O escritor Victor Hugo concebeu o clássico “Notre-Dame de Paris” em 1831Colagem / French Government,Ministry of Culture/Zahar

Em 1831, quando o livro fez sucesso entre os franceses, movimento cidadão fez com que as autoridades reabilitassem a catedral, na época em estado de decrepitude

Publicado na Gaucha Zh

Romance do escritor Victor Hugo, o clássico Notre-Dame de Paris (1831) tornou-se número um de vendas pela internet na França desde o incêndio que destruiu parcialmente a catedral na segunda-feira (15), colocando em risco um dos pontos turísticos mais apreciados no mundo.

Em muitas livrarias, a obra está esgotada. O fenômeno também foi observado com o livro Paris é uma Festa (1964), de Ernest Hemingway, depois dos ataques de 13 de novembro de 2015, em que diversos pontos de Paris, incluindo a boate Bataclan, foram palco de atentados.

Diante da demanda pelo clássico de Victor Hugo, conhecido também por Os Miseráveis, os editores do romance em formato de bolso decidiram lançar novas tiragens e doar os lucros ao fundo lançado para financiar a reconstrução da catedral.

Escrito em 1831, Notre-Dame de Paris se passa em 1482, na época do reinado de Luís XI. O romance foi adaptado muitas vezes ao cinema. A versão mais famosa é a animação da Disney (1996).

Uma passagem no romance se tornou bastante compartilhada nas redes sociais, em vários idiomas, após incêndio: “Todos os olhares se dirigiam para a parte superior da catedral e era algo extraordinário o que viam: na parte mais elevada da última galeria, acima da rosácea central, uma grande chama subia entre os campanários com turbilhões de faíscas, uma grande chama revolta e furiosa”.

Em torno dos personagens Quasímodo e da cigana Esmeralda, Victor Hugo fez da catedral a verdadeira heroína de Notre-Dame de Paris, com o objetivo de chamar a atenção sobre o estado de decrepitude do monumento. Na época, o sucesso da obra provocou um movimento cidadão que foi capaz de fazer com que as autoridades reabilitassem a catedral.

O romance Notre-Dame de Paris (que só ganharia o nome O Corcunda de Notre-Dame após a primeira edição inglesa) também está disponível gratuitamente e legalmente, em francês, na Gallica, biblioteca digital da Biblioteca Nacional da França.