Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged motivação

5 motivos para você ler o livro sobre o universo de ‘Stranger Things’

0

Fernando Gomes, no M de Mulher

A terceira temporada de ‘Stranger Things‘ está prestes a ser lançada pela Netflix e os fãs estão doidos para ver esses novos episódios. Conforme mostra o mais recente trailer, a trupe de Hawkins presenciará grandes mudanças em suas vidas – e conhecerá novos inimigos também.

E essa não é a única novidade acerca da série. ‘Stranger Things: Raízes do Mal‘ é o novo livro sobre o universo da trama – e conta detalhes interessantes do passado de Terry Ives, a mãe da Eleven.

Escrito por Gwenda Bond, a história gira em torno de Terry e seu envolvimento com os experimentos mirabolantes de Dr. Martin Brenner, responsável posteriormente pelos testes em Eleven. Entre diálogos e acontecimentos envolvendo os personagens, a obra consegue explorar o terror do Laboratório de Hawkins e sustenta-se como um spin-off de boa qualidade da série.

A gente já devorou o livro e listamos aqui cinco razões para apostar nessa leitura.

1- A narrativa é envolvente

Assim como na série, o leitor é completamente abraçado pela narrativa da obra. Entre diálogos e passagens de tempo, ‘Raízes do Mal’ tem o dom de prender o leitor em uma história que entretém e surpreende em diversos momentos.

O envolvimento da protagonista com os assuntos confidenciais e muitos suspeitos do governo ligados ao Laboratório de Hawkins criam uma teia de aranha instigante. A leitura é leve e divertida. Você se importa com as personagens e se vê ali, sentindo com elas as mesmas aflições contadas.

E é importante o leitor se sentir confortável com a história, principalmente se ele nunca tiver assistido à produção antes. Aqui, os leigos de ‘Stranger Things’ serão igualmente muito bem acolhidos.

2- Você entende basicamente toda a motivação da série

Agora, se você é fã, com certeza o livro irá te agregar muito. Por ser uma história antes dos eventos da série, a gente pensa que não haverá nenhuma conexão com ela – isso, claro, além do fato de que a mãe de Eleven é o centro das atenções neste contexto. Mas existem ganchos bem pertinentes aos mistérios de Hawkins retratados na série.

Assim que Terry começa a adentrar no mundo sombrio de Brenner, tomamos conhecimento sobre todo o projeto por trás da criação de Eleven. Isto é, as motivações, a organização e o poder de chefia dos líderes. Parte disso é introduzida na primeira temporada da série, mas aqui temos uma visão mais panorâmica do que realmente levou ao treinamento de crianças superdotadas como armas de guerra.

3- Conhecemos o primeiro time de voluntários de Hawkins

Além de Terry, outros personagens integram o primeiro time de voluntários dos experimentos super secretos. Alice, Ken e Glória rapidamente dominam as páginas com suas vivências, opiniões e desventuras durante o processo de Brenner.

Em linhas gerais, esta é a trupe original de Hawkins, equivalente ao grupo de Eleven no momento atual da série. Esse olhar sobre a primeira leva de pessoas é importante porque detalha alguns procedimentos realizados no Laboratório que não são muito aprofundados na produção em si.

Até mesmo reconhecemos alguns métodos reproduzidos em Eleven que foram originados lá atrás, quando esses personagens se propuseram a desvendar o porquê de tudo aquilo estar acontecendo.

4- A obra assinala a questão dos monstros da série

O mais próximo do que veio a ser chamado de Demogorgon na série teve sua primeira aparição durante os experimentos com o grupo de Terry. Uma das personagens começa a descrever visões de criaturas com “cabeça de flor” medonhas, o que significa muita coisa para a narrativa da história.

Um outro ponto positivo para a sua leitura é que você entenderá melhor como eles surgiram para as cobaias e qual é a mecânica por trás dessas visões.

5- Uma personagem da série tem um melhor aproveitamento no livro

No 7º episódio da segunda temporada da série, “A Irmã Perdida“, descobrimos pela primeira vez que existia uma garota parecida com Eleven, uma outra menina com poderes que cresceu sob os efeitos dos experimentos de Brenner. No livro, essa mesma personagens reaparece, ou melhor, aparece pela primeira vez.

Kali – batizada como Eight – foi uma das garotas que vivenciaram as mesmas bizarrices que Eleven. E isso desde pequena. Na época que em Terry entrou para os estudos de Hawkins, Eight era controlada por Brenner para que fizesse exatamente aquilo que ele havia planejado: ser uma evolução da raça humana e usar seus poderes em benefício do governo.

Felizmente, a forma como esta figura é apresentada é muito eficiente, ao contrário do que foi feito na série. Conhecemos como tudo começou com ela e temos uma visão mais aprofundada do que sabemos dela a partir daquele episódio da produção.

Uma bela dica é reassistir ao episódio após ler ‘Raízes do Mal’, pois tudo fica mais claro e a confusão causada pelos roteiristas da série é, portanto, desfeita.

De fato, este livro acrescenta não só ao entretenimento e prazer da leitura, mas também aos acontecimentos que série – que, às vezes indiretamente, estão interligados. Se você estava procurando um título para ler, agora você já sabe em qual deve apostar.

J.K. Rowling dá conselho a escritora iniciante

0

1510593081184

Mulher usou as redes sociais para dizer que estava desanimada com seu trabalho e recebeu motivação da criadora da saga ‘Harry Potter’

Publicado no Estadão

J.K. Rowling é conhecida por dar respostas duras no Twitter. Além das diversas críticas a Donald Trump, por exemplo, ela já deu resposta a um homem misógino. Agora, porém, ela mostrou seu lado atencioso e incentivou uma internauta que estava com dificuldades para escrever.

“Eu gostaria de escrever como a J.K. Rowling e o Stephen King, mas é muito difícil para mim. Estou desmotivada. Nunca terminarei o meu livro”, postou a usuária Roi-Sorcier d’Angmar.

O desabafo chegou até a criadora do universo Harry Potter, que se prontificou a respondê-la e encorajá-la. “Não escreva como eu. Escreva como você, ninguém mais pode fazer isso.

Termine o livro!”, respondeu Rowling.

A usuária ficou muito feliz com a atenção dada pela autora e agradeceu: “Meu Deus, obrigada pela resposta! Você é a melhor pessoa do mundo!”. Outros internautas ficaram sabendo do desânimo da internauta e também mandaram suas mensagens de apoio.

Confira:

ww ww2 ww3

 

Este é o segredo para estudar algo chato com (algum) prazer

0
Estudante entediado (Tomwang112/Thinkstock)

Estudante entediado (Tomwang112/Thinkstock)

Como encontrar motivação para explorar um tema difícil ou desinteressante? Veja dicas para vencer a preguiça e descobrir novas paixões acadêmicas

Claudia Gasparini, na Exame

São Paulo — Estudar assuntos desinteressantes é uma obrigação que começa logo nos primeiros anos da formação escolar. O aluno apaixonado por matérias de exatas precisa encontrar motivação para assistir às aulas de história e literatura; já o estudante com típico perfil de humanas não tem outra opção senão mergulhar nos livros de física e matemática para passar de ano.

Isso se repete pelo resto da vida adulta, ainda que você se especialize na profissão que escolheu. Seja ao longo de uma pós-graduação, seja na preparação para um concurso público, por exemplo, sempre será necessário se debruçar sobre temas desvinculados dos seus interesses e aptidões para ter sucesso profissional.

Felizmente, é possível aprender a gostar de uma área do conhecimento que você sempre achou que detestava. O esforço vale a pena: ao expandir os seus temas de interesse, você ampliará os seus horizontes e poderá ir mais longe na carreira.

Esse foi o caso da professora norte-americana Barbara Oakley, autora do livro “Mindshift: Break through obstacles to learning and discover your hidden potential” (em tradução livre, “Mudança de mentalidade: Supere obstáculos para aprender e descobrir o seu potencial oculto), publicado em 2017 pela editora Tarcher-Perigee.

Em artigo para o site da Harvard Business Review, ela conta que detestava as aulas de matemática durante toda a sua vida escolar. Hoje, é professora de engenharia na Oakland University.

“Uma versão mais jovem de mim teria ficado chocada ao descobrir que, no futuro, eu seria professora de engenharia, encantada com números e confortável com o mundo da tecnologia”, escreve Oakley.

Com base em sua própria experiência pessoal e em diversos estudos sobre o assunto, a professora tem um método para aprender a desenvolver inesperadas paixões acadêmicas — ou, pelo menos, ser capaz de estudar algo desinteressante com algum prazer.

Ela propõe 4 passos, que você verá a seguir:

1. Busque um gatilho de motivação

Você morria de tédio na escola durante as aulas de geografia? Sofria para decorar fórmulas de química? Um motivo provável para todo esse sofrimento é que você considerava esses assuntos inúteis. Aí está o segredo para gostar (ou odiar) qualquer tema: o uso que você pode fazer dele na sua vida.

Para descobrir graça em um tema aparentemente desinteressante, o primeiro passo é tentar encontrar um motivo para aprendê-lo. Segundo Oakley, um dos melhores gatilhos de motivação é a busca por uma vida mais feliz e confortável.

Foi o que a fez voltar aos livros da sua tão detestada matemática, aos 26 anos de idade: a possibilidade de conseguir um emprego melhor no Exército, onde até então trabalhava numa função de pouco prestígio.

“Desejar uma mudança faz com que, mentalmente, você compare a sua situação atual (por exemplo, empregado como assistente administrativo) com o lugar em que poderia estar (como um funcionário público de alto gabarito certificado em contabilidade)”, explica ela. Ao serem encarados como chave para um horizonte melhor, até os livros mais tediosos podem parecer atraentes.

2. Drible a dor

Acredite se quiser: estudar aquilo de que você não gosta é literalmente doloroso. Pesquisadores da Universidade de Chicago perceberam que até pensar num assunto que você detesta ativa uma parte do cérebro envolvida com a experiência da dor.

A reação natural do corpo é a fuga. Ao começar a estudar aquele assunto, você ficará muito mais suscetível a distrações e provavelmente começará a adiar a tarefa. Das muitas técnicas para vencer a famosa procrastinação, a favorita de Oakley é a Pomodoro.

Funciona assim: desligue todas as possíveis distrações, como celulares ou computadores, e trabalhe por 25 minutos ininterruptos, contados no relógio. Passado esse tempo, levante e busque uma recompensa para si mesmo, como uma xícara de café ou uma boa música. Volte em seguida para mais 25 minutos de atividade sem pausas, e assim por diante.

Com blocos de estudo altamente produtivos, você tem a chance de finalmente entender aquela matéria que sempre pareceu misteriosa para você. Ao ganhar essa familiaridade com o assunto, você pode descobrir alguma dose prazer ao se aprofundar nele.

3. Tenha paciência consigo mesmo

Certas disciplinas se tornam insuportáveis porque temos dificuldade em aprendê-las. Compreender que é perfeitamente normal não entender algo de primeira ajuda a melhorar a sua relação com o estudo.

Quando era criança, Oakley achava que a sua dificuldade para assimilar um novo conceito matemático era resultado de uma completa inaptidão para os números. Essa certeza a afastou cada vez mais do assunto.

Só depois, quando já estudava para se tornar engenheira, ela percebeu que não precisava compreender todos os conceitos de cálculo instantaneamente. Foi uma epifania: livre da ideia de que não tinha “jeito” para aquele assunto, ela persistiu pacientemente nos estudos e acabou descobrindo seu talento.

4. Quebre o estudo em pedaços

Ao estudar um assunto com o qual tem pouca afinidade, a maioria das pessoas tenta estudar tudo de uma vez, para fazer o tormento passar mais rápido. Não funciona. “Ninguém consegue cantar uma música depois de ouvi-la uma única vez”, diz Oakley.

Segundo a professora, a melhor forma de aprender algo difícil é quebrar o assunto em vários “pedaços”. Imagine-se diante de um exercício aparentemente impossível de química, por exemplo. O conselho de Oakley é tentar resolvê-lo sem olhar a resposta. Não conseguiu? Tente de novo amanhã, e novamente nos dias seguintes, até conseguir.

A prática diária e insistente de uma nova habilidade é essencial para assimilá-la. Não é diferente com aprendizados práticos, como dirigir um carro.

“Cada dia de estudo com foco, seguido por uma boa noite de sono, vai fortalecer novos padrões neurais”, explica ela. Esse trabalho de pavimentação de conhecimentos eventualmente fará você aprender. “E, quanto maior o seu domínio do assunto, mais você vai gostar do que está estudando”, conclui Oakley.

Professor: 10 frases para motivar seu dia a dia na sala de aula

0
Fonte: Shutterstock

Fonte: Shutterstock

 

Veja a lista de frases que irão inspirá-lo a se dedicar ainda mais à profissão

Publicado no Universia Brasil

Principalmente durante o período pré-vestibular, os professores são alguns dos principais responsáveis por fazer com que os alunos não desistam do curso universitário dos sonhos e lutem por isso. No entanto, os profissionais também precisam de motivações para continuar suas jornadas e realizar bons trabalhos. Para isso, confira 10 frases para motivá-lo a continuar ensinando nas salas de aula:

1 – “A direção na qual a educação inicia um homem irá determinar sua vida futura”, Platão, filósofo grego.

2 – “Recordamos com reconhecimento os professores competentes, mas sentimos gratidão em relação àqueles que se dirigiram ao nosso íntimo. A matéria do ensino se assemelha ao mineral indispensável, mas é o calor que constitui o elemento vital que faz crescer a planta e também a alma da criança”, Carl Jung, psiquiatra suíço.

3 – “A educação alimenta a confiança. A confiança alimenta a esperança. A esperança alimenta a paz”, Confúcio, filósofo chinês.

4 – “Um mestre desperta o mestre em outros”, Matt Kahn, professor.

5 – “Um bom professor é como uma vela que consome-se a iluminar o caminho para os outros”, Mustafa Kemal Atatürk, fundador da República da Turquia.

6 – “Educação é a habilidade de ouvir praticamente qualquer coisa sem perder a calma ou a autoconfiança”, Robert Frost, poeta americano.

7 – “Eu gosto do professor que oferece alguma coisa a mais para pensar além de tarefa de casa”, Lily Tomlin, atriz americana.

8 – “A figura do professor é mais importante do que o que ele ensina”, Karl Menninger, psiquiatra americano.

9 – “A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original”, Albert Einstein, físico alemão.

10 – “A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca. Ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria”, Paulo Freire, educador brasileiro.

Veja 5 motivos para que entenda por que você não consegue se concentrar nos estudos

0

Concentrar nos estudos

Publicado no Amo Direito

Você tem a sensação de que, por mais que tente, não consegue se concentrar naquilo que está estudando? Esse é um problema que afeta muitos estudantes e que pode ter diversas causas, sejam elas médicas ou não. Confira, a seguir, as principais delas e saiba como melhorá-las:

2014_02_19_14_38_503

1 – Noites mal dormidas
O sono é uma das principais causas da falta de concentração. Pessoas que costumam dormir mal ou poucas horas por noite tendem a ter não só problemas pessoais, mas também físicos e emocionais – o que pode afetar a qualidade dos seus estudos. Tente dormir ao menos 8 horas por noite e veja se você percebe alguma diferença.

2 – Ansiedade
Você costuma se sentir pressionado e tenso? Se sim, é aí que pode estar a causa da sua falta de concentração. Pessoas ansiosas costumam ter bastante dificuldade em manter o foco justamente pela tensão a qual se sentem submetidas. Neste caso, a melhor solução é desabafar com alguém ou procurar um psicólogo.

3 – Empolgação
Querer fazer várias coisas ao mesmo tempo também é prejudicial: quem desempenha várias tarefas simultaneamente costuma perceber a queda da qualidade em alguma delas. No caso dos estudos, isso é ainda pior, já que durante o aprendizado é importante manter-se concentrado apenas no conteúdo que está sendo lido. Portanto, contenha-se na hora de estudar e concentre sua empolgação naquilo que você está estudando.

4 – Má alimentação
Acredite: sua alimentação pode prejudicar – e muito – a sua concentração. É importante que você mantenha uma alimentação balanceada e consuma alimentos de diversos grupos, como carboidratos e proteínas, e que evite a ingestão frequente de alimentos gordurosos. Caso você esteja de dieta, tome cuidado: estudos apontam que estudantes que consomem apenas alimentos de baixas calorias têm uma tendência maior à depressão.

5 – Falta de motivação
Não se encaixa a nenhum dos exemplos acima? Talvez o seu problema seja a falta de motivação. Para melhorar esse problema, tente estabelecer objetivos e mantenha em mente o que você deseja atingir no futuro e por que essa etapa de estudos é importante. Pensar no futuro pode ser uma boa forma de melhorar o presente.

Fonte: noticias universia

Go to Top