Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged país

Cortella: “Não é só a educação dos filhos que é necessária, mas a dos pais também

0

Para o filósofo Mário Sérgio Cortella, uma das principais referências do país em educação, somos a primeira geração que testemunha mudanças de paradigmas tão velozes. E é natural que os pais se sintam perdidos. Então, afinal, qual o segredo para não ficar ultrapassado na educação dos filhos?

Naíma Saleh, na revista Crescer

“A novidade não é a mudança no mundo, é a velocidade da mudança.” Foi assim que o filósofo Mário Sérgio Cortella, professor há 42 anos, pai e avô, abriu a palestra Novos Tempos, Novos Paradigmas, que aconteceu em São Paulo, no fim de setembro. Diante de uma plateia hipnotizada pelo vozeirão com sotaque sulista e pela naturalidade em tratar temas complexos sem firulas, ele deixou claro que o grande desafio da atualidade é acompanhar as transformações para não ficar para trás. Sim, estamos vivendo um tempo de reviravoltas sem precedentes: na tecnologia, no trabalho, nas relações. Nesse contexto, mudar não é apenas imprescindível, mas inevitável. Principalmente quando se fala em educação. Em entrevista exclusiva à CRESCER, Cortella separa o que é velho do que é antigo, defende que pais podem ser, sim, amigos dos filhos sem perder a autoridade e critica o peso colocado na escola para assumir um papel que é da família. Confira!

Mário Sérgio Cortella (Foto: Marcos Camargo/Editora Globo)

Mário Sérgio Cortella (Foto: Marcos Camargo/Editora Globo)

 

Como essa mudança tão veloz de paradigmas tem afetado a forma como os pais criam os filhos?

Uma parte das famílias acabou perdendo um pouco a referência dada à velocidade das mudanças e à rarefação do tempo de convivência com as crianças. Isso fez com que muitas acabassem terceirizando o contato com os filhos e delegando à escola aquilo que é originalmente de sua responsabilidade. Só que isso perturba a formação das novas gerações. É claro que criar pessoas dá trabalho e exige esforço. Acontece que, no meio de todas essas mudanças, alguns pais e mães ficam desorientados. Por isso, é necessário que eles encontrem apoio, em livros, revistas, grupos de discussão. Não é só a educação dos filhos que é necessária, mas a dos pais também.

Ao mesmo tempo que muitas famílias terceirizam os cuidados, há um movimento de mães e pais largando a carreira para se dedicar exclusivamente aos filhos, não?

Claro. Uma das coisas mais importantes na vida é entender que a palavra prioridade não tem “s”. Não tem plural. Se você disser: “tenho duas prioridades” é porque não tem nenhuma. Então, deve estabelecer qual é a sua prioridade. Sua prioridade é o convívio familiar? Então dê força a isso. É a sustentação econômica? Vá fundo. Só que, ao escolher, não sofra. É evidente que ninguém precisa abandonar a carreira em função da família, mas é necessário buscar o equilíbrio – da mesma forma como se faz para andar de bicicleta: só há equilíbrio em movimento. Se você parar, desaba. Tenha em mente que haverá momentos em que a família é o foco. Em outros, a carreira. Mas lembre-se de que a vida é mais como maratona do que como uma corrida de 100 metros rasos: você não sai disparado feito um louco. Tem horas que vai mais rápido, outras em que desacelera. O segredo é ir dosando.

Você diz que, em um mundo de mudanças, nem tudo o que é antigo é velho. Como saber o que está ultrapassado na criação dos filhos?

No convívio familiar, uma coisa que é antiga, mas não é velha, é o respeito recíproco. Outra é a capacidade de o adulto saber que a criança é “subordinada” a ele, ou seja, que está sob as suas ordens. O pai não pode se tornar refém de alguém que ele orienta e cria. Agora, uma coisa que é velha e que deve ser descartada é o autoritarismo, a agressão física, o modo de ação que acaba produzindo algum tipo de crueldade. Isso é velho e é necessário, sim, mudar. Na relação de convivência em família é preciso modificar aquilo que é arcaico. O que não dá para perder é a honestidade, a afetividade e a gratidão. Tudo isso vem do passado e tem que continuar.

E como os pais podem construir essa autoridade sem autoritarismo?

O pai e a mãe têm que saber que ele ou ela é a autoridade. Ao abrir mão disso, há um custo. Quem se subordina a crianças e jovens, e têm sobre eles alguma responsabilidade, está sendo leviano.

Mas você acha que dá para ser amigo dos filhos?

Claro. O que não pode é ser íntimo no sentido de perder a sua autoridade. Eu tenho amizade com os meus alunos, mas isso não retira a autoridade nem a responsabilidade que eu tenho sobre eles como professor. Há uma frase que precisa ser deixada de lado que diz que “o amor aceita tudo”. Isso é uma tolice. O amor inteligente, o amor responsável é capaz de negar o que deve ser negado. A frase certa é: “Porque eu te amo é que eu não aceito isso de você”. O amor que tudo aceita é leviano, irresponsável.

Atualmente, se joga muita responsabilidade na escola. Qual é o limite entre os deveres dos pais e dos professores na educação das crianças?

É uma coisa estranha: a escola fica quatro ou cinco horas com as crianças, em um dia que tem 24 horas, com 30 alunos juntos. É um estabelecimento que deve ensinar a educação para o trabalho, educação para o trânsito, educação sexual, educação física, artística, religiosa, ecológica e ainda português, matemática, história, geografia e língua estrangeira moderna.

Supor que uma instituição com essa carga de atividade seja capaz de dar conta daquilo que uma mãe ou um pai é que tem que ensinar a um filho ou dois é não entender direito o que está acontecendo. A função da escola é a escolarização: é o ensino, a formação social, a construção de cidadania, a experiência científica e a responsabilidade social. Mas quem faz a educação é a família. A escolarização é apenas uma parte do educar, não é tudo. Já tem personal trainer, personal stylist, agora querem personal father, personal mother. Não dá, é inaceitável.

Por outro lado, os pais interferem demais na escola?

Há uma diferença entre interferir e participar. A escola tem que ser aberta à participação. Quando há uma interferência é sinal de que está mal organizado. O que acontece nas escolas particulares, que são minoria e representam apenas 13% do total, é que muita gente não lida mais com a relação família versus escola como parceria. É mais como se fosse um relacionamento regido pelo Código do Consumidor, como um cliente, como se o ensino fosse o mesmo que a aquisição de um carro. Essa relação é estranha e precisa ser rompida.

A educação de gênero tem gerado repercussão no meio escolar. Como você acha que as escolas devem abordar esse tema?

Uma sociedade que não é capaz de atender à diversidade que a vida coloca é uma sociedade tola. É preciso lembrar que a natureza daquilo que é macho e fêmea está na base biológica, mas o gênero se constrói na convivência social. O macho e a fêmea vêm da biologia. Mas o que define masculino e feminino é aquilo que vai se construindo no dia a dia. Por isso a escola tem que trazer o tema. É claro que não vai incentivar uma discussão que seja precoce para crianças de 8, 9, 10 anos. Mas também não vai fazer com que aquele que é diferente seja entendido como estranho. Aquele que é diferente é apenas diferente, não é estranho. Nessa hora, é tarefa da escola acolher. Se a família não concorda e a escola é privada, mude a criança de escola. Agora, se for uma instituição pública, é um dever constitucional e republicano admitir a diversidade.

Como posso incentivar meu filho a ler, sendo que eu mesmo tenho pouco tempo para a leitura?

0
Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

 

Ricardo Falzetta, em O Globo

Alice segue um coelho apressado e acaba em um mundo de maravilhas. Com um enredo aparentemente singelo, o livro Alice no País das Maravilhas trata das muitas transformações da infância, de raciocínio lógico e de identidade. O premiado clássico de Lewis Carroll não poderia ser obra ilustrativa mais apropriada para o dia 12 de outubro – ao mesmo tempo dia das Crianças e dia nacional da leitura. Por meio do lúdico literário, as crianças podem acessar universos incríveis.

E você sabia que além de portal para a imaginação, a leitura também é um direito? Pois é isso mesmo. Aos pequenos cidadãos brasileiros é garantida uma série de direitos – como à vida e à saúde – e a Educação é um deles. Este, em especial, não significa apenas o acesso à uma escola. Ele também se refere à aprendizagem, e esse ponto talvez não seja ainda muito claro para os pais. Então, vale reforçar aqui: toda criança tem o direito de ter condições adequadas para aprender a ler e escrever até o 3º ano do Ensino Fundamental, como determina o Plano Nacional de Educação (PNE). Na verdade, é muito importante para o o pleno desenvolvimento da criança que a alfabetização seja garantida até, no máximo, os 8 anos de idade.

Se aprender a ler é um direito das crianças, a quem compete o dever de concretizá-lo? Quem pensou no Estado acertou; e quem pensou na família, também! Família e Estado devem juntos garantir o direito à Educação das crianças.

Mas, e se meu filho já está alfabetizado, ele precisa ler mais? Sim e a justificativa é muito simples, embora nem sempre óbvia. O processo de aprendizagem da língua – e também seu aperfeiçoamento – é um caminho para a vida toda. Quanto mais a criança ler, melhor.

A leitura é fonte de saber e suporte para todas as áreas de conhecimento: aprende-se história e geografia lendo, mas também matemática e física, química e artes, educação física e filosofia. Portanto, independente das aptidões de cada criança ou jovem, seja na área de exatas ou a de humanas, a leitura só tem bons efeitos colaterais.

Pensando nisso, falemos de duas realidades que englobam senão todos as famílias brasileiras, uma boa parte delas: muitos pais não têm tempo para ler e muitos pais não têm condições socioeconômicas para adquirir livros – infelizmente, objetos ainda caros para o orçamento da maioria dos brasileiros. E bibliotecas públicas são, infelizmente, privilégio de poucos municípios. Diante disso, como garantir que os filhos leiam mais e melhor?

Antes de mais nada, reforço: é muito importante que as crianças percebam que os pais leem e valorizam esse hábito; por isso, ler para e com as crianças é um gesto ao mesmo tempo simples e poderoso, que estimula o interesse pelo universo da leitura e da escrita. Contudo, nem sempre isso é possível.

Como o trabalho em nossa sociedade demanda cada vez mais tempo dos adultos e as famílias assumem cada vez mais novas configurações – muitas impedindo a presença constante dos pais –, é preciso ser criativo para garantir que as crianças tenham acesso e incentivo à leitura.

Listo abaixo uma série de estratégias para o incentivo da leitura dentro do espaço familiar:

leitura2_final

As dicas acima, de uma maneira ou outra, demandam algum investimento financeiro. Mas engana-se quem acha que apenas pais com dinheiro disponível podem incentivar os filhos a ler. Se o Estado é co-participante do direito à aprendizagem, a escola é o agente que deve auxiliar as famílias na concretização do hábito da leitura. A escola pública deve abrir as portas das bibliotecas escolares para a comunidade, garantindo que viajar na leitura seja uma possibilidade também para as crianças e também para a família.

Se você se interessou por essas ideias, confira e divulgue as dicas abaixo:

leitura1__final

Mãe solteira faz sucesso nas redes com fotos ‘disfarçada’ para ir a evento de pais

0
Ao estilo "Mario Bros", Yevette Vasquez participa com o filho Elijah de evento para pais no Texas (Foto: Yevette Vasquez/Divulgação)

Ao estilo “Mario Bros”, Yevette Vasquez participa com o filho Elijah de evento para pais no Texas (Foto: Yevette Vasquez/Divulgação)

 

Para fazer o filho de 12 anos participar de celebração da escola, mãe usa bigode falso e boné nos EUA, abrindo debate sobre comemorações mais inclusivas.

Publicado no G1

Uma mãe solteira no Texas (EUA) fez sucesso nas redes ao ir disfarçada de “pai” num evento da escola, para impedir que o filho se sentisse excluído.

Ao deixar o filho no colégio, Yevette Vazquez percebeu que havia mais carros que o normal parados no estacionamento. Perguntou à criança por quê. “É o dia de ‘Donuts com o papai'”, respondeu o garoto de 12 anos, referindo-se à tradicional rosquinha usada na escola de Fort Worth para celebrar “laços paternais”.

Yevette, que é mãe solteira, não queria que seu filho ficasse de fora do evento. Voltou para casa com o garoto para que ela pudesse trocar de roupa e mudar a aparência. Tirou a maquiagem, livrou-se dos brincos e prendeu os cabelos.

Antes de deixar filho em evento para pais na escola, Yevette Vasquez voltou para casa para mudar a aparência (Foto: Yevette Vasquez/Divulgação)

Antes de deixar filho em evento para pais na escola, Yevette Vasquez voltou para casa para mudar a aparência (Foto: Yevette Vasquez/Divulgação)

 

Ela vestiu uma camisa xadrez, colocou um boné e um bigode falso, ao estilo “Mario Bros”.

“Eu sei que ver os outros pais com suas crianças não é fácil para meu filho. Mas a vida é assim. Eu tento fazer o possível para colocar um sorriso no rosto dele”, escreveu Vazquez num post, que foi compartilhado mais de 6 mil vezes no Facebook.

O disfarce de Yevette, que tem três filhos, acabou fomentando a discussão sobre o fato de muitas escolas fazerem eventos exclusivos para pais, em vez de atividades mais inclusivas para famílias não tradicionais – crianças como Elijah, filho de Yevette, acabavam passando o “dia do Donuts com os pais” sozinhas na lanchonete ou no ginásio da escola.

"Disfarçada" de pai, mãe vai para a escola com o filho e faz imagem para registrar o momento (Foto: Yevette Vasquez/Divulgação)

“Disfarçada” de pai, mãe vai para a escola com o filho e faz imagem para registrar o momento (Foto: Yevette Vasquez/Divulgação)

 

“Recebi muitos comentários de pessoas que acham que esses dias de donuts com os pais deveriam ser eliminados”, disse Yevette à rede ABC. “Não concordo, porque o pai é parte da vida (das demais crianças), é uma oportunidade de ter esse momento com eles. Mas deve haver o reconhecimento das crianças que não têm um ou dois pais e dar a elas a chance de encontrar o que têm em comum, impedir que elas não se sintam iguais aos demais.”

Ao mesmo tempo, ela se disse feliz de ter conseguido encontrar uma forma bem-humorada de lidar com a situação. “Já havíamos passado por isso várias vezes. Foi a primeira vez que consegui encarar isso de uma forma positiva em vez de me sentir mal.”

Yevette disse que queria também ensinar os filhos “a não precisar arrumar desculpas ou se sentir mal por não ter um pai”.

Com as hashtags #ilovehim #wegettingthemdonuts #noexcuses (“eu amo ele”, “vamos pegar Donuts” e “sem desculpas”), o post dela no Facebook recebeu mais de 18 mil reações de usuários, muitas com elogios de outros pais solteiros que também diziam se desdobrar pela felicidade dos filhos.

Um dos comentários perguntava se Elijah havia ficado envergonhado pela iniciativa da mãe. Yevette respondeu que não. Contou que o filho a ajudou a se disfarçar: borrifou água de colônia masculina na mãe, enquanto ela vestia a camisa xadrez, escondia os cabelos debaixo de um boné e grudava no rosto um bigode falso.

Os pais presentes na festa escolar logo perceberam a brincadeira e aplaudiram, explicou Yevette.

Em seu Facebook, ela disse ter recebido mensagens do mundo inteiro, a maioria delas de apoio. “Um viva para os pais solteiros do mundo. Não é algo fácil, então minhas saudações a todos vocês”.

Letramento, alfabetização e pequenos escritores

0

thinkstockphotos-465090896

Lilian Kuhn, na Revista Crescer

O último trimestre escolar de 2016 está a caminho e, consequentemente, aumentam-se as buscas por avaliação fonoaudiológica para o “filho de 4 ou 5 anos que ainda não escreve”. Muitas vezes, os pais também relatam ter sensação de que a alfabetização tem começado muito cedo e que seu filho talvez não esteja preparado para tal etapa. Será que eles têm razão ou tem havido uma confusão entre letramento e alfabetização?

O conceito de “letramento” vem sendo fortemente adotado pelas escolas, cujas práticas de ensino são voltadas para o “alfabetizar letrando”. O letramento considera a aprendizagem, reflexão e construção dos aspectos sociais da escrita. Nessa perspectiva, a apresentação, o manuseio e a construção de materiais escritos são inseridos no cotidiano da criança desde muito cedo, de maneira lúdica e informal.

As pesquisas em educação mostram, por exemplo, que, quanto maior for o nível de letramento do ambiente em que o aluno está inserido, melhor será a relação dele com a escrita formal. E, portanto, melhor também será seu desempenho no processo de alfabetização. Nas escolas em que o letramento é um dos objetivos, as atividades de leitura e escrita são feitas com todos os alunos e durante todo o ciclo escolar, o que não significa que exigiremos que as crianças saibam ler e escrever mais cedo.

Por outro lado, estar alfabetizado significa ter domínio total da leitura e da escrita, com possibilidade plena de ter os atos mecânicos de ler (decodificação) e escrever (codificação), mas também de interpretar, compreender e criar textos. Para o Programa Alfabetização na Idade Certa do Ministério da Educação (MEC), isso deve acontecer aos 8 anos, com o inicio formal desse processo aos 6, que é quando o aluno ingressa no Ensino Fundamental.

Claro que, como em todos os outros aspectos do desenvolvimento infantil, as variações individuais estão presentes e podemos ver crianças que, aos 5, já leem e escrevem facilmente. Mas, além da definição da faixa etária, temos que nos embasar na presença de aspectos físicos e sociais, que seriam pré-requisitos para a leitura e a escrita: fluência de linguagem oral, pensamentos abstratos, noções de espaço e tempo, estabelecimento de coordenação motora fina, entre outros.

Acreditando que, assim como falar culmina do processo de aquisição da linguagem oral, escrever é produto da construção da linguagem escrita. E mais: algumas atividades e muitos conteúdos podem ser apresentados desde o inicio da Educação Infantil, mesmo que as habilidades primordiais não estejam totalmente desenvolvidas e que os pais precisam ser informados de que o objetivo é de “letrar” e não de alfabetizar.

Desta forma, ao propor como lição de casa a leitura de um livro, a escrita de uma mensagem para a mãe ou a criação de uma lista de compras, não se supõe que o aluno da Educação Infantil o faça sozinho, formalmente ou corretamente, mas que se habitue a um novo código de comunicação e que desperte seu interesse por ele.

Para garantir que chegaremos lá no final do processo de alfabetização com sucesso e sem obstáculos, lembrem-se que:

– Ambiente letrado(r): ter contato social com materiais escritos no dia-a-dia, bem como ver que os adultos ao redor também leem e se interessam pela atividade;

– O fator “motivação” é essencial para qualquer aprendizado ocorrer. Portanto, não brigue com seu filho se ele errar ou disser que não consegue ler/escrever. Incentive-o e ofereça ajuda para que ele continue motivado na viagem ao mundo das letras!

– Perceba se ele está apto a entrar na jornada da alfabetização. Crianças com alterações visuais, auditiva, de linguagem oral ou neurológica podem precisar de adaptações de materiais, maior exposição ao conteúdo e/ou mais tempo para completar o ciclo da alfabetização.

A escola já sinalizou que o filho está com “dificuldade” para ser alfabetizado? Tente entender qual é a queixa da equipe pedagógica, busque avaliações com um fonoaudiólogo para investigar se há algum distúrbio (transtorno) de aprendizagem, mas não aceite (e nem use) rótulos de que o seu filho tem “preguiça de pensar” ou “preguiça de aprender”. Combinado?

Fotos mostram o primeiro e último dia na escola

0

Publicado no Catraca Livre

O primeiro dia no jardim de infância é sem dúvida um dos mais importantes em nossas vidas. Como é o último no ensino médio ou na universidade, que marca o amadurecimento e um novo ciclo.

Com o fim do verão no hemisfério Norte, que o significa o início do ano escolar em alguns países que ficam acima da linha do Equador, o site BoredPanda fez uma seleção de dez fotos que mostram estes dias tão importantes na vida de uma pessoa.

first-day-of-school-vs-last-day-8-57c7e05f334c6__700

first-day-of-school-vs-last-day-2-57c7e05035822__700 first-day-of-school-vs-last-day-3-57c7e052253cd__700 first-day-of-school-vs-last-day-15-57c7e07531cd7__700 first-day-of-school-vs-last-day-16-57c7e0791ee6b__700 first-day-of-school-vs-last-day-19-57c7e084143a2__700 first-day-of-school-vs-last-day-23-57c7e0944d2af__700 first-day-of-school-vs-last-day-24-57c7efa719cd9__700 first-day-of-school-vs-last-day-25-57c7f06e6e5f0__700 first-day-of-school-vs-last-day-26-57c7f0f89897b__700

 

 

 

 

 

 

 

 

Go to Top