Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged pedagoga

Pais devem incentivar crianças a lerem desde pequenas, orienta psicopedagoga

0
Foto: Arquivo/ODIA

Foto: Arquivo/ODIA

 

Mesmo na era da informática, o livro continua sendo o principal instrumento para formação das crianças

Publicado no Portal o Dia

O Dia Nacional do Livro, comemorado em 18 de abril, mais que uma homenagem ao escritor Monteiro Lobato, é um momento para incentivar à leitura para o público infanto-juvenil. Mesmo na era da informática, em que é possível ter todas as informações em um único click, o livro continua sendo o principal instrumento para formação das crianças.

Segundo Ursulina Maria Silva, professora e alfabetizadora, o contato e manuseio do livro são importantes para que a criança desenvolva o gosto pela leitura. “O encantar do livro é porque a criança pode sentar em uma roda e ter um contato visual, passando as páginas, vendo as ilustrações, e a criança fica mais encantada”, disse.

Para crianças que ainda não sabem ler, os livros infantis com desenhos proporcionam uma leitura de imagem, fazendo com que a criança possa criar a história com base nas figuras que ela está observando e, a partir daí, estimular sua imaginação. A professora relata também que este processo de criação faz com que a criança aprenda a organizar seu raciocínio e criar sua linguagem.

Já a psicopedagoga Célia Ribeiro explica que as práticas criadas para as crianças são pensadas para que elas consigam desenvolver a leitura e a escrita no final da educação infantil. Ela conta que atividades lúdicas, como a contação de histórias e rodas de leitura, utilizando recursos variados, fazem com que a criança veja na leitura um momento divertido e prazeroso.

“Com isso, ela vai construindo, a partir da percepção enquanto leitor, que esse não é apenas mais um momento de atividade. E também é muito importante a participação dos pais nesse processo de leitura. Não adianta apenas oferecer o livro se a criança não identifica este hábito. Mesmo quando a criança não leia, os pais devem participar desse processo, pois o contato com essas atividades são muito importantes e a rotina da educação infantil contempla bastante atividades”, disse.

Uma ressalva que Célia Ribeiro faz é com relação aos bebês, que desde pequenos já podem fazer o manuseio de livros, com tamanho diferenciados, texturas, cores. Este trabalho, com estímulo do desenvolvimento oral e escrito, terão resultados muito satisfatórios.

“Os pais precisam estimular mais, ler para os filhos, porque se a criança ver os pais fazendo isso, ele seguirá os mesmo caminho. Os pais falam muito que não têm tempo, mas isso não é desculpa para você não introduzir seu filho no mundo literário. Viu a foto de alguém, pergunta quem é, se tem uma frase, diga o autor, para que ele saiba quem disse aquilo”, disse Ursulina Silva.

A professora também enfatiza que, apesar de trabalhoso, os pais devem incentivar que os filhos tenham mais contato com os livros, inclusive presenteando-os com um exemplar, ao invés de roupas ou brinquedos.

“O pai não precisa ler uma história toda, lê apenas algumas páginas, depois pergunta o que ele achou mais interessante, qual personagem ele gostou mais, e sempre fazendo isso de uma forma agradável, mostrando que aquele momento é prazeroso”, finaliza Ursulina Silva.
Fonte: Isabela Lopes – Jornal O DIA

‘As crianças negras são mais punidas do que as brancas’, diz pedagoga

1

racismo-1452260471084_615x300

Marcelle Souza, no UOL

Existe racismo na sala de aula, e ele começa na educação infantil. Isso é o que afirma Ellen de Lima Souza, mestre e doutoranda do Programa de Pós-graduação em Educação da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e diretora do Itesa (Instituto de Tecnologia, Especialização e Aprimoramento Profissional).

Segundo a pedagoga, a escola normalmente é um ambiente inóspito para as crianças negras. Ellen estudou como elas são vistas por professoras de educação infantil e constatou duas visões distintas: o negro que gera nas docentes piedade (uma postura paternalista) ou expectativa (que deve necessariamente assumir uma postura ativista). Para mudar essa realidade, ela propõe que os professores assumam uma postura de protagonismo em sala de aula, de geradores de conhecimento, para trabalhar a autonomia e a independência nas crianças.

UOL Educação – Crianças também podem ser racistas?

Ellen de Lima Souza – Sim, podem. E são. As pessoas não esperam que elas reproduzam atitudes racistas. Depois da família, o primeiro ambiente de socialização é a escola, onde a criança é mais exposta ao racismo.

UOL – De que forma o preconceito se apresenta em sala de aula?

Souza – Quando você tem criança que se recusa a se sentar ao lado de outra negra, que diz que tem nojo de negro, que vê o negro sempre em papéis de subalternidade; quando crianças negras não são selecionadas a participar ou não têm protagonismo em atividades culturais, festas. Isso faz com que as crianças naturalizem a desigualdade e reproduzam ofensas, como quando dizem que o negro é feio, burro, cheira mal e outras coisas bastante pesadas.

UOL – Como os professores costumam tratar o tema na educação infantil?

Souza – Na minha dissertação [de mestrado], fui buscar professoras premiadas pelas práticas que já exerciam, de uma educação para a igualdade, e percebi que elas são atingidas por duas percepções básicas em relação aos negros: um sentimento forte de paternalismo, ela tem pena da criança negra, entende que ela vai necessariamente sofrer o racismo, e tem um sentimento de piedade; a outra percepção é a que gera nas professoras uma expectativa de que a criança negra tem que ser ativista. Por outro lado, existem as professoras que não têm essa consciência de uma educação para a igualdade. Essas acreditam que o Brasil vive uma democracia racial, trata o negro com indiferença e pune a criança negra com muita frequência. Aliás, desde bebês, as crianças negras são mais punidas do que as crianças brancas, recebem apelidos depreciativos e, nas situações de conflito, são as preteridas ou as culpadas.

UOL – Então como o tema deve ser tratado em sala de aula?

Souza – Na dissertação, a primeira coisa que eu proponho é que o professor crie metodologias e didáticas, ele é o protagonista em sala de aula, tem um papel social, é alguém que garante direitos, que deve ver o sujeito como autor e não reprodutor do conhecimento. Depois, eu trabalho com três conceitos básicos, baseados na mitologia iorubá: as perspectivas da ancestralidade, da corporalidade e da oralidade. Esses conceitos ajudam a criança, seja negra ou não negra, a desenvolver sua identidade, suas relações, desenvolver a emoção, física e intelectualmente, das várias formas possíveis. O professor precisa lidar com as crianças para potencializar e valorizar a condição de ser negro, já que a criança aprendeu sempre que é algo ruim. Essas perspectivas fazem com que as crianças sejam cada vez mais independentes, autônomas, aprendam a respeitar, dão a ideia de pertencimento étnico, de que a criança não está sozinha.

UOL – E o que fazer quando os pais não querem que os filhos participem dessas atividades?

Souza – Eu acho que é preciso procurar o Ministério Público, a Justiça. Ensinar história e cultura afro-brasileira é primordial. Se esse pai ou essa mãe não quer o filho estude cultura africana e afro-brasileira, ele deve pagar uma escola confessional. A escola pública é de todos, é da criança negra, da não negra, da boliviana, e se você não quer que o seu filho aprenda esses valores, tira do serviço público. A escola pública brasileira que tem que ser laica. A gente aprendeu os valores cristãos, por que as crianças não podem aprender parte da filosofia africana?

UOL – Quais são os impactos de discutir racismo na educação infantil?

Souza – A criança que tem condição de trabalhar a partir de uma educação igualitária vai além do que está posto, tem novas perspectivas de valores, uma nova cosmologia de mundo. Ela recebe essa gama de informações e fica com pensamento mais abrangente. Indiretamente, faz com que ela saiba lidar com questões de gênero, de orientação sexual, diferenças entre empobrecidos e não empobrecidos. [Discutir o racismo] É uma ampliação da visão de mundo.

Ela é pedagoga e fez Pronatec aos 60 anos: ‘deu um up’ na vida

0

Karina Yamamoto, no UOL

Bernardete Santos, 62, aluna do Pronatec

Bernardete Santos, 62, aluna do Pronatec

“Olha, se você precisar falar comigo de novo, só me encontra de noite em casa”, explicou a pedagoga Bernardete Santos, 62, ao se despedir da reportagem do UOL na última segunda-feira (27). “Só estou em casa [de tarde] porque é feriado no instituto [IFPR, Instituto Federal do Paraná] e estou sem aula.”

Moradora de Curitiba, Bernardete termina no final do ano o curso técnico em massoterapia no IFPR (Instituto Federal do Paraná). Já tem planos de fazer fisioterapia na UFPR (Universidade Federal do Paraná) ou em uma instituição que aceite o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A viúva está com inscrição feita para as duas provas, que acontecem nos próximos finais de semana.

A redescoberta do estudo — e da nova profissão de massagista — veio há pouco mais de dois anos quando fez seu primeiro curso pelo Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego). Bernardete era aposentada na época e já havia concluído um curso superior na sua juventude, o de pedagogia.

Sua neta, com 13 anos na época, havia se mudado para a capital para estudar no IFPR e ela, avó cautelosa, decidiu conhecer a instituição. “Como sou muito de conversar, eu fiquei sabendo dos cursos e vi o de massagista”, conta a aposentada que trabalhava como cuidadora de idosos.

O auxílio para transporte e alimentação, além da gratuidade do curso, possibilitou que ela parasse de trabalhar e se dedicasse aos estudos (e à neta, com quem passou a ir para a escola). “Na minha época não era assim, era caro estudar”, relembra. Ela fez pedagogia em uma faculdade particular, mas sempre trabalhou em escritório. “Não tinha vocação para professora”, diz.

“Fiquei a mais feliz do mundo”, afirma a aluna que nunca teve uma falta. Nos cursos de capacitação — ela fez quatro: massagem, modeladora, shiatsu e drenagem linfática –, os professores começaram a incentivá-la a fazer o técnico. Hesitou no primeiro momento, com medo da concorrência na seleção para o IFPR, mas ela encarou o desafio e passou.
Dilma disse a economista para fazer Pronatec

“Esse Pronatec deu um up nas nossas vidas”, afirma Bernardete, que teve outros colegas com idades próximas a sua. “A gente que tem certa idade vai trabalhar por conta [e os cursos ajudam nessa mudança de atividade].” Segundo ela, o esforço nos estudos se reverteu em clientes e em uma renda melhor.

Na sexta-feira anterior à entrevista, uma resposta da então candidata à Presidência Dilma Rousseff no debate da Rede Globo havia causado polêmica. Uma economista desempregada, de 55 anos, havia questionado Dilma e seu adversário, Aécio Neves, sobre os planos para garantir emprego a pessoas com mais idade.

Dilma sugeriu que a economista procurasse o Pronatec. Foi criticada por isso por internautas e chegou a virar piada na internet.

“Quem não viveu na pobreza não sabe avaliar”, analisa a massagista. “[O curso, essa capacitação] Abre uma oportunidade: quem vai consegue [melhorar de vida].” O curso técnico, na opinião de Bernardete, “ensina” os alunos a trabalhar.

Seus filhos fizeram o ensino médio nessa modalidade e por conta dessa formação tiveram empregos com os quais puderam pagar o ensino superior: “Na época deles não tinha essas facilidades [mais vagas de graduações públicas e gratuitas e cotas sociais nas universidades].” Já suas netas cresceram em outro cenário, conta.
Críticas ao Pronatec

Principal vitrine do governo federal, o Pronatec foi alvo de uma auditoria da CGU (Controladoria-Geral da União) este ano. A conclusão foi de que os gastos com o programa, assim como a contabilização precisa dos beneficiados, está fora de controle. Na visão do governo, essa conclusão é exagerada.

O professor Gaudencio Frigotto, da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), acha que oferecer cursos técnicos rápidos a pessoas que não completaram a educação básica não resolve o problema de falta de mão de obra capacitada no país. Segundo ele, o Pronatec se tornou caça-níquel para instituições privadas.

Em reportagem do UOL de junho deste ano, nem o MEC (Ministério da Educação) nem o MTE (Ministério do Trabalho e do Emprego) souberam informar quantos alunos conseguiram emprego.

Go to Top