Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Nas Ruas

Bloco pernambucano “Cansei de Ser Profunda” satiriza escritora Clarice Lispector

0
Estandarte do bloco Cansei de ser Profunda nas ruas de Olinda

Estandarte do bloco Cansei de ser Profunda nas ruas de Olinda

James Cimino, no UOL

Cansada do uso vulgar de suas citações literárias nas redes sociais, quem apareceu no Carnaval de Olinda foi a escritora Clarice Lispector. Homenageada e satirizada pelo bloco Cansei de Ser Profunda, dizem seus integrantes que a agremiação surgiu de um depoimento de Clarice em seu leito de morte.

E como no Carnaval o que vale mais é a versão e menos o fato, uma das folionas, que se diz sobrinha de segundo grau de Clarice, explica o nascimento do bloco.

“É uma história muito longa. Mas aconteceu na casa onde Clarice passou sua infância, na praça Maciel Pinheiro. Ela, já cansada, volta ao Recife. Ao se deparar com a degradação da praça, reuniu a família toda, em seu leito de morte, me chamou ao pé do ouvido e disse: ‘Cansei de ser profunda’. E ali mesmo expirou e morreu”, conta a suposta sobrinha Eunice “Lispector”.

Outro rapaz, que segurava o estandarte do bloco, continuou a história: “Vadinho”, 24 anos, disse que escolheu seu nome em referência ao personagem do livro “Dona Flor e seus dois Maridos” e que resolveu trazer Clarice para a folia para que ela visse que ainda tem coisa boa no mundo.

O nome do bloco gerou confusão na cabeça de uma moça igualmente confusa (ou avariada, usando a gíria local) que pulava o Carnaval nas ladeiras do Centro Histórico de Olinda. “Ela passou, leu o nome do bloco na camiseta e disse: ‘Também me cansei de ser professora. Agora quero é ser rapariga!”

Jornal Extra distribui livros em ação comemorativa

0
Adriana Alvez foi a primeira a encontrar o livro de Paulo Coelho na Central do Brasil  (Imagem: Fabiano Rocha/ Extra)

Adriana Alvez foi a primeira a encontrar o livro de Paulo Coelho na Central do Brasil
(Imagem: Fabiano Rocha/ Extra)

Publicado no Comunique-se

O jornal Extra comemora 15 anos e prepara ações para celebrar o aniversário com os leitores. O projeto “Letras nas Ruas” vai distribuir 750 livros em vários locais da cidade do Rio de Janeiro. A campanha incentiva a leitura e o compartilhamento das obras com outras pessoas.

Em parceria com as editoras Globo, Sextante, Record e Objetiva, o projeto irá presentear leitores em estações do Metrô e da SuperVia, shoppings e em praças ao logo de 50 semanas. Na última quarta-feira, 16, o jornal entregou 15 exemplares de Manuscrito encontrado em Accra, da Sextante, autografados pelo escritor Paulo Coelho.

“A proposta é que o leitor, após usufruir um dos títulos, possa compartilhá-lo com outras pessoas, deixando-o à disposição em algum ponto da cidade. Dessa maneira, acreditamos que, além de presentear o leitor, conseguiremos reforçar ainda mais a preocupação do jornal em estimular a cultura e o prazer de ler”, afirmou Daniela Ferreira, gerente de marketing do Extra.

As obras têm a mensagem “Este livro encontrou você”, uma dedicatória que explica a ação e uma ficha que estimula o compartilhamento do livro com outras pessoas.

Autores paulistanos investem em obras sobre fadas, anjos e demônios

0

Inspiração para o movimento é o sucesso de livros que explodiram nos últimos anos, como as séries Crepúsculo

O autor F.T. Farah
O autor F.T. Farah publicou ‘A Outra Face de Deus’, em agosto, com 6.000 exemplares (Foto: FERNANDO MORAES )

Cristiane Bomfim, na Veja SP

“Dimítris e Anne voaram por cerca de vinte minutos, sempre acompanhados por prédios, avenidas e muito trânsito. Diferente do que Dimítris esperava, a cidade de São Paulo era caótica. Apenas no final do trajeto encontraram uma região calma, com árvores e pouca movimentação, um bairro chamado Vila Madalena.” A passagem acima não se refere à conversa de turistas num passeio de helicóptero, mas à aventura de um homem grego que se teletransporta para cá depois de ser submetido a um treinamento celestial no qual tenta virar um ser alado. Essa mistura digna de samba-enredo com pitadas psicodélicas faz parte do livro O Vale dos Anjos — O Torneio dos Céus (editora Novo Século, 414 páginas), escrito pelo paulistano Leandro Schulai, de 26 anos, e lançado em 2010. No início de 2013, chega às livrarias a segunda parte da trilogia, repleta de mistérios e seres sobrenaturais.

+ Leia trecho do livro A Outra Face de Deus, de F.T. Farah

Embora seja difícil conceber uma conferência de personagens mitológicos na Praça da Sé ou uma invasão de seres sobrenaturais na Vila Mariana, entre outras ocorrências fora do comum, a imaginação de um grupo especial de novos autores de ficção voa longe o suficiente para fazer daqui a capital da fantasia. Como acontece na série O Vale dos Anjos, vários enredos dessa turma são ambientados em locações da cidade. Voltado para o público jovem, A Grande Criação de Nicolas (Llyr Editoral, 290 páginas) narra a saga de um garoto solitário que dedica a maior parte do seu tempo a fazer rascunhos de super-heróis até perceber sua principal criação, o Fantasma Vingador, à solta nas ruas da Vila Formosa, na Zona Leste.

A escolha do bairro, segundo o pai da história, Dennis Vinicius, de 33 anos, foi automática. “Como nasci e fui criado aqui, o trabalho de pesquisa fica mais fácil”, explica. Um problema a menos, portanto, em meio às dificuldades enfrentadas pelo aspirante a autor de best-seller. “Tentei outras nove editoras, mas elas recusaram meus textos sem dó”, desabafa. “Todas as pessoas da minha família que leram dizem ter adorado.” O título chegou ao mercado no ano passado com singelos 1 000 exemplares e se esgotou.

A clara inspiração para o movimento é o sucesso de livros que explodiram nos últimos anos, como as séries Crepúsculo, de Stephenie Meyer, e A Guerra dos Tronos, de George R.R.Martin, além do clássico O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien. O gênero está mais na moda do que nunca. No atual ranking de vinte obras de ficção mais vendidas do país publicado no site de VEJA, há onze de fantasia, todas assinadas por estrangeiros.

Já a produção de brasileiros, com o auxílio de blogs e pequenas editoras, ganha expressividade, ao menos em número de títulos: de 136, em 2009, saltou para 398, em 2011. A contabilidade está no Anuário Brasileiro de Literatura Fantástica, preparado por Cesar Silva, designer, e Marcello Simão Branco, doutor em ciências políticas pela USP. “São Paulo é o principal celeiro dessa produção no país”, diz Silva. A cidade também abriga, desde 2007, a Fantasticon, feira para escritores e aficionados do estilo. Em setembro, a Companhia das Letras escolheu o evento para lançar o selo Seguinte, especializado no gênero. “Essas séries cresceram tanto nos últimos anos que não é mais possível deixá-las de lado”, diz a editora Júlia Schwarcz, que privilegia, por enquanto, nomes internacionais — o gaúcho Luís Dill, o primeiro a romper a barreira, chega às prateleiras em janeiro.

O paulistano Fabio Tucci Farah, de 36 anos, sonha em ser a próxima estrela dessa safra. Ele publicou em agosto A Outra Face de Deus, com tiragem de 6 000 exemplares, pela editora Rai, um feito para um autor sem projeção.Com quatro outros livros já lançados, todos infantis ou juvenis, Farah reconhece a influência de Dan Brown (O Código Da Vinci) no calhamaço de 544 páginas que tem como personagens principais um jornalista com carreira decadente e um padre exorcista. Juntos, eles tentam impedir a realização do “apocalipse negro” em Londres. O enredo mistura sociedades secretas, demônios, interesses políticos e espionagem. Pensando “no mercado externo”, ele até trocou o nome completo na assinatura pela abreviação F. T. Farah. Em busca de sucesso, também tentou se aproximar de Paulo Coelho para transformá-lo em guru de sua carreira literária. “Ele me disse que descobriu o próprio caminho e que eu tinha de fazer o mesmo”, conta.

Perfis dos novos escritores

F.T. FARAH, 36

Obra: publicou A Outra Face de Deus, em agosto, pela editora Rai, com 6. 000 exemplares. Tem outros quatro livro sinfantis e juvenis

Temas: religião, demônios e espionagem

Referências: G.K.Chesterton, C.S. Lewis, Arthur Conan Doyle e Dan Brown

  O autor Dennis Vinicius prepara 'Os Fantasmas de Nicolas'
O autor Dennis Vinicius prepara ‘Os Fantasmas de Nicolas’ (Foto:FERNANDO MORAES)

DENNIS VINICIUS BORGES FABRICIO, 33

Obra: prepara Os Fantasmas de Nicolas, continuação de A Grande Criação de Nicolas, publicado em 2011 pela Llyr Editorial

Temas: super-heróis e universos paralelos

Referências: Neil Gaiman, Dan Brown, J.K. Rowling e André Vianco

  O autor Leandro Schulai lançará o segundo livro da série 'O Vale dos Anjos'
O autor Leandro Schulai lançará o segundo livro da série ‘O Vale dos Anjos’ (Foto:MARIO RODRIGUES)

LEANDRO SCHULAI, 26

Obra: lançará no início de 2013 o segundo livro da série O Vale dos Anjos. O primeiro saiu em 2010, com 1.500 cópias, e teve reimpressão, com mais 1.000, em abril deste ano

Temas: anjos, amor além da morte, universos paralelos, inferno e paraíso

Referências: J.K. Rowling e Philip Pullman

Crianças montam banda de rua para juntar dinheiro para a universidade

0

MINI ATTACK, BANDA DE RUA FORMADA POR CRIANÇAS NA INGLATERRA (FOTO: REPRODUÇÃO)

Publicado originalmente na Época Negócios

Os irmãos gêmeos Raul e Jacob Gibson e a amiga Molly Hardwick, com 11 anos de idade cada um. Esta é a formação da Mini Attack, uma banda formada para tocar nas ruas de Bristol, na Inglaterra, um modo que as crianças encontraram para conseguir dinheiro suficiente para pagar os estudos em universidades. Que tem dado certo.

Em uma única sessão, a mais rentável até agora, o trio conseguiu cerca de 200 libras, equivalentes a R$ 657. “As crianças estão cientes de quão caro uma universidade irá custar, e eles sabem que se fizerem o que estão fazendo tornarão as coisas muito mais fáceis”, disse Nick, pai de Raul e Jacob, ao jornal britânico Telegraph.

GÊMEOS RAUL E JACOB GIBSON E A AMIGA MOLLY HARDWICK (FOTO: REPRODUÇÃO)

“Eles estão tendo um retorno inacreditável nas ruas, conseguindo a atenção instantânea de multidões no centro da cidade para vê-los. Isso está dando a eles uma grande confiança, e quanto mais eles tocam mais eles sentem que podem vencer qualquer desafio”, acrescentou o pai dos dois meninos, que cantam e tocam guitarra e percussão.

O sucesso da banda chegou à internet. O Mini Attack montou um canal no YouTube e perfis no Twitter e no Facebook. Os “shows” começaram a ser realizados nas ruas em julho deste ano, e desde então a média é de aproximadamente 100 libras, ou R$ 328, por semana. As redes, então, serviram para aumentar a atenção sobre as crianças.

A repercussão possibilitou às três crianças conhecer o cantor Ed Sheeran, um britânico que também ganhou espaço na música depois de começar tocando nas ruas. Os três foram tocar com ele em um casamento e passaram algumas horas aprendendo com ele alguns truques para tocar na cidade.

Go to Top