Posts tagged Numa

 

Viúva de Cortázar e Mario Vargas Llosa relembram a amizade dos três

0

Aurora Bernández e o Nobel da Literatura peruano participaram de uma mesa de discussões

Aurora Bernárdez e Mario Vargas Llosa, em homenagem a Julio Cortázar CARLOS ROSILLO / EL PÁIS

Aurora Bernárdez e Mario Vargas Llosa, em homenagem a Julio Cortázar CARLOS ROSILLO / EL PÁIS

Publicado em O Globo

MADRID – Aurora Bernárdez, com seu cabelo branco, caminhou lentamento enquanto abria um caminho de sussurros. Foi até a mesa principal, sentou-se na cadeira, arrumou o vestido branco com estampas de guarda-chuvas, sapatos e mariposas para ouvir, em silêncio, Mario Vargas Llosa falar, ao seu lado, sobre o seu marido: Julio Cortázar. Escutava tranquilamente os elogios e as lembranças. Quando o Nobel da Literatura terminou de falar, ela o olhou e, após um suspiro, disse com um sorriso:

— Gostei muito de conhecer a Aurora e o Julio do relato que fez da gente.

Os risos das 67 pessoas que estavam no salão fizeram com que ambos gargalhassem também. Assim, foi oficialmente inaugurada a partida dos dois velhos amigos que se conheceram em Paris numa noite de dezembro de 1958. Agora, 55 anos depois, evocam não apenas essa amizade, mas também a do amigo mais importante até agora – aquele homem de cabeça raspada, de grandes mãos que se moviam ao falar, e de juventude implacável, que gozava da admiração de todos os que o conheciam. Naquela noite, o veterano Vargas Llosa estava conversando com um casal, surpreso com a inteligência de ambos e a facilidade deles para expressar ideias e trocar opiniões que fascinavam a todos. Só ao se despedir percebeu que se tratavam de Cortázar e sua mulher.

Com o tempo, o escritor argentino se tornaria um dos melhores amigos e um dos mentores de Vargas Llosa. E os convites que os Cortázar lhe faziam para ir à casa deles, em verdadeiros momentos de felicidade. Revelações inéditas de uma conversa entre dois amigos que, por vezes, enquanto adolescentes, se interrompiam, impulsionados pelo entusiasmo de contar o que fizeram, o que tinham andado fazendo, que memórias seguiam intactas em suas vidas. E como dois amigos, continuam se perguntando coisas que antes não atreviam, e que aproveitam a oportunidade agora na homenagem “Cortázar y el boom latinoamericano”, um dos cursos de verão de uma universidade de Madrid, organizado pela Cátedra Vargas Llosa.

As palavras abordam, por momentos, o “Jogo da amarelinha”. Entram e saem rapidamente dele. Abordam, também, como era Cortázar (“Uma das pessoas mais inteligentes que já conheci, com ideias muito originais sobre a literatura”, conta Vargas Llosa); como era a sua casa parisiense (“A entrada tinha um mural com recortes de jornais”); que autores eles tinham traduzido (Aurora traduziu Sartre).

Naquela noite de 1958, o mito e a lenda em torno de Cortázar já começavam a tomar forma. O Nobel peruano aproveitava o ensusiasmo de Aurora Bernárdez para entrar no jogo de verdade ou consequência. “É verdade que vocês foram submetidos a testes de tradutores da Unesco em Paris e conseguiram os dois primeiros lugares, e que lhes ofereceram um contrato permanente, mas que foi rejeitado, com o argumento de que preferiam ter tempo para ler a escrever?”.

— Sim. E talvez o primeiro lugar foi Julio quem conseguiu. E serviu para ele se curar do complexo de inferioridade. Embora, depois, quando fizemos o curso para obter a carteira de motorista, eu consegui primeiro.

Entre risadas, as anedotas se sucedem em Paris, Roma…

— Porque Julio, como todo argentino que se respeite, acreditava que o italiano era a sua segunda língua. Mas, não.

Sua modéstia era lendária. A viúva dele se lembra apenas de uma pitada de vaidade:

— Recém-chegado a Paris, trabalhou em uma distribuidora de livros. Um dia, chegou em casa e, muito sério, me disse: “Sou o que melhor empacota os livros”. E era verdade.

Mais risadas e anedotas que chegam à obra máxima de Cortázar, “Jogo da amarelinha”, cujo êxito varreu o mundo privado que os dois tinham construído e cuidavam com zelo. Ele se tornou uma figura pública.

— O livro caiu como uma bomba. Mas também teve adversários que estavam atentos a outro Cortázar: o dos contos, que não é mais ou menos melhor, apenas tem outra visão.

Até que chega a pergunta que todos os leitores de “Jogo da amarelinha” queriam fazer a Aurora Bernárdez: “É você que é Maga?”.

— Não — ela respondeu, com a voz suave.

Varga Llosa insiste: “Mas se há uma pessoa real, ela se parece com você?”.

— Não — disse, novamente sorrindo, mas, dessa vez, categórica. — Não acredito em nada disso. A Maga é um monte de palavras num papel. Pode haver muitas. Mas talvez possa ter sido inspirada numa amiga nossa. Mas ela se ofendeu porque achou que a palavra “maga” se referia a “bruxa”.

Cortázar, segundo Vargas Llosa, é um desses autores de grande generosidade. Dava sugestões, por exemplo, sobre os manuscritos que jovens escritores lhe enviavam. “Tinha uma integridade intelectual e literária que nunca abandonou”. Mas o mundo mudou Cortázar, concordaram Bernárdez e Vargas Llosa, alguns anos depois de “Jogo da amarelinha”, por causa de viagens que fez a Cuba e à Índia, em 1968, de acordo com a viúva:

— Na Índia, tomou consciência da dor de estar vivo. Foi quando descobriu que o homem sofria demais. Ficou cada vez mais politizado. Logo foi para a Argentina, onde havia uma história política lamentável, embora agora não seja muito melhor. Ele tinha enxaquecas. Foi a um médico que, depois de examiná-lo, lhe disse que não tinha uma doença, e sim um estado de espírito.

Finalmente, Vargas Llosa pergunta: “O que você acha que será de Cortázar, o seu legado?”.

— Não tenho ideia. Temos que esperar mais 50 anos. Acho que Julio estará no repertório de outros escritores ausentes que sempre estarão presentes.

 

Os filmes que todo concurseiro deve assistir

0

Mensagens de perseverança, coragem e busca de um sonho podem servir de âncora para aqueles que estudam para os concursos públicos

O filme "As aventuras de Pi", de Ang Lee, é um exemplo de determinação e de força de vontade.

O filme “As aventuras de Pi”, de Ang Lee, é um exemplo de determinação e de força de vontade.

Publicado em O Globo

Nada como assistir a um bom filme para relaxar. Mas, aliado à diversão, que tal aproveitar a mensagem captada da telona para ajudar na preparação para a maratona de estudos e provas de concursos? A pedido do Boa Chance, professores, especialistas e alunos deram suas sugestões de filmes que não podem deixar de ser visto por aqueles que enfrentam o desafio de se preparar para seguir uma carreira pública.

“O equilibrista” – “A espetacular aventura de Philippe Petit, em 1974, de atravessar as duas torres gêmeas, em Nova York, numa corda bamba, serve de metáfora para os desafios impostos ao candidato que estuda para um concurso público. A tenacidade dos envolvidos no périplo, assim como a ousadia do plano e seu sucesso são retratados nesse documentário de forma vibrante e estimulante. É impossível ficar impassível ao sonho realizado. Apropriado para aqueles que estão vivendo sob a tensão da realização ou da frustração”. (Orlando Stiebler – professor da Academia do Concurso)

“Em busca da felicidade” e “As aventuras de Pi” – “Já vi muitos filmes que poderiam servir de inspiração aos concurseiros, como o ‘Último Samurai’. Mas dois absolutamente indispensáveis para quem está se preparando para mudar o rumo de sua vida profissional são ‘Em busca da felicidade’ e ‘As Aventuras de Pi’. Os dois são exemplos de determinação e força de vontade”. (Leonardo Pereira, diretor do IOB Concursos)

“Quem quer ser um milionário” – “Esta obra inicialmente pode ser interpretada como um filme sobre a sorte. Resumidamente, o protagonista é um órfão na Índia, que, adulto, participa um dia de um programa de auditório, do tipo em que a pessoa responde perguntas para receber um prêmio em dinheiro. Acontece que, ‘por sorte’, ele consegue responder todas as perguntas feitas pelo apresentador a partir de suas lembranças de vida. Contudo, se olharmos mais detidamente, é também um filme sobre a insistência, a perseverança e a coragem em perseguir seus objetivos”. (Alexander Ruas, especialista em concursos)

“Uma garrafa no mar de Gaza” – “Mostra como por vezes nascemos no meio de conflitos intergeracionais sem ao menos saber quem são os do lado de lá, seus motivos, esperanças e crenças. Mostra também como um contato, por mínimo que seja, entre dois jovens dessas duas nações (Palestina e Israel) transformam a vida de ambos”. (Alexander Ruas, especialista em concursos)

“Coração Valente” – “O filme, com Mel Gibson, foi muito inspirador, pois a ideia central do filme se baseia na busca de um povo por liberdade. De acordo com os acontecimentos, o povo passa por diversas dificuldades e luta contra tudo e contra todos em busca de seu objetivo, assim como o concurseiro. O final mostra que todo o esforço, força de vontade e perseverença têm sua compensação”. (Flavio Andrade, aluno do Curso Maxx)

 

Sextante leva a tríplice coroa

0

Destaque em maio para ‘Kairós’, ‘Inferno’ e ‘O silêncio das montanhas’

Cassia Carrenho, no PublishNews

1aA editora carioca faturou o livro mais vendido da semana, o 1º lugar no ranking semanal das editoras e 1º lugar  no ranking mensal das editoras de maio. De boas vendas o inferno tá cheio!

Numa semana de poucas mudanças, o grande destaque foi o livro O silêncio das montanhas (Globo), de Khaled Hosseini, autor do bestseller O caçador de pipas, que assumiu a vice liderança com uma diferença de apenas 56 livros e desbancou Kairós (Principium). A Globo agradece, já que os dois títulos são do seu grupo editorial.

Já o lugar mais quente da lista continua com Inferno (Arqueiro), que vendeu 23.729 exemplares na semana.

No ranking das editoras, Sextante e Intrínseca continuam numa disputa que começou no mês passado. Nessa semana a Sextante ficou em 1º lugar, com 15 livros, e a Intrínseca, com 14. Vergara&Riba, com sua turma de bananas, ficou em 3º lugar e, empatados com 7 livros cada um, Ediouro, Globo e Record dividem o 4º lugar.

No mês de maio, Kairós (Principium) foi o grande campeão de vendas, com um total de 77.550 exemplares vendidos. Mais uma razão para a editora Globo “erguer as mãos e dar glória a Deus”.

O vice campeão veio mesmo de baixo, mas com um objetivo claro de dominar a lista mensal em breve. Inferno (Sextante) vendeu 44.827 no mês de maio. Vale lembrar que Kairós foi lançado no começo do de maio e Inferno só na segunda quinzena do mês.

No ranking mensal das editoras a Sextante também levou o 1º lugar, com 24 livros. A surpresa veio com a Companhia das Letras, que fez uma ação de desconto, e ficou em 2º lugar, com 20 livros. Em 3º lugar aparece a Intrínseca, com 17, e, empatados 4º lugar, Ediouro, Record e Vergara, com 11 títulos cada.

Chineses burlam censura comprando livros em Hong Kong

0

Mesmo funcionários do governo chinês procuram livrarias

Chris Buckley, no The New York Times [via Folha de S.Paulo]

HONG KONG – Visitantes da China continental sobem uma escadaria estreita para chegar a uma pequena sala em Hong Kong repleta de prazeres proibidos: livros que revelam escândalos sobre os chefões do Partido Comunista.

A livraria Comunidade Recreativa Popular e outras em Hong Kong se especializam na venda de livros e revistas proibidos pelo governo chinês, na maioria dos casos, por trazerem relatos negativos sobre líderes passados e presentes do Partido Comunista. Numa época em que muitos cidadãos chineses nutrem desconfiança profunda em relação a seus líderes, os negócios da livraria vão de vento em popa.

“Venho para cá comprar livros que não podemos ler na China”, confirmou Huang Tao, vendedor de suplementos nutricionais do sudeste da China. “Fomos enganados em tantas coisas”, prosseguiu, apontando para livros sobre a fome devastadora do final dos anos 1950 e início dos anos 1960, um episódio que a história oficial camuflou com eufemismos.

O comércio de livros proibidos revela a sede de informação presente numa sociedade vítima da censura, além das dificuldades que as autoridades enfrentam para sufocar essa sede, especialmente quando, segundo fontes das livrarias, funcionários governamentais fazem parte dos leitores ávidos dos livros proibidos.

“Esses livros vêm exercendo papel importante na conscientização dos chineses”, comentou um jornalista de Pequim que vai a Hong Kong várias vezes por ano e compra pilhas de textos de caráter denunciatório. Temendo represálias, ele pediu que seu nome não fosse citado.

Os livros contêm relatos de escândalos e profecias lúgubres sobre o futuro da China.

Um livro prevê uma guerra com o Japão em 2014, outro, a derrubada da liderança chinesa atual no mesmo ano.

“Algumas pessoas levam esses livros muito a sério”, comentou Paul Tang, 38, que abriu a livraria em 2002 com três sócios. “No momento, 90% de nossas vendas são feitas a chineses do continente. A pergunta que nos fazem com mais frequência não diz respeito ao conteúdo dos livros, mas a como levá-los de volta à China.”

Antiga colônia britânica, Hong Kong tornou-se uma região autônoma da China em 1997 e, apesar de pressões de Pequim, permanece livre da censura estatal. Em 2012, a cidade foi visitada por 34,9 milhões de chineses continentais, muitos deles em passeios para fazer compras.

De acordo com pessoas do ramo, os funcionários das alfândegas às vezes são instruídos a barrar a entrada de determinados títulos. Mas, com frequência, qualquer material de teor político que seja encontrado é examinado e as decisões sobre o que confiscar ou não são tomadas por impulso.

Em março, o empresário Zhou Qicai tentou entrar na China com uma mala carregada com 400 exemplares de uma revista de Hong Kong em chinês. Porém, um funcionário da alfândega resolveu examinar sua bagagem. A revista, “Boxun”, trazia um artigo sobre funcionários de tribunais na cidade natal de Zhou suspeitos de corrupção. O empresário queria mostrá-la a seus amigos.

O funcionário confiscou as revistas e o aconselhou a não fazer contrabando novamente. “Mas não desanimei”, contou Zhou. “Voltei para Hong Kong alguns dias depois e tentei novamente. Dessa vez entrei com 93 cópias da revista, sem problemas.”

Apesar dos confiscos, os casos de viajantes sendo levados à justiça são virtualmente inusitados hoje em dia, pois o governo teria dificuldade em explicar suas práticas sigilosas de censura mesmo diante de tribunais submissos, dominados pelo Partido.

A opinião é de Bao Pu, chefe da New Century Press, editora de Hong Kong que publica muitos livros de funcionários governamentais chineses aposentados ou expulsos de seus cargos.

“O governo não teria como justificar suas regras abertamente. Não existe nenhuma lista pública de livros proibidos”, falou Bao, filho de um funcionário chinês expurgado. “Simplesmente haveria gente demais para processar.”

O fluxo de textos ilícitos inclui memórias e estudos de fatos e pessoas que o Partido Comunista preferiria esquecer, como a fome decorrente do Grande Salto Adiante e a brutal Revolução Cultural decretada por Mao Tse Tung, além das revoltas que culminaram na repressão da praça Tienanmen em junho de 1989.

Também há relatos apimentados sobre as vidas particulares de funcionários do Partido.

Poucos membros da elite política chinesa escapam de ter um livro, ou pelo menos um capítulo, dedicado às suas suspeitas tramóias, amantes ou fortunas obtidas por meios ilícitos.

“Não é preciso ler o ‘Diário do Povo’, porque o jornal não conta o que está acontecendo de fato. Mas você não pode deixar de ler esses livros”, comentou Ho Pin, jornalista chinês exilado que comanda a Mirror Books, empresa com sede em Nova York que publica textos de denúncia em livros e revistas em chinês. Segundo ele, funcionários governamentais chineses com frequência compram seus livros para presentear colegas.

Dica do Chicco Sal

Go to Top