A escritora e ativista Maya Angelou – Reprodução Instagram

Falecida em 2014, Maya Angelou foi uma escritora, poetisa e ativista negra

Jan Niklas, em O Globo

RIO — Nome que lutou ao lado de Martin Luther King e Malcom X, escritora, poetisa e ativista, Maya Angelou completaria 90 anos nesta quarta-feira. A americana recebeu uma homenagem em um “Doodle”, onde um de seus poemas mais famosos “Still I Rise”, é recitado por ela e artistas como Alicia Keys e Oprah Winfrey.

Nascida em 4 de abril de 1928 no Missouri, Estados Unidos, Maya ( seu nome de nascimento era Marguerite Johnson), ficou conhecida por sua série de sete livros autobiográficos, onde aborda temas como racismo, gênero, identidade e família (principalmente sua condição de mãe solteira). Sua obra não é traduzida no Brasil.

Doodle de Maya Angelou – Reprodução

Seu primeiro livro “I Know Why the Caged Bird Sings ” (“Eu sei porquê os pássaros presos cantam”, em tradução livre), conta sobre suas primeiras experiências como criança e adolescente negra nos EUA até completar 17 anos.

DANÇARINA, JORNALISTA E ATÉ PROSTITUTA ANTES DA FAMA

Antes de obter reconhecimento internacional como escritora e intelectual, Maya teve diversas ocupações. Chegou a ser cozinheira e até dançarina de clubes noturnos e prostituta.

Depois despontou na carreira artística como atriz atuando em alguns musicais e programas na TV americana. Também atuou como produtora, diretora e chegou a gravar alguns álbuns, como o “Miss calypso” de 1957.

Nos anos 1960 atuou ainda como jornalista, cobrindo na África os processos de independência do Egito e de Gana.

Na década seguinte, tornou-se a primeira mulher negra a escrever o roteiro de um filme: “Georgia-georgia”, produção sueco-americana de 1972.

Com o reconhecimento de seu trabalho literário e político, foi nomeada para uma cátedra de estudos americanos na Wake Forest University, no estado da Carrolina do Norte.

Teve um dos seus momentos mais lembrados em 1993, quando foi convidada a recitar seu poema “On the Pulse of Morning” (“No pulsar da manhã”) na cerimônia de posse de Bill Clinton.

Maya Angelou morreu aos 85 anos em 2014. Ela trabalhava em um novo livro que iria contar sobre suas experiências com líderes americanos e internacionais.