Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Marinho

Canal Futura inaugura primeira sala em museu

0
Inauguração da sala Futura no Museu da Língua Portuguesa Marcos Alves / Agência O Globo

Inauguração da sala Futura no Museu da Língua Portuguesa Marcos Alves / Agência O Globo

Midioteca da emissora ocupa espaço no térreo do Museu da Língua Portuguesa, em SP

Marcia Abos em O Globo

SÃO PAULO – A primeira Sala Futura a ocupar um museu foi inaugurada ontem em São Paulo, no Museu da Língua Portuguesa. Trata-se do 12º espaço do gênero no Brasil, com o objetivo de levar a comunidades o conteúdo do canal de televisão da Fundação Roberto Marinho. A midioteca ocupa uma sala no térreo do museu, na qual está à disposição de visitantes material audiovisual relacionado à língua portuguesa, à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e do uso de drogas, à inclusão social e moradia. São temas com potencial de dialogar com a população do entorno do museu, localizado na região da Luz, e com a própria instituição.

— Compartilhamos custos e equipes para aumentar o serviço prestado pelo museu. Não só para os visitantes, mas para atrair a população do entorno e desenvolver atividades que sejam do interesse das ONGs ou dos grupos da vizinhança. Não vamos falar como vai ser. Vamos nos adaptar às demandas — explicou Nelson Savioli, superintendente executivo da Fundação Roberto Marinho.

A parceria também deve gerar frutos para a programação do canal de TV. O primeiro deles será um programa sobre os desvios no uso da norma culta da Língua Portuguesa.

— Nossos projetos acabam voltando para a TV, porque envolvemos os visitantes na produção de conteúdo — disse Lúcia Araújo, diretora do Canal Futura.

Alunos da UFPI assistem aula em almoxarifado por falta de salas

0

Campus de Parnaíba é o segundo maior da Universidade Federal do Piauí.
As 740 turmas do próximo período contam com 33 salas de aula.

Patrícia Andrade, no G1

Alunos e professores do Campus Universitário de Parnaíba, no Litoral do Piauí, denunciam a falta de estrutura para as atividades de ensino, pesquisa e extensão. No segundo maior campus da Universidade Federal do Piauí, os mais de 4.300 alunos estão com número reduzido de salas de aulas, acervo bibliográfico e material pedagógico insuficiente. Alunos do curso de Psicologia estão assistindo aula no almoxarifado. Outras turmas chegaram a ser improvisadas no auditório e em salas do Departamento de Recursos Humanos.

Alunos do curso de Psicologia assistem aula em almoxarifado, local improvisado (Foto: Patrícia Andrade/G1)

Alunos do curso de Psicologia assistem aula em almoxarifado, local improvisado (Foto: Patrícia Andrade/G1)

Os professores e alunos disputam três datas show disponibilizados pela universidade. Não há ônibus suficiente para atender as atividades de campo. “Precisamos de um ônibus semana passada para uma atividade de campo e não conseguimos. A atividade será feita porque o prefeito disponibilizou um veículo”, disse a estudante Janaína Leocadio, do 6º bloco do curso de Turismo.

Nos 11 cursos de graduação ofertados no campus de Parnaíba há pelo menos 740 turmas formadas para o início do próximo período letivo em outubro. A direção tem feito uma verdadeira manobra para distribuir as turmas em apenas 33 salas de aulas.
O Diretório Central dos Estudantes chegou a elaborar uma carta aberta à toda comunidade relatando todos os problemas na universidade.

De acordo com o diretor do campus, Prof. Alexandre Marinho, o processo com todas as necessidades do campus foram enviadas ainda em fevereiro para a administração superior, inclusive, com a demanda real das salas, mas até agora o projeto não foi executado. Segundo ele, às segundas-feiras há 65 turmas das 20h às 22h para serem distribuídas em 33 salas e nos demais dias da semana a situação não chega a ser diferente.

Diretor do campus diz que todas as necessidades do campus foram enviadas à administração superior (Foto: Patrícia Andrade/G1)

Diretor do campus diz que todas as necessidades
do campus foram enviadas à administração
superior (Foto: Patrícia Andrade/G1)

“Nós mandamos todo o planejamento previsto para o campus e suas necessidades. No processo que foi enviado para a reitoria pedimos 73 terceirizados e no edital da licitação foram colocados apenas 59. A área do campus, que é de 45.340 m², foi colocada no edital como apenas 13 mil m². Está claro que há um boicote ao campus de Parnaíba com editais nesse formato para minar a gestão”, desabafou o diretor.

O analista de sistema Daniel Rocha, presidente do Sindicato dos Servidores Técnicos da UFPI em Parnaíba, questiona o formato dos contratos com as empresas terceirizadas e a falta de concurso público para atender o déficit de servidores efetivos.

“Estamos assistindo o sucateamento do campus. Foram feitos dois aditivos no contrato com a empresa anterior a essa que está atualmente. Então há todo um formato estranho que não dá para entender. É como se houvesse uma proteção a essas empresas”, disse Daniel.

José Arimatéia Dantas Lopes, reitor da UFPI, diz que projeto para novas salas está em andamento (Foto: Patrícia Andrade/G1)

José Arimatéia Dantas Lopes, reitor da UFPI, diz que
projeto para novas salas está em andamento
(Foto: Patrícia Andrade/G1)

Procurada pela G1, a administração superior da universidade disse que não há diferenciação entre os campi e que pelo menos 50% dos processos enviados pelo Campus Universitário de Parnaíba já foram atendidos. O reitor da UFPI, José Arimatéria Dantas, disse que todos os processos cumprem os procedimentos previstos na legislação.

Sobre a construção de novas salas de aula, o reitor disse que o projeto está em fase de finalização para que seja licitado, mas não deu prazos para a execução das obras. Já sobre a terceirização de alguns serviços, o reitor disse que as empresas são contratadas para atender a demanda de cargos que já foram extintos como servente de limpeza, cozinheiro e motorista.

A administração superior da UFPI disse ainda que entregará, no próximo mês, quatro ônibus para os Campi de Parnaíba, Picos, Floriano e Bom Jesus.

Unidade de pisicultura permanece fechada e alunos fazem estágio no CE (Foto: Janaina Leocadio)

Unidade de pisicultura permanece fechada e alunos
fazem estágio no CE (Foto: Janaina Leocadio)

A Unidade de Piscicultura está desativada e segundo o diretor Alexandro Marinho está faltando equipamento para os laboratórios e ainda a ativação dos tanques. O espaço seria uma extensão para o curso Engenharia de Pesca, que só é ofertado no Campus de Parnaíba. “Os estudantes estão fazendo as atividades de estágio em Pentecoste, no Ceará, a mais de 400 quilômetros e custeando as despesas da viagem porque a unidade não tem condições ainda”, disse.

O reitor José Arimatéia Dantas disse que o local está pronto e equipado para receber as atividades.

Paralisação de serviços
Uma recente paralisação dos servidores terceirizados deixou a instituição sem manutenção e limpeza. Os trabalhadores contratados por meio da empresa Mafra Manutenção Serviços de Conservação e Limpeza Ltda estão com as atividades paralisadas há mais de uma semana. Eles alegam que há dois meses não recebem os salários, equipamentos de proteção individual e que a empresa não tem depositado o FGTS e pago outros benefícios como salário família, ticket alimentação e vale transporte.

Estudantes fizeram a limpeza de alguns espaços do campus (Foto: Reprodução/Facebook)

Estudantes fizeram a limpeza de alguns espaços do campus (Foto: Reprodução/Facebook)

Com a suspensão dos serviços, o Restaurante Universitário permanece fechado. Banheiros e salas estão sem limpeza há vários dias. Por uma semana, o Campus também ficou sem água porque a bomba do reservatório queimou.

O G1 esteve no campus e constatou a sujeira espalhada pela instituição e banheiros sujos. Alguns laboratórios para o ensino de Microbiologia e Fisiologia Humana estavam sem manutenção e com diversos materiais de alto risco de contaminação expostos. A limpeza foi suspensa com a paralisação dos servidores terceirizados.

Lixo dos laboratórios ficaram expostos durante a paralisação dos servidores (Foto: Patrícia Andrade/G1)

Lixo dos laboratórios ficaram expostos durante a paralisação dos servidores (Foto: Patrícia Andrade/G1)

O atendimento na Clínica de Fisioterapia também ficou comprometido. Pelo menos 200 pessoas são atendidas no espaço que é uma extensão para as atividades do curso de Fisioterapia que é ofertado apenas no Campus de Parnaíba.

“Algumas estagiárias da clinica estão apenas recolhendo o lixo e mantendo os setores organizados. Como não tem ninguém na recepção, os estagiários ficam se revezando nos horários livres e ficam lá porque sempre aparece alguém querendo informação ou colocar o nome na lista de espera”, relatou a estudante Luiza Couto, aluna do 9º período do curso de Fisioterapia.

Sobre a paralisação, a administração superior da UFPI disse que a empresa Mafra Manutenção Serviços de Conservação e Limpeza Ltda pagou um dos meses em atraso e foi multada por descumprir alguns pontos do contrato. A UFPI também disse que já está em andamento um novo processo licitatório para a substituição da empresa.

O G1 tentou contato por telefone e e-mail com a empresa Mafra Manutenção Serviços de Conservação e Limpeza Ltda, mas não obtivemos retorno.

Segundo o reitor José Arimatéria Dantas, todos os funcionários dos Restaurantes Universitários serão contratados por uma nova empresa, a Servfaz-Serviços e Mão de Obra Ltda. No entanto, o Ministério Público Federal já abriu procedimento administrativo para averiguar a ocorrência de irregularidades na condução do pregão eletrônico nº 115/2013, feito para contratar os serviços terceirizados.

Diretora de escola no Rio diz ter sido agredida por aluno de 15 anos

0

Segundo diretora-adjunta, “a violência não é comum na escola”.
Estudante foi transferido para outro colégio, diz secretaria.

Os alunos da escola João Kopke fizeram um cartaz escrito "Violência não" na manhã desta segunda (25), após diretora ter sido agredida por aluno. (Foto: Isabela Marinho / G1)

Os alunos da escola João Kopke fizeram um cartaz escrito “Violência não” na manhã desta segunda (25), após diretora ter sido agredida por aluno. (Foto: Isabela Marinho / G1)

Isabela Marinho, no G1

A diretora da Escola Municipal João Kopke, Leila Soares, em Piedade, no Subúrbio do Rio, afirma ter sido espancada quinta-feira (21) por um aluno de 15 anos. Segundo informou nesta segunda-feira (25) a diretora-adjunta da escola, Ana Paula, Leila sofreu lesões no rosto, ficou com a face muito machucada e está de licença. Ainda de acordo com Ana Paula, o caso foi “pontual” e “a violência não é comum na escola”.

Assista ao vídeo aqui.

A mãe de uma aluna de 13 anos, identificada apenas como Aline, contou ao G1 nesta segunda que desde que a diretora Leila chegou à escola, ela tenta “melhorar o ambiente”. Os alunos da escola fizeram um cartaz escrito “Violência não” na manhã desta segunda.

De acordo com Aline, antes de o aluno agredir a diretora, uma briga entre dois jovens, na semana retrasada, movimentou a escola. “Minha filha me contou que um aluno jogou pedra em outro, que revidou”, disse. A mãe ressaltou ainda que o consumo de drogas no entorno da escola é comum.

Jennifer foi aluna da escola há cinco anos e seu irmão estuda na instituição atualmente. Segundo ela, naquela época, já havia presenciado a tentativa de agressão de um aluno à mesma diretora.

“Acho que é porque ela quase não fica na escola. É difícil encontrá-la aqui. E quando chega quer botar moral e não consegue”, afirmou a ex-aluna. De acordo com Jeniffer, o irmão dela costuma comentar que “a pancadaria” na escola é frequente.

Uma professora da escola, que não quis ser identificada, contudo, disse que a diretora subiu para ver o que estava acontecendo no corredor. Segundo ela, o aluno estava dando uma gravata “de brincadeira” em um colega. O rapaz deu um empurrão e xingou a professora, que disse que chamaria o responsável do aluno. Foi quando ele deu um soco na diretora.

“Ela foi para a sala, ele a imobilizou, deu vários socos nela. Saiu muito sangue, enchemos uma lixeira com papeis. Ela também machucou o ouvido”, contou a professora. A diretora foi encaminhada para o Hospital Salgado Filho. A história foi publicada pelo jornal “O Dia” nesta segunda.

Medo

A professora disse ainda que os professores estão com medo, porque o aluno fez ameaças de que caso fosse expulso, voltaria para matar todo mundo.

Segundo a professora, a afirmação da ex-aluna de que Leila é omissa é uma inverdade e que “ela é muito dedicada” e fica na escola além do horário.

A mãe de uma outra aluna, que não quis se identificar, chegou na porta da escola por volta de 11h20, preocupada.

“Recebi a ligação de uma amiga me dizendo que o aluno que agrediu a diretora é morador do Morro do Urubu e que os traficantes viriam à escola pegar a diretora. Não sei o quanto disso é verdade, mas fiquei com medo e vim aqui ver. Fiquei tranquila quando vi que as portas da escola estão trancadas e que as coisas estão calmas”, contou.

Segundo nota da Polícia Civil, a vítima procurou a delegacia informando ter sido agredida por um aluno de 15 anos. O menor foi ouvido e a vítima encaminhada para exame de corpo de delito. De acordo com a delegada Cristiane Carvalho, da 24ª DP (Piedade), a vítima compareceu à delegacia sem apresentar lesões externas, contudo, foi encaminhada ao IML para averiguar lesões internas, no ouvido.

Ainda segundo a polícia, na delegacia, o aluno contou que agrediu Leila após a diretora do colégio o repreender por ele não voltar à sala após o intervalo de aula.

A Secretaria Municipal de Educação esclareceu, em nota, que não admite este tipo de conduta nas escolas da Prefeitura do Rio e já aplicou o Regimento Escolar Básico do Ensino Fundamental ao caso, com a transferência do aluno para uma outra unidade.

“É triste e lamentável. Não admitimos qualquer tipo de violência nas nossas escolas”, declarou a secretária de Educação, Claudia Costin.

De acordo com a Polícia Civil, o caso foi enviado a Vara da Infância e Juventude e foi registrado na 24º DP (Piedade).

Escritora mineira Paula Pimenta se prepara para se lançar no mercado internacional

0

Carlos Herculano Lopes no Divirta-se

 (Maria Tereza Correia/EM)

Primeiro foi o sucesso da série para adolescentes Fazendo meu filme 1, 2, 3 e 4, que desde o lançamento do primeiro volume, em 2008, pela Editora Gutemberg/Autêntica, já vendeu mais de 200 mil exemplares. Agora a escritora mineira Paula Pimenta, de 37 anos, depois de dar por encerradas as mil e uma aventuras da garota Fani, se prepara para lançar o segundo volume (o primeiro saiu no ano passado) de sua nova saga: Minha vida fora de série. Na esteira do sucesso dos quatro primeiros livros, a escritora desta vez conta a história de outra menina, Priscila, que devido à separação dos pais acaba deixando São Paulo e vindo viver com a mãe em Belo Horizonte. No início, como era de se esperar, detesta a cidade, com a qual, aos poucos, vai se adaptando.

Para escrever livros que têm causado furor em todo o país, principalmente entre garotas de 10 a 18 anos, a escritora, que nasceu e vive com a família em Belo Horizonte numa sossegada casa do Bairro Mangabeiras (dividem o espaço com dois gatos, seis cachorros e um pé de jabuticaba ), conta ter se inspirado em sua própria vida. “Como a Fani e a Priscila, fui uma menina tímida e sossegada, que gostava de ir ao cinema, ouvir música, sair com os amigos, fazer intercâmbio.”

Ela lembra ainda que, em BH, os primeiros lugares nos quais estudou foram no antigo Instituto Zilah Frota, no Bairro Mangabeiras, e no Izabela Hendrix, na Praça da Liberdade, onde começou a pegar gosto pelos livros. Foi ali, com encantamento, que descobriu as histórias de Marcos Rey, João Carlos Marinho e Agatha Christie. Depois veio o curso de jornalismo, que deixou pela metade por não se adaptar às regras formais da escrita, e, em seguida, a publicidade, curso no qual acabou se formando.

Nesse meio-tempo, até seguir para Londres, onde participou durante um ano de uma oficina de criação literária que seria decisiva na sua futura carreira como escritora, Paula chegou a trabalhar como assessora de marketing do Minascentro, na produção do programa Brasil da Gerais, da Rede Minas, e a escrever crônicas em um site. “Foi um exercício e tanto e 50 delas acabaram sendo lançadas no ano passado, também pela Editora Gutemberg, com o título de Apaixonada por palavras”, conta. Na Inglaterra, onde viveu na casa de um tio, Paula Pimenta começou a escrever seu maior sucesso, Fazendo meu filme 1.

Boca a boca

Se hoje ela é uma escritora consagrada, no início da carreira, quando lançou o primeiro volume de Fazendo meu filme, com o qual começou a dar asas à garota Fani, as coisas não foram fáceis: o livro saiu com uma tímida edição de mil exemplares e quase não teve mídia, como costuma ocorrer com a maioria dos autores iniciantes. Mas se deu uma coisa que, segundo ela, foi decisiva: o boca a boca. “Uma menina foi falando para a outra, mandando e-mails, mensagens no Facebook, Twitter, Instagram, e o livro acabou estourando. Foi uma coisa maluca, na qual eu mesma quase nem acreditava”, diz a autora, sempre conectada às redes sociais.

Go to Top