Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged morrer

Game of Thrones | Estudantes de escola técnica criam algoritmo para prever quem vai morrer

0

Fórmula usa técnicas de Inferência Bayesiana

Cesar Gaglioni, no Jovem Nerd

Game of Thrones (e os livros da série As Crônicas de Gelo e Fogo) ficou conhecida pela enorme taxa de morte de seus (muitos) personagens.

Com a chegada da oitava e última temporada da série, estudantes da escola técnica de Munique, na Alemanha, criaram um algoritmo para tentarem prever quem vai morrer na reta final da trama.

Para isso, os integrantes do projeto baixaram dados dos mais de 2 mil personagens presentes na série e nos livros, e usando técnicas de Inferência Bayesiana, analisaram quais são aqueles que tem mais chance de sobreviver, e aqueles que devem morrer muito em breve.

As técnicas de Inferência Bayesiana avaliam hipóteses pela máxima verossimilhança, e são usadas, por exemplo, para determinar os possíveis efeitos de quimioterapia em pacientes com câncer.

A fórmula leva em conta fatores que podem alterar o resultado final de uma situação hipotética. No caso do algoritmo de Game of Thrones, elementos como a Casa que os personagens pertencem, gênero, títulos, protagonismo na trama principal, casamentos e alianças são levados em conta para se determinar o resultado final.

A partir disso, eles determinaram que os personagens com mais chance de morrer são Bronn (93,5% de chance), o Montanha (80,3%), Sansa (73%), Arya (57,8%) e o Cão de Caça (47,5%).

Já aqueles que tem menos chance de acabarem sucumbindo ao jogo dos tronos: Daenerys (0,9%), Tyrion (2,5%), Varys (3,2%), Sam (3,3%) e Jaime (4%).

Os dados completos podem ser vistos no site do projeto.

A oitava temporada de Game of Thrones estreia na HBO em 14 de abril, 22h.

7 grandes livros que você deve ler antes de morrer

0

publicado no Geekness

O poeta espanhol Rubén Darío disse uma vez que “aprender a ler é uma das coisas mais importantes que nos acontece na vida”. E esta é uma verdade.

Quase não dá para imaginar como seria nossa vida hoje sem os grandes livros, histórias e registros. E, sim, para ler e aproveitar a leitura é preciso aprender. Uma coisa é ler a lista do mercado ou textos na internet outra coisa bem diferente é entrar em um universo novo feito de páginas, palavras e imaginação.

Dizem que para saber ler basta ler; e nós concordamos. Uma vez que você pega gosto pela leitura é difícil conseguir parar. A dica é se manter lendo, trocando de livro um atrás do outro e não deixando o ânimo esfriar.

Para que você tenho pelo menos sete ótimos livros para ler nos próximos meses, selecionamos clássicos imperdíveis da literatura. Não tem desculpa agora para dizer que não sabe o que ler… Boa leitura!

page1

Cem Anos de Solidão, Gabriel García Márquez, 1967

Clássico absoluto recomendado por 10 entre 10 leitores, Cem Anos de Solidão apresenta a história da família Buendia em sete gerações. Durante um século, García Márquez narra a trajetória de uma vila no meio do nada, cuja existência passa despercebida no tempo.

Trata-se de uma leitura que exige concentração, pois pede certa sagacidade do leitor para entender o ambiente irreal de Macondo que é cheio de detalhes e mistura o normal e o fantástico, o real e o sobrenatural.

O livro tem a intenção de retratar a solidão humana, quando se passam cem anos e nada continua igual, apenas o ser humano. Leitura recomendada para todas as idades!

A Insustentável Leveza do Ser, Milan Kundera, 1984
insustentavel-leveza-do-ser (1)O romance de Milan Kundera se passa em Praga em 1968 e narra os amores e desamores de quatro personagens: Tomás, Tereza, Sabina e Franz. O livro é permeado pela invasão russa à Tchecoslováquia e pelo clima de tensão que pairava em Praga naqueles dias.

Além de totalmente sensual e envolvente, o estilo narrativo de Kundera permite saídas do texto central com comentários que esclarecem ao leitor sobre o terreno filosófico e psicológico em que a história se desenrola.

Há referência a autores como Nietzsche e Parmênides que situam o enredo em uma perspectiva existencial e submete as situações à uma análise filosófica e uma reflexão especulativa.

O livro narra as dores e as delícias de optar pela liberdade ou pelo comprometimento ilustrando as consequências existenciais de cada uma dessas opções. Imperdível e maravilhoso!

Memória de Minhas Putas Tristes, Gabriel García Márquez, 2004

Memória de Minhas Putas Tristes narra a história de um velho cronista e crítico musical que, em seu aniversário de 90 anos, pretende presentear a si mesmo com uma noite de amor insano com uma adolescente virgem.

No entanto, ao vê-la dormindo, não tem coragem de acordá-la e se apaixona por uma garota adormecida. Um livro sábio, reflexivo e com muito bom humor.

1984, George Orwell, 1949
19841984 apresenta a história de Winston Smith, um homem com uma vida insignificante que recebe a tarefa de perpetuar a propaganda do regime atuante por meio da falsificação de documentos públicos e da literatura a fim de que o governo sempre esteja correto no que faz.

Smith fica cada vez mais desiludido com sua existência miserável e assim é iniciada uma rebelião contra o sistema. O romance ficou famoso por seu retrato sobre a fiscalização e controle de um determinado governo na vida dos cidadãos e a crescente invasão sobre os direitos do indivíduo.

Vivemos ou não em um imenso “Big Brother”?

Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley, 1932

No mundo futurista criado por Aldous Huxley não existe família e as pessoas nascem pré-condicionadas biologicamente em uma sociedade organizada por castas. Nesta sociedade não existe ética religiosa nem os valores que regem a sociedade atual.

Qualquer dúvida ou insegurança são dissipadas com o consumo de uma droga chamada “soma”. Não existem casais, nem o nascimento por meio da gravidez. O conceito de Amor, como um sentimento monogâmico, também não existe.

As pessoas praticam relações sexuais entre si como uma mera forma de lazer, vivendo sob o lema: “cada um pertence a todos”. O enredo remete à reflexões sobre os relacionamentos, o futuro e modos de vida.

Quando Nietzsche Chorou, Irvin D. Yalom, 1982

Em Quando Nietzsche Chorou, o psicoterapeuta Irvin Yalom liga duas figuras históricas importantíssimas em um relacionamento fictício que se passa em um contexto histórico real na Viena de 1982.

O médico e fisiologista austríaco Josef Breuer e o filósofo alemão Friedrich Nietzsche iniciam discussões permeadas pelas teorias de Nietzsche, como a do eterno retorno, e abrangem grandes questões que permeiam a existência humana: o seu significado, a liberdade, as escolhas, o destino, Deus, a morte e o desespero.

Grande Sertão: Veredas, Guimarães Rosa, 1956

Com uma linguagem caracterizada por acentos e jeitos sertanejos, Grande Sertão: Veredas é considerado uma das maiores obras da literatura brasileira. A grandiosidade do livro de Guimarães Rosa pode ser exemplificada pelas interpretações, que abordam variados pontos de vista e as mais diferentes culturas.

A obra se passa no sertão brasileiro e o enredo é tomado por uma espécie de labirinto. Como se fosse uma metáfora da vida, a travessia do labirinto pode ser interpretada como a travessia da própria existência.

Mais que os outros livros desta lista, este é destinado para quem sabe ler. Ele requer paciência, pois a linguagem é cheia de cultura oral e pede muita interpretação de texto. Com paciência é possível logo se sentir preso à trama e abduzido por um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos que deve ser lido e entendido muitas vezes.

90 livros para ler antes de morrer

0

Publicado por Catraca Livre

1Até o último dia em que você viver, haverá uma lista imensa de livros que podem ser lidos. No site Universia Brasil existem mais de 90 clássicos da literatura mundial. Tudo de graça, prontos para o download.

Na lista, obras como “Madame Bovary”, de Gustave Flaubert; “Fausto”, de Goethe; “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri e muito mais. Veja a lista completa no site da Universia

1. Baixe o livro O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde (em Inglês) 

2. Baixe o livro Recordações da Casa dos Mortos, de Fiódor Dostoievski (em Inglês)

3. Baixe o livro Os Irmãos Karamazov, de Fiódor Dostoievski (em Inglês)

4. Baixe o livro Guerra e Paz, de Leon Tolstoi (em Inglês)

5. Baixe o livro A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo

6. Baixe o livro Assim Falava Zaratustra, de Nietzsche (em Inglês)

7. Baixe o livro Orgulho e Preconceito, de Jane Austen

8. Baixe o livro Os Miseráveis, de Victor Hugo

9. Baixe o livro Hamlet, de William Shakespeare

10. Baixe o livro Coração das Trevas, de Joseph Conrad

11. Baixe o livro Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski

12. Baixe o livro O Processo, de Franz Kafka

13. Baixe o livro Moby Dick, de Herman Melville

14. Baixe o livro Robinson Crusoé, de Daniel Defoe

15. Baixe o livro Dom Quixote – (Volume II), de Miguel de Cervantes

16. Baixe o livro Dom Quixote – (Volume I), de Miguel de Cervantes

17. Baixe o livro As Viagens de Guliver, de Jonathan Swift 

18. Baixe o livro O Príncipe, de Maquiavel

19. Baixe o livro Os Sertões, de Euclides da Cunha

20. Baixe o livro Madame Bovary, de Gustave Flaubert

21. Baixe o livro Fausto, de Goethe

22. Baixe o livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis

23. Baixe o livro A Divina Comédia, de Dante Alighieri

25. Baixe o livro Do Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa

26. Baixe o livro Os Maias, de Eça de Queirós

27. Baixe o livro Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida

28. Baixe o livro o livro Utopia, de Thomas More

29. Baixe o livro Senhora, de José de Alencar 

30. Baixe o livro Poesias Inéditas, de Fernando Pessoa

31. Baixe o livro Poemas Traduzidos, de Fernando Pessoa

32.  Baixe o livro Poemas de Álvaro de Campos, de Fernando Pessoa

33. Baixe o livro Pai Contra Mãe, de Machado de Assis

34. Baixe o livro O Pastor Amoroso, de Fernando Pessoa

35. Baixe o livro O Mercador de Veneza, de William Shakespeare

36. Baixe o livro O Guardador de Rebanhos, de Fernando Pessoa

37. Baixe o livro O Guarani, de José de Alencar

38. Baixe o livro O Eu Profundo e os Outros Eus, de Fernando Pessoa

39. Baixe o livro O Espelho, de Machado de Assis

40. Baixe o livro O Cortiço, de Aluísio Azevedo

41. Baixe o livro O Alienista, de Machado de Assis

42. Baixe o livro Iracema, de José de Alencar

43. Baixe o livro Este Mundo da Injustiça Globalizada, de José Saramago

44. Baixe o livro Édipo-Rei, de Sófocles

45. Baixe o livro Dom Casmurro, de Machado de Assis

46. Baixe o livro Cancioneiro, de Fernando Pessoa

47. Baixe o livro Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente

48. Baixe o livro Arte Poética, de Aristóteles

49. Baixe o livro A Volta ao Mundo em 80 Dias, de Julio Verne

50. Baixe o livro A Igreja do Diabo, de Machado de Assis

51. Baixe o livro A Esfinge sem Segredo, de Oscar Wilde

52. Baixe o livro A Carta, de Pero Vaz Caminha

53. Baixe o livro A Cartomante, Machado de Assis

54. Baixe o livro A Alma Encantadora das Ruas, de João do Rio

55.Baixe o livro Reliquiae, de Florbela Espanca 

56. Baixe o livro Poemas Selecionados, de Florbela Espanca 

57. Baixe O Livro d’Ele, de Florbela Espanca 

58. Baixe o Livro de Sóror Saudade, de Florbela Espanca

59. Baixe o Livro de Mágoas, de Florbela Espanca

60. Baixe o livro Charneca em Flor, de Florbela Espanca 

62. Baixe o livro A Mensageira das Violetas, de Florbela Espanca 

63. Baixe grátis o livro Grimm’s Fairy Stories, Irmãos Grimm

64. Baixe o livro The Happy Prince and Other Tales, Oscar Wilde 

65. Faça o download grátis do livro Three Sermons, Three Prayer, de Jonathan Swift

66. Faça o download grátis do livro A Tale of a Tub, de Jonathan Swift

67. Baixe grátis o livro Til, de José de Alencar

68. Baixe o livro Viagens na minha terra, de Almeida Garrett

69. Baixe o livro Projeto Comédia Popular Brasileira da Fraternal Campanha de Artes e Malas-Artes (1993-2008), de Roberta Cristina Ninin

70. Baixe o livro Lira Dissonante, de Fabiano Rodrigo da Silva Santos

71. Circos e Palhaços Brasileiros, de Mário Fernando Bolognesi

72. Baixe o livro Tarde, de Olavo Bilac 

73. Baixe o livro O Caçador de Esmeraldas, de Olavo Bilac 

74. Baixe o livro As Viagens, de Olavo Bilac

75. Baixe o livro Alma Inquieta, de Olavo Bilac 

76.  Baixe o livro O triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto

77. Faça o download grátis do livro Ilíada, de Homero

78. Baixe grátis o livro Esaú e Jacó, de Machado de Assis

79. Baixe o livro O Navio Negreiro, de Castro Alves

80. Baixe o livro Macbeth, de William Shakespeare

81. Baixe o livro Drácula, de Bram Stoker

82. Baixe o livro A Escrava Isaura, de Bernardo Guimarães

83. Baixe o livro Brás, Bexiga e Barra Funda, de Antônio de Alcântara Machado

84. Baixe o livro Um coração simples, de Gustave Flaubert

85. Baixe o livro Lucíola, de José de Alencar

86. Baixe o livro Anna Karenina, de Liev Tolstoi

87. Baixe o livro O Anticristo, de Friederich Nietzsche

88. Baixe o livro A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas

89. Baixe o livro Mágico de Oz, de L. Frank Baum

90. Baixe o livro Os Lusíadas, de Luis de Camões

dica da Marjory Albuquerque e João Marcos

7 grandes livros que você deve ler antes de morrer

0

page1

Publicado no Geekness

O poeta espanhol Rubén Darío disse uma vez que “aprender a ler é uma das coisas mais importantes que nos acontece na vida”. E esta é uma verdade.

Quase não dá para imaginar como seria nossa vida hoje sem os grandes livros, histórias e registros. E, sim, para ler e aproveitar a leitura é preciso aprender. Uma coisa é ler a lista do mercado ou textos na internet outra coisa bem diferente é entrar em um universo novo feito de páginas, palavras e imaginação.

Dizem que para saber ler basta ler; e nós concordamos. Uma vez que você pega gosto pela leitura é difícil conseguir parar. A dica é se manter lendo, trocando de livro um atrás do outro e não deixando o ânimo esfriar.

Para que você tenho pelo menos sete ótimos livros para ler nos próximos meses, selecionamos clássicos imperdíveis da literatura. Não tem desculpa agora para dizer que não sabe o que ler… Boa leitura!

Cem Anos de Solidão, Gabriel García Márquez, 1967

livro-cem-anos-de-solidaoClássico absoluto recomendado por 10 entre 10 leitores, Cem Anos de Solidão apresenta a história da família Buendia em sete gerações. Durante um século, García Márquez narra a trajetória de uma vila no meio do nada, cuja existência passa despercebida no tempo.

Trata-se de uma leitura que exige concentração, pois pede certa sagacidade do leitor para entender o ambiente irreal de Macondo que é cheio de detalhes e mistura o normal e o fantástico, o real e o sobrenatural.

O livro tem a intenção de retratar a solidão humana, quando se passam cem anos e nada continua igual, apenas o ser humano. Leitura recomendada para todas as idades!

 

A Insustentável Leveza do Ser, Milan Kundera, 1984

insustentavel-leveza-do-ser (1)O romance de Milan Kundera se passa em Praga em 1968 e narra os amores e desamores de quatro personagens: Tomás, Tereza, Sabina e Franz. O livro é permeado pela invasão russa à Tchecoslováquia e pelo clima de tensão que pairava em Praga naqueles dias.

Além de totalmente sensual e envolvente, o estilo narrativo de Kundera permite saídas do texto central com comentários que esclarecem ao leitor sobre o terreno filosófico e psicológico em que a história se desenrola.

Há referência a autores como Nietzsche e Parmênides que situam o enredo em uma perspectiva existencial e submete as situações à uma análise filosófica e uma reflexão especulativa.

O livro narra as dores e as delícias de optar pela liberdade ou pelo comprometimento ilustrando as consequências existenciais de cada uma dessas opções. Imperdível e maravilhoso!

Memória de Minhas Putas Tristes, Gabriel García Márquez, 2004

memorias-de-minhas-putas-tristes livroMemória de Minhas Putas Tristes narra a história de um velho cronista e crítico musical que, em seu aniversário de 90 anos, pretende presentear a si mesmo com uma noite de amor insano com uma adolescente virgem.

No entanto, ao vê-la dormindo, não tem coragem de acordá-la e se apaixona por uma garota adormecida. Um livro sábio, reflexivo e com muito bom humor.

 

 

 

 

1984, George Orwell, 1949

19841984 apresenta a história de Winston Smith, um homem com uma vida insignificante que recebe a tarefa de perpetuar a propaganda do regime atuante por meio da falsificação de documentos públicos e da literatura a fim de que o governo sempre esteja correto no que faz.

Smith fica cada vez mais desiludido com sua existência miserável e assim é iniciada uma rebelião contra o sistema. O romance ficou famoso por seu retrato sobre a fiscalização e controle de um determinado governo na vida dos cidadãos e a crescente invasão sobre os direitos do indivíduo.

Vivemos ou não em um imenso “Big Brother”?

 

Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley, 1932

adous-huxley-admiravel-mundo-novo-jpg2No mundo futurista criado por Aldous Huxley não existe família e as pessoas nascem pré-condicionadas biologicamente em uma sociedade organizada por castas. Nesta sociedade não existe ética religiosa nem os valores que regem a sociedade atual.

Qualquer dúvida ou insegurança são dissipadas com o consumo de uma droga chamada “soma”. Não existem casais, nem o nascimento por meio da gravidez. O conceito de Amor, como um sentimento monogâmico, também não existe.

As pessoas praticam relações sexuais entre si como uma mera forma de lazer, vivendo sob o lema: “cada um pertence a todos”. O enredo remete à reflexões sobre os relacionamentos, o futuro e modos de vida.

Quando Nietzsche Chorou, Irvin D. Yalom, 1982

Quando Nietzsche ChorouEm Quando Nietzsche Chorou, o psicoterapeuta Irvin Yalom liga duas figuras históricas importantíssimas em um relacionamento fictício que se passa em um contexto histórico real na Viena de 1982.

O médico e fisiologista austríaco Josef Breuer e o filósofo alemão Friedrich Nietzsche iniciam discussões permeadas pelas teorias de Nietzsche, como a do eterno retorno, e abrangem grandes questões que permeiam a existência humana: o seu significado, a liberdade, as escolhas, o destino, Deus, a morte e o desespero.

 

Grande Sertão: Veredas, Guimarães Rosa, 1956

grande_sertao_veredasCom uma linguagem caracterizada por acentos e jeitos sertanejosGrande Sertão: Veredas é considerado uma das maiores obras da literatura brasileira. A grandiosidade do livro de Guimarães Rosa pode ser exemplificada pelas interpretações, que abordam variados pontos de vista e as mais diferentes culturas.

A obra se passa no sertão brasileiro e o enredo é tomado por uma espécie de labirinto. Como se fosse uma metáfora da vida, a travessia do labirinto pode ser interpretada como a travessia da própria existência.

Mais que os outros livros desta lista, este é destinado para quem sabe ler. Ele requer paciência, pois a linguagem é cheia de cultura oral e pede muita interpretação de texto. Com paciência é possível logo se sentir preso à trama e abduzido por um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos que deve ser lido e entendido muitas vezes.

10 Obsessões de Famosos Filósofos

0

1

Jackson Paul, no Literatortura

Todos nós temos nossas obsessões bizarras. Eu, particularmente, gosto de observar os carros passando e imaginar as histórias de cada pessoa dentro deles. Não é tão bizarra quanto as que eu vou apresentar a seguir, mas é uma obsessão. Alguns nomes históricos nos fazem perguntar como eram suas vidas, se suas rotinas eram completamente diferentes das nossas, se seus sentimentos eram mais intensos, ou seus pensamentos mais profundos. Acontece que todos nós somos seres humanos e, por mais que sejamos diferentes, todos nós temos a mesma essência. Cada um de nós tem uma obsessão bizarra. As que eu vou lhes apresentar a seguir são de 10 filósofos diferentes.

Quão bizarra a obsessão de um filósofo famoso pode ser?

11. René Descartes e mulheres vesgas.

Sim, René Descartes tinha uma obsessão por mulheres estrábicas. Segundo ele, teria sido fruto de uma paixão de sua juventude por uma garota que, segundo o próprio, tinha esse ‘defeito’ e deixou em seu âmago por muito tempo essa obsessão. Por vontade própria, conseguiu livrar-se dessa paixão.

Descartes é conhecido como o pai da filosofia moderna. Criou a Geometria Analítica, o Plano Cartesiano e seus métodos, e fez grandes estudos na área da Epistemologia e da Metafísica. Conhecido pela frase: “Penso, logo existo”.

12. Albert Camus e a morte prematura.

Camus achava que poderia morrer a qualquer momento. Na verdade, Camus achava que poderia morrer a qualquer momento enquanto jovem. Sua obsessão era exatamente essa: achava que a morte chegaria para ele em sua juventude, forçando-o a viver quase sempre em estado de paranóia, aterrorizado, esperando sempre pelo pior. Andava com uma carta de suicídio escrita por um amigo de Trotsky no bolso. Quando ganhou o prêmio Nobel, teve certeza de que aquilo era um sinal indicando o auge de sua vida, e que logo, inevitavelmente, iria morrer.

Camus foi escritor, dramaturgo, romancista e filósofo. Ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 57. Morreu aos 46 anos em um acidente de carro, deixando sua mulher e seus dois filhos.

13. Immanuel Kant e a monotonia.

De 1783 a 1804, Immanuel Kant seguiu a mesma rigorosa rotina. Acordava pouco antes das 5 para beber uma xícara de café e fumar um cachimbo. Trabalhava em suas palestras e escritos até seu início, às 7, e voltava para seu trabalho até a hora do almoço, às 13. A partir daí iniciava sua caminhada que ficaria conhecida como “Philosophengang”, ou A Caminhada do Filósofo. Conversava com alguns amigos e ia dormir às 22, exatamente. Se você reclama que a sua rotina é monótona, imagine a de Kant. E imagine que ele a seguia por pura opção.

Immanuel Kant elaborou o estudo do idealismo transcendental. Estudou a moral e a educação. Foi responsável por elaborar com Laplace a hipótese Kant-Laplace, sobre a criação do Sistema Solar.

14. Søren Kierkegaard e a ira de Deus.

Assim como nosso amigo Albert Camus, Kierkegaard acreditava que morreria cedo. Seu avô teria dito a seu pai que uma maldição havia caído sobre a família: ele veria todos seus filhos morrer antes dele. Isso porque o avô de Soren teria amaldiçoado Deus ainda pequeno. Aos 25 anos, Soren já tinha visto cinco de seus irmãos morrerem, sua mãe e seu pai. Mas mesmo depois da morte do pai, o medo ainda o perseguia. Muitos de seus trabalhos acabam trazendo um reflexo dessa sua obsessão, mostrando esforços para dizer o possível, como se o fim estivesse próximo, como é o caso de um de seus primeiros trabalhos, “Temor e Tremor”.

Soren Kierkegaard atacou a prática religiosa vigente ao se tornar um reformador religioso, contra o poder da religião, que acreditava em um cristianismo simples, baseado na fé. Morreu aos 42 anos, em 1855.

15. Karl Marx e o caos.

Marx ficou conhecido por sua desordem e métodos um pouco diferentes quando ia escrever. Ele dava voltas em torno de sua mesa esperando uma ideia vir, e quando essa vinha, sentava-se, escrevia, e voltava a dar voltas novamente. Sua péssima situação financeira também ajudou parte do caos a se instaurar em sua vida. Deixava trabalhos pela metade, adoecia frequentemente e via-se quase sempre em um nível de completa exaustão mental e física, muito pela sua falta de organização.

Karl Marx foi coautor de O Manifesto Comunista, autor de O Capital e um dos mais influentes pensadores do século XX.

16. Friedrich Nietzsche e as frutas.

Nietzsche é bem famoso por seus vários problemas de saúde. Enfrentava dores de cabeça crônicas, náusea constante e um problema digestivo grave, sem contar na sífilis que o matou de maneira cruel. Para tentar se livrar de todos esses males, uma lista de medicamentos foi testada pelo filósofo, e outra de alimentos diferenciados. Acontece que Nietzsche tinha uma obsessão por frutas. Ele simplesmente as adorava e passava um dia inteiro se alimentando só à base delas. Isso, segundo seu médico, poderia ter piorado sua condição, uma vez que se considera uma dieta apenas de frutas algo não muito diversificado, logo, pouco saudável.

Nietzsche é conhecido pelas obras “O Anticristo” e “Assim Falou Zaratustra”, referências da filosofia até hoje, com um legado tão grande que atingiu com força a música, o teatro e o cinema.

17. Voltaire e o café.

Ok, não acho que essa aqui seja uma obsessão tão grave assim. Se for, eu sofro dela, e acredito que muitos de vocês também. Voltaire, segundo consta em sua história, tomava de 20 a 40 xícaras de café por dia, e simplesmente não conseguia largar o vício, e ignorou seu médico quando esse o aconselhou a fazê-lo.

Voltaire foi um dos mais importantes pensadores iluministas, e suas ideias influenciaram muito eventos históricos como a Revolução Francesa e a Independência dos Estados Unidos.

18. Friedrich Hegel e a camisola.

Ao contrário de quase todos os outros filósofos dessa lista, Hegel teve uma vida bem tranquila sem quase nada que o tivesse perturbado muito, exceto pela morte de sua mãe. A única coisa que era um tanto quanto inusitada em sua personalidade era a sua mania de usar sempre dentro de casa sua camisola e sua boina preta. É quase como dormir só de roupas íntimas, ou usar sempre a mesma roupa pra ficar em casa.

Hegel fez estudos profundos envolvendo a Lógica, História, Religião, Metafísica e Epistemologia. Foi o criador do Hegelianismo.

19. Jean-Paul Sartre e os animais marinhos.

Preciso confessar que com essa aqui eu também me identifico.

Jean-Paul Sartre, apesar de mostrar-se sempre uma figura intelectualmente segura e inabalável, tinha um terrível medo de crustáceos e outras criaturas marinhas. Uma pintura que ele vira quando era criança teria o marcado para sempre. Era algo como uma enorme garra saindo do mar. Isso fez com que ele tivesse pavor de sequer pisar em uma praia, pois achava que uma criatura como um polvo gigante o puxaria para a água.

Sartre escreveu “O Ser e o Nada” e “Crítica da Razão Dialética”. Recusou um prêmio Nobel porque considerava instituições feitas pelos homens como agravantes de sua condição humana.

110. Arthur Schopenhauer e os poodles.

Schopenhauer é bastante conhecido por sua escrita pessimista e falta de empatia com outras pessoas. Com o passar dos anos em sua vida, o filósofo foi perdendo contato e afeto com aqueles que o rodeavam. Mas uma coisa sempre, sempre esteve presente ao seu lado, talvez suprindo toda essa falta de contato humano: um poodle.

Não era sempre o mesmo poodle, obviamente. Uma hora ele morria. Mas Schopenhauer deu exatamente o mesmo nome a todos os poodles que teve: Atma, um conceito hindu que significa “eu interior” ou “alma transcendente”.

Arthur Schopenhauer escreveu “A Arte de Insultar”, “A Arte de Ter Razão” e “As Dores do Mundo”. Foi o filósofo que introduziu o budismo e o pensamento indiano na filosofia metafísica na Alemanha.

E você, qual a sua obsessão?

Go to Top