Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged manipulação

“1984”, de George Orwell, volta ao ao topo dos mais vendidos da Amazon após declaração de assessora de Donald Trump

0

37216488_303

Vendas do livro disparam no site da Amazon após Trump e sua equipe contestarem relatos da imprensa e oferecerem “fatos alternativos”. História se passa num regime totalitário de constante vigilância e manipulação.

Publicado no DW

Título original: “1984”, de Orwell, lidera lista de mais vendidos nos EUA

O romance de George Orwell 1984 voltou às listas de livros mais vendidos nos Estados Unidos nesta terça-feira (24/01), após uma série de declarações incorretas ou imprecisas terem sido feitas pelo presidente Donald Trump e membros de sua administração.

Publicado pela primeira vez em 1949, o clássico de Orwell é um conto distópico que tem lugar numa sociedade onde os fatos são distorcidos e suprimidos numa nuvem de “novilíngua”. O livro chegou ao topo da lista de mais vendidos da Amazon nesta terça-feira.

Paralelos com o livro foram feitos após Trump alegar que milhões de votos ilegais foram contados contra ele na eleição presidencial. A conexão foi reforçada neste domingo, quando Kellyanne Conway, uma assessora do presidente, falou de “fatos alternativos” para se referir às declarações do porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, de que a posse de Trump teve o maior público da história.

A declaração provocou enorme controvérsia nas redes sociais, envolvendo até mesmo o dicionário Merriam-Webster, que, após um aumento repentino da pesquisa pelo significado da palavra “fato”, ressaltou que um fato é uma informação baseada na realidade objetiva.

História escrita por Orwell se passa numa sociedade onde fatos são constantemente distorcidos

História escrita por Orwell se passa numa sociedade onde fatos são constantemente distorcidos

 

A demanda pelo livro é tão grande que a editora Penguin programou uma impressão adicional de 75 mil cópias. A revista The Hollywood Reporter também noticiou que um filme está sendo preparado pela Sony e o diretor Paul Greengrass, o que seria a terceira adaptação do livro.

Mas 1984 não é o único livro escrito há décadas a invadir as listas dos mais vendidos esta semana devido a eventos políticos. O romance escrito por Sinclair Lewis em 1935 It Can’t Happen Here (Isso não pode acontecer aqui) sobre a eleição de um presidente autoritário nos Estados Unidos, está no lugar 46 da lista dos mais vendidos desde 25 de janeiro. O romance distópico de Aldous Huxley Admirável mundo novo, publicado em 1932, ocupa a posição 71, enquanto a obra de não-ficção de Hannah Arendt Origens do totalitarismo tem apresentado um aumento nas vendas.

MD/ap/afp

“Ele votou contra o meu livro”, diz Ana Maria Machado

0

A escritora Ana Maria Machado, presidente de Academia Brasileira de Letras

Raquel Cozer, na Folha de S. Paulo

Se estivesse vivo, o paranaense Wilson Bueno (1949-2010) seria o autor com mais motivos para questionar o jurado “C” do Prêmio Jabuti.

Em três semanas, seu romance “Mano, a Noite Está Velha” (Planeta) caiu 8,34 pontos, numa escala de 0 a 10, na avaliação do crítico e editor Rodrigo Gurgel.

O romance ficou em primeiro lugar na fase inicial da disputa por ser o único dos 142 concorrentes votado pelos três jurados –cada jurado elegeu dez títulos e atribuiu notas apenas a eles. Passaram à segunda fase os dez com nota total mais alta.

Em 26 de setembro, na primeira etapa, o romance de Bueno recebeu média 8,67 de Gurgel. Na quinta passada, levou do jurado média 0,33.

Outro título que caiu bruscamente na avaliação de Gurgel foi “O Passeador” (Rocco), de Luciana Hidalgo, cuja média passou de 9 a 0,83.

Gurgel não votou em “Infâmia” (Objetiva), de Ana Maria Machado, na primeira fase. Na segunda, atribuiu-lhe 0,17.

O livro da imortal foi o mais bem votado pelos jurados “A” e “B” nas duas etapas. Ficou em segundo lugar na fase um e, devido ao jurado “C”, em sexto na classificação final.

Embora a Objetiva tenha declarado “perplexidade” pela “evidente manipulação do resultado”, a escritora evitou se manifestar para não “dar a impressão de estar desmerecendo quem ganhou”.

Questionada pela Folha, a presidente da Academia Brasileira de Letras argumentou que o jurado “C” não votou “apenas a favor de alguém”, e sim “contra o meu livro”.

“O que haverá no ‘Infâmia’ capaz de despertar tanta ira? Que setores se sentiram atingidos com tanta intensidade pelo que narro no romance e por quê? Ou todo mundo acha que o objetivo dele era só dar a vitória a um estreante que o deixara embasbacado com suas qualidades?”

O livro trata da forma como “documentos espúrios e falsificações criminosas difundidas por meio da imprensa”, como diz um personagem, se abatem sobre os que injustamente se tornam réus.

“Nada muda o fato de que não vou poder anunciar que o livro ganhou o prêmio e ter todos os benefícios que isso pode trazer, do dinheiro ao prestígio. Porque ele não ganhou. Simples assim”, diz.

O vencedor do Jabuti, “Nihonjin“, de Oscar Nakasato, sobre a imigração japonesa ao Brasil, foi votado só por Gurgel na fase um, mas foi bem avaliado pelos três jurados na final, com média 9,33.

dica do Tom Fernandes

Go to Top