Quem for fantasiado, entra de graça; evento também discute a Copa do Mundo, violência e traz apresentações de música e teatro

Publicado por Estadão

Hoje é o dia do cosplay na Bienal do Livro de São Paulo: quem chegar ao Anhembi vestido de seu personagem favorito, não paga entrada – e a fantasia é também tema de um bate papo na Arena Cultural, às 18h, com os escritores Affonso Solano, Carolina Munhóz e Raphael Draccon. O mesmo espaço, mais cedo, às 11h, recebe o escritor Toni Brandão para discutir a interação entre os jovens e a tecnologia.

As outras artes, além da literatura, também têm uma programação destacada nesta quinta-feira. Às 12h, será exibido o filme Uma História de Amor e Fúria (do diretor Luiz Bolognesi). Em seguida, também no Anfiteatro, o rapper Emicida leva sua música aos fãs de literatura. Mais tarde, às 20h, o ator Charles Fricks, da Cia. Atores de Laura, traz de volta a São Paulo o monólogo O Filho Eterno, peça de teatro adaptada do romance de Cristovão Tezza.

Quinta-feira é o dia do cosplay na Bienal do Livro de São Paulo

Quinta-feira é o dia do cosplay na Bienal do Livro de São Paulo

O Anfiteatro ainda recebe o escritor e colunista do Estado Ignácio de Loyola Brandão, ao lado de sua filha, a cantora Rita Gullo, para uma apresentação lítero-musical com histórias e canções.

O Salão de Ideias começa sua programação recebendo Ziraldo, Eva Furnari e Pedro Bandeira para uma conversa sobre primeiras leituras. No fim da tarde, às 18h, estará em discussão a violência no Brasil contemporâneo, com Vladimir Safatle, Jaime Ginzburg e Luiz Eduardo Soares. Para encerrar a programação do espaço, os jornalistas Andrew Jennings, Juca Kfouri e Paulo Vinícius Coelho conversam com o pesquisador Antônio Lassance sobre a Copa do Mundo do Brasil.