Matheus Ferreira, no Geek Publicitário

Infelizmente muitas autoras fizeram história na literatura, mas não puderam publicar suas obras com seus próprios nomes, e acabaram recorrendo a pseudônimos masculinos para serem levadas a sério em suas famílias, pela sociedade e também pelo mercado editorial na época.

A própria J.K. Rowling, escritora da saga best-seller Harry Potter já admitiu ter ocultado o “Joanne” de seu nome para poder ter seu primeiro livro publicado. Segundo os próprios agentes literários, seria melhor esconder do público-alvo de Harry Potter que a história havia sido escrita por uma mulher.

E com o intuito de homenagear e até, de alguma forma, reparar este equívoco histórico, a HP decidiu lançar o projeto Original Writers, que recriou as capas de alguns desses livros com os nomes originais de suas autoras com o intuito de dar uma nova perspectiva para os trabalhos destas mulheres.

Na etapa inicial do projeto foram sete obras de sete escritoras do século 19 e do começo do século 20. Histórias que acabariam se perdendo no tempo agora podem ser contadas como de fato aconteceram. George Sand dá lugar à Amandine Dupin na capa de “Valentine”; Fernán Caballero se revela Cecilia B. Larrea em “La Gaviota”; Raoul de Navery se mostra Eugénie-Caroline Saffray em “A Filha do Bosque”; George Eliot é, na verdade, Mary Ann Evans em “How Lisa Loved the King”; Vernon Lee se torna Violet Paget em “The Spirit of Rome”; sai André Léo e entra Victory L. Béra em “Les Deux Filles de Monsieur Plichon” e, por fim, Pierre de Coulevain aparece como Jeanne Philomène Laperche em “Eve Triumphant”.

 

As obras estão inteiramente disponíveis (capa e páginas internas) para serem lidas, baixadas e impressas gratuitamente na plataforma do projeto. No site também é possível ler breves resumos sobre as trajetórias de vida das autoras, chamando a atenção ao contexto em que os seus livros foram publicados. As obras sem edição em Língua Portuguesa preservam a sua originalidade, sendo mantidas no idioma de suas primeiras edições.