Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Pb

Um poema em cada árvore (Mobilização Nacional 2013)

1

A poesia orgulhosamente apresenta:

1

Publicado por Instituto Psia

Dia 21 de setembro de 2013 será realizado o Um poema em cada árvore (Mobilização Nacional), quando acontecerá em 70 cidades brasileiras uma edição simultânea do Um poema em cada árvore – iniciativa de incentivo à leitura que utiliza as árvores como suporte de leitura.

No dia em que se comemora o Dia da árvore, uma rede poetas, educadores, agentes culturais e sociais estarão mobilizados em levar a poesia aonde o povo está.
O Um poema em cada árvore é uma iniciativa de incentivo à leitura realizada mensalmente desde agosto de 2010 na cidade de Governador Valadares, Minas Gerais.
Idealizada pelo poeta Marcelo Rocha e realizada pelo Instituto Psia, a iniciativa caracteriza-se por utilizar as árvores como suporte para a leitura, pendurando mensalmente poemas de poetas desconhecidos do grande público nos oitis valadarenses.
Esta foi uma forma encontrada para construir novos espaços de fruição poética, ampliar o acesso da população à poesia e colocar o trabalho de poetas contemporâneos em contato com novos públicos.
O Um poema em cada árvore foi uma das iniciativas finalistas do Prêmio Vivaleitura 2011 e atualmente é um dos projetos finalistas do Prêmio Vivaleitura 2012, premiação executada pela OEI – Organização dos Estados Ibero-Americanos.

CIDADES

ALEXANDRIA – RN
ALMENARA – MG
AQUIDAUANA – MS
AROAZES – PI
BACABAL – MA
BAGÉ – RS
BELO HORIZONTE – MG
BOQUEIRÃO – PB
CAMPINA GRANDE – PB
CAMPO GRANDE – MS
CAMPO NOVO DO PARECIS – MT
CAMPOS DOS GOYATAZES – RJ
CANELA – RS
CAXIAS DO SUL – RS
CERQUILHO – SP
CHAPADA GAÚCHA – MG
CONGONHAS – MG
CRUZ DO ESPÍRITO SANTO – PB
CURITIBA – PR
DIVINÓPOLIS – MG
DOURADOS – MS
ESPLANADA – BA
EUNÁPOLIS – BA
FORTALEZA – CE
FREDERICO WESTPHALEN – RS
GARANHUNS – PE
GARÇA/SP
GOVERNADOR VALADARES
GUARANÉSIA – MG
HERVAL D’ OESTE – SC
IBATEGUARA – AL
ILHÉUS – BA
ITABAIANA – PB
ITABUNA – BA
JARAGUARI -MS
LIVRAMENTO DE NOSSA SENHORA – BA
MAJOR SALES – RN
MANAUS – AM
MARINGÁ – PR
NOVA ANDRADINA – MS
PARANÁ – RN
PELOTAS – RS
PIAÇABUÇU – AL
PIRACICABA – SP
PORTEIRINHA – MG
PORTO ALEGRE – RS
PORTO VELHO – RO
PRATA DO PIAUÍ/- PI
QUELUZ – SP
RIBAS DO RIO PARDO – MS
RIO DE JANEIRO – RJ
RIO DOCE – MG
SALVADOR – BA
SANTA CRUZ DO SUL – RS
SANTA MARIA – RS
SANTO ANDRÉ – SP
SÃO FRANCISCO DE PAULA – RS
SÃO FRANCISCO DO SUL – SC
SÃO JOSÉ DO CALÇADO – ES
SÃO MATEUS -ES
SÃO PEDRO DA ALDEIA – RJ
SOBRADINHO – DF
TEIXEIRA DE FREITAS – BA
UBERABA – MG
UIRAUNA – PB
UNAI – MG
VALENÇA – BA
VILA VELHA – ES
VITÓRIA – ES
XAPURI – AC

1

2

dica do Jarbas Aragão

Apostilas da rede municipal do Rio erram capitais de PE e PB

0
Caderno de matemática da rede municipal do Rio designa Belém como capital de Pernambuco

Caderno de matemática da rede municipal do Rio designa Belém como capital de Pernambuco

Publicado no UOL

Qual a capital de Pernambuco? Belém ou Recife? Para quem tem o mínimo conhecimento da geografia brasileira, a resposta é fácil, afinal de contas a primeira opção se refere à capital do Pará, na região Norte do país. No entanto, o caderno pedagógico de matemática distribuído pela Prefeitura do Rio de Janeiro aos alunos do 5º ano da rede municipal de ensino redesenhou a geografia do Nordeste ao designar Belém como capital de Pernambuco e Manaus, capital da Amazonas, como a principal cidade da Paraíba.

Segundo a SME (Secretaria Municipal de Educação), a confusão na confecção do material didático foi corrigida por um errata encaminhada para todas as escolas da rede. Mas este não é o único erro.

Na apostila de história utilizada no 1º bimestre letivo de 2013 pelos alunos do 7º ano da rede municipal, um texto que explica o fim do Império Romano do Ocidente apresenta outra inverdade. A cidade de Milão aparece como sede do império em vez de Roma.

A SME afirmou que este erro também foi identificado e corrigido nas salas de aula.

A cidade de Milão aparece como sede do Império Romano em vez de Roma

A cidade de Milão aparece como sede do Império Romano em vez de Roma

Erros de geografia no caderno de matemática

De acordo com a SME, os erros, encontrados na página 11 caderno pedagógico de matemática que está sendo utilizado no 2° bimestre letivo de 2013 – de maio a julho -, foram identificados e retificados por um comunicado divulgado no último dia 11.

“A utilização dos cadernos pedagógicos relativos ao 2° bimestre estava prevista para a segunda semana de maio e os mesmos foram distribuídos no início do mês”, informou a secretaria. “Quando erros são identificados, a determinação dada aos professores é para que eles façam as correções tão logo o material começar a ser utilizado”, completou a SME, via nota oficial.

Os cadernos pedagógicos utilizados pelos 56.420 estudantes que cursam o 5º ano na rede municipal foram elaborados pelos professores da SME.

No caso dos cadernos de matemática, as apostilas foram supervisionadas pela professora doutora Sueli Druck, do Instituto de Matemática da UFF (Universidade Federal Fluminense). A reportagem tentou entrar em contato com a docente, por meio da assessoria de comunicação da UFF, mas foi informada de que a professora é aposentada da universidade. Tentamos conseguir o seu contato, mas infelizmente foi em vão”, explicou a assessoria.

Os erros com relação às capitais do Nordeste estão em uma tabela que subsidia quatro questões e apresenta as medidas em quilômetros quadrados das capitais dos nove estados que integram a região. Além de trocar as capitais de Pernambuco e Paraíba pelas capitais de Pará e Amazonas, respectivamente, a relação ainda credita incorretamente a sigla da Paraíba: “PA” em vez de “PB”. A abreviação que está na apostila se refere ao estado do Pará.

Secretaria tirou caderno do site

No site da SME, o caderno de matemática para o 5º ano é o único que não está disponível para consulta. A secretaria explicou que a ausência se deve às retificações feitas, segundo a assessoria, na semana passada, que ainda não foram atualizadas na página.

Segundo Regina Célia Pimenta, diretora da Escola Municipal Alberto Barth, localizada no Flamengo, zona sul do Rio, a errata foi recebida pela escola e repassada aos alunos antes da utilização do material com problemas. A professora disse, no entanto, não ter autorização para mostrar o documento e a apostila.

A reportagem procurou ouvir pais e responsáveis de alunos da escola no fim da tarde desta sexta, mas alguns deles informaram que hoje não é dia de aula de matemática. Outros até reclamaram dos erros, mas não informaram seus nomes.

Reação

Em reação à veiculação dos erros nas apostilas na imprensa, nesta sexta-feira, o Sepe (Sindicato dos Profissionais de Educação) informou, por meio de nota oficial, que vai pedir esclarecimentos à Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro.

“Um caso como esse demostra a falta de autonomia dada aos professores, que não têm liberdade de escolher o material didático mais adequado para exercer seu trabalho pedagógico. Agora, a Secretaria informa que os professores das escolas municipais terão que revisar os erros da apostila, quando existe toda uma equipe técnica, paga pela prefeitura, para a elaboração do material, contando inclusive com quatro revisores”, reclamou o sindicato, que prometeu ainda pedir à SME que informe o valor da confecção do material.

O UOL tentou, sem sucesso, falar com representantes do Sepe no final da tarde desta sexta.

Livro resgata gol de Pelé contra o Santos

0

Rafael Valente, na Folha de S.Paulo

1Dos mais de 1.000 gols registrados por Pelé, um foi contra o Santos. Mas esse curioso tento ficou esquecido por 47 anos e só agora teve sua história resgatada.

O achado foi de Guilherme Nascimento, 51, professor de química da rede pública em Mongaguá (litoral de SP) e pesquisador, que lança amanhã na capital o “Almanaque do Santos FC”, às 19h, na Fnac da avenida Paulista.

Pelé durante entrevista coletiva na Vila Belmiro (Rodrigo Capote-7.jan.11/Folhapress)

Pelé durante entrevista coletiva na Vila Belmiro (Rodrigo Capote-7.jan.11/Folhapress)

A obra reúne dados de mais de 5.000 jogos do Santos. O autor ainda descobriu 20 partidas perdidas e que interferem nas estatísticas do clube, além de curiosidades, como o gol “contra” de Pelé.

O jogo em questão foi em janeiro de 1966 contra a Costa do Marfim, em uma excursão do Santos ao país. O time alvinegro venceu por 4 a 2.

Pelé jogou o primeiro tempo pelo Santos como goleiro. Depois, virou atacante do time rival e fez um gol.

Na época, a Folha relatou que o rei ganhou bicho das duas equipes. Apesar de curioso, o caso estava esquecido.

“Todos sabiam que o Santos tinha feito um jogo na Costa do Marfim naquele ano [ante o Abdjan], mas seria estranho o time viajar para uma única apresentação. Pesquisando, encontrei esse amistoso”, afirma Nascimento.

Para o pesquisador, o achado não deve mudar os números de Pelé na equipe.

“O Santos concordou que foi uma exibição e, portanto, sem valor para as estatísticas oficiais. Mas não saberia dizer se mudará a história do Pelé perante seus biógrafos.”

Se a partida fosse considerada, ela teria efeito na data do gol mil, marcado em 19 de novembro de 1969 contra o Vasco, no Maracanã. O milésimo gol passaria a ser contra o Botafogo-PB, cinco dias antes, numa vitória por 3 a 0.

ARQUEOLOGIA

O trabalho de Nascimento pode ser comparado com o de um arqueólogo dada a dificuldade em reunir dados.

“O período mais difícil é de 1912 a 1926. As informações que o Santos têm não batiam com as da federação e com as dos jornais na época. Tive de estabelecer critérios para me aproximar do real”, explicou.

O pesquisador é torcedor do Santos e não tem nenhum vínculo com a equipe. Mas, ao término da pesquisa, teve seu trabalho reconhecido e oficializado pelo clube.

Pelé ante a marcação adversária durante jogo do Santos (1962/Folhapress)

Pelé ante a marcação adversária durante jogo do Santos (1962/Folhapress)

“Virou um produto licenciado. O Santos ajudou a conseguir uma editoria e assumiu a obra como sua história oficial”, disse Nascimento.

A pesquisa feita por Nascimento tem origem em 1971, estimulada pela curiosidade de torcedor. “Eu queria saber quantos gols o Pelé tinha feito após o milésimo”.

Foram quatro anos pesquisando. Na última década, motivado com os almanaques dos rivais, retomou o trabalho.

Além das 5.000 fichas de jogos, o “Almanaque do Santos FC” ainda apresenta 700 partidas que não fazem parte da estatística oficial.

Go to Top