Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Ossos

Conto esquecido de Samuel Beckett vai ser publicado em abril

0

Publicado por Folha de S.Paulo

Um trabalho inédito de Samuel Beckett, rejeitado como um “pesadelo” pelo editor do escritor em 1933, aparecerá nas livrarias no próximo mês.

O conto “Ossos do Eco”, escrito na intenção de ser a 11ª e conclusiva história na coletânea inicial de Beckett “More Pricks than Kicks”, será publicado individualmente pela Faber & Faber em 17 de abril, com uma longa introdução do estudioso da obra do escritor Mark Nixon, anunciou a editora nesta segunda-feira (31).

Nixon, estudioso de literatura moderna na Universidade de Reading, que abriga a mais extensa coleção de trabalhos de Beckett, afirmou que a história de 13.500 palavras deve interessar mais gente do que apenas especialistas no escritor.

“É bem escrito. É um símbolo de um jovem muito inteligente escrevendo muito no molde da ficção experimental modernista da época”, disse Nixon em uma entrevista por telefone.

O escritor Samuel Beckett  - Divulgação

O escritor Samuel Beckett – Divulgação

“Você pode ver a influência de James Joyce na história, na qual Beckett usa temas e estilos e referências de várias fontes diferentes.”

Nixon disse entender o motivo do então editor de Beckett, Charles Prentice, da editora Chatto & Windus, rejeitar o conto.

Em um bilhete de novembro de 1933 a Beckett, que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1969 e morreu em 1989, Prentice escreveu: “Querido Sam, isto é um pesadelo… ‘Ossos do Eco’ iria, tenho certeza, provocar a perda de muitos leitores.”

Nixon afirmou que apesar de as histórias do escritor geralmente serem estranhas, esta é ainda mais estranha, tendo como personagem principal uma pessoa que retorna do túmulo.

“É por isso que publicamos essa edição com uma longa introdução”, disse Nixon, acrescentando que a decisão de publicar “Ossos do Eco” separadamente ocorreu porque “More Pricks and Kicks” já teve seu momento por todos esses anos.

Nixon explicou que o conto provavelmente foi esquecido por Beckett, que centrou sua atenção a outros trabalhos. Mas duas cópias foram preservadas, em arquivos do Dartmouth College em New Hampshire e na Universidade do Texas, em Austin.

O estudioso afirmou não ter conhecimento de outras histórias esquecidas de Beckett aguardando publicação, mas disse que há planos em andamento para publicar um diário que o escritor manteve em uma viagem de seis meses pela Alemanha nazista entre 1936 e 1937.

Promoção: “Sombra e ossos”

7

Sombra_130613.indd

Alina Starkov nunca esperou muito da vida. Órfã de guerra, ela tem uma única certeza: o apoio de seu melhor amigo, Maly, e sua inconveniente paixão por ele. Cartógrafa de seu regimento militar, em uma das expedições que precisa fazer à Dobra das Sombras – uma faixa anômala de escuridão repleta dos temíveis predadores volcras –, Alina vê Maly ser atacado pelos monstros e ficar brutalmente ferido. Seu instinto a leva a protegê-lo, quando inesperadamente ela vê revelado um poder latente que nunca suspeitou ter.

A partir disso, é arrancada de seu mundo conhecido e levada da corte real para ser treinada como um dos Grishas, a elite mágica liderada pelo misterioso Darkling. Com o extraordinário poder de Alina em seu arsenal, ele acredita que poderá finalmente destruir a Dobra das Sombras.

Agora, ela terá de dominar e aprimorar seu dom especial e de algum modo adaptar-se
à sua nova vida sem Maly. Mas nesse extravagante mundo nada é o que parece. As sombrias ameaças ao reino crescem cada vez mais, assim como a atração de Alina pelo Darkling, e ela acabará descobrindo um segredo que poderá dividir seu coração – e seu mundo – em dois. E isso pode determinar sua ruína ou seu triunfo.

Vamos sortear 3 exemplares de “Sombra e Ossos”, um dos livros mais aguardados do ano. Lançamento da Ed. Gutenberg!

Para participar é fácil:

* Faça o login
* Preencha os requisitos do aplicativo abaixo

O resultado será divulgado no dia 23/7 e os nomes dos ganhadores serão conhecidos aqui no post e no perfil @livrosepessoas.

Boa sorte! =)

a Rafflecopter giveaway

***
Atenção:

Os requisitos são:

– Tweet about the giveaway: é só clicar no botão “twitter” que será dado RT automaticamente em seu perfil. Quanto mais vezes clicar nesse botão, mais pontos vai fazer e aumentar as chances de ganhar o livro.
– Easy entry for all Ed. Gutenberg fan on facebook: Clique no botão para curtir a fan page da Gutenberg
– Easy entry for all TrilogiaGrisha fan on facebook: É só clicar no botão para curtir a fan page do Trilogia Grisha
– Easy entry for all Livros e Pessoas fan on facebook: É só clicar no botão para curtir a fan page do Livros e Pessoas
– Follow @gutenberg_ed on twitter: É só clicar no botão para seguir o perfil da Gutenberg
– Follow @livrosepessoas on twitter: Basta clicar no botão para seguir o perfil do Livros e Pessoas

Ler devia ser proibido

0

A pensar fundo na questão, eu diria que ler devia ser proibido. Afinal de contas, ler faz muito mal às pessoas: acorda os homens para realidades impossíveis, tornando-os incapazes de suportar o mundo insosso e ordinário em que vivem. A leitura induz à loucura, desloca o homem do humilde lugar que lhe fora destinado no corpo social.

Guiomar de Grammont, no site Vermelho

Não me deixam mentir os exemplos de Don Quixote e Madamme Bovary. O primeiro, coitado, de tanto ler aventuras de cavalheiros que jamais existiram, meteu-se pelo mundo afora, a crer-se capaz de reformar o mundo, quilha de ossos que mal sustinha a si e ao pobre Rocinante. Quanto à pobre Emma Bovary, tomou-se esposa inútil para fofocas e bordados, perdendo-se em delírios sobre bailes e amores cortesãos.

Ler realmente não faz bem. A criança que lê pode se tornar um adulto perigoso, inconformado com os problemas do mundo, induzido a crer que tudo pode ser de outra forma. Afinal de contas, a leitura desenvolve um poder incontrolável. Liberta o homem excessivamente. Sem a leitura, ele morreria feliz, ignorante dos grilhões que o encerram. Sem a leitura, ainda, estaria mais afeito à realidade quotidiana, se dedicaria ao trabalho com afinco, sem procurar enriquecê-la com cabriolas da imaginação.

Sem ler, o homem jamais saberia a extensão do prazer. Não experimentaria nunca o sumo Bem de Aristóteles: o conhecer. Mas para que conhecer se, na maior parte dos casos, o que necessita é apenas executar ordens? Se o que deve, enfim, é fazer o que dele esperam e nada mais?

Ler pode provocar o inesperado. Pode fazer com que o homem crie atalhos para caminhos que devem necessariamente ser longos. Ler pode gerar a invenção. Pode estimular a imaginação de forma a levar o ser humano além do que lhe é devido.

Além disso, os livros estimulam o sonho, a imaginação, a fantasia. Nos transportam a paraísos misteriosos, nos fazem enxergar unicórnios azuis e palácios de cristal. Nos fazem acreditar que a vida é mais do que um punhado de pó em movimento. Que há algo a descobrir. Há horizontes para além das montanhas, há estrelas por trás das nuvens. Estrelas jamais percebidas.

É preciso desconfiar desse pendor para o absurdo que nos impede de aceitar nossas realidades cruas.

Não, não dêem mais livros às escolas. Pais, não leiam para os seus filhos, podem levá-los a desenvolver esse gosto pela aventura e pela descoberta que fez do homem um animal diferente. Antes estivesse ainda a passear de quatro patas, sem noção de progresso e civilização, mas tampouco sem conhecer guerras, destruição, violência. Professores, não contem histórias, podem estimular um curiosidade indesejável em seres que a vida destinou para a repetição e para o trabalho duro.

Ler pode ser um problema, pode gerar seres humanos conscientes demais dos seus direitos políticos, em um mundo administrado, onde ser livre não passa de uma ficção sem nenhuma verossimilhança. Seria impossível controlar e organizar a sociedade se todos os seres humanos soubessem o que desejam. Se todos se pusessem a articular bem suas demandas, a fincar sua posição no mundo, a fazer dos discursos os instrumentos de conquista de sua liberdade.

O mundo já vai por um bom caminho. Cada vez mais as pessoas lêem por razões utilitárias: para compreender formulários, contratos, bulas de remédio, projetos, manuais, etc. Observem as filas, um dos pequenos cancros da civilização contemporânea. Bastaria um livro para que todos se vissem magicamente transportados para outras dimensões, menos incômodas. E esse o tapete mágico, o pó de pirlimpimpim, a máquina do tempo. Para o homem que lê, não há fronteiras, não há cortes, prisões tampouco. O que é mais subversivo do que a leitura?

É preciso compreender que ler para se enriquecer culturalmente ou para se divertir deve ser um privilégio concedido apenas a alguns, jamais àqueles que desenvolvem trabalhos práticos ou manuais. Seja em filas, em metrôs, ou no silêncio da alcova… Ler deve ser coisa rara, não para qualquer um. Afinal de contas, a leitura é um poder, e o poder é para poucos. Para obedecer, não é preciso enxergar, o silêncio é a linguagem da submisso. Para executar ordens, a palavra é inútil.

Alem disso, a leitura promove a comunicação de dores, alegrias, tantos outros sentimentos. A leitura é obscena. Expõe o íntimo, torna coletivo o individual e público, o secreto, o próprio. A leitura ameaça os indivíduos, porque os faz identificar sua história a outras histórias. Torna-os capazes de compreender e aceitar o mundo do Outro. Sim, a leitura devia ser proibida.

Ler pode tornar o homem perigosamente humano.

Guiomar de Grammont é mineira de Ouro Preto, historiadora, filósofa e escritora. Já publicou contos, antologias, livros sobre historiografia e o romance A casa dos espelhos.

Fonte: Trecho do livro, PRADO, J. & CONDINI, P. (Orgs.). A formação do leitor: pontos de vista. Rio de Janeiro: Argus, 1999. pp. 71-3.

Go to Top