André Cabette Fábio, na Folha de S.Paulo1426215

Educadores são unânimes em afirmar que um ensino de qualidade está diretamente relacionado à capacitação e ao trabalho do professor.

É o que também indica a comparação dos dados de escolas paulistanas com o desempenho médio dos alunos no Enem em 2012.

Colégios que disseram exigir especialização, mestrado ou doutorado de docentes do ensino médio tiveram, em geral, notas maiores em comparação aos que responderam aceitar apenas a graduação.

Pela legislação brasileira, o professor de ensino médio deve ser formado em licenciatura na área em que dá aula.

O pesquisador Antônio Augusto Gomes Batista, do Cenpec, diz não ver a titulação, por si só, como determinante. “Manter um bom ritmo de aula e capturar o interesse do aluno é mais importante.”

Naercio Menezes, do Insper, recomenda que pais conheçam os professores e descubram se a direção acompanha o desempenho deles.

Luiz Felipe Fuke, coordenador do ensino médio do Agostiniano Mendel, conta que avalia os profissionais pelas notas e impressões dos estudantes. “Se a turma de um professor vai bem e a de outro não, verificamos o que está acontecendo”, diz.

No Móbile, há reuniões individuais com professores toda semana, segundo a diretora pedagógica do ensino médio, Glorinha Martini.

Mauro Aguiar, diretor-presidente do Bandeirantes, afirma que os pais devem buscar colégios que têm um quadro estável, pois isso indica boa estrutura e condições de trabalho.

TAMANHO DAS TURMAS

Além da qualificação do professor, pais devem checar se a proporção de alunos é respeitada. Na educação infantil, o ideal são turmas pequenas, por exemplo (veja quadro nesta página).

Nessa época, “deve haver mais atenção o tempo inteiro”, diz a pedagoga Ingrid Ambrogi, professora do Mackenzie. Segundo ela, o espaço deve permitir que a criança tenha autonomia.

A disposição do mobiliário também indica se a escola segue a proposta que vende. Se o foco é a socialização, carteiras não devem ficar sempre enfileiradas.