Posts tagged Paulo Francis

“Por que escrevo?” – 19 depoimentos que você precisa conhecer

0

1

Mariana Gonçalves, no Homo Literatus

– Por que você escreve?

1No livro Por que escrevo?, organizado por José Domingos de Brito como parte da série “Mistérios da Criação Literária”, a pergunta parece ser feita a todos os mais variados cânones da literatura, da poesia, e do jornalismo – pessoas que, enfim, constroem e desconstroem com palavras. De A a Z, as respostas vão sendo traçadas uma a uma, em um espírito íntimo em meio ao qual o leitor tem, certas vezes, a impressão de ouvir da boca de seu grande ídolo as razões que o levaram a tal árdua profissão . Enquanto Allen Ginsberg diz que escreve porque gosta de cantar quando está só, Gabo diz que escreve para que seus amigos o amem mais. E assim o livro nos mostra, em uma coletânea despretensiosa e sem ornamentos — e com uma rica bibliografia sobre o ofício da escrita —, das respostas mais simples e definitivas às mais reflexivas, abrangentes e complexas possíveis.

Aqui vão algumas delas*:

01. Allen Ginsberg:

“(…) Eu escrevo poesia porque gosto de cantar quando estou só (…) Eu escrevo poesia porque minha cabeça contém uma multidão de pensamentos, 10 mil para ser preciso (…) Eu escrevo poesia porque não há razão, não há porquê. Eu escrevo poesia porque é a melhor forma de dizer tudo que me vem à cabeça no intervalo de um quarto de hora ou de toda uma vida.”

02. Augusto dos Anjos:

“A princípio escrevia simplesmente
Para entreter o espírito… Escrevia
Mais por impulso de idiossincrasia
Do que por uma propulsão consciente.

Entendi, depois disso, que devia,
Como Vulcano, sobre a forja ardente
Da ilha de Lemnos, trabalhar contente,
Durante as 24 horas do dia!

Riam de mim, os monstros zombeteiros.
Trabalharei assim dias inteiros,
Sem ter uma alma só que me idolatre…

Tenha a sorte de Cícero proscrito
Ou morra embora, trágico e maldito,
Como Camões morrendo sobre um catre!”

03. Carlos Drummond de Andrade:

“Posso dizer sem exagero, sem fazer fita, que não sou propriamente um escritor. Sou uma pessoa que gosta de escrever, que conseguiu talvez exprimir algumas de suas inquietações, seus problemas íntimos, que os projetou no papel, fazendo uma espécie de psicanálise dos pobres, sem divã, sem nada. Mesmo porque não havia analista no meu tempo, em Minas.”

04. Clarice Lispector:

“Eu tive desde a infância várias vocações que me chamavam ardentemente. Uma das vocações era escrever. E não sei por que foi essa que segui. Talvez porque para as outras vocações eu precisaria de um longo aprendizado, enquanto que para escrever o aprendizado é a própria vida se vivendo em nós e ao redor de nós. É que não sei estudar. E, para escrever, o único estudo é mesmo escrever. Adestrei-me desde os sete anos de idade para que um dia eu tivesse a língua em meu poder. E, no entanto, cada vez que vou escrever, é como se fosse a primeira vez. Cada livro meu é uma estréia penosa e feliz. Essa capacidade de me renovar toda à medida que o tempo passa é o que eu chamo de viver e escrever.”

05. Fernando Pessoa:

“Eu escrevo para salvar a alma.”

06. Fernando Sabino:

“Tenho a impressão de que se eu soubesse responder a essa pergunta deixaria de ser escritor. Não haveria condição. Não saberia dizer, não. Está além da minha compreensão. Esta pergunta é tão grave como se perguntassem: ‘Por que vive? Por que ama? Por que morre? ’. Talvez eu escreva para atender a essas três presenças que são as únicas que existem na vida de um homem. No verso de Eliot: ‘Birth, copulation and death’; eu diria ‘nascimento, amor e morte’. Não sei por que escrevo. Eu nasci, virei homem e vou morrer.”

07. Gabriel García Márquez:

“Para que meus amigos me amem mais.”

08. George Orwell:

“Meu ponto de partida é sempre um sentimento de proselitismo, uma sensação de injustiça. Quando sento para escrever um livro, não digo a mim mesmo: ‘Vou produzir uma obra de arte’. Escrevo porque existe uma mentira que pretendo expor, um fato para o qual pretendo chamar a atenção, e minha preocupação inicial é atingir um público. Mas não conseguiria escrever um livro, nem um longo artigo para uma revista, se não fosse também uma experiência estética. Quem se dispuser a examinar meu trabalho perceberá que, mesmo quando é uma clara propaganda, contém muito do que um político de tempo integral consideraria irrelevante. Não sou capaz de abandonar por completo a visão de mundo que adquiri na infância, nem quero. Enquanto viver e estiver com saúde, continuarei a ter um forte apego ao estilo da prosa, a amar a superfície da Terra, a sentir prazer com objetos sólidos e fragmentos de informações inúteis. De nada adianta tentar reprimir esse meu lado. O trabalho é conciliar os gostos e os desgostos arraigados com as atividades essencialmente públicas, não individuais, que esta época impõe a todos nós.”

09. Jean-Paul Sartre:

“Porque a criação só pode encontrar seu acabamento na leitura; porque o artista deve confiar a outro a tarefa de concluir o que ele começou; porque somente através da consciência é que ele pode se ter como essencial a sua obra e toda obra literária é um apelo. Escrever é apelar ao leitor para que ele faça passar à existência objetiva o descobrimento que empreendi por meio da linguagem.”

10. João Cabral de Melo Neto:

“Por que escrevo é um negócio complicado… Eu tenho a impressão de que a gente escreve por dois motivos. Ou por excesso de ser — é o tipo do escritor transbordante, como a maioria dos escritores brasileiros; é uma atitude completamente romântica — ou por falta de ser. Eu sinto que me falta alguma coisa. Então, escrever é uma maneira que eu tenho de me completar. Sou como aquele sujeito que não tem perna e usa uma perna de pau, uma muleta. A poesia preenche um vazio existencial. Às vezes, eu escrevo porque quero dizer determinada coisa que eu acho que não foi dita; às vezes, porque me interessa que conheçam meu ponto de vista. Às vezes, escrevo também por prazer.”

11. José Saramago:

“Antes eu dizia: ‘Escrevo porque não quero morrer. ’ Mas agora eu mudei. Escrevo para compreender. O que é um ser humano?”

12. Julio Cortázar:

“(…) O fascínio que uma palavra produzia em mim. Eu gostava de algumas palavras, não gostava de outras, algumas tinham certo desenho, uma certa cor. Uma de minhas lembranças de quando estava doente (fui um menino muito doente, passava longas temporadas de cama com asma e pleurisia, coisas desse tipo) é a de me ver escrevendo palavras com o dedo, contra uma parede. Eu esticava o dedo e escrevia palavras, e via as palavras se formando no ar. Palavras que eram, muitas vezes, fetiches, palavras mágicas. Isso é algo que depois me perseguiu ao longo da vida. Havia certos nomes próprios — e sei lá por quê — que para mim tinham uma carga mágica. Naquela época havia uma atriz espanhola que se chamava Lola Membrives, muito famosa na Argentina. Bom, eu me vejo doente — aos sete anos provavelmente — escrevendo com o dedo no ar Lo-la-Mem-bri-ves, Lo-la-Mem-bri-ves. A palavra ficava desenhada no ar e eu me sentia profundamente identificado com ela. De Lola Membrives, a pessoa, eu não sabia muita coisa, nunca a tinha visto e nunca a vi. Na realidade, eram meus pais que iam ver as peças onde ela trabalhava. E foi nesse mesmo momento que comecei a brincar com as palavras, a desvinculá-las cada vez mais de sua utilidade pragmática e comecei a descobrir os palíndromos, que depois apareceram nos meus livros… Desde muito pequeno, minha relação com as palavras, com a escrita, não se diferencia da minha relação com o mundo em geral. Eu não acho que nasci para aceitar as coisas tal como estão, tal como me são oferecidas.”

13. Manuel Bandeira:

“Na verdade, faço versos porque não sei fazer música… Jamais senti que meu destino fosse a Poesia, sobretudo assim com esse P maiúsculo que pressinto na sua garganta. Creio que se fui poeta em alguns momentos, só o fui por incidente patológico ou passional.”

14. Moacyr Scliar:

“Quando criança, eu era adicto à literatura, não podia ficar sem ler. A minha conexão com a vida acontecia via literatura. Eu lia para aprender a viver, para saber o que fazer. É claro que isso provoca muitas desilusões, muitos choques, porque a vida não é a literatura. Assim, quando comecei a escrever, foi porque lia. Outra razão é que meus pais foram grandes contadores de história. Numa noite quente como essa, as pessoas do meu bairro se reuniam para contar histórias, o que, desde muito cedo se incorporou em mim, passou a ser uma coisa que eu também queria fazer, só que à minha maneira, escrevendo.”

15. Paulo Francis:

“Escrevo romances para me perpetuar, para ter fama, glória, dinheiro, amor, essas coisas comezinhas da vida.”

16. Rachel de Queiroz:

“Acho que para cada escritor há uma razão diferente. No meu caso, num certo sentido, é o desejo interior de dar um testemunho do meu tempo, da minha gente e principalmente de mim mesma: eu existi, eu sou, eu pensei, eu senti, e eu queria que você soubesse. No fundo, é esse o grito do escritor, de todo artista. Creio que o impulso de todo artista é esse. É se fazer ver. Eu existo, olha pra mim, escuta o que eu quero dizer: tenho uma coisa pra te contar. Creio que é por isso que a gente escreve.”

17. Sérgio Milliet:

“Quer saber de uma coisa? Não acredito na predestinação literária. São circunstâncias acidentais que fazem o escritor e é o acaso de um primeiro êxito que o leva a perseverar. Um homem de inteligência média faz qualquer coisa; basta que a vida o exija. Qualquer camarada de algumas letras escreveu versos na mocidade; se não continuou, foi porque outra coisa lhe interessou.”

18. Truman Capote:

“Sou um escritor essencialmente horizontal. Não posso pensar mais do que quando estou encostado, com um cigarro nos lábios e uma xícara de café ao alcance da mão. A xícara de café pode ser trocada por um copo de vodka, não há por que ser maníaco. Não uso máquina de escrever, redijo à mão, com lápis. Trabalho quatro horas por dia durante quatro meses por ano. Sou um estilista: me preocupa mais onde colocar uma vírgula que ganhar o prêmio Nobel.”

19. William Faulkner:

“Para ganhar a vida.”

E você, por que escreve?

***

*Todos os depoimentos a seguir transcritos pertencem à coletânea “Por que escrevo?”, organizada por José Domingos de Brito (editora Novera), com suas respectivas fontes individuais.

40 frases venenosas

0

veneno

Carlos Willian Leite, na revista Bula

Uma seleção de 40 frases célebres de personalidades de díspares perfis, nacionalidades e épocas — venenosas, mal humoradas, engraçadas ou cruéis —, as frases revelam o olhar preciso e ferino de seus autores sobre os temas abordados. A autenticidade de cada frase foi checada para não incorrer nos risco das falsas atribuições em meio a profusão de textos apócrifos e equívocos relativos à autoria. A seleção traz nomes como H. L. Mencken, Ambrose Pierce, Ernest He­mingway, Nelson Ro­drigues, Voltaire, Paulo Francis, Otto Von Bismarck, Woody Allen, Robert Benchley, J. Pierpont Mor­gan, Simone de Beauvoir, além provérbios e frases autorais, que foram emprestadas às personagens e obras por intermédio de seus criadores.

Eis, as 40 frases escolhidas.

— O adultério é a democracia aplicada ao amor.
H. L. Mencken
— Todo homem decente se envergonha do governo sob o qual vive.
H. L. Mencken
— A guerra é a forma de Deus ensinar geografia aos americanos.
Ambrose Pierce
— Se as duas pessoas se amam, não pode haver final feliz.
Ernest Hemingway
— Qualquer idiota consegue ganhar a vida representando. Ora, Shirley Temple já fazia isso aos 4 anos!
Katharine Hepburn
— A cama é a ópera dos pobres.
Provérbio italiano
— Todo canalha é magro.
Nelson Rodrigues
— O casamento é a única aventura ao alcance dos covardes.
Voltaire
— Todos os casamentos são felizes. Tentar viver juntos depois é que causa os problemas.
Shelley Winters
— Os baianos invadiram o Rio para cantar “Ó, que saudades eu tenho da Bahia…. ”Bem, se é por falta de adeus, PT saudações.
Paulo Francis
— O filme é uma merda, mas o diretor é genial.
Paulo Francis
— Ser da classe média é achar Godard o máximo.
Paulo Francis
— Quando ouço falar em ecologia, saco logo meu talão de cheques.
Paulo Francis
— A ignorância é a maior multinacional do mundo.
Paulo Francis
— O balé é o beisebol das bichas.
Oscar Levant
— Todo homem se torna a coisa que mais despreza.
Robert Benchley
— Deus não existe e, se existe, não é muito confiável.
Woody Allen
— O que importa não é o fato, mas a versão.
José Maria Alkmin
— Se você tem de perguntar quanto custa, é porque não pode comprar.
J. P. Morgan
— A velhice é a paródia da vida.
Simone de Beauvoir
— Só há uma coisa mais rara do que uma primeira edição de certos autores: uma segunda edição.
Franklin P. Adams
— As pessoas nunca mentem tanto quanto depois de uma caçada, durante uma guerra ou antes de uma eleição.
Otto Von Bismarck
— A mulher ideal é sempre a dos outros.
Stanislaw Ponte Preta
— Abraço e punhalada a gente só dá em quem está perto.
Otto Lara Resende
— Todas as coisas de que gosto ou são imorais e ilegais ou engordam.
Alexander Woollcott
— De vez em quando um homem inocente é escolhido para a legislatura.
Kin Hubbard
— A filosofia é composta de respostas incompreensíveis para questões insolúveis.
Henry Brooks Adams
— Na política é difícil distinguir os homens capazes, dos homens capazes de tudo.
Henri Béraud
— A maneira mais fácil de ficar livre da tentação é ceder a ela.
Tristan Bernard
— Fez o melhor que podia — é porque não foi bom o bastante.
Arthur Koestler
— Aquele que se casa por dinheiro, tem pelo menos um motivo razoável.
Gabriel Laub
— Um conservador é um homem muito covarde para lutar e muito gordo para correr.
Elbert Hubbard
— O homem se desenvolve, melhora ou corrompe, mas não cria nada.
Antoine Fabre d’Olivet
— Aplique o marxismo em qualquer país e você sempre encontrará um gulag no final.
Bernard-Henri Lévy
— O segredo do sucesso, nos negócios como no amor, é a dissimulação.
René Girard
— Nasce um otário a cada minuto.
P.T Barnum
— O patriotismo é o último refúgio dos canalhas.
Samuel Johnson
— Ao contrário do que se diz, pode-se enganar a muitos durante muito tempo.
James Thurber
— O objetivo do socialismo é elevar o nível de sofrimento.
Norman Mailer
— Perdoar, sim; esquecer, nunca.
John Kennedy

Livro reúne criaturas disformes de Mariza

0

Úrsula Passos, na Folha de S.Paulo

“Para mim a ilustração editorial brasileira se divide em AM/DM, antes e depois de Mariza”, diz Orlando Pedroso na apresentação do livro “…E Depois a Maluca Sou Eu!”, de Mariza Dias Costa.

Organizado pelo ilustrador, o volume reúne ilustrações de Mariza feitas para o “Diário da Corte”, de Paulo Francis, de 1978 a 1990, e para a coluna do psicanalista Contardo Calligaris desde 1999, publicada às quintas na Folha.

“Sempre quis ver tudo reunido, porque você acaba perdendo a noção de conjunto de seu próprio trabalho quando vai publicando e não vai arquivando à vista”, diz Mariza.

Caricatura de Paulo Francis (Reprodução)

Caricatura de Paulo Francis (Reprodução)

Ao final do livro há um depoimento fartamente ilustrado da artista, escrito durante sua primeira internação para redução de danos do uso de drogas, em 2001.

Nascida em 1952 na Guatemala, filha de diplomata, Mariza morou em lugares como Roma, Paris e Bagdá.

Suas ilustrações sempre foram bem além do nanquim. Mariza foi a primeira a fazer uso pouco ortodoxo da máquina de xerox, para reproduzir texturas de objetos, como tecidos e guardanapos.

“Era uma espécie de heroína da Redação”, diz a repórter da Folha Laura Capriglione, que apresenta, no livro, a história da ilustradora.

“A ilustração de imprensa era muito inocente até ela entrar no circuito. Mariza usava técnicas que ninguém pensava em usar”, diz Orlando.

“Hoje, infelizmente, não estão mais tão disponíveis o que eu chamava de tintas de farmácia, como azul de metileno, violeta de genciana, iodo”, lembra Mariza.

Ilustração de Mariza feita para um texto do psicanalista Contardo Calligaris (Reprodução)

Ilustração de Mariza feita para um texto do psicanalista Contardo Calligaris (Reprodução)

Ela faz os desenhos em casa. Como não usa e-mail, passa na Redação para pegar o texto, ou alguém telefona e lê a coluna da semana para ela.

“O Paulo Francis falava de várias coisas e sempre com um ponto de vista peculiar, que causava muita polêmica. Já o Contardo se fixa nas atitudes e comportamentos humanos, que também produz como resultado um mosaico muito variado”, diz Mariza sobre os textos que ilustra.

O colunista diz abrir o jornal com curiosidade para ver como seu texto foi ilustrado. “Ela é a primeira no dia que me revela algo que estava no meu texto e eu não sabia.”

O livro foi parcialmente financiado por amigos da ilustradora. Para bancar o restante, a edição está em pré-venda, no Catarse, site de “crowdfunding” -espécie de vaquinha virtual. Uma mostra com originais da ilustradora será aberta hoje em São Paulo.

LANÇAMENTO E EXPOSIÇÃO
QUANDO hoje, às 20h, abertura e noite de autógrafos; demais dias, sob agendamento; até 15/2/14
ONDE La Mínima Galeria (av. Pedroso de Morais, 822; tel. 0/xx/11/3578-0003)
QUANTO grátis

Go to Top