Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged pessoas

Musicais de Harry Potter vêm ao Brasil pela primeira vez

0


Harry Potter: musical e exposição tem inspiração no bruxinho
Eduardo Garcia/R7

 

Projeto será apresentado em uma arena móvel para 4 mil pessoas no estacionamento do Shopping Eldorado, em São Paulo, de 8 a 11 de março

Helder Maldonado, no R7

Pela primeira vez o Brasil vai receber o Harry Potter In Concert. O projeto, uma série de musicias baseados nos livros de J. K. Rowling será apresentado em uma arena para 4 mil pessoas no estacionamento do Shopping Eldorado, em São Paulo, de 8 a 11 de março.

O espetáculo, uma parceria entre a produtora 4i, Warner e Film Concert Series, está previsto para ser dividido em oito anos, acompanhado assim a sequência das histórias escritas pela britânica.

O capítulo que será apresentado em 2018 é a Pedra Filosofal, história que introduz os fãs às aulas de bruxaria de Hogwarts. Nesse formato, a música de John Williams ganha mais destaque e uma orquestra acompanha o filme sendo projetado em uma tela de cinema.

Segundo Davi Tiozi, que trouxe o projeto para o Brasil, tudo que envolve o musical é grandioso.

O investimento aplicado na apresentação, estrututura e na exposição Casa dos Bruxos, que fica ao lado da arena móvel, chegou à casa dos R$ 3 milhões.

Também foram contratados 80 músicos para o show. A ideia do produtor foi reunir instrumentistas que tivessem conhecimento das histórias. Por isso, ele não optou por uma orquestra formada.

— É um desafio, já que ninguém havia tocado junto antes. Mas eu queria trabalhar com pessoas conhecessem o livro ou o filme. Só trabalharemos com mão de obra estrangeira na parte técnica e com o maestro.


Harry Potter In Concert: primeira vez no Brasil
Divulgação

Inicialmente, apenas São Paulo deve receber o musical. Mas Davi já negocia com outras cidades para que o Harry Potter In Concert passe a ser um show itinerante.

— Estudamos agora a viabilidade econômica e demanda por algo desse estilo em outras praças. Mas não devemos parar por aqui. Os convites já surgiram e propostas de parceria também.

Casa dos Bruxos

Ao lado do show, os fãs podem desde o fim de janeiro visitar a Casa dos Bruxos. O projeto, que não é uma atração licenciada, tem objetos e ambientes que fazem alusão à bruxaria pop de Harry Potter.

Lá dentro, show de magia, vendas de itens relacionados ao universo do personagem, cosplay de Harry e Hermione e até mesmo corujas vivas fazem parte do roteiro.

Aliás, a escolha por trabalhar com animais de verdade pode não parecer, mas tem relação com o sucesso da franquia em nível mundial nas duas últimas décadas.

Segundo o treinador de animais Wagner Ávila, responsável pelo espaço, com a popularização dos livros e filmes, pessoas no mundo todo tiveram interesse em comprar corujas para domesticar.

No entanto, por não ser nada interativo e ter hábitos selvagens, o animal teve rejeição dos donos e passou a ser abandonado. O trabalho de Wagner é conscientizar o público sobre isso, além de mostrar de perto a beleza de espécies brasileiras.

— As pessoas que compraram corujas não tinham ideia de que são pássaros que se alimentam de roedores e começaram a mudar os hábitos deles por nojo ou medo. O resultado foram diversos problemas de saúde nos animais. Além disso, corujas não interagem como os papagaios. Isso frustrou muitas pessoas que adotaram os bichos apenas pela questão estética. Estou aqui para aletar sobre essa realidade também.

Quem for à exposição, pode sair de lá carcterizado como Harry Potter, inclusive adquirindo varinhas exclusivas produzidas com madeiras tipicamente brasileiras na Escola de Magia e Bruxaria, que foi apelidada carinhosamento de “Hogwarts brasileira”.

A dona do espaço, Vanessa Godoy, explica que a loja surgiu da ideia de adaptar para a cultura nacional as histórias que as crianças viam nos filmes de Hollywood e, assim, introduzir nosso folclore aos jovens.

— É uma fusão de Harry Potter com Brasil, o que gerou produtos únicos e exclusivos.

Harry é herói moderno

Poucos personagens se mantém em alta na cultura pop por tantos anos. Harry Potter é uma dessas excessões. Criado em 1997 pela escritora inglesa J.K. Rowling, o bruxinho há 21 anos continua popular entre o público infantil e mantem a fidelidade entre os adultos que cresceram consumindo filmes, livros, desenhos e produtos licenciados.

Traçada sob uma longa tradição na literatura infantil inglesa — o ambiente dos internatos — as histórias são pautadas em mitologia, lendas e mistério. Traduzido em mais de 60 países. Harry Potter é influenciador de uma série de filmes que se tornaram clássicos do cinema infantil, com diversos recordes batidos em bilheteria ao longo da história e ajudaram a lançar as carreiras de Emma Watson e Daniel Radcliffe.

Davi Tiozzi enxerga Harry como o mais bem-sucedido herói da era moderna. Para ele, o bruxinho pode ser comparado com os maiores personagens da DC e da Marvel no que diz respeito à popularidade e perenidade.

— Nada se igualou a ele nas últimas duas décadas. Temos um caso de sucesso inesperado que agradou completamente pais e filhos e gerou diversos frutos na cultura pop, como jogos, audiobooks e adaptações no teatro. Isso não acontece sempre. E nem sempre que acontece dura tanto.

Por que você deve cercar-se de mais livros do que conseguirá ler em vida

1

Publicado no Awebic

Texto de Jessica Stillman

Uma prateleira (ou um leitor de livros digitais) cheia de livros revela boas coisas sobre a sua mente.

A aprendizagem ao longo da vida ajudará você a ser mais feliz, ganhar mais e até mesmo manter-se saudável, dizem os especialistas.

Mais do que isso, muitos dos empresários mais inteligentes do mundo, de Bill Gates a Elon Musk, insistem que a melhor maneira de ser mais inteligente é lendo. Então, o que você faz?

Você compra livros, muitos livros.

Mas a vida é corrida e intenções são uma coisa, ações são outra. Logo você encontra sua prateleira (ou leitor digital) com títulos que você pretende ler um dia, ou livros que você folheou e depois abandonou.

Seria isso é um desastre para o seu projeto de se tornar uma pessoa mais sábia e inteligente?

Se você nunca lê nenhum livro, então sim. Talvez você queira aprender alguns truques para arrumar um tempo para ler em sua vida agitada e por que vale a pena dedicar algumas horas por semana ao aprendizado.

Mas se é apenas porque o seu ritmo de leitura não acompanha nem de perto seu ritmo de compra de livros, eu tenho boas notícias para você (e para mim, que definitivamente me encaixo nesta categoria): sua biblioteca lotada não é um sinal de fracasso ou ignorância, é um emblema de honra.

Por que você precisa de uma “antibiblioteca”

Este é o argumento que o autor e estatístico Nassim Nicholas Taleb explica em seu bestseller “O Cisne Negro”. O sempre fascinante blog “Brain Pickings” fuçou e destacou esta parte em um post muito legal.

Taleb inicia suas reflexões com uma piada sobre a incrível biblioteca do escritor Umberto Eco, que contém uma quantidade de livros de cair o queixo: 30 mil volumes.

Eco leu mesmo todos esses livros?

É claro que não, mas esse não era o ponto de cercar-se de tanto potencial de conhecimento ainda não realizado. Ao fornecer um lembrete constante de tudo que ele não sabia, a biblioteca de Eco o manteve intelectualmente faminto e continuamente curioso.

Uma coleção de livros que você não leu e que cresce constantemente pode fazer o mesmo por você. Taleb escreve:

“Uma biblioteca particular não é um apêndice estimulante do ego, mas uma ferramenta de pesquisa. Livros lidos são bem menos valiosos que os não lidos.

A biblioteca deve conter o tanto quanto você não sabe sobre seus recursos financeiros, taxas de hipoteca e o atual mercado imobiliário que caiba nela.

Você vai acumular mais conhecimento e mais livros a medida que fica mais velho e o crescente número de livros não lidos nas prateleiras vão olhar para você ameaçadoramente.

Na verdade, quanto mais você sabe, maior é a prateleira de livros não lidos. Vamos chamar essa coleção de livros não lidos de antibiblioteca.”

Uma antibiblioteca é um lembrete poderoso de suas limitações – a vasta quantidade de coisas que você não sabe, sabe pela metade, ou que um dia perceberá que estava errado.

Ao conviver diariamente com esse lembrete, você pode levar a si mesmo em direção ao tipo de humildade intelectual que aprimora as tomadas de decisões e conduz o aprendizado.

“Pessoas não andam por aí com anticurrículos dizendo a você o que elas não estudaram ou vivenciaram (esse é o trabalho dos concorrentes), mas seria legal se elas fizessem isso”, afirma Taleb.

Por quê? Talvez porque um fato psicológico bem conhecido é de que o mais incompetente é quem é mais confiante de suas habilidades e o mais inteligente é quem é cheio de dúvidas (sério, isso é chamado de efeito Dunning-Kruger).

É igualmente bem estabelecido que quanto mais prontamente você admite que não conhece as coisas, mais rápido você aprende.

Então pare de se culpar por comprar muitos livros ou por ter uma lista de livros para ler que você nunca vai terminar nem em três vidas. Na verdade, todos os livros que você não leu são um sinal de sua ignorância.

Mas se você sabe o quanto é ignorante, você está muito a frente da maioria das outras pessoas.

Bill Gates anuncia seu novo livro preferido e recomenda: “todo mundo deve ler”

0

 

Segundo Gates, o novo livro aborda o progresso da humanidade

Publicado no InfoMoney

SÃO PAULO – O bilionário Bill Gates teve, por quase uma década, o livro “Os Anjos Bons da Nossa Natureza”, de Steven Pinker, como o seu preferido. Mas isso mudou. Pelo menos foi o que o fundador da Microsoft anunciou em seu blog Gates Notes na última sexta-feira (26).

Seu novo livro favorito é do mesmo autor, mas se chama “Enlightenment Now” (O Iluminismo do agora, em tradução livre) – que tem lançamento ao público previsto para o fim de fevereiro.

Em seu blog, Gates recomenda que “todo mundo deve ler” a obra de Pinker, psicólogo e linguista canadense. Seu livro “Os Anjos Bons da Nossa Natureza” faz uma análise em 832 páginas sobre a história e o declínio da violência no mundo.

O novo livro aborda o progresso da humanidade. “O novo livro de Pinker se baseia em “Melhores Anjos” e inclui 15 métricas diferentes para medir o progresso humano, incluindo saúde, ciência e conhecimento. Pinker conclui que a vida é muito melhor hoje, apesar de todas as dificuldades, do que era séculos, ou mesmo décadas, atrás”, diz Gates.

O bilionário acredita que a maioria das pessoas vai achar uma leitura rápida e acessível. “Ele consegue compartilhar uma tonelada de informações de uma forma convincente e fácil de digerir”, opina.

Gates compartilhou alguns dos fatos que o autor destaca no livro, incluindo informações curiosas como o tempo médio gasto com lavagem de roupas ao longo dos anos (em 1920 era 11,5 horas por semana, enquanto em 2014 era 1,5 horas). Ele também destacou grandes avanços civis, como a formação da ONU em 1945.

As pessoas pensam que as coisas estão piorando
O livro se tornou especial para Gates porque ele é bastante engajado quando se trata do assunto “progresso humano”. Por mais que as pessoas acreditem que a humanidade vá de mal a pior, o bilionário reforça que essa é uma percepção errada sobre a história.

Em setembro do ano passado, Gates e sua esposa, Melinda, divulgaram um relatório por meio da sua instituição de caridade, a Fundação Bill & Melinda Gates, descrevendo as várias maneiras pelas quais o mundo melhorou ao longo do século passado.

Por mais que o fundador da Microsoft tenha gostado muito do livro, ele pondera e diz que Pinker é “um pouco otimista demais” em alguns pontos do livro. Mas quando se trata de melhorias em larga escala, como por exemplo, nas formas como os seres humanos interagem uns com os outros, com a tecnologia e com o mundo físico, não há dúvida que o livro é “esclarecedor”.

“O mundo está melhorando, mesmo que às vezes não pareça. Estou feliz que tenhamos pensadores brilhantes como Steven Pinker para nos ajudar a ver o quadro geral”, finaliza.

5 livros que você precisa ler em 2018 para pensar fora da caixa

0

Diversificar a leitura é segredo para pensar fora da caixa | Foto: Reprodução

Confira livros que você deve ler para liberar a criatividade e ser mais assertivo em seu desenvolvimento pessoal e profissional

Publicado no Em Tempo

Dizem que somos a média das 5 pessoas com quem passamos mais tempo, seja no sentido negativo ou positivo. Podemos dizer o mesmo dos livros, porque eles têm o poder de transformar. Isso é fato e talvez, você tenha vivido uma experiência desse tipo. O ano de 2018 está começando e que tal escolher 5 grandes livros para agregar valor à sua vida? Isso mesmo, os livros que você deverá ler esse ano para “pensar fora da caixa”.

 O escritor J.G. Brene, autor da trilogia “Johnny Bleas” (Editora Pandorga) selecionou os 5 livros que você precisa ler em 2018 para pensar fora da caixa. Segundo ele, para que isso aconteça, as pessoas precisam de livros instrutivos, de questionamento pessoal, e claro, livros de ficção. 

Brene explica que pensar fora da caixa está relacionado ao modo de pensar das pessoas. “Se lemos apenas livros de estratégias, finanças, empreendedorismo e crescimento pessoal ou de carreira, não conseguimos pensar fora da caixa, já que de certa maneira todos eles te mostram a mesma coisa sob perspectivas diferentes”, diz o escritor.

Ele acrescenta que quando diversificamos nossa leitura, com livros de ficção e de questionamentos, por exemplo, damos espaço para que nossa mente comece a pensar também fora da caixa. “Assim acontecerá conosco o mesmo que aconteceu com os grandes homens de sucesso!”

Veja abaixo a lista e a sinopse de alguns dos livros que o autor indica:


1. Libertando o Poder Criativo


Neste livro, Ken Robinson oferece uma visão sobre o que é criatividade no mundo educacional e dos negócios. Ele argumenta que pessoas e empresas no mundo todo lidam com problemas originados na escola e nas universidades, e que muitas pessoas param de estudar sem ter um conhecimento verdadeiro das suas capacidades criativas. “Libertando o Poder Criativo” tem como objetivo mostrar como e por que a maioria das pessoas perde a criatividade ao longo da vida escolar.

E ao discutir o que pode ser feito para resolver o problema, o livro aborda, entre outras coisas, questões como os problemas encontrados no sistema educacional, o tipo de inteligência necessária para o sucesso acadêmico e profissional e como as pessoas podem resgatar e desenvolver o potencial criativo e inovador.

2. Sete Leis Espirituais do Sucesso

Em “As Sete Leis Espirituais do Sucesso” Deepak Chopra expõe as leis naturais que, de acordo com a milenar sabedoria indiana, regem as relações entre homem e natureza, terra e cosmo, e explica detalhadamente cada um dos princípios que levam à satisfação do espírito e ao sucesso material, mostrando também como aplicá-los no dia a dia para alcançar uma verdadeira revolução interna e uma radical transformação da realidade exterior.

3. Inovação para o Crescimento

As novas e crescentes exigências e os inesperados desafios do mundo atual exigem que se pense de um jeito novo. Assim, a inovação é, hoje, um dos principais fatores que determina a competitividade de setores, países e empresas. Deve-se entender, porém, que inovação não é algo que ocorre apenas em países avançados e em indústrias de alta tecnologia.

O processo inovativo ocorre, principalmente, quando a empresa domina e implementa o design e a produção de bens e serviços que sejam novos para ela, independente do fato de serem novos ou não para seus concorrentes. Nesse contexto, grande parte das empresas reconhece que a inovação é fundamental para alcançar ou sustentar a competitividade em um mercado em acelerada transformação.

4. Uma Pergunta por Dia

Uma pergunta por dia convida você a registrar suas respostas a uma variedade de questões, das mais simples às mais complicadas, como “Para onde você quer fazer sua próxima viagem?” ou “Escreva a primeira linha da sua autobiografia”. Em cada página há espaço para cinco respostas, uma por ano, ao longo de cinco anos. Com o passar do tempo, quando voltar a um dia já anotado, o dono do diário encontrará seus pensamentos anteriores, num exercício divertido e construtivo de recordar e refletir. Depois das primeiras páginas fica impossível parar, e as possibilidades são infinitas: comece agora mesmo, não importa que dia é hoje; responda sozinho, com o melhor amigo ou com um grupo inteiro de amigos; um casal pode registrar junto suas respostas, cada um em seu livro ou num livro só. Respondendo, relendo, guardando para si ou compartilhando, a brincadeira funciona como uma verdadeira cápsula do tempo – termine um ano, inicie outro e redescubra a cada página um novo eu.

5. Trilogia de aventuras 

Órfão de pai e mãe, Johnny Bleas, tem uma vida confortável com seus tios, os Case, em uma fazenda no interior do estado. Até que ao acordar certa manhã e depara-se com a horrível cena de assassinato dentro de sua própria casa, a sincronia da sua vida se desfez e seu mundo começa a girar em meio a inesperadas desventuras. O triste som da morte abre as portas para algo que Johnny nunca poderia imaginar. Com o descuido de um passo em falso, ele é levado a uma nova dimensão, um novo mundo onde gnomos, castelos e piratas são apenas o começo. Um lugar mágico em que os enigmas do seu passado são revelados, onde o oculto que por tanto tempo dormiu, renasce e o assassino é descoberto em uma trama muito maior do que o esperado. Asterium, é o novo mundo, onde cada uma das peças do quebra cabeça se reconstitui, à medida que antigas peças se encaixam, novos mistérios nascem a partir de uma profecia que lhe defronta com o medo e a coragem de encarar um novo destino. 

‘Não use bananas como marcadores de livros’, avisa biblioteca após encontrar casca da fruta em livro devolvido

0

Biblioteca da Universidade de Manchester, no Reino Unido, se surpreendeu ao encontrar casca de banana apodrecida dentro das páginas de livro sobre direito e geopolítica.

Publicado no G1

Tudo começou na terça-feira (9), com um alerta que os funcionários da biblioteca da Universidade de Manchester, no Reino Unido, decidiram publicar na internet. “Por favor não use bananas como marcadores de livros, e definitivamente não devolva seus livros para nós com marcadores de banana velha e mofada ainda dentro deles. Muito obrigada”, escreveram eles, na conta oficial da biblioteca no Twitter (veja abaixo).

A mensagem, porém, logo se espalhou, com milhares de curtidas e compartilhamentos e dezenas de pessoas cobrando imagens da cena inusitada. Surpresos com o interesse, os bibliotecários decidiram pesquisar se as pessoas queriam mesmo ver com os próprios olhos como uma banana poderia ganhar tal função na vida literária.

No dia seguinte, eles publicaram uma bem humorada enquete com a seguinte pergunta: “Você gostaria de ver uma foto do marcador de banana velha e mofada que foi recentemente encontrada em um de nossos livros?”

A curiosidade dos internautas venceu de lavada: mais de 1.500 pessoas votaram, e 90% delas pediram que a imagem fosse tornada pública.

Respeitando o desejo da maioria, na quinta-feira (11) o perfil entregou a imagem que todos esperavam: a casca da banana foi encontrada entre as páginas 80 e 81 de um livro sobre a crise constitucional na Europa, na parte em que o autor trata sobre aspectos econômicos da questão, incluindo a crise financeira internacional. Partes do texto, porém, estão ilegíveis porque a banana, já com cor escura e pontos de mofo, deixou marcas pelas páginas, o que indica que talvez os leitores devam buscar objetos de materiais não-orgânicos se precisarem guardar a página em que interromperam a leitura.

Biblioteca em Manchester, no Reino Unido, publicou no Twitter foto de um dos livros devolvidos ao local, que continha uma casca de banana apodrecida entre as páginas (Foto: Reprodução/Twitter/UoMLibrary)

Go to Top