Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Mestres

Leo Tolstoy, autor de Guerra e Paz, ganha Doodle no 186º aniversário

0

Melissa Cruz, no TechTudo

Leo Tolstoy é o grande homenageado do Doodle do Google desta terça-feira (9), que celebra o que seria 186º aniversário de autor de Guerra e Paz e Anna Karenina, se estivesse vivo. O escritor russo recebeu o tributo na página inicial do buscador em todo o mundo, que traz nomes de suas obras mais famosas em uma sequência de quadros. Morto aos 82 anos, um dos grandes mestres da literatura russa do século XIX foi vítima de pneumonia.

Doodle do Google de Leo Tolstoy, autor Guerra e Paz (Foto: Reprodução/Google)

Doodle do Google de Leo Tolstoy, autor Guerra e Paz (Foto: Reprodução/Google)

“Espero que o Doodle inspire quem o vê a descobrir e revisitar Tolstoy: através da leitura e releitura de suas narrativas atemporais”, disse Roman Muradov, designer convidado para as ilustrações.

Doodle do Google de Leo Tolstoy em momento de criação no Photoshop antes de ir ao ar (Foto: Reprodução/Google)

Doodle do Google de Leo Tolstoy em momento de criação no Photoshop antes de ir ao ar (Foto: Reprodução/Google)

No site destinado aos Doodles do Google (google.com/doodles/leo-tolstoys), Muradov dá mais detalhes de como foi produzir o doodle.

Leia frases marcantes de Leon Tolstoi

“Não preciso dizer que fazer uma homenagem a Leo Tolstoy foi uma tarefa difícil”, disse ele, ao se referir ao projeto cujo objetivo era reunir as principais obras de maneira rápida e simples.
Também conhecido como Leon, Leão ou Liev Tolstoi, ganhou fama ao tornar-se um reconhecido pacifista. Seus livros contrastavam com igrejas e governos, e pregavam uma vida simples junto à natureza, sem privilégios e riquezas.

Doodle do Google de Leo Tolstoy, autor Guerra e Paz (Foto: Reprodução/Google)

Doodle do Google de Leo Tolstoy, autor Guerra e Paz (Foto: Reprodução/Google)

Não há grandeza quando não há simplicidade
Leo Tolstoy

Há várias frases marcantes atribuídas a Leo Tolstoy, boa parte delas são reflexões sobre a vida, a arte, o amor, a moral e inquietações comuns ao homem e que não se prendem ao seu tempo.

Uma delas sobre a própria literatura, diz “Eu escrevo livros, por isso sei todo o mal que eles fazem”, e é utilizada por muitos apreciadores de suas obras e apaixonados pela leitura em geral.

Doodle do Google de Leo Tolstoy, autor Guerra e Paz (Foto: Reprodução/Google)

Doodle do Google de Leo Tolstoy, autor Guerra e Paz (Foto: Reprodução/Google)

De boêmio à pacifista
Leo Tolstoy nasceu dia 9 de setembro de 1828 em Yasnaya Polyana, a propriedade da família na Rússia. Era filho de Nicolas Ilyitch, conde de Tolstoi e de Maria Nicolaevna, princesa de Volkonsky, que morreram precocemente, deixando seus cinco filhos órfãos.

Em 1851, o escritor se alistou no exército russo e teve uma fase boêmia em sua vida. Fase que, mais velho, ele repudiou.

Leo Tolstoy foi um dos grandes nomes da literatura mundial (Foto: Reprodução/Wikimedia)

Leo Tolstoy foi um dos grandes nomes da literatura mundial (Foto: Reprodução/Wikimedia)

No final da década de 1850, preocupado com precariedade da educação, o autor criou uma escola para filhos de camponeses. Ele escreveu grande parte dos materiais didáticos e coordenava a escola de forma diferente para a época, deixando os alunos livres, sem muitas regras e punições.

Em 1862, Leo Tolstoy se casou com Sophia Andreievna Bers, com quem tem 13 filhos. Porém seu casamento era um verdadeiro e constante conflito. Foi nessa época que o autor escreveu seus livros, “Guerra e Paz” (1865/1869) e “Anna Karenina” (1873).

Tolstoy buscava o sentido da vida. Após não tem encontrado respostas na filosofia, na teologia e na ciência, seguiu o exemplo dos camponeses e começou o que ele chamaria de sua “conversão”.

Leo Tolstoy morreu enquanto buscava uma vida mais simples, sem riqueza (Foto: Reprodução/Wikimedia)

Leo Tolstoy morreu enquanto buscava uma vida mais simples, sem riqueza (Foto: Reprodução/Wikimedia)

O autor seguia uma interpretação dos ensinamentos cristãos ao pé da letra, recusando-se a autoridade de qualquer governo organizado ou de qualquer Igreja. Criticava o direito à propriedade privada e os tribunais e pregou o pacifismo. Tais ideias influenciaram Gandhi, um grande admirador do escritor.

Leo Tolstoy morreu de pneumonia no dia 20 de novembro de 1910, na ferroviária de Astapovo, enquanto fugia de casa para levar uma vida feliz e sem riqueza.

Grandes obras
O primeiro livro de Leo Tolstoy foi “Guerra e Paz”, que levou sete anos para ser escrito e foi publicado entre 1865 e 1869. É uma das maiores histórias da literatura universal. A obra conta a história da Rússia na época de Napoleão Bonaparte e as guerras napoleônicas. Na história, o autor desenvolve uma teoria em que o livre arbítrio se perderia e as pessoas estariam presas ao determinismo histórico. Atualmente considerado romance, na época era chamado de ficção.

O primeiro romance de Tolstoy foi “Anna Karenina”, publicado em 1873. A obra narra a história de um caso extraconjugal da personagem principal, a aristocrata Anna Karenina. Durante o livro, o autor trata de diversos temas importantes para a vida camponesa da época, como formas de administrar suas propriedades ou como tratar os camponeses. Além disso, o livro também fala de religião e a conversão do ateísmo ao cristianismo. “Anna Karenina” já recebeu diversas adaptações para o cinema.

Jornalista e editor Paulo Werneck será o curador da próxima Flip

0

Publicado por Folha de S.Paulo

O editor, jornalista e tradutor Paulo Werneck, 35, foi anunciado nesta segunda (9/9) como o novo curador da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty).

Werneck cuidará da programação da 12ª edição do encontro, no ano que vem.

O novo curador foi editor do caderno “Ilustríssima”, da Folha, de maio de 2010 a junho de 2013. Antes, atuou por 11 anos como editor nas editoras Cosac Naify e Companhia das Letras.

O novo curador da Flip, Paulo Werneck, durante palestra de Gay Talese na Folha em maio de 2012, da qual foi um dos mediadores (Daigo Oliva - 30.mai.2012/Folhapress)

O novo curador da Flip, Paulo Werneck, durante palestra de Gay Talese na Folha em maio de 2012, da qual foi um dos mediadores (Daigo Oliva – 30.mai.2012/Folhapress)

“A Flip é um dos espaços em que a cultura brasileira se afirma de forma mais democrática, aberta, plural. Na Flip fiz descobertas literárias e conheci mestres da vida inteira. Minha geração se desenvolveu tendo a Flip como referência. Por tudo isso, é uma convocação intelectual desafiadora”, afirmou, no comunicado oficial emitido pela Flip, o novo curador, que é filho do também jornalista Humberto Werneck.

Mauro Munhoz, diretor da Casa Azul, associação que organiza a festa literária, disse que a escolha seguiu os mesmos critérios das anteriores: “vivência no meio literário, sólida formação em literatura, sintonia com as tendências editoriais mundiais e afinidade com os princípios que orientam a organização da Flip”, conforme o comunicado à imprensa.

“A alternância na posição de curador é uma tradição da Flip e nos permite acrescentar novos olhares à programação, mantendo a diversidade de pontos de vista que sempre caracterizou a Festa”, declarou Munhoz.

Confira os curadores das edições anteriores da Flip:

2003 Flávio Pinheiro
2004 Flávio Pinheiro
2005 Ruth Lanna
2006 Ruth Lanna
2007 Cassiano Elek Machado
2008 Flávio Moura
2009 Flávio Moura
2010 Flávio Moura
2011 Manuel da Costa Pinto
2012 Miguel Conde
2013 Miguel Conde

Bons ares, bons livros, capital argentina une viagem e literatura

0

Conhecida por sua veia cultural, Buenos Aires é das poucas cidades no mundo que podem se gabar de ter tão profunda relação com seus escritores

Buenos Aires

Publicado na Rede Brasil Atual

Entre os muitos caminhos possíveis a trilhar numa cidade com a riqueza histórica e cultural de Buenos Aires, estão os roteiros inspirados na vida e na obra de mestres como Julio Cortázar, Jorge Luis Borges e Ernesto Sábato, ou ainda de estrangeiros como Federico García Lorca e Antoine Saint-Exupéry, ambos com passagens marcantes pela capital argentina.

A geografia literária de Cortázar inclui locais como a Plaza de Mayo, a Galería Güemes e as grandes avenidas do centro, presentes em livros como Bestiário, Histórias de Cronópios e de Famas e O Jogo da Amarelinha, este tido como sua obra-prima. Uma das grandes joias arquitetônicas da cidade, a Güemes é o cenário do conto “O Outro Céu”, lançado em 1966, no livro Todos os Fogos o Fogo. Nele, o personagem entra pela bela galeria portenha e é lançado à Galeria Vivienne, em Paris, cidade que também foi morada do escritor por muitos anos. Inaugurada em 1915, no número 165 da Calle Florida, a Güemes é um dos notáveis exemplos de art nouveau da cidade, e foi bastante frequentada por Cortázar durante as décadas de 1930 e 1940, a ponto de ele dizer que era “sua pátria secreta”.

Riqueza histórica e cultural

A Güemes é também marcante na história do famoso escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, autor do best-seller O Pequeno Príncipe. Exupéry morou no sexto andar do edifício, entre 1929 e 1930, e foi ali que escreveu Voo Noturno, livro publicado em 1931, inspirado em suas aventuras como aviador da Companhia Geral Aeropostal, empresa francesa pioneira no ramo de correio aéreo com filial em Buenos Aires.

Riqueza histórica e cultural
Livraria El Ateneo Gran Splendid

Bem próximo dali está outro lugar secularmente ligado à literatura. Inaugurado em 1858, o Café Tortoni ainda preserva o clima dos grandes cafés literários, que durante o final do século 19 e meados do 20 abrigaram reuniões de grupos de escritores e artistas. Além da decoração requintada, que divide espaço com obras de arte e homenagens a frequentadores famosos, o Tortoni preserva uma programação de shows de tango que estão entre os mais tradicionais da capital.

Seguindo na toada literária, valem a visita dois edifícios localizados na Avenida de Mayo, na região central. Um deles é o Hotel Castelar, no número 1.152, que teve como hóspede o poeta espanhol Federico García Lorca, quando visitou Buenos Aires para conferências, de 1933 a meados  de 1934. O hotel ainda preserva o quarto tal como estava quando recebeu um dos maiores nomes da literatura e da dramaturgia espanhola.

O outro é o Palazzo Barolo, construído em 1923, cuja arquitetura remete ao livro A Divina Comédia, de Dante Alighieri. Construído pelo arquiteto italiano Mario Palanti, divide-se em três partes – inferno, purgatório e céu –, tal como o grande clássico italiano do século 14, além de muitas outras referências à obra. Localizado no número 1.370 da Avenida de Mayo, está aberto apenas com visitas guiadas e somente à noite. O percurso literário termina no alto de um farol construído no topo do palácio, que ilumina a cidade de forma inspiradora.

Literalmente importantes

Buenos Aires
Galería Güemes

Alguns bairros também são literalmente importantes na capital argentina. É o caso de Palermo, na região nordeste da cidade, que tem  Jorge Luis Borges como seu grande representante. “As imagens podem ser cordilheiras, pantanais com andaimes, escadas em caracol que desaparecem em porões, areais cujos grãos devo contar, mas qualquer dessas coisas é uma embocadura precisa para o bairro de Palermo”, escreveu Borges no  livro Atlas, lançado em 1985, um ano antes de sua morte.

Um passeio pelo universo borgiano pode começar no coração desse bairro que hoje é sinônimo de cafés, restaurantes e livrarias, muitas destas com bons cafés e extensa programação cultural.

Dois bons exemplos são a Libros del Pasaje e a Eterna Cadencia, que merecem ser visitadas mesmo que você não leia nada em espanhol. Ambas possuem atividades culturais, saraus e ambientes aconchegantes, onde você pode ler seu autor preferido e passar horas rodeado de livros e de gente interessante. Ficam bem perto da antiga Calle Serrano, hoje

(mais…)

Go to Top