no público, suas histórias são cobiçadas pelos estúdios de cinema. Como foi o caso de seu último romance, The Longest Ride, que só deve ser publicado em setembro, mas já foi comprado pelo estúdio Fox 2000 pela bagatela de cinco milhões de dólares. O filme tem previsão de estreia para fevereiro de 2015.

Mas não só o Brasil deve levar, mais uma vez, seu novo livro à lista dos mais vendidos. Mundialmente famoso, o escritor já foi traduzido para 45 idiomas e é figurinha fácil em listas de best-sellers. Por esse motivo, Sparks se agarrou ao seu rentável estilo literário e não deseja abandoná-lo tão cedo. “Na televisão eu exploro diferentes gêneros, mas em literatura estou feliz com o que estou fazendo”. Ele fundou uma produtora em abril de 2012, a Nicholas Sparks Productions, em parceria com sua agente literária, Theresa Park.

Confira a entrevista de Nicholas Sparks ao site de VEJA.

Como explica o sucesso de seus livros? Os livros falam da condição humana, que é provavelmente a mesma em todo o mundo. São pessoas passando por sofrimentos e desafios, lidando com emoções da vida. Elas se conhecem e se apaixonam, algumas vezes o romance dá certo, outras não. Aí estão alguns dos elementos que compuseram ótimas histórias e que estão presentes na literatura desde o começo.

Os leitores se identificam com os personagens? Sim, com certeza. Mas isso depende muito do livro e do leitor. Por exemplo, acho que jovens se identificarão mais com A Última Música, Diário de Uma Paixão ou Um Amor para Recordar, enquanto pessoas em seus 40 e 50 anos, provavelmente, gostarão mais de Noites de Tormenta ou O Melhor de Mim. Depende do momento que estão vivendo.

Acredita que as pessoas desejam viver histórias de amor como as dos seus romances? As pessoas definitivamente querem se apaixonar por alguém especial, que as compreendam. Querem alguém em quem podem confiar, alguém capaz de se comprometer.

As histórias são autobiográficas? Todos os romances têm elementos autobiográficos. Quase todos meus personagens femininos são baseados na minha esposa, por exemplo. Ela é inteligente, engraçada, leal, amável, forte, com um coração de ouro. Boa parcela dos meus personagens acaba sendo assim também. Mas há influência de outros familiares, como a minha mãe, que tem essas mesmas características. Esse é o tipo de mulher com quem eu cresci e com quem gosto de conviver.

Sua família sugere enredos para seus livros? Não, isso fica tudo por minha conta, eles ficam longe disso, não querem participar da criação. Na nossa casa, escrever é apenas meu trabalho, é o que faço para nos sustentar.

Por que começou a escrever? Escrevi meu primeiro romance aos 19 anos e o segundo aos 22, só como teste para saber se eu conseguiria ir até o fim. Aos 28, decidi que eu iria tentar novamente, mas dessa vez levaria a tarefa a sério. Tive a ideia para o romance, mas parte de mim também queria obter um resultado bom o suficiente para, talvez, continuar a escrever, no futuro.

De onde veio a ideia para esse primeiro livro, Diário de Uma Paixão? Essa história foi inspirada nos avós da minha esposa, é basicamente a vida deles contada nas páginas. Eles se conheceram quando eram crianças, mas a mãe dela não gostava dele e os afastou, levando a menina embora. Ele escrevia-lhe cartas, que não eram entregues pela mãe. Anos mais tarde, ela ficou noiva de outro rapaz, mas decidiu procurar o antigo namorado. Enfim, a maior parte dos elementos dessa história é real. O livro foi vendido à editora por um milhão de dólares. Quando ele finalmente chegou às prateleiras, ficou por mais de um ano na lista de livros mais vendidos do jornal The New York Times. Foi um grande sucesso desde o início.

Por que prefere usar cidades pequenas como cenários para suas histórias?  O caminhar da vida nessas cidades é mais lento. Acho que elas possibilitam a criação de historias mais calmas, em que os personagens consigam conversar sem ter a pressão e a rapidez de uma grande cidade. Simplesmente funciona, é o que sempre faço e os leitores parecem gostar desse ambiente, então continuo escrevendo assim.

Por que a maioria de seus livros trata de morte e redenção?  Para fazer um livro memorável, o mais importante é evocar todas as emoções genuínas. Raiva, traição, amor, frustação, confusão e perda. Se um livro fala sobre todas as emoções, ele faz com que os personagens e os dilemas pareçam reais. Se você ignora uma delas, passa a impressão de ser uma fantasia.

Tem planos de tentar outros gêneros literários ou escrever algo diferente? Se eu fizer isso, vai ser em outro formato de mídia. Eu tenho uma produtora de televisão e as histórias que crio para a TV não serão todas histórias de amor. Uma delas trata do velho oeste, em 1864, outra é uma releitura moderna de Romeu e Julieta. Na televisão eu exploro diferentes gêneros, mas em literatura estou feliz com o que estou fazendo.

Há um método para se fazer literatura? Com bastante trabalho, uma pessoa consegue se tornar uma boa escritora, tecnicamente falando, é capaz de aprender a mecânica da escrita de qualidade. Mas isso não significa que ela será capaz de escolher ou desenvolver uma história original. O verdadeiro desafio é criar uma boa história que os leitores e os estúdios de Hollywood vão adorar. É algo muito difícil de se fazer.

E como o senhor faz? Eu não tenho certeza. Eu leio muito e quando termino de ler romances, sempre me pergunto como posso mudá-los e transformá-los em novas histórias. Eu posso ficar com essa pergunta por muito tempo na cabeça, até que as ideias misturadas começarem a fazer sentido. Aí sim, estou pronto para escrever. Isso pode demorar uma semana, mas também pode demorar seis ou sete meses. A ideia de O Casamento demorou três anos para se concretizar em um romance. Pode levar muito tempo até conseguir harmonizar todos os elementos de uma história.

Quais autores são referência para o seu trabalho? Todos os dias leio os jornais The New York Times, The Wall Street Journal, The Financial Times e o jornal local. Por ano, leio cerca de 125 livros, de thrillers a não-ficção. O autor que mais influenciou meu trabalho e meu estilo de escrita é Ethan Canin, um escritor provavelmente desconhecido no Brasil. E um autor importante para mim em outros aspectos, como na criação de personagens que se assemelham a pessoas reais, surpreendentemente, é Stephen King. É um gênero muito diferente, mas ele faz com que os leitores não consigam parar de virar as páginas.

Como vê a crítica ao seu trabalho? Não leio uma resenha há uns dez anos, para ser franco. No começo, eu ficava um pouco mais frustrado quando recebia uma crítica negativa, mas, no geral, oito ou nove de dez resenhas são positivas. Estou satisfeito com isso.

O senhor fica ressentido por não ser considerado parte do mainstream literário? De maneira alguma. No fim das contas, a longo prazo, são os leitores que escolhem os clássicos, não os críticos. Olhando para o passado, ninguém gostou de O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, quando foi lançado. Agora é um clássico. Acredito que alguns dos meus livros serão lembrados por muito tempo e lidos muitas vezes, como O Diário de Uma Paixão. Daqui 50 anos, as pessoas ainda vão ler esse livro.

Saraiva: de 0 a 9 em uma semana

0

Sextante lidera ranking das editoras com larga vantagem

Cassia Carrenho, no PublishNews

1A editora Saraiva ressurgiu na lista essa semana assumindo a 5º posição. Dos nove livros, seis são do selo infantil Caramelo. O sucesso dos desenhos do Bob Esponja e Dora, a aventureira – além dos descontos nas livrarias – não só colocou a editora na lista, como a deixou em lugar de destaque.

Outro grande destaque foi o livro Sonho grande (Primeira Pessoa) que foi para o 1 º lugar de negócios em sua segunda semana na lista dos mais vendidos. Também estreia na lista o livro Casagrande e seus demônios (Globo), sobre o ex-jogador e atual comentarista de futebol, que foi direto para o 3º lugar na lista de não ficção.

No ranking das editoras, a briga do o 2º ao o 5º lugar está quente! Record com 11, Intrínseca, 10, Ediouro e Saraiva com 9. Todo mundo junto e embolado. Lá na frente, quem respirou aliviada foi a Sextante, tranquilamente com 16 livros na lista.

Livro reúne 60 objetos que nunca deixam os porões dos museus

0

“The secret museum”, lançado pela britânica Molly Oldfield, mostra, por exemplo, pedaços da macieira que inspirou Newton e cadernos de rascunho de Van Gogh

Cadernos de rascunho de Vincent Van Gogh fazem parte do acervo do museu que leva seu nome em Amsterdam DIVULGAÇÃO/MOLLY OLDFIELD

Cadernos de rascunho de Vincent Van Gogh fazem parte do acervo do museu que leva seu nome em Amsterdam DIVULGAÇÃO/MOLLY OLDFIELD

Cristina Tardáglia, em O Globo

No Brasil, autora visitou quatro museus e se encantou com “Exu boca de fogo”, do Museu Afro-brasileiro, e seis telas de Ricardo Ozias, do Museu Internacional de Arte Naïf

RIO – Guardados a sete chaves na Royal Society de Londres estão três pedaços da macieira que um dia inspirou o físico e matemático inglês Isaac Newton (1643-1727) a formular a Lei da Gravidade. Com menos de dez centímetros de comprimento, os pedacinhos da árvore que sombreava a casa em que o cientista cresceu, em Lincolnshire, estão nos arquivos da famosa sociedade científica desde 1800, quando a macieira foi derrubada. De lá, no entanto, nunca saíram. No Museu Van Gogh, em Amsterdã, também inacessíveis, estão quatro cadernos de rascunho do famoso pintor holandês. Van Gogh (1853-1890) gostava de desenhar imagens que o impressionassem “no ato”, caso da igreja de Nuenen, que, mais tarde, apareceu numa de suas pinturas.

Essas e outras 58 peças que contam parte da história do mundo e da arte, mas seguem distantes dos olhos do público, mobilizaram a escritora e roteirista da BBC Molly Oldfield durante todo o ano passado. E agora ganham os holofotes em “The secret museum” (“O museu secreto”). Lançado na última quinta-feira, o livro foi parar na lista dos cem mais vendidos da Amazon em menos de 24 horas.

— Existe um universo de objetos que o grande público simplesmente não pode ver — diz Molly, em entrevista ao GLOBO, por telefone, de Londres. — Há muito mais peças guardadas do que à mostra. E não há nada que possa ser feito em relação a isso.

Em sua pesquisa, Molly encontrou diversas razões para a existência dos “museus secretos”: do valor das peças à sua fragilidade, passando pela vontade dos curadores.

— Há objetos, como a maravilhosa cruz de pedras preciosas do Museu de Arte Sacra de Salvador, na Bahia, que são simplesmente valiosas demais para serem postas à mostra sem um superesquema de segurança. Existem ainda peças que já estão tão frágeis que não podem nem ver a luz. É o caso do “The Diamond Sutra”, a impressão mais antiga do mundo (de 868 a.C). Ela está numa caixa arquivada pela British Library.

Comandante Nelson x príncipe Charles

Em “The secret museum”, cada uma das 60 peças toma um capítulo inteiro e traz uma historinha. No caso da bandeira espanhola usada na Batalha de Trafalgar, que envolveu França, Espanha e Inglaterra, em 1805, Molly conta que, em 2005, durante uma exposição em homenagem ao comandante Horatio Nelson (vencedor do conflito e considerado um dos maiores estrategistas navais do mundo), o National Maritime Museum tomou coragem e decidiu desenrolá-la em seu saguão. Chamou os jornalistas para registrar o momento, mas, na hora combinada, o príncipe Charles anunciou seu casamento com Camilla Parker Bowles e capturou a atenção de todos.

Molly visitou cem instituições pelo mundo.

— No Brasil, achei incrível a estátua “Exu boca de fogo” feita em madeira, que está guardada no Museu Afro-brasileiro, em Salvador. Os curadores não a expõem porque acham que ela passa a impressão de que o orixá é uma figura ameaçadora, com língua e chifre. No Rio, fiquei impressionada com seis telas do pintor naïf Ricardo de Ozias. Feitas com a ponta dos dedos e com escovas de dente, elas representam o sofrimento da escravidão. Estão guardadas porque o Lucien Finkelstein (fundador do Museu Internacional de Arte Naïf, no Cosme Velho) morreu (em 2008) antes de decidir quando exibi-las.

Em São Paulo, a escritora encontrou a cabeça do menor dinossauro da América do Sul. E todas essas peças também estão em “The secret museum”. Unem-se, por exemplo, aos três fragmentos comprovadamente vindos de Marte que fazem parte do acervo do Observatório do Vaticano.

— Meu livro é apenas a minha seleção de peças ocultas. Quem percorrer o mesmo caminho encontrará muitas outras — conclui Molly.

Go to Top