Posts tagged páginas

10 livros para ler em janeiro e curtir o verão

0

(Foto: Pixabay)

Selecionamos lançamentos da literatura para você começar o ano com uma boa leitura

Giuliana Viggiano, na Galileu

Para quem curte aproveitar o verão para tirar o atraso nas leituras, poucas coisas são tão agradáveis quanto ler um bom livro à beira da piscina ou com vista para o mar. Pensando nessas pessoas — mas também em quem prefere aproveitar os dias quentes no ar-condicionado — separamos algumas indicações de leituras para o mês. Confira:

1. Posso pedir perdão, só não posso deixar de pecar, de Fernanda Young (LeYa, 160 páginas, R$ 45)
Após a primeira menstruação, a forma com que uma jovem vê o mundo muda radicalmente. Esse é o centro de Posso pedir perdão, só não posso deixar de pecar, primeiro livro escrito por Fernanda Young, aos 17 anos. A autora, que morreu no dia 25 de agosto de 2019, ficou conhecida por seu trabalho como roteirista de TV, escrevendo programas como “Os Normais” e “Minha nada mole vida”.

2. VHS: Verdadeiras histórias de sangue, de Cesar Bravo (DarkSide, 288 páginas, R$ 49,90)
A cidadezinha de Três Rios, no interior paulista, era um lugar um tanto sinistro entre os anos de 1985 e 1995. Dividido em contos, VHS conta algumas dessas histórias bizarras e assustadoras que ocorreram no período, deixando vestígios que assombram seus moradores até hoje.

3. Melpômene, de Heródoto (Edipro, 192 páginas, R$ 59,90)
Este livro é uma adaptação dos escritos de Heródoto, historiador grego que viveu entre 485 a.C. e 425 a.C. A obra traz informações sobre como era a vida no Império Persa, além de relatos sobre a cultura dos citas e dos líbios que viveram antes de seu tempo.

4. Um conto de Natal, de Charles Dickens (Antofágica, 312 páginas, R$ 49,90)
Há quem diga que esta obra de Charles Dickens criou o Natal como o conhecemos hoje. Publicado em 1843, o livro conta a história de Scrooge, um homem avarento que vê a data comemorativa como um desperdício de tempo e dinheiro.

Isso muda quando, em uma noite natalina, o fantasma de seu ex-sócio vem visitá-lo e conta que outros três espíritos aparecerão para apontar seus erros do passado, do presente e do futuro.

5. O milagra da manhã, de Hal Elrod (BestSeller, 400 páginas, R$ 59,90)
Neste livro, o norte-americano conta como sua rotina matutina o ajudou a superar as dificuldades que surgiram em sua vida após um acidente de carro que o deixou paraplégico. Essa edição em particular conta com um diário, que permitirá ao leitor exercitar os ensinamentos aprendidos na obra.

(Foto: Pixabay)

6. Planeta dos insetos, de Anne Sverdrup-Thygeson (Matrix, 192 páginas, R$ 42)
A vida na Terra como conhecemos hoje só é possível graças a um grupo de animais que causa repulsa em muita gente: os insetos. Nesse livro, Sverdrup-Thygeson conta detalhes da vida desses seres vivos e explica como sua existência é essencial para a nossa sobrevivência.

7. A ilha do tesouro, de R. L. Stevenson (Antofágica, 368 páginas, R$ 69,90)
Jim Hawkins adora contos de marinheiros, mas, na hospedaria em que vive com seus pais, ele está longe de viver essas histórias na vida real — até agora. Pouco depois de um capitão se hospedar no local, um mapa do tesouro cai em suas mãos, e Hawkins não perderá a oportunidade de viver essa aventura.

A obra, publicada em 1883, é um clássico da literatura de ficção mundial. Nessa nova edição da Antogáfica, A ilha do tesouro é recontada com o auxílio de ilustrações, notas de rodapé e textos de apoio.

8. Meditações, de Marco Aurélio (Edipro, páginas 160, R$ 34,90)
Neste livro o leitor encontrará anotações pessoais feitas por Marco Aurélio, que governou o Império Romano entre os anos de 170 e 180. A obra permite compreender melhor o que se passava na cabeça de um cidadão da época — e de uma das figuras políticas mais notáveis da história.

9. A história de Jesus para quem tem pressa, de Anthony Le Donne (Valentina, 208 páginas, R$ 34,90)
Acreditando ou não na existência de Jesus, esta é uma leitura interessante para quem deseja conhecer mais sobre as diversas facetas dessa figura histórica. Além de contar os feitos do messias no Cristianismo, o livro traz informações sobre como outras culturas ao redor do mundo (como os vikings) lidaram com a figura de Jesus com o passar do tempo.

10. Tire do projeto do papel com Scrum, de Alexandre Magno (LeYa, 144 páginas, R$ 29,90)
Para quem curte negócios, esse livro é uma boa indicação. Nele, Alexandre Magno ajuda o leitor a compreender como funciona o método Scrum e a melhor forma de aplicá-lo no dia a dia.

5 livros incríveis de 2018 para ler em 2019

0

Marilia Marasciulo, na Galileu

O ano de 2018 foi de crise no mercado editorial brasileiro — de livrarias a grandes editoras, houve quem chegou a decretar falência. Mas isso não significa que foi um ano sem bons lançamentos de livros. Veja uma seleção para preparar a lista de leitura para o início do próximo ano:

Pequenos Incêndios Por Toda Parte, Celeste Ng (Intrínseca, 416 páginas, R$ 49,90)
O segundo romance da americana Celeste Ng ganhou uma edição em português em 2018. A história explora a relação de duas mulheres completamente diferentes, obrigadas a conviver quando seus filhos se tornam amigos. O livro vai ser adaptado para uma minissérie produzida por Reese Witherspoon (Big Little Lies) e Kerry Washington (Scandal).

As duas atrizes adaptarão o renomado livro para a televisão (Foto: Reprodução)

 

O Pai da Menina Morta, Tiago Ferro (TodaVia, 176 páginas, R$ 44,90)
Em seu romance de estreia, o paulistano escreve sobre a própria experiência com o luto de perder a filha de oito anos, vítima de uma doença aparentemente banal, a gripe H1N1. Sem se prender aos fatos ou acontecimentos reais, a história não deixa de ser dolorosamente real e explora a busca por uma vida normal após uma tragédia.

O Pai da Menina Morta é o romance de estreia do brasileiro Tiago Ferro (Foto: Divulgação)

 

O Sol na Cabeça, Geovani Martins (Cia das Letras, 120 páginas, R$ 34,90)
Outra estreia na literatura brasileira, o carioca narra em 13 contos a infância e adolescência de moradores de favelas, marcadas pela violência e discriminação racial. O escritor, que vem sendo considerado uma nova voz do realismo brasileiro, equilibra bem a linguagem e gírias típicas das comunidades do Rio de Janeiro com o português formal.

O Sol na Cabeça foi um dos livros nacionais mais comentados de 2018 (Foto: Divulgação)

 

Canção de Ninar, Leila Slimani (Tusquets, 192 páginas, R$ 46,90)
O livro, que rendeu à autora franco-marroquina o prêmio Goncourt, o mais prestigioso reconhecimento literário francês, é uma espécie de thriller com tema moderno: uma babá mata as duas crianças que deveria cuidar. Mas, ao contrário do que talvez seja o esperado, a narrativa cheia de tensão mostra que, no fundo, ninguém é inocente.

Canção de Ninar é um premiado thriller literário internacional (Foto: Divulgação)

 

Semente de Bruxa, Margaret Atwood (Morro Branco, 352 páginas, a partir de R$ 35)
A autora de O Conto da Aia, que virou sensação após ser adaptado para uma série de TV, reconta o clássico A Tempestade, de William Shakespeare. Na história, um diretor de teatro fracassado decide montar a peça shakespeariana com presos canadenses, ao mesmo tempo em que planeja uma vingança contra os políticos responsáveis pela decadência de sua carreira.

Da mesma autora de O Conto da Aia, livro traz versão de A Tempestade, de Shakespeare (Foto: Divulgação)

6 Dicas para ler mais e muito mais rápido

0

Leonardo Filomeno, no Manual do Homem Moderno

Sabia que a escritora Agatha Christie lia 200 livros por ano? E que o presidente dos EUA Theodore Roosevelt tinha como costume ler um livro por dia? Até mesmo o Mark Zuckerberg, criador do Facebook, termina um volume a cada duas semanas?

Você não precisa ser um leitor voraz desse tipo, mas pode incorporar mais o hábito de leitura na sua vida. Você deve estar se perguntando: mas por que eu deveria fazer isso? Porque vai trazer consigo grandes melhorias na sua vida. Se liga nos principais benefícios: – Melhorar o funcionamento do seu cérebro, aumentando as conexões neurais; – estimula sua criatividade, deixando você mais inteligente, melhora sua escrita e vocabulário; – Incita o senso crítico; – Provoca empatia. Se você já ficou convencido com os motivos pelos os quais deveria incorporar o hábito de leitura na sua vida, com ajuda do Clube de Assinatura TAG, confira algumas dicas para ler mais e muito mais rápido!

1. Reserve um tempo no dia para ler (e pratique)

Não fique esperando a hora certa para ler, faça da leitura uma tarefa comum no seu dia. Isso funciona para quem não é tão fã de leitura, sempre vai aparecer uma série, um filme ou um jogo mais legal do que parar e começar a ler. Deixar para o momento ideal pode não acontecer, assim como reservar para momentos antes de dormir. Aqui, com seu cansaço de um dia inteiro, é fácil se perder entre as letras e pegar no sono, abandonando aquele livro que você queria ler. Dedicar uma parte do começo da manhã pode ser uma boa. Deixe de lado aquele tempo em que você gasta nas redes sociais para ler alguns capítulos.

2. Tenha mais livros disponíveis para ler do que consegue

Tudo bem se você tiver mais livros do que conseguiria ler, faz parte da construção do hábito. Ter em mãos opções diferentes de leitura pode fazer você ganhar o gosto por aí. Pode pegar livro emprestado, comprar que, a probabilidade de você encontrar um volume que se encaixe com sua vibe é muito maior.

3. Tenha um Clube de assinatura de livros

Se você não sabe por onde começar a ler, a dica que nós damos é ter o Clube de Assinatura de livros TAG. Com ele, todos os meses um curador indica um livro surpresa, em edição exclusiva, que não são encontradas para a venda em livraria ou um grande best-seller ainda inédito no Brasil. Dessa forma, você vai ter a certeza de que terá, pelo menos, um bom livro para ler todo mês. Hoje, o clube já conta com mais de 35 mil assinantes em todo o Brasil.

4. Leia mais de um livro por vez

É legal ter foco, mas a flexibilidade pode também ser aplicada à leitura. Muitas vezes ficamos com um livro difícil que nos trava e isso compromete todo fluxo de leitura. Por isso, aposte em duas ou três opções de áreas e estilos diferentes para ler mais. Alguns mais densos, outros mais leves. Isso vai fazer você ter mais volume de leitura de páginas ao longo dos dias.

5. Comprometa-se a ler um número fixo de páginas antes de desistir de um livro

Tem muita gente que desiste do livro logo no capítulo inicial. Às vezes é porque o início da história pode ser mais difícil e enfadonho, outras vezes por que você precisa se adaptar com a linguagem de época, no caso dos clássicos da literatura. A narrativa pode demorar para te envolver, por isso, sugerimos adotar a regra das 50 páginas (ou algo menor, em volumes mais enxutos). Esse tempo de leitura vai fazer você perceber que a história se desenvolveu o suficiente para você ficar atraído ou não por ela. Assim, vai poder abandonar o teste do livro sem culpa.

6. Carregue sempre um livro com você

Preciso revelar que algo comum que sempre acontecia comigo quando eu não levava um livro junto: eu tinha sempre aqueles momentos de espera e ostracismo que poderia ser recheado com leitura. Perdi a conta de quantos livros já li em transporte público, na sala de espera de consultas médicas, hora de almoço e intervalos. Se você tem um livro em mãos nesses momentos livres, é mais fácil você voltar para a leitura e deixar redes sociais, programas de músicas de lado.

6 motivos para ler livros de papel – com base no que diz a ciência

0

(Hemera Technologies/Thinkstock)

 

Do vocabulário à memória, a leitura traz bem-estar. E os resultados são melhores quando você lê livros à moda antiga.

Raquel Drehmer, no M de Mulher

E-books são práticos e ocupam um mínimo de espaço, audiobooks facilitam a vida de quem não consegue se dar o tempo necessário para parar e ler. Mas os livros de papel, mesmo não tendo estas conveniências todas, têm seu charme e ainda cativam muita gente.

E tem mais: estudos acadêmicos indicam que manter o hábito de segurar um livro à moda antiga e lê-lo virando as páginas, voltando para recapitular algum detalhe e sentindo aquele cheirinho de papel traz muito bem-estar.

Vamos a oito motivos científicos para não abandonar os velhos e bons livros de papel.

Ler livros de papel aumenta o vocabulário…

Um estudo conduzido pela Universidade da Califórnia (EUA) mostrou que leitores de livros de papel assimilaram 50% mais palavras novas do que os leitores das mesmas obras em e-book. Paralelamente, observou que as crianças que têm o interesse por livros infantis estimulado pelos pais conseguem construir frases completas mais cedo que as crianças que só veem TV.

… E evita o desgaste da memória

Assim como fazer atividades físicas trabalha os músculos e o sistema cardiovascular, ler exercita o cérebro. E, em vez de músculos definidos, o que se nota é a memória preservada. Pesquisadores da Universidade Tufts (Massachusetts, EUA) acompanharam por cinco anos voluntários que tinham acabado de entrar na terceira idade e constataram que os que mantiveram o hábito de ler livros e jornais de papel não tiveram perda de memória como aqueles que simplesmente deixaram a leitura de lado.

Ler também é um aliado na luta conta o Alzheimer

Oito professores da Case Western Reserve University (Ohio, EUA) analisou que idosos com os hábitos de ler, jogar xadrez ou montar quebra-cabeças têm 2,5 vezes menos risco de desenvolver Alzheimer do que aqueles que optam por ficar apenas em frente à TV.

Poder virar as páginas do livro ajuda na compreensão da história

Quem lê e-books tende a passar por cima de pedaços da história que não tenha entendido, alegadamente por preguiça de rolar a tela até encontrar o que tenha ficado no ar, enquanto os leitores de livros de papel não apenas voltam às páginas que ajudem a entender algo como também fazem anotações por escrito para fixar ainda melhor algum detalhe. Esta foi a conclusão de pesquisadores da Universidade de Karlstads (Suécia) após acompanhar o comportamento de leitura de 232 alunos voluntários.

Livros de papel ajudam a relaxar

Chegar em casa, tomar um banho e começar a ler um livro de papel x chegar em casa, tomar um banho e ir para a frente da TV: o que será melhor para relaxar? De acordo com um estudo da Universidade de Sussex (Reino Unido), a primeira opção funciona melhor para 68% da população. Os neuropsicólogos que desenvolveram a pesquisa entenderam que mergulhar na ficção ajuda na produção de hormônios do prazer (endorfina e dopamina), enquanto assistir à TV eleva os níveis de estresse.

Crianças que veem adultos lendo livros de papel gostam mais de ler

Quer que seus filhos gostem de ler? Leia livros de papel perto deles. Um estudo da Universidade de Montreal (Canadá) cravou que 75% das crianças que têm o exemplo de pais leitores em casa tomam a iniciativa de procurar livros para elas, seja em bibliotecas ou em lojas. Aproveite esses momentos de leitura em família para incentivar que os pequenos contem as histórias que estão acompanhando nos livros; além de ser uma ótima técnica de união, trabalha a oratória deles.

Livros de direitos humanos são rasgados na biblioteca da UnB

0

Livros de direitos humanos da Biblioteca Central da UnB são encontrados rasgados — Foto: Arquivo pessoal/divulgação

Ao todo, sete publicações foram danificadas em páginas que falam sobre o ‘fim da ditadura’ e a ‘luta por direitos’. Servidores vão levar caso à Polícia Federal.

Marília Marques e Letícia Carvalho, no G1

Livros que contam a história da “luta por direitos humanos” no Brasil foram rasgados na biblioteca central da Universidade de Brasília (UnB). Segundo um servidor do departamento, ao todo, sete obras foram danificadas. O material será levado para a Polícia Federal.

O bibliotecário responsável pela reposição do estoque de livros afirmou, nesta quinta-feira (4) ao G1, que os danos “são muito característicos” e foram identificados em, pelo menos, sete exemplares. O funcionário preferiu manter a identidade em sigilo “por medo de ameaças”.

A temática dos livros danificados também chamou a atenção dos servidores. Foram quatro edições da área de direitos humanos, um sobre a história do movimento pagão na Europa e, os demais, da seção de belas artes, sobre o renascimento.

Em nota, a administração da UnB afirmou que vai pedir a abertura de uma investigação para apurar as circunstâncias dos danos e identificar os responsáveis. O comunicado diz que a universidade “repudia quaisquer atos de vandalismo”.

Detalhe de livro de direitos humanos da Biblioteca Cenntral da UnB que foi encontrado rasgado — Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

Pistas

Mesmo com a situação tendo sido percebida desde o início do ano, os servidores da biblioteca disseram que só passaram a suspeitar da semelhança entre os casos a partir da reincidência dos danos. A maioria em livros específicos sobre direitos humanos.

Algumas das páginas rasgadas narram o fim do período da ditadura. Mostram, por exemplo, fotos da trajetória de luta social por mais direitos no país.

Os responsáveis pela biblioteca dizem que será difícil identificar o autor. As câmeras de segurança não mostram as estantes de onde foram tirados os livros e também não há cadastro de pessoas que entram ou saem do local.

Go to Top