Posts tagged páginas

Concurso Cultural Literário (114)

18

1140-20141006181752

VEJA UM TRECHO

Objetos cotidianos ganham vida e personalidade em Nova York nas mãos de artista francês

Um Batman feito de dobradiça enfrenta um ralador de queijo criminoso que atira pregos. Um Homem-Aranha de espátula de cozinha anda pelo metrô. Um Super-Homem de fole sobrevoa a cidade, enquanto King Kong com braços de chave de boca luta contra um pulverizador de inseticida que sobrevoa um arranha-céu, como ocorre no clássico do cinema. Essas e muitas outras cenas inusitadas acontecem nas ruas de Nova York em As pequenas coisas em Nova York.

Com muita criatividade, o ilustrador e escultor francês Gilbert Legrand dá vida e personalidade a objetos do cotidiano, como torneiras, trinchas, pincéis, utensílios de jardinagem e muito mais, transformando-os em simpáticos personagens, ambientados em diferentes situações e cenários desenhados a lápis que revelam a cultura e arquitetura da cidade.

Vamos sortear 2 exemplares de “As pequenas coisas em Nova York“, lançamento da Autêntica. #luxosó

Para concorrer, crie uma frase com as palavras Arte + Nova York. Se participar via Facebook, por gentileza deixe seu e-mail de contato.

Aproveite a oportunidade para curtir as páginas dos envolvidos nesta edição:

O resultado será divulgado dia 22/1 neste post.

Boa sorte! :-)

***

Parabéns: Giovana OliveiraLetícia Alencar.

Por gentileza enviar seus dados completos para [email protected] em até 48 horas.

Concurso Cultural Literário (113)

26

magmund

LEIA UM TRECHO

Magia, fantasmas, bruxas gnomos e muita aventura permeiam o romance juvenil O Portal de Magmund, do autor Marcos Baccarini, que chega às livrarias em novembro pela Editora Gutenberg. Com uma narrativa ágil e pontuada por elementos fantásticos, a obra promete conquistar os leitores pré-adolescentes, fãs de histórias como Percy Jackson e As Crônicas de Nárnia.

A obra já começa com um mistério: o desaparecimento do totem sagrado da cidade de ValaMares. Para complicar, o sumiço é acompanhado por uma preocupante lenda, que prenuncia a chegada do Duocáptero, um temível dragão de duas cabeças que virá de um mundo chamado Magmund, deixando pânico e destruição em seu rastro de fogo.

Marcos Baccarini tem um jeito clássico de contar histórias, ressaltando as virtudes dos personagens, que precisarão a todo instante se unir para enfrentar os perigos. O Portal de Magmund é o livro de estreia do autor e promete encantar meninos e meninas que gostam de uma boa aventura.

Vamos sortear 3 exemplares de “O Portal de Magmund“, lançamento da Gutenberg.

Para concorrer, mencione na área de comentários quantos livros pretende ler em 2015. #PromessaDeAnoNovo

Se participar via Facebook, por gentileza deixe seu e-mail de contato.

Aproveite a oportunidade para curtir as páginas dos envolvidos nesta edição:

O resultado será divulgado dia 20/1 neste post.

Boa sorte… e boas leituras em 2015! :-)

***

Parabéns aos ganhadores: Laiza Zacarias, Availton Corino e Nael Nunes Pereira.

Por gentileza enviar seus dados completos para [email protected] em até 48 horas.

Fim de ano, livros novos

0

Marcelo Rubens Paiva, no Pequenas neuroses contemporâneas

Prepare o bolso.

Muitos lançamentos neste fim de ano.

Parece que as editoras reservaram o melhor para o fim.

Cia das Letras lança no Brasil enfim MIDDLESEX, livro de JEFFREY EUGENIDES, para completar a trilogia, escritor que a crítica brasileira não lê e não gosta, um dos meus favoritos, que lança 1 livro por década [VIRGENS SUICIDAS, TRAMAS DO CASAMENTO]. O livro com o que ganhou o PULITZER de 2003.

TRECHO: “Nasci duas vezes: primeiro como uma bebezinha, em janeiro de 1960, num dia notável pela ausência de poluição no ar de Detroit; e de novo como um menino adolescente, numa sala de emergências nas proximidades de Petoskey, Michigan, em agosto de 1974.”

1

Lançado A BALADA DE ADAM HENRY, de Ian McEwan, deste todo mundo gosta, o melhor escritor inglês em vida. Livro novo!!! Sobre o amor de uma juíza e um réu anos mais jovem.

1

REINALDO MORAES, o escritor que a maioria dos escritores brasileiros queria ser, lança CHEIRINHO DO AMOR.

1

CHICO BUARQUE, o “autor” brasileiro de maior prestígio no mercado, e que para mim se firmou no último livro, LEITE DERRAMADO, lança O IRMÃO ALEMÃO. Desperta curiosidade, vai…

LAIS BODANZKY e LUIS BOLOGNESI contam suas experiências de anos exibindo filmes na perifa.

1

O autor novato MÁRCIO MARANHÃO, médico que bate ponto nas “comunidades” cariocas da zona norte, surpreende no livro SOB PRESSÃO, falando do dia a dia na emergência de hospitais, livro cujos direitos já são disputados para virar série de TV.

NELSINHO MOTTA comemora os 70 anos, e devemos comemorar junto com ele, lendo suas delícias em AS SETE VIDAS DE NELSON MOTTA

E, claro, o hit do ano, GRAÇA INFINITA, a tradução brasileira enfim de INFINIT JEST, de FOSTER WALLACE. A revista piauí deste mês trouxe uma palhinha, com um texto de brinde do tradutor CAETANO GALINDO. São mais de mil imperdíveis páginas. Livro para ler na cadeia, com hepatite ou numas férias prolongadas.

1

Concurso Cultural Literário (108)

30

uc_gg

Pense no casamento como uma montanha, cujo topo é o alvo de todo casal: a consolidação de um lar equilibrado, marcado por plenitude e paz. Para esse lar funcionar perfeitamente, é preciso aceitar o desafio de escalar a montanha, enfrentando e vencendo cada etapa rumo ao objetivo final. As dificuldades vêm e todo casal enfrenta momentos de tensão.

O casamento não é simplesmente um ato a ser consumado, mas um percurso em que os cônjuges são trabalhados e aperfeiçoados, a fim de que, juntos, obtenham harmonia, entendimento, alegria e satisfação. Logo, os obstáculos devem ser vistos como etapas necessárias da caminhada. Afinal, todos sonham com a felicidade conjugal. Ninguém se casa para ser infeliz, e um casamento fracassado é uma das piores frustrações na vida.

Vamos sortear 3 exemplares de “Unidos pelo casamento“, lançamento da Mundo Cristão.

Para participar, basta mencionar na área de comentários o nome do seu cônjuge (ou futuro marido/esposa). A leitura deste livro certamente vai fortalecer o relacionamento de vocês.

Se usar o Facebook, por gentileza informe seu e-mail de contato.

Aproveite a oportunidade para curtir as páginas dos envolvidos nesta edição:

O resultado será divulgado dia 9/12 neste post.

Participe! :-)

***

Parabéns aos ganhadores: Vitor CidAntonio Igor Pereira SantosSonilde Duarte.

Por gentileza enviar seus dados completos para [email protected] em até 48 horas.

 

10 livros que vão te dar vontade de fazer as malas e desbravar o mundo – Parte 2

0

Publicado por Nômades Digitais

“O mundo é um imenso livro do qual aqueles que nunca saem de casa lêem apenas uma página”. A frase é de Agostinho de Hipona e é um bom ponto de partida para o que aqui queremos mostrar. Ainda que ela nos lembre que não basta ler – é preciso ir -, porque não existem duas viagens iguais (como não existem dois seres humanos ou dois lugares desse imenso livro exatamente iguais), ela faz uma analogia que nos lembra que ler é uma forma de viajar. Pelo menos na nossa mente. E essa já é uma viagem imperdível.

Há uns meses, reunimos 10 livros que dão vontade de desbravar o mundo, mas qualquer leitor e/ou viajante atento deve saber que não existem apenas 10. Aliás, se tentássemos reunir todas as obras que tocam aquela parte da mente onde guardamos planos de viagens, a sensação da descoberta, acompanhada da brisa do mar, do calor de uma tarde de verão ou das pessoas que nunca tínhamos visto antes, mas que nos abrem um sorriso fácil no primeiro contato, precisaríamos criar um novo site só para isso.

Confira as nossas novas sugestões para você viajar sem necessariamente sair de casa:

1. “A arte da viagem”, de Paul Theroux
Vem em primeiro porque é mais do que um livro de viagens: é a própria literatura de viagens condensada em uma só obra. Paul Theroux é, possivelmente, o mais consensual escritor vivo deste gênero literário e oferece desta vez uma viagem dentro da viagem, um roteiro de histórias, autores, citações e situações singulares sobre a arte de botar o pé na estrada. Aqui o medo e a adrenalina dão lugar ao espírito curioso do leitor, que ao invés de entrar nos cenários de um determinado lugar, transita entre o que há de mais importante em sair do lugar a que chamamos casa. Um conjunto de histórias, lançados para celebrar os 50 anos de viajante do autor, e em que ele nos dá a lição dos 10 mandamentos da viagem: “1. Sair de casa; 2. Ir sozinho; 3. Viajar leve; 4. Levar um mapa; 5. Ir por terra; 6. Atravessar a pé uma fronteira nacional; 7. Fazer um diário; 8. Ler um romance que não esteja relacionado com o local onde se está; 9. Se tiver de levar um celular, evitar usá-lo; 10. Fazer um amigo”.

Foto 1 © DR/William Furniss; Foto 2 © Quetzal

Foto 1 © DR/William Furniss; Foto 2 © Quetzal

2. “Na Natureza Selvagem”, de John Krakauer
Quando fizemos a primeira lista e não incluímos uma das obras maiores de Krakauer, o mundo (ou a caixa de comentários) ficou indignada com a gente. A explicação: havíamos feito dias antes uma lista de filmes onde a adaptação ao cinema deste livro, feita por Sean Penn, era atração principal. Mas admitimos – não dá pra fazer uma lista de livros de viagens sem incluir um dos que mais inspirou os novos viajantes, muitos dispostos a seguir a filosofia de Christopher McCandless, deixando pra trás empregos, bens e ideias pré-concebidas sobre sociedade, sem destino e com a natureza como fim.

McCandless tinha 22 anos quando se entregou ao único desafio que realmente o interessava, mas hoje, passados precisamente 22 anos sobre esse abril de coragem mil, são muitos e de todas as idades os que não resistem ao apelo de uma viagem sozinho.

Foto via

Foto via

3. “As Mulheres do Meu Pai”, de José Eduardo Agualusa
Escritor angolano, Agualusa tem a capacidade de fugir aos lugares comuns quando falamos de África, da selva à pobreza. Elas estão lá, existem, mas a África de Agualusa é mais do que isso. O poder das mulheres e a musicalidade do povo e das ruas, mesmo em meio ao caos, são destaque numa obra guiada por uma filha em busca dos lugares (e das mulheres!) pisados pelo pai. Faustino Manso é um famoso compositor angolano falecido e um homem com uma relação peculiar com o sexo oposto. Pai de 18 filhos, deixou sete mulheres viúvas. A mais nova das filhas, Laurentina, é quem nos leva da capital angolana, Luanda, até ao outro extremo, em Maputo, Moçambique, atravessando a África Austral com paragens na Namíbia e África do Sul. Pelo meio, um enredo de personagens complexo e cenários que prometem dançar na sua mente durante muito tempo.

Foto via

Foto via

4. “Noturno Indiano”, de Antonio Tabucchi
Não é fácil visitar a Índia e sair ileso. Por isso, caro leitor, se prepare para um choque de realidade com a narrativa do italiano Tabucchi. Ele, narrador e personagem, em busca de um amigo perdido, que não vê há anos, pode facilmente passar de um hotel de luxo para um quarto na beira da estrada (ou para a própria beira da estrada) e ainda assim não estar preparado para a “moldura” de miséria humana que vai encontrar. Em Bombaim ou em qualquer outra parte desse país de excessos, o narrador descreve 12 noites, 12 pontos diferentes da Índia, cada um com seus infinitos recantos, e nos oferece uma carga de suspense que achavamos só ser possível em policiais.

Foto via

Foto via

5. “De vagões e vagabundos – Memórias do submundo”, de Jack London
O autor norte-americano Jack London é outro clássico da literatura que parece levar a adrenalina colada a cada página. Nesta obra, que foi entretanto reeditada no Brasil com o título de “A Paixão pelo Socialismo”, em que se juntam outros textos, London vagueia pela própria juventude, marcada pela pobreza e pela ideia de sobrevivência. O texto tem muito de autobiográfico e percorre o submundo americano, os pobres e sem-teto que usavam a rede ferroviária em expansão no país como abrigo itinerante.

London era um dos que subia em trens de carga, em imagens que percorrem a mente de vários viajantes de hoje, ainda que em muito melhores condições do que aquelas que o autor nos descreve. “Deixando de lado os possíveis imprevistos, um bom vagabundo, jovem e ágil, pode resistir até o fim num trem, apesar de todos os esforços da tripulação a bordo para “despejá-lo” – tendo é claro, a noite como condição essencial”.

Nota: se o tema te interessa, a reedição “A Paixão do Socialismo” junta outras histórias à experiência nos trens. O livro reúne reflexões sobre o capitalismo, a injustiça social e a pobreza de que London foi testemunha ao longo de seus 40 anos de vida.

Retrato do autor via

Retrato do autor via

6. “Nápoles 1944”, de Norman Lewis
Uma das melhores sugestões para quem quer entender o maior conflito do século XX, a Segunda Guerra Mundial, além de viajar por entre as descrições de quem a viveu. Norman Lewis serviu no Corpo de Inteligência Britânico na Itália entre o final do ano de 1943 e 1945 e, 30 anos mais tarde, lança uma obra onde relata suas experiências no sul de Itália. Em Nápoles, Lewis toma contato com a devastação da guerra, a vulnerabilidade da condição humana, mas também a solidariedade que pode unir os homens, independente dos conflitos ou da cor dos uniformes. Para juntar aos problemas da pobreza, a erupção do vulcão Vesúvio, em março de 1944, cobriu de lava uma aldeia próxima e exigiu ainda mais esforços da população.

Mas, por ser nestas situações que a essência de uma cidade e das suas pessoas mais se revela, é inevitável citar uma das mais famosas frases do autor britânico: “eu admirei tanto a cultura e a humanidade dos italianos no ano que lá passei, que me dei conta de que se me dessem a oportunidade de nascer de novo e escolher um país onde o fazer, escolheria Itália”.

Foto via

Foto via

7. “Viajante Solitário”, de Jack Kerouac
Sim, era possível fazer uma lista só com Kerouac (na primeira, incluímos o grande clássico “On the Road”). Autobiográfico, intenso e de tirar o fôlego, como são quase todos os livros do autor, “Viajante Solitário” está dividido em oito textos por diferentes destinos, da França ao México, de Marrocos aos Estados Unidos, com um personagem que atravessa mares, estradas e caminhos de ferro com a mesma inventividade na escrita, que o levou a ser considerado um dos principais autores do Movimento, ou Geração, Beat.

Se ainda precisar de um pretexto pra ler o livro, aqui vai um trecho em forma de conselho: “Poupei cada centavo e então torrei tudo subitamente em uma grande e gloriosa viagem à Europa ou a outro lugar qualquer e me senti leve e feliz também”.

Foto 1 via; Foto 2 via

Foto 1 via; Foto 2 via

8. “Na Patagônia”, de Bruce Chatwin
Bruce Chatwin faz parte do grupo de inquietos que não cede ao receio de deixar uma carreira e uma vida tranquilas em busca de um desconhecido. A descendência de marinheiros pode explicar o espírito aventureiro do autor, mas o que Chatwin nos conta de seus seis meses de viagem por lugares remotos é mais do que isso – são histórias intensas, umas verdadeiras, outras talvez não, que traçam um perfil intrigante e poético das pessoas com que o autor cruzou na Patagônia.

Motivado pela busca das origens de uma relíquia de família há muito guardada na sala da casa da avó, um “pedaço de brontossauro”, Chatwin acabou criando um clássico da literatura de viagens e elevando o seu nome à categoria de imprescindíveis da biblioteca de qualquer viajante.

Retrato do autor via

Retrato do autor via

9. “Recalculando a Rota”, de Alana Trauczynski
Uma odisseia pelas peripécias da vida, em que a autora (e nossa colunista aqui no Nômades Dititais) se coloca perante infinitos dilemas, com um único objetivo: encontrar um propósito na vida. Por entre cinco países, Trauczynski experimentou diversas profissões, em uma busca interior que muitas vezes a obrigou, qual GPS da mente humana, a “recalcular a rota”. A história tem emoção, aventura, tragédia e o combate por um dos valores que melhor define a espécie humana: liberdade.

10. “Nosso homem em Havana”, de Graham Greene
O cenário da Cuba pré-revolução castrista junto com o humor satírico de Greene tornam a leitura deste livro um duplo prazer. Greene foi agente do Serviço Secreto Britânico e, por isso, é capaz de nos dar uma ideia precisa do que é ser espião em uma terra estrangeira. O personagem principal do livro, desesperado por dinheiro que garanta sua sobrevivência, aproveita o clima de desconfiança exagerada para enviar para a Europa informações inventadas por ele (e ganhar mais com isso). De forma quase surreal, algumas dessas mentiras vão se tornando reais, colocando o homem em situações, no mínimo, delicadas.

O clima de Guerra Fria é descrito na perfeição, mas não é de estranhar que os viajantes de plantão foquem os sentidos na paisagem e na vida cubanas, com Havana no papel de destaque. Para isso, depois do livro, vale a pena ver a adaptação ao cinema, onde as imagens que preencherão sua mente podem, também elas, se tornar mais reais.

Foto via

Foto via

Nota final: “Diários de Motocicleta”, de Che Guevara, é mais um exemplo de clássicos livros de viagem que incluímos na lista de filmes, pela excelente adaptação ao cinema e pela interpretação de Gabriel García Bernal na pele de Che, mas que poderia, como mais do que um leitor sugeriu, figurar nesta lista.

Clique aqui para ver a Parte 1 dos livros que dão vontade de arrumar as malas e, simplesmente, ir.

E aí, que outras sugestões, que não estejam nem nesta nem na primeira lista, você daria pra gente? E desta lista, quais livros ainda não leu? Qual o surpreendeu mais? Queremos ler sua opinião nos comentários!

Go to Top