Fãs sentem falta de cenas mais quentes na série de ‘A Guerra dos Tronos’. George R. R. Martin diz que seu universo criativo ‘não é uma democracia’

O autor de 'Game of Thrones', George R. R. Martin (Reprodução/VEJA)

O autor de ‘Game of Thrones’, George R. R. Martin (Reprodução/VEJA)

Quem conhece Game of Thrones apenas pela TV não imagina que os livros que inspiraram a série, reunidos sob o título de As Crônicas de Gelo e Fogo, são quase pudicos perto dos episódios produzidos e exibidos pela HBO. E assim podem permanecer. Assediado por fãs que querem entender por que seus livros têm menos sexo que a série televisiva que eles inspiraram, e se poderão ter mais, o autor de A Guerra dos Tronos, George R. R. Martin, foi categórico. “Meus livros não são uma democracia”, disse, em conversa com fãs no festival literário de Edimburgo, na Escócia, na noite desta segunda-feira.

De acordo com o autor, a temperatura erótica dos livros só vai subir se a trama assim demandar. Mas é difícil que aconteça porque no papel a história é narrada através do ponto de vista de alguns personagens, o que a torna mais limitada que os personagens da TV. Como nenhum dos personagens cujo ponto de vista é usado na narrativa é gay, por exemplo, não há cenas explícitas de sexo entre homens nos livros. “Este é o jeito como eu gosto de escrever porque é o jeito como experenciamos a vida. Você me vê a partir do seu ponto de vista, e desse ponto de vista você não enxerga o que outros veem”, disse Martin, que contou receber cartas e cartas de fãs — especialmente de mulheres — pedindo cenas de sexo entre homens.

“Mas não posso inserir cenas de sexo simplesmente porque me pendem. Não é uma democracia. Se fosse uma democracia, então Joffrey (o menino rei sádico) teria morrido muito antes do que ele fez”, continuou o escritor, segundo matéria do jornal britânico The Guardian, que cobriu o festival de Edimburgo.