Posts tagged papel

Livros devem ficar mais caros no Brasil após aumento no preço do papel

0
Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS

Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS

 

Câmara Brasileira do Livro avalia que impacto será “significativo”

Publicado no Zero Hora

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) manifestou-se contra o aumento de 24% no preço do papel, anunciado pela Suzano Papel e Celulose e seguido pela International Paper. Segundo o órgão, o reajuste “gerará efeito em cascata nocivo na cadeia produtiva, aumentando os preços, desestimulando a leitura e onerando as famílias”. De acordo com reportagem do Valor Econômico, o texto foi enviado por meio de cartas à Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) e à Associação Nacional dos Distribuidores de Papel (Andipa).

Assinado pelo presidente da CBL, Luís Antonio Torelli, o documento pede que as associações dialoguem com seus associados e com os fabricantes de papel “a fim de que seja feita uma revisão desse reajuste, à luz do cenário nacional de desaceleração da economia, visando evitar um desequilíbrio preocupante do mercado neste momento”.

De acordo com a CBL, o aumento gerará impacto no preço dos livros muito acima da inflação e da capacidade de assimilação pelo mercado. Obviamente, as gráficas terão de repassar esse custo ao preço de seus serviços, onerando a impressão dos livros, numa conjuntura totalmente inoportuna, considerando a acentuada retração da economia nacional, diz Torelli.

Tetraplégica lança livro de tese de doutorado feita com ‘piscar de olhos’

0

15157312

Publicado em Folha de S.Paulo

Há 13 anos, a artista Ana Amália Barbosa se comunica com o mundo por meio do olhar. Uma piscada é sim, uma olhada para cima é não.

Com um programa especial de computador, ela defendeu sua tese de doutorado na USP. A pesquisa resultou no livro “Além do Corpo – Uma Experiência em Arte/Educação” (Cortez Editora; 200 págs.; R$ 46), a ser lançado na terça (9).

Ana Amália, 49, desenvolveu a síndrome do “locked in” (retratada no filme “O Escafandro e a Borboleta”) após sofrer um derrame no tronco cerebral. Ficou tetraplégica, muda e disfágica (não consegue mastigar e nem engolir).

O livro relata a experiência educacional desenvolvida pela artista Ana Amália com seis crianças com lesão cerebral. Ela apresenta exercícios feitos em aula, como uma atividade baseada nas performances do artista francês Yves Klein (1928-1962).

De shorts ou fraldas, as crianças tiveram os corpos pintados e, depois, imprimiram movimentos em uma grande superfície de papel.

Outra atividade relatada na obra são desenhos dos contornos dos corpos dos alunos.

Ana Amália conta que o trabalho surgiu de sua experiência, quando o seu médico, Ayres Teixeira, a fez ficar de pé, amarrada a uma cama, diante do espelho para que se visse por inteiro.

“Me deu um clic. Eu tinha que estimular as percepções sensorial, corporal e espacial das crianças. Elas precisam ter domínio do próprio corpo, apesar de ele ser manipulado pelos outros. É o princípio da autonomia”, escreve.

Para a professora Regina Stela Machado, orientadora de Ana, a obra tem “importância incontestável” para a área do ensino, em especial de crianças com necessidades especiais.

“Crianças com paralisia cerebral sofrem não apenas as limitações impostas pela doença. São vítimas de ‘privação cultural’, fruto da ignorância, do despreparo, do descaso e do preconceito que povoam ações educativas.”

Fazer com que a criança se situe socialmente, rompendo qualquer limitação física, é um dos propósitos da autora.

“É muito difícil determinar a amplitude da capacidade de aprender de crianças que nasceram com paralisia cerebral. O sistema escolar tende a rejeitá-las ou abandoná-las na sala de aula”, relata Ana.

Na experiência, Ana alternou atividades simples, como colocar cores no papel, com outras mais complexas, como visitas a espaços culturais. “Queria garantir o mínimo e ousar o máximo.”

Há dois meses, a pressão arterial de Ana está baixa. Mesmo debilitada, ela não falta às aulas do pós-doutorado na Unesp (Universidade Estadual Paulista), que frequenta com ajuda do amigo Moacyr Simplício, espécie de tradutor e “anjo da guarda”.

Pergunto se ela gostou do resultado do livro. “Sim, ficou como eu queria”, responde com os olhos. Algo mais? “Sem o Moa [Moacyr], não teria conseguido.”

Gosta de escrever? Confira os sites que permitem criar livros digitais

0

Existe sites específicos para criar e publicar livros online; veja quais são eles

Fonte: Shutterstock Atualmente, as novas tendências para a leitura são os e-books

Fonte: Shutterstock
Atualmente, as novas tendências para a leitura são os e-books

Publicado por Universia Brasil

Ao longo do tempo, os livros têm se adaptado cada vez mais às novas tecnologias do mundo moderno. Aos poucos, os meios de leitura foram evoluindo, do papel para os tablets e celulares.

Atualmente, as novas tendências para a leitura são os e-books, livros interativos que podem ser uma ótima alternativa tanto para alunos quanto para professores. Além disso, eles possibilitam a economia de papel e dos custos com a impressão.

Para facilitar essas inovações, existem alguns sites que permitem a criação e publicação de e-books online. Confira abaixo uma lista com as principais plataformas que permitem a criação, edição e publicação de livros digitais:

1-ePub Bud
O site foi desenvolvido para a criação de livros infantis para tablets. Por meio dele, o usuário pode disponibilizar a sua produção gratuitamente ou ainda vender a sua criação. Além disso, ele poderá também acessar as criações de outros autores, e acessar um acervo com diversos livros digitais para crianças.

2-Myebook
A ferramenta está disponível em inglês e permite que o usuário crie e edite livros digitais, além de possibilitar a criação de projetos com vídeos, áudios e imagens. Após a conclusão, o livro pode ser disponibilizado no site.

3-Playfic
O site tem uma programação simples, mas possibilita o desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita. O usuário pode criar a sua narrativa e possibilitar que os leitores escolham o fim da história.

4-Livros digitais
O site está disponível em português e pode ser utilizado por alunos e professores. A ferramenta permite que o usuário formate o seu livro, escolha modelos de capas e insira imagens. A obra pode ser convertida em PDF, formato A4 ou ainda ser compartilhada nas redes sociais.

Se você sempre teve vontade de publicar seu próprio livro, e ainda de forma gratuita, não espere mais, a chance é essa!

Artista carioca recria rostos famosos da literatura com máquina de escrever

0
Clarice Lispector pelas mãos – e dedos – de Álvaro Fraca

Clarice Lispector pelas mãos – e dedos – de Álvaro Fraca

Publicado por Glamurama

Os tipos de letra, as cores, a pressão feita da tecla no papel… Tudo isso imprimia personalidade em cada carta ou texto que saíam das antigas máquinas de escrever. Pois o artista carioca Álvaro Franca se apoderou desses detalhes para criar retratos de grandes personalidades da literatura usando teclas, tinta e papel. Álvaro Franca disse que escolheu seus autores favoritos para a série “Typewritten Portraits”, que ainda está em produção e que ele começou quando estudava na Cambridge School of Art, na Inglaterra. O resultado é impressionante. Confira abaixo!

1

Jose Saramago no retrato de Álvaro Franca / Créditos: Divulgação

2

Clarice Lispector no retrato de Álvaro Franca / Créditos: Divulgação

3

Charles Bukowski no retrato de Álvaro Franca / Créditos: Divulgação

4

Jack Kerouac no retrato de Álvaro Franca / Créditos: Divulgação

5

J. D. Salinger no retrato de Álvaro Franca / Créditos: Divulgação

6

Processo de criação do artista Álvaro Franca / Créditos: Divulgação

E veja também o vídeo do processo de criação do artista.

A faceta literária de Woody Allen

0

Bem-sucedido diretor de cinema, Woody Allen usa a literatura para fazer experimentações narrativas.

1

Sofia Alves, no Homo Literatus

Quando falamos em Woody Allen, pensamos imediatamente em obras de arte sequenciais. Seus filmes são verdadeiros clássicos do cinema mundial que enchem cinemas com um público bastante variado, de senhorinhas que avidamente o assistiam nos anos 70 aos jovens do século XXI que procuram um cinema onde bons roteiros e jazz predominem. Há, porém, um lado pouco conhecido do diretor que merece tanto destaque quanto sua filmografia: sua literatura.

Dono de filmes com diálogos ácidos, mas ao mesmo tempo delicados quanto aos sofrimentos da vida, o diretor possui uma grande capacidade de articulação de ideias com fina amarração, como podemos observar em seus roteiros. Tal talento extrapola o cinema e chega até a literatura. Sua escrita, como dita pelo próprio, é apenas um hobby. É algo para se fazer ao anoitecer, quando a exaustão de filmar seus longas bate e há a necessidade de um frescor que somente as palavras no papel podem trazer.

1

A maioria dos livros publicados por Woody Allen é de contos. Nas breves histórias que o cineasta conta, podemos observar o seu famoso senso de humor vívido e ácido que também o notabilizou nas telas grandes – apenas como curiosidade, Allen declarou que Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, está entre seus cinco livros preferidos. O diretor manifestou em diversas entrevistas o seu gosto pela literatura, por lhe permitir experimentar antes de levar novas histórias para o cinema. Segundo o próprio, sua notabilidade como cineasta diminui a permissividade com qualquer inovação estética diretamente em seus enredos. Por isso, a literatura tornou-se grande aliada de suas experimentações.

Há, inclusive, alguns fãs do autor que leram seus livros e conseguiram perceber tais experimentações literárias em seu cinema. Em um de seus livros de contos, chamado Que loucura!, Allen escreveu uma história denominada O caso Kugelmass. A curiosidade encontra-se na similaridade entre a história e o enredo do filme Meia Noite em Paris, lançado muitos anos depois. As histórias contêm algumas diferenças pequenas, mas apresentam as mesmas ideias e conteúdo, evidenciando então o poder que Woody delega à literatura quando se trata de tentar algo novo.

Woody Allen (centro) no set de filmagem de Meia Noite em Paris

Woody Allen (centro) no set de filmagem de Meia Noite em Paris

A fugacidade do cinema de Woody Allen não passa despercebida em sua literatura. Seus livros são recheados de histórias gostosas que permitem que voltemos atrás algumas páginas para saborearmos novamente tal genialidade, coisa que o timing cinematográfico muitas vezes não permite. Seja nas telas, nas páginas ou nas trilhas sonoras, Woody Allen é um gênio das palavras ditas e implícitas.

Go to Top