Posts tagged números

Funcionária descobre “mistério” em livro de biblioteca na Escócia

0

 

Foto: Pexels

Por uma razão curiosa, diversos livros de uma biblioteca comunitária tinham os números das páginas 7 tracejados com uma caneta

Publicado na Galileu

O pequeno vilarejo de Charleston, localizado na cidade de Dundee, na Escócia, é tão escondido no norte-europeu e tão pouco habitado (a população da região está estimada em 4.323 pessoas) que parece até um destino perfeito para quem busca por calmaria e distância de grandes centros urbanos. E também por uma grande história de mistério – que, felizmente, foi desvendada.

Tudo começou quando a bibliotecária Georgia Grainger, funcionária da Biblioteca Comunitária de Charleston, foi questionada por uma senhora, que lhe perguntou: “Por que todas as páginas 7 dos livros que eu peguei emprestado têm o número 7 sublinhado com caneta?”. “Isso parece estranho”, adicionou a mulher.

Instigada com a pergunta, Grainger foi conferir os livros e, de fato, todos traziam a marcação estranha. Devido à sua imaginação fértil, ela começou a imaginar o que poderia motivar aquela ação: grupos de espionagem, histórias secretas de amor ou até a atuação de serial killers foram hipóteses cogitadas , escreveu a bibliotecária em sua conta do Twitter.

A marcação da página 7 de um dos livros da Biblioteca Comunitária de Charleston, na Escócia (Foto: @green_grainger/ Twitter)

Quando foi buscar pela mesma marca em outros livros da biblioteca, Grainger percebeu que não eram todas as obras que tinham o tracejado no número 7, mas apenas grande parte das histórias antigas para o público feminino – ou seja, romances ambientados em períodos de guerra, que são particularmente populares entre pessoas idosas na biblioteca de Charleston.

Apesar da descoberta, o mistério continuava firme e forte. Foi aí que a bibliotecária decidiu conversar com sua gerente sobre o bizarro padrão nos livros e descobriu que a marcação era, na verdade, um código que pessoas idosas tinham criado para marcar os livros que elas já haviam lido.

O método era uma prática utilizada ainda antes dos computadores e sistemas de empréstimo de livros existirem. Alguns dos adeptos tracejavam números de certas páginas, outros, desenhavam estrelas ou escreviam a inicial do nome em algum lugar do livro. Como esses livros costumam ter enredos muito parecidos, o método era uma forma dos leitores evitarem de ler o mesmo livro outra vez.

Público jovem cresce e Bienal do Livro bate recorde

1
Saldões de livros atraíram jovens e potencializaram as vendas - Leo Martins

Saldões de livros atraíram jovens e potencializaram as vendas – Leo Martins

Projeção de 680 mil visitantes supera os números da última edição, mas faturamento de editoras cai

Bolívar Torres, em O Globo

RIO — Se a projeção dos organizadores se confirmar, 680 mil pessoas terão circulado pelo Riocentro nos 11 dias da 18ª Bienal do Livro do Rio — um novo recorde de público, superando os 677 mil da última edição, em 2015. Encerrado na noite deste domingo, o evento superou a expectativa do Sindicato Nacional dos Editores de Livro (Snel) e da Fagga, responsáveis por sua realização. Em tempos de crise econômica, os jovens puxaram os números para cima, com um aumento significativo do público entre 15 e 19 anos (33% contra 18% em 2015). Sinal de que a aposta do evento nesse segmento, que incluiu uma nova arena de 400 lugares (quatro vezes maior do que a da edição anterior) só com autores e atrações infantojuvenis, foi bem-sucedida.

— É uma aposta que estamos fazendo há 10 anos, acompanhando o mercado — diz Tatiana Zaccaro, diretora da Fagga, notando que 24% do público compareceu no evento pela primeira vez.

Uma pesquisa parcial com os visitantes mostrou que as vendas de livros foram similares às do ano passado (6,6 unidades por pessoa). O preço médio, porém, diminuiu de R$ 26,94 para R$ 25,18. O reflexo foi sentido por algumas editoras, como a Record, que viu o faturamento cair nessa edição. Diretor da Sextante, Marcos da Veiga Pereira diz que, em função do boom dos livros de colorir da edição passada que não se repetiu esse ano, houve uma queda de 15% do faturamento de sua editora. O resultado, porém, “já era previsto”, afirma Pereira, que também é presidente do Snel. Ele celebrou, no entanto, a maior presença de autores nacionais, que movimentaram público nos estandes e nas atividades.

— Apostamos que a Bienal deste ano conseguiria manter o público da edição anterior e tivemos a maior programação de autógrafos e participação de nossos autores de todos os tempos – informou o editor, em comunicado à imprensa.

Entre as editoras que finalizaram seu balanço até o fechamento desta edição, a Intrínseca manteve o mesmo desempenho de 2015 — ano no qual bateu recorde em volume de vendas. Já as editoras Leya, Astral Cultural, Globo Livros e a Valentina apresentaram um aumento em seu faturamento. A forte procura por promoções e saldões — lojas que vendem a preços populares livros adquiridos em pontas de estoque — levou editoras a ampliar as suas promoções ao longo do evento. Foi o caso da HarperCollins, que começou a Bienal oferecendo descontos de 20% e, depois, passou para uma estratégia mais agressiva, com descontos pontuais de até 50%.

— Essa foi a bienal da procura pelo preço baixo — define Daniela Kfuri, diretora de marketing e de vendas da editora. — O momento é de crise, muitas pessoas fotografando o código de barra dos livros para pesquisar o preço depois. Elegemos alguns produtos para promoção, que alavancaram o giro no estande e as vendas de outros produtos.

Em um ambiente de crise, o aumento pela busca de promoções é natural, acredita a vice-presidente do Snel, Mariana Zahar. Ela acredita que a Bienal se mostrou um termômetro da “retomada para as empresas”.

— O mais importante é que haja mais pessoas querendo ler — diz ela. — O objetivo principal da Bienal é a ampliação do público leitor.

Como ler mais na era Netflix

1
(stray_cat/iStock)

(stray_cat/iStock)

Se você gosta de ler, está com uma pilha de livros muito bons à sua espera, mas não consegue fazer a fila andar, este post é para você.

Pâmela Carbonari, na Superinteressante

Sempre desconfiei de leitores a jato.

“Ah, mas eu li Grande Sertão Veredas em uma noite”. Não, você não leu as 600 páginas de Guimarães Rosa em menos de 24 horas. Essa não cola, amigo. Você pode ter olhado para as 600 páginas, mas não leu. Ou melhor, pode até ter lido alguma coisa entre as 600, mas tenho minhas dúvidas sobre o que conseguiu processar da história de Riobaldo.

Não sou uma leitora a jato por princípios: quero que a leitura me dê a oportunidade de me apegar ao enredo, sonhar com os personagens, ter vontade de viajar para o local onde se passa a história, pesquisar sobre o autor, suas inspirações. Mas, admito, talvez um pouco do meu ceticismo seja inveja. No fundo, gostaria de ler 600 páginas em uma madrugada (se fosse em uma semana já ficaria realizada).

Quando descobri que a Agatha Christie costumava ler 200 livros por ano, minha primeira reação foi relativizar “ah, mas no início do século XX não existia internet”. (Segure o queixo: no Brasil, a média de leitura por pessoa é de 4,96 livros por ano, segundo a última edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil). Por supuesto que a rainha do mistério era e continuaria sendo uma leitora a jato com ou sem distrações pós-contemporâneas, porque dela eu não duvido – apesar de ter aprendido justamente com ela a desconfiar sempre. Mas para cumprir sua meta de leitura anual, é preciso ler quatro livros por semana. E se cada livro tiver em média 300 páginas, serão 1.200 páginas em sete dias, sendo 171 por dia. Difícil, mas humanamente possível.

Comecei a pensar no que costumo fazer no meu tempo livre. E por tempo livre leia-se tempo gasto no transporte público, na sala de espera do consultório, jogada no sofá enquanto espero minhas roommates saírem do chuveiro — não apenas o tempo livre institucionalizado como o domingo à tarde, as noites no bar ou as férias. Lembrei dos minutos em que desço a barra lateral do Facebook rumo ao nada, a sensação desesperadora de olhar para o relógio e ver a multiplicação daquele tempo resultar em absolutamente nada. É como se um dementador tivesse sugado aqueles instantes da minha vida. Irreversível.

E não se trata de procrastinação. Se deixa para depois a louça na pia, a fatura da luz, o relatório da faculdade, não se procastina um brigadeiro, um beijo, uma cerveja com os amigos. Se o hedonismo não é procastinável, por que a leitura deveria ficar para trás na lista de prazeres?

Eis aqui algumas dicas para ler mais mesmo quando incluem você em mais três grupos de WhatsApp, publicam as fotos de uma festa ou quando a Netflix atualiza a lista de filmes:

– Use os números a seu favor

Quem é você na fila da leitura: a Agatha Christie ou um brasileiro médio? Não há nada de errado na quantidade de livros que você decidir ler – já assumi aqui, com lágrimas nos olhos, não ser uma leitora a jato, então sem julgamentos.

Mas ter uma meta é um bom ponto de partida para conseguir cumpri-la. Se forem 24 livros em um ano, serão 2 livros por mês, um livro a cada duas semanas. E, assumindo uma média de 300 páginas por livro, equivale a 20 páginas por dia. Então saiba quantos momentos em um dia normal você realmente consegue ler: se for no transporte público e antes de dormir, estabeleça um número de páginas aproximado para cada uma dessas etapas.

É importante também conhecer seu tempo médio de leitura: caso você leia uma página a cada 2 minutos, vai levar 20 minutos para ler 10 páginas e 40 para concluir sua meta diária. Feito isso, tente fazer uma lista das suas leituras, assim você vê quantos faltam, se o seu método está dando certo e, no futuro, saber em qual ano você leu o quê. Não é porque você gosta de ler que algumas contas vão te matar. Prometo!

– Hierarquia

Se existe uma palavra na língua portuguesa que eu não gosto é essa, mas, em se tratando de hábitos de leitura, ela pode ser bastante útil.

Sabe aquela série que você não sabe por que continua assistindo? É boazinha, mas não se compara a Girls ou Game of Thrones. Pois é nessa série que você perde o tempo que poderia estar sendo aproveitado com boa literatura – ou nem tão boa assim (sou partidária de guilty pleasures, esse é assunto para um próximo post). Falando desse jeito parece um argumento que meus pais usariam quando me mandavam fazer tema de casa. Mas não é, e também não é uma competição livros versus televisão. É lógica pura, hierarquia de prazeres.

Você gosta de ler, certo? Há uma pilha de livros esperando por você? Esses livros são bons? Você quer ler todos ou a maioria deles? Então por que está perdendo tempo com enredo meia boca? Se existir uma boa razão, vá em frente. Se não, sugiro abrir um desses livros da pilha.

– Tecnologia a seu favor e o universo analógico também

Já faz um bom tempo que os livros deixaram de ser dispositivos absolutamente analógicos. E-books podem não ser uma unanimidade entre os leitores, mas são o suprassumo da praticidade literária e têm ótimas ferramentas de busca – uma benção para ler em idiomas que não dominamos ou buscar significados de palavras no nosso próprio idioma.

Mas e quando você está lendo um livro físico, de papel e se depara com uma palavra desconhecida? Saca o smartphone e busca. Simples, né? Mais ou menos. Quem é refém de notificações sabe que aquela desbloqueada de celular vai se multiplicar em olhar as contas no Facebook, Instagram, Snapchat, e-mail e se transformar em mensagens para sua irmã, para os amigos do trabalho e, talvez, virar até um “oi sumido”. A palavra desconhecida, coitada, fica atrás de tudo isso.

Se você tem consciência dessa condição inquieta, deixe a tecnologia de lado enquanto lê (aka sem Wi-Fi). Não tem por que não abrir mão da facilidade high-tech um pouquinho e recorrer ao dicionário em troca de um pouco de foco. Ler é uma atividade que exige atenção. Vai deixar uma corrente motivacional do grupo da família desconcentrar você?

– Amigo leitor

Amigo de verdade é amigo que lê junto.

Aliás, nem precisa ser tão amigo assim para ler em grupo – se for alguém que pensa diferente de você, melhor ainda. O importante é ler o mesmo livro e estar disposto a conversar. Porque literatura não é como matemática que cada um tem que chegar em um resultado comum ao fim da equação para estar correto. É o oposto disso, não existe certo e errado. É absorver o enredo de maneira distinta, sentir afeição por um ou outro personagem, perceber a construção da narrativa de formas diferentes e processar todo o conjunto de uma obra a partir de vivências muito particulares. É nessa subjetividade que mora a beleza da literatura. Dialogar, trocar experiências e impressões sobre o mesmo livro além de motivar a leitura, pode fazer você abrir os olhos para coisas que não perceberia se lesse sozinho.

E você, tem algum truque para fazer sua lista de leituras andar mais rápido? Deixe aqui nos comentários! Quem sabe a sua dica não vira um tema de um próximo post do Literal?

‘Dar aula é como encher uma laje por dia’, diz professora da periferia de SP

0

Everly Gonçalves foi bancária e leciona há 11 anos no ABC Paulista.
‘Queria trabalhar com gente, não com número ou metas’, afirma ela.

Everly Gonçalves leciona em uma escola em uma região carente do ABC Paulista (Fotos: Victor Moriyama/G1)

Everly Gonçalves leciona em uma escola em uma região carente do ABC Paulista (Fotos: Victor Moriyama/G1)

Vanessa Fajardo, no G1

Na aula de artes da professora Everly Hortolan Gonçalves, de 45 anos, todo mundo tem de participar das atividades – e fazer as provas. “Tem aluno que fala: nunca vi prova em artes. Eu digo: está vendo agora.” Formada em artes e em pedagogia, Everly leciona há 11 anos na escola estadual Palmira Grassiotto Ferreira da Silva, em São Bernardo do Campo (SP). Foi aprovada em dois concursos públicos e acumula dois cargos de professora, no período da manhã e da tarde, para alunos do segundo ciclo do ensino fundamental e do médio. É conhecida por promover eventos como o show de talentos na escola, em que até os estudantes mais tímidos mostram seus dotes artísticos.

A escola está no Parque São Bernardo, rodeada por uma região carente do ABC, e por inúmeras vezes foi roubada, pichada e depredada. Por volta de três anos, quando ainda não era cercada por muro de concreto, a quadra de esportes era sempre invadida impedindo que os alunos tivessem aula de educação física. Não consegue atingir as metas do Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp). A história da Palmira Grassiotto também ficou marcada pela morte de um professor em 2011. Ele foi atingido por um molho de chaves na cabeça jogado por um aluno e morreu dias depois por causa de um coágulo no cérebro – não se sabe se em decorrência do ato do aluno.

Nada disso, porém, abalou Everly na escolha em ficar na Palmira. “Apesar de estar em uma comunidade carente, aluno é igual em toda a escola. Em artes eu tenho a vantagem de trabalhar com outras linguagens, como música e teatro, e consigo trazer os alunos para perto de mim.” Leia a seguir mais uma das entrevistas do especial do G1 sobre o Dia do Professor.

G1 – Por que decidiu lecionar?
Everly Hortolan Gonçalves – Sempre gostei de dar aulas, mas era bancária, não ganhava mal, tinha filhos pequenos, só depois de um tempo fui fazer o que gosto. Acho que professor nasce professor. Fui bancária por oito anos, sempre procurei fazer bem meu trabalho, mas me faltava algo. Queria trabalhar com gente, não com número ou metas.

G1 – Já foi vítima de agressão, violência ou ofensa na sala de aula?
Everly Hortolan Gonçalves – Não, nunca. A gente sempre ouve relatos, mas eu mesma nunca passei por nada disso. Acho que o professor não pode ser o dono do saber, quando o aluno percebe que estamos aqui para aprender também, além de ensinar, eles se abrem e é possível entender o problema deles. Sabendo respeitar o aluno, ele vai te respeitar. Trabalhei em escolas de outros bairros, aluno é aluno em toda escola, o que muda é o grupo de professores, o gestor.

G1 – Em algum momento pensou em desistir?
Everly Hortolan Gonçalves – Me sinto completa como professora, apesar das dificuldades. Dar aula é como encher [fazer] uma laje por dia, a gente chega em casa moída, mas desistir jamais. Esta é a profissão mais gratificante que existe porque você pode fazer a diferença na vida dos alunos. Tive de passar em dois concursos para acumular dois cargos, mas aprendemos a não trabalhar pelo salário. Saí do banco para ganhar metade do que ganhava e trabalhar mais.

1

G1 – Sabemos das dificuldades como salário baixo, falta de estrutura, etc. O que a motiva na profissão?
Everly Hortolan Gonçalves – O desenvolvimento dos alunos. Eles chegam sem saber usar uma régua, com vocabulário pequeno. Hoje falam da materialidade da arte, sabem das características dos movimentos artísticos. Os alunos da comunidade que atendemos não têm família estruturada, muitas vezes a gente tem de ser mãe, psicóloga, fazer um trabalho individualizado. E a gente se afeiçoa, principalmente aos menores. Eles contam coisas para mim que não contam nem para os pais. Às vezes o aluno não conhece a mãe, o pai está preso, há problema de uso de álcool na família. Temos de saber a realidade de cada um. Se é possível? A gente tenta. Em uma escola da rede particular, por exemplo, seria mais fácil, mas gosto de desafio. Professores têm de gostar de desafio.

G1 – Vale a pena ser professor?
Everly Hortolan Gonçalves – Sim, acho que é um dom. A pessoa que nasce professor não desiste. Não me vejo fazendo outra coisa. Ter contato com criança é o que eu gosto de fazer. E me sinto muito realizada quando encontro ex-alunos que falam que resolveram estudar arquitetura, design e se lembram das minhas aulas.

Go to Top